<!--{{{-->
<link rel='alternate' type='application/rss+xml' title='RSS' href='index.xml' />
<!--}}}-->
Background: #fff
Foreground: #000
PrimaryPale: #8cf
PrimaryLight: #18f
PrimaryMid: #04b
PrimaryDark: #014
SecondaryPale: #ffc
SecondaryLight: #fe8
SecondaryMid: #db4
SecondaryDark: #841
TertiaryPale: #eee
TertiaryLight: #ccc
TertiaryMid: #999
TertiaryDark: #666
Error: #f88
/*{{{*/
body {background:[[ColorPalette::Background]]; color:[[ColorPalette::Foreground]];}

a {color:[[ColorPalette::PrimaryMid]];}
a:hover {background-color:[[ColorPalette::PrimaryMid]]; color:[[ColorPalette::Background]];}
a img {border:0;}

h1,h2,h3,h4,h5,h6 {color:[[ColorPalette::SecondaryDark]]; background:transparent;}
h1 {border-bottom:2px solid [[ColorPalette::TertiaryLight]];}
h2,h3 {border-bottom:1px solid [[ColorPalette::TertiaryLight]];}

.button {color:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; border:1px solid [[ColorPalette::Background]];}
.button:hover {color:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; background:[[ColorPalette::SecondaryLight]]; border-color:[[ColorPalette::SecondaryMid]];}
.button:active {color:[[ColorPalette::Background]]; background:[[ColorPalette::SecondaryMid]]; border:1px solid [[ColorPalette::SecondaryDark]];}

.header {background:[[ColorPalette::PrimaryMid]];}
.headerShadow {color:[[ColorPalette::Foreground]];}
.headerShadow a {font-weight:normal; color:[[ColorPalette::Foreground]];}
.headerForeground {color:[[ColorPalette::Background]];}
.headerForeground a {font-weight:normal; color:[[ColorPalette::PrimaryPale]];}

.tabSelected{color:[[ColorPalette::PrimaryDark]];
	background:[[ColorPalette::TertiaryPale]];
	border-left:1px solid [[ColorPalette::TertiaryLight]];
	border-top:1px solid [[ColorPalette::TertiaryLight]];
	border-right:1px solid [[ColorPalette::TertiaryLight]];
}
.tabUnselected {color:[[ColorPalette::Background]]; background:[[ColorPalette::TertiaryMid]];}
.tabContents {color:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; background:[[ColorPalette::TertiaryPale]]; border:1px solid [[ColorPalette::TertiaryLight]];}
.tabContents .button {border:0;}

#sidebar {}
#sidebarOptions input {border:1px solid [[ColorPalette::PrimaryMid]];}
#sidebarOptions .sliderPanel {background:[[ColorPalette::PrimaryPale]];}
#sidebarOptions .sliderPanel a {border:none;color:[[ColorPalette::PrimaryMid]];}
#sidebarOptions .sliderPanel a:hover {color:[[ColorPalette::Background]]; background:[[ColorPalette::PrimaryMid]];}
#sidebarOptions .sliderPanel a:active {color:[[ColorPalette::PrimaryMid]]; background:[[ColorPalette::Background]];}

.wizard {background:[[ColorPalette::PrimaryPale]]; border:1px solid [[ColorPalette::PrimaryMid]];}
.wizard h1 {color:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; border:none;}
.wizard h2 {color:[[ColorPalette::Foreground]]; border:none;}
.wizardStep {background:[[ColorPalette::Background]]; color:[[ColorPalette::Foreground]];
	border:1px solid [[ColorPalette::PrimaryMid]];}
.wizardStep.wizardStepDone {background:[[ColorPalette::TertiaryLight]];}
.wizardFooter {background:[[ColorPalette::PrimaryPale]];}
.wizardFooter .status {background:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; color:[[ColorPalette::Background]];}
.wizard .button {color:[[ColorPalette::Foreground]]; background:[[ColorPalette::SecondaryLight]]; border: 1px solid;
	border-color:[[ColorPalette::SecondaryPale]] [[ColorPalette::SecondaryDark]] [[ColorPalette::SecondaryDark]] [[ColorPalette::SecondaryPale]];}
.wizard .button:hover {color:[[ColorPalette::Foreground]]; background:[[ColorPalette::Background]];}
.wizard .button:active {color:[[ColorPalette::Background]]; background:[[ColorPalette::Foreground]]; border: 1px solid;
	border-color:[[ColorPalette::PrimaryDark]] [[ColorPalette::PrimaryPale]] [[ColorPalette::PrimaryPale]] [[ColorPalette::PrimaryDark]];}

.wizard .notChanged {background:transparent;}
.wizard .changedLocally {background:#80ff80;}
.wizard .changedServer {background:#8080ff;}
.wizard .changedBoth {background:#ff8080;}
.wizard .notFound {background:#ffff80;}
.wizard .putToServer {background:#ff80ff;}
.wizard .gotFromServer {background:#80ffff;}

#messageArea {border:1px solid [[ColorPalette::SecondaryMid]]; background:[[ColorPalette::SecondaryLight]]; color:[[ColorPalette::Foreground]];}
#messageArea .button {color:[[ColorPalette::PrimaryMid]]; background:[[ColorPalette::SecondaryPale]]; border:none;}

.popupTiddler {background:[[ColorPalette::TertiaryPale]]; border:2px solid [[ColorPalette::TertiaryMid]];}

.popup {background:[[ColorPalette::TertiaryPale]]; color:[[ColorPalette::TertiaryDark]]; border-left:1px solid [[ColorPalette::TertiaryMid]]; border-top:1px solid [[ColorPalette::TertiaryMid]]; border-right:2px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]]; border-bottom:2px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]];}
.popup hr {color:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; background:[[ColorPalette::PrimaryDark]]; border-bottom:1px;}
.popup li.disabled {color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];}
.popup li a, .popup li a:visited {color:[[ColorPalette::Foreground]]; border: none;}
.popup li a:hover {background:[[ColorPalette::SecondaryLight]]; color:[[ColorPalette::Foreground]]; border: none;}
.popup li a:active {background:[[ColorPalette::SecondaryPale]]; color:[[ColorPalette::Foreground]]; border: none;}
.popupHighlight {background:[[ColorPalette::Background]]; color:[[ColorPalette::Foreground]];}
.listBreak div {border-bottom:1px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]];}

.tiddler .defaultCommand {font-weight:bold;}

.shadow .title {color:[[ColorPalette::TertiaryDark]];}

.title {color:[[ColorPalette::SecondaryDark]];}
.subtitle {color:[[ColorPalette::TertiaryDark]];}

.toolbar {color:[[ColorPalette::PrimaryMid]];}
.toolbar a {color:[[ColorPalette::TertiaryLight]];}
.selected .toolbar a {color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];}
.selected .toolbar a:hover {color:[[ColorPalette::Foreground]];}

.tagging, .tagged {border:1px solid [[ColorPalette::TertiaryPale]]; background-color:[[ColorPalette::TertiaryPale]];}
.selected .tagging, .selected .tagged {background-color:[[ColorPalette::TertiaryLight]]; border:1px solid [[ColorPalette::TertiaryMid]];}
.tagging .listTitle, .tagged .listTitle {color:[[ColorPalette::PrimaryDark]];}
.tagging .button, .tagged .button {border:none;}

.footer {color:[[ColorPalette::TertiaryLight]];}
.selected .footer {color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];}

.sparkline {background:[[ColorPalette::PrimaryPale]]; border:0;}
.sparktick {background:[[ColorPalette::PrimaryDark]];}

.error, .errorButton {color:[[ColorPalette::Foreground]]; background:[[ColorPalette::Error]];}
.warning {color:[[ColorPalette::Foreground]]; background:[[ColorPalette::SecondaryPale]];}
.lowlight {background:[[ColorPalette::TertiaryLight]];}

.zoomer {background:none; color:[[ColorPalette::TertiaryMid]]; border:3px solid [[ColorPalette::TertiaryMid]];}

.imageLink, #displayArea .imageLink {background:transparent;}

.annotation {background:[[ColorPalette::SecondaryLight]]; color:[[ColorPalette::Foreground]]; border:2px solid [[ColorPalette::SecondaryMid]];}

.viewer .listTitle {list-style-type:none; margin-left:-2em;}
.viewer .button {border:1px solid [[ColorPalette::SecondaryMid]];}
.viewer blockquote {border-left:3px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]];}

.viewer table, table.twtable {border:2px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]];}
.viewer th, .viewer thead td, .twtable th, .twtable thead td {background:[[ColorPalette::SecondaryMid]]; border:1px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]]; color:[[ColorPalette::Background]];}
.viewer td, .viewer tr, .twtable td, .twtable tr {border:1px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]];}

.viewer pre {border:1px solid [[ColorPalette::SecondaryLight]]; background:[[ColorPalette::SecondaryPale]];}
.viewer code {color:[[ColorPalette::SecondaryDark]];}
.viewer hr {border:0; border-top:dashed 1px [[ColorPalette::TertiaryDark]]; color:[[ColorPalette::TertiaryDark]];}

.highlight, .marked {background:[[ColorPalette::SecondaryLight]];}

.editor input {border:1px solid [[ColorPalette::PrimaryMid]];}
.editor textarea {border:1px solid [[ColorPalette::PrimaryMid]]; width:100%;}
.editorFooter {color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];}
.readOnly {background:[[ColorPalette::TertiaryPale]];}

#backstageArea {background:[[ColorPalette::Foreground]]; color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];}
#backstageArea a {background:[[ColorPalette::Foreground]]; color:[[ColorPalette::Background]]; border:none;}
#backstageArea a:hover {background:[[ColorPalette::SecondaryLight]]; color:[[ColorPalette::Foreground]]; }
#backstageArea a.backstageSelTab {background:[[ColorPalette::Background]]; color:[[ColorPalette::Foreground]];}
#backstageButton a {background:none; color:[[ColorPalette::Background]]; border:none;}
#backstageButton a:hover {background:[[ColorPalette::Foreground]]; color:[[ColorPalette::Background]]; border:none;}
#backstagePanel {background:[[ColorPalette::Background]]; border-color: [[ColorPalette::Background]] [[ColorPalette::TertiaryDark]] [[ColorPalette::TertiaryDark]] [[ColorPalette::TertiaryDark]];}
.backstagePanelFooter .button {border:none; color:[[ColorPalette::Background]];}
.backstagePanelFooter .button:hover {color:[[ColorPalette::Foreground]];}
#backstageCloak {background:[[ColorPalette::Foreground]]; opacity:0.6; filter:'alpha(opacity=60)';}
/*}}}*/
/*{{{*/
* html .tiddler {height:1%;}

body {font-size:.75em; font-family:arial,helvetica; margin:0; padding:0;}

h1,h2,h3,h4,h5,h6 {font-weight:bold; text-decoration:none;}
h1,h2,h3 {padding-bottom:1px; margin-top:1.2em;margin-bottom:0.3em;}
h4,h5,h6 {margin-top:1em;}
h1 {font-size:1.35em;}
h2 {font-size:1.25em;}
h3 {font-size:1.1em;}
h4 {font-size:1em;}
h5 {font-size:.9em;}

hr {height:1px;}

a {text-decoration:none;}

dt {font-weight:bold;}

ol {list-style-type:decimal;}
ol ol {list-style-type:lower-alpha;}
ol ol ol {list-style-type:lower-roman;}
ol ol ol ol {list-style-type:decimal;}
ol ol ol ol ol {list-style-type:lower-alpha;}
ol ol ol ol ol ol {list-style-type:lower-roman;}
ol ol ol ol ol ol ol {list-style-type:decimal;}

.txtOptionInput {width:11em;}

#contentWrapper .chkOptionInput {border:0;}

.externalLink {text-decoration:underline;}

.indent {margin-left:3em;}
.outdent {margin-left:3em; text-indent:-3em;}
code.escaped {white-space:nowrap;}

.tiddlyLinkExisting {font-weight:bold;}
.tiddlyLinkNonExisting {font-style:italic;}

/* the 'a' is required for IE, otherwise it renders the whole tiddler in bold */
a.tiddlyLinkNonExisting.shadow {font-weight:bold;}

#mainMenu .tiddlyLinkExisting,
	#mainMenu .tiddlyLinkNonExisting,
	#sidebarTabs .tiddlyLinkNonExisting {font-weight:normal; font-style:normal;}
#sidebarTabs .tiddlyLinkExisting {font-weight:bold; font-style:normal;}

.header {position:relative;}
.header a:hover {background:transparent;}
.headerShadow {position:relative; padding:4.5em 0 1em 1em; left:-1px; top:-1px;}
.headerForeground {position:absolute; padding:4.5em 0 1em 1em; left:0px; top:0px;}

.siteTitle {font-size:3em;}
.siteSubtitle {font-size:1.2em;}

#mainMenu {position:absolute; left:0; width:10em; text-align:right; line-height:1.6em; padding:1.5em 0.5em 0.5em 0.5em; font-size:1.1em;}

#sidebar {position:absolute; right:3px; width:16em; font-size:.9em;}
#sidebarOptions {padding-top:0.3em;}
#sidebarOptions a {margin:0 0.2em; padding:0.2em 0.3em; display:block;}
#sidebarOptions input {margin:0.4em 0.5em;}
#sidebarOptions .sliderPanel {margin-left:1em; padding:0.5em; font-size:.85em;}
#sidebarOptions .sliderPanel a {font-weight:bold; display:inline; padding:0;}
#sidebarOptions .sliderPanel input {margin:0 0 0.3em 0;}
#sidebarTabs .tabContents {width:15em; overflow:hidden;}

.wizard {padding:0.1em 1em 0 2em;}
.wizard h1 {font-size:2em; font-weight:bold; background:none; padding:0; margin:0.4em 0 0.2em;}
.wizard h2 {font-size:1.2em; font-weight:bold; background:none; padding:0; margin:0.4em 0 0.2em;}
.wizardStep {padding:1em 1em 1em 1em;}
.wizard .button {margin:0.5em 0 0; font-size:1.2em;}
.wizardFooter {padding:0.8em 0.4em 0.8em 0;}
.wizardFooter .status {padding:0 0.4em; margin-left:1em;}
.wizard .button {padding:0.1em 0.2em;}

#messageArea {position:fixed; top:2em; right:0; margin:0.5em; padding:0.5em; z-index:2000; _position:absolute;}
.messageToolbar {display:block; text-align:right; padding:0.2em;}
#messageArea a {text-decoration:underline;}

.tiddlerPopupButton {padding:0.2em;}
.popupTiddler {position: absolute; z-index:300; padding:1em; margin:0;}

.popup {position:absolute; z-index:300; font-size:.9em; padding:0; list-style:none; margin:0;}
.popup .popupMessage {padding:0.4em;}
.popup hr {display:block; height:1px; width:auto; padding:0; margin:0.2em 0;}
.popup li.disabled {padding:0.4em;}
.popup li a {display:block; padding:0.4em; font-weight:normal; cursor:pointer;}
.listBreak {font-size:1px; line-height:1px;}
.listBreak div {margin:2px 0;}

.tabset {padding:1em 0 0 0.5em;}
.tab {margin:0 0 0 0.25em; padding:2px;}
.tabContents {padding:0.5em;}
.tabContents ul, .tabContents ol {margin:0; padding:0;}
.txtMainTab .tabContents li {list-style:none;}
.tabContents li.listLink { margin-left:.75em;}

#contentWrapper {display:block;}
#splashScreen {display:none;}

#displayArea {margin:1em 17em 0 14em;}

.toolbar {text-align:right; font-size:.9em;}

.tiddler {padding:1em 1em 0;}

.missing .viewer,.missing .title {font-style:italic;}

.title {font-size:1.6em; font-weight:bold;}

.missing .subtitle {display:none;}
.subtitle {font-size:1.1em;}

.tiddler .button {padding:0.2em 0.4em;}

.tagging {margin:0.5em 0.5em 0.5em 0; float:left; display:none;}
.isTag .tagging {display:block;}
.tagged {margin:0.5em; float:right;}
.tagging, .tagged {font-size:0.9em; padding:0.25em;}
.tagging ul, .tagged ul {list-style:none; margin:0.25em; padding:0;}
.tagClear {clear:both;}

.footer {font-size:.9em;}
.footer li {display:inline;}

.annotation {padding:0.5em; margin:0.5em;}

* html .viewer pre {width:99%; padding:0 0 1em 0;}
.viewer {line-height:1.4em; padding-top:0.5em;}
.viewer .button {margin:0 0.25em; padding:0 0.25em;}
.viewer blockquote {line-height:1.5em; padding-left:0.8em;margin-left:2.5em;}
.viewer ul, .viewer ol {margin-left:0.5em; padding-left:1.5em;}

.viewer table, table.twtable {border-collapse:collapse; margin:0.8em 1.0em;}
.viewer th, .viewer td, .viewer tr,.viewer caption,.twtable th, .twtable td, .twtable tr,.twtable caption {padding:3px;}
table.listView {font-size:0.85em; margin:0.8em 1.0em;}
table.listView th, table.listView td, table.listView tr {padding:0px 3px 0px 3px;}

.viewer pre {padding:0.5em; margin-left:0.5em; font-size:1.2em; line-height:1.4em; overflow:auto;}
.viewer code {font-size:1.2em; line-height:1.4em;}

.editor {font-size:1.1em;}
.editor input, .editor textarea {display:block; width:100%; font:inherit;}
.editorFooter {padding:0.25em 0; font-size:.9em;}
.editorFooter .button {padding-top:0px; padding-bottom:0px;}

.fieldsetFix {border:0; padding:0; margin:1px 0px;}

.sparkline {line-height:1em;}
.sparktick {outline:0;}

.zoomer {font-size:1.1em; position:absolute; overflow:hidden;}
.zoomer div {padding:1em;}

* html #backstage {width:99%;}
* html #backstageArea {width:99%;}
#backstageArea {display:none; position:relative; overflow: hidden; z-index:150; padding:0.3em 0.5em;}
#backstageToolbar {position:relative;}
#backstageArea a {font-weight:bold; margin-left:0.5em; padding:0.3em 0.5em;}
#backstageButton {display:none; position:absolute; z-index:175; top:0; right:0;}
#backstageButton a {padding:0.1em 0.4em; margin:0.1em;}
#backstage {position:relative; width:100%; z-index:50;}
#backstagePanel {display:none; z-index:100; position:absolute; width:90%; margin-left:3em; padding:1em;}
.backstagePanelFooter {padding-top:0.2em; float:right;}
.backstagePanelFooter a {padding:0.2em 0.4em;}
#backstageCloak {display:none; z-index:20; position:absolute; width:100%; height:100px;}

.whenBackstage {display:none;}
.backstageVisible .whenBackstage {display:block;}
/*}}}*/
/***
StyleSheet for use when a translation requires any css style changes.
This StyleSheet can be used directly by languages such as Chinese, Japanese and Korean which need larger font sizes.
***/
/*{{{*/
body {font-size:0.8em;}
#sidebarOptions {font-size:1.05em;}
#sidebarOptions a {font-style:normal;}
#sidebarOptions .sliderPanel {font-size:0.95em;}
.subtitle {font-size:0.8em;}
.viewer table.listView {font-size:0.95em;}
/*}}}*/
/*{{{*/
@media print {
#mainMenu, #sidebar, #messageArea, .toolbar, #backstageButton, #backstageArea {display: none !important;}
#displayArea {margin: 1em 1em 0em;}
noscript {display:none;} /* Fixes a feature in Firefox 1.5.0.2 where print preview displays the noscript content */
}
/*}}}*/
<!--{{{-->
<div class='header' macro='gradient vert [[ColorPalette::PrimaryLight]] [[ColorPalette::PrimaryMid]]'>
<div class='headerShadow'>
<span class='siteTitle' refresh='content' tiddler='SiteTitle'></span>&nbsp;
<span class='siteSubtitle' refresh='content' tiddler='SiteSubtitle'></span>
</div>
<div class='headerForeground'>
<span class='siteTitle' refresh='content' tiddler='SiteTitle'></span>&nbsp;
<span class='siteSubtitle' refresh='content' tiddler='SiteSubtitle'></span>
</div>
</div>
<div id='mainMenu' refresh='content' tiddler='MainMenu'></div>
<div id='sidebar'>
<div id='sidebarOptions' refresh='content' tiddler='SideBarOptions'></div>
<div id='sidebarTabs' refresh='content' force='true' tiddler='SideBarTabs'></div>
</div>
<div id='displayArea'>
<div id='messageArea'></div>
<div id='tiddlerDisplay'></div>
</div>
<!--}}}-->
<!--{{{-->
<div class='toolbar' macro='toolbar [[ToolbarCommands::ViewToolbar]]'></div>
<div class='title' macro='view title'></div>
<div class='subtitle'><span macro='view modifier link'></span>, <span macro='view modified date'></span> (<span macro='message views.wikified.createdPrompt'></span> <span macro='view created date'></span>)</div>
<div class='tagging' macro='tagging'></div>
<div class='tagged' macro='tags'></div>
<div class='viewer' macro='view text wikified'></div>
<div class='tagClear'></div>
<!--}}}-->
<!--{{{-->
<div class='toolbar' macro='toolbar [[ToolbarCommands::EditToolbar]]'></div>
<div class='title' macro='view title'></div>
<div class='editor' macro='edit title'></div>
<div macro='annotations'></div>
<div class='editor' macro='edit text'></div>
<div class='editor' macro='edit tags'></div><div class='editorFooter'><span macro='message views.editor.tagPrompt'></span><span macro='tagChooser excludeLists'></span></div>
<!--}}}-->
To get started with this blank [[TiddlyWiki]], you'll need to modify the following tiddlers:
* [[SiteTitle]] & [[SiteSubtitle]]: The title and subtitle of the site, as shown above (after saving, they will also appear in the browser title bar)
* [[MainMenu]]: The menu (usually on the left)
* [[DefaultTiddlers]]: Contains the names of the tiddlers that you want to appear when the TiddlyWiki is opened
You'll also need to enter your username for signing your edits: <<option txtUserName>>
These [[InterfaceOptions]] for customising [[TiddlyWiki]] are saved in your browser

Your username for signing your edits. Write it as a [[WikiWord]] (eg [[JoeBloggs]])

<<option txtUserName>>
<<option chkSaveBackups>> [[SaveBackups]]
<<option chkAutoSave>> [[AutoSave]]
<<option chkRegExpSearch>> [[RegExpSearch]]
<<option chkCaseSensitiveSearch>> [[CaseSensitiveSearch]]
<<option chkAnimate>> [[EnableAnimations]]

----
Also see [[AdvancedOptions]]
<<importTiddlers>>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[As fotografias contam histórias|./wikiImages/nido.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''As fotografias contam histórias'', Nida, Lituânia, Setembro 2010^^//}}}
Como se costuma dizer as histórias são como as cerejas, atrás de uma vem outra. A história que contei, passada na Costa Rica, lembrou-me esta fotografia, guardada na arca de possíveis //tiddlers//. Fiz esta imagem em Setembro de 2010, quando passeava junto ao mar, até às grandiosas dunas de Nida, na Lituânia. Nida é um pequeno povoado situado numa estreita língua de areia que atravessa o Báltico, de Klaipeda na Lituânia até Kalingrado na Rússia. Foi terra de Thomas Mann. O escritor teve em Nida uma casa de verão e aí, onde existe actualmente um museu com o seu nome, terá escrito alguns dos seus livros mais famosos. 

Caminhava com a câmara pronta, quando fui surpreendido por uma cena de modelo que fotografei. Houve de imediato uma reacção violenta por parte do fotógrafo e de outros elementos da equipa, afirmando que não podia fotografar, pois eles estavam a trabalhar. Perguntei se estava enganado e se aquele lugar não era público? Porque sendo um lugar público, não me parecia que alguém me pudesse proibir de fotografar. Outra coisa seria eventualmente publicar fotografias que pudessem de alguma forma ser inconvenientes para alguns dos fotografados. Mas os protestos continuaram. Acalmei-os, finalmente, afirmando que apesar de estar convicto de que podia fotografar, por princípio não fotografava quem não o queria ser e não fiz mais nenhuma fotografia. Se publico agora esta imagem única desta cena é porque por um lado ninguém é nela reconhecível - o modelo só se vislumbra por uma pequena mancha de corpo iluminado pelos reflectores, por trás da assistente loura de negro - e porque por outro lado me parece que esta história e esta imagem podem suscitar um conjunto de questões complexas sobre o direito a fotografar, em contraponto ao direito à privacidade. Tenho lido diversas opiniões de pessoas que defendem que as restrições a publicar imagens nalguns países são tão exigentes, que tornariam quase impossível publicar qualquer fotografia onde haja gente visível, se as quiséssemos respeitar inteiramente. Quais os limites razoáveis, afinal?

Tenho por isso imensa pena de nas três vezes que conversei com Martin Parr, precisamente na Lituânia, não lhe ter perguntado - apesar de a pergunta me ter ocorrido, pois depois a ocasião propícia não aconteceu - como consegue ele publicar retratos de tanta gente, em revistas, jornais e livros com tanta visibilidade, para mais retratos que muitas vezes teríamos tendência a considerar como caricaturas grosseiras e que ridicularizam os protagonistas.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[BES Revelação 2010 e eu|./wikiImages/revelacao2010.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''BES Revelação 2010 e eu'', nos projectos de Mónica Baptista e de Miguel Ferrão, Serralves, Janeiro 2011^^//}}}
Tal como aconteceu em anos anteriores, regressei a Serralves para mergulhar na exposição dos quatro artistas seleccionados no prémio BES Revelação e, tal como aconteceu em anos anteriores, utilizo este espaço vazio, nesta minha espécie de blog, para dizer alguma coisa acerca do que vi. 

O trabalho de Carlos Azeredo Mesquita é interessante e bem realizado, na ligação que estabelece entre as ideias de série e de imagem panorâmica, a partir de um conjunto de fotografias que fez na Hungria, onde é visível ainda o peso imagético do socialismo (ir)real dos países de leste. O projecto de Mónica Baptista, ao montar imagens fotográficas pessoais de arquivo em filme, constrói um objecto fílmico com uma aura de objecto quase artesanal e que, apesar de correr o risco de ser interpretado como uma multiplicidade de ideias e de rascunhos a desenvolver no futuro, acaba por resultar numa curta-metragem intimista e poética. Não sei sinceramente o que dizer dos outros 2 projectos. No caso de Miguel Ferrão, esta perplexidade poderá resultar do facto de a projecção de imagens, que integrava o projecto, não estar a funcionar, quando estive em Serralves. Acredito que por isso a peça estava porventura amputada de uma parte fundamental. No caso de Eduardo Guerra confesso que nem sequer compreendo como pôde ser aceite, quando o regulamento diz explicitamente "projecto/trabalho ''em fotografia'', impressão digital, slide 35mm ou diapositivo". O texto do regulamento do prémio parece-me mal redigido, pois acredito que a impressão fotográfica não tem de ser digital e também que o suporte final pode ser qualquer outro, para além dos 3 mencionados, aliás confusos - slide 35mm ou diapositivo? - como acontece afinal com o trabalho da Mónica Baptista que usa uma montagem de fotografias em filme de 35mm, mas a redacção confusa do regulamento não é o que me interessa aqui. O que importa é que, de acordo com o regulamento, as propostas têm de ser trabalhos em ''FOTOGRAFIA''. Ora a proposta de Eduardo Guerra consiste num biombo em madeira e num texto em áudio - lido em inglês - que, de acordo com o que li, conterá extractos da Teoria das Cores de Goethe - confesso que a qualidade sonora não era suficiente para eu conseguir seguir o texto. Poder-se-á argumentar, e é verdade, que tudo isto não é nada que um bom texto de um bom //curator// não consiga ultrapassar. Por exemplo: "A fotografia está lá por lá não estar e é revelada ao ser evocada na luz do texto de Goethe, lido através do altifalante negro, colocado escondido na esquina do biombo pintado de branco, que simboliza a fixação da voz humana nas esquinas da história, materializada pelo processo fotográfico a preto e branco, que possibilitou o registo da imagem, como uma escrita na linha do tempo". Não sei se gostaram. Ou será que há alguma coisa mais no projecto que me passou?
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[IMPORTADO|./wikiImages/importado.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''IMPORTADO'', S.José, Costa Rica, Dezembro 2010^^//}}}
Uma das características mais preocupantes, quanto a mim, na arte - e em particular na fotografia - com que nos confrontam nos dias que correm, em muitos eventos artísticos de topo, é a manifesta falta de originalidade de quase todos os autores e a completa ausência, na maioria dos projectos, de verdadeira contemporaneidade, no sentido que é dado a esta palavra por Georgio Agamben - [[Ver entrada nesta espécie de blog de Nov 2011|2010-11 - De novo o Contemporâneo]]. Claro que existem muitos autores originais, autores com visão própria, e também em Portugal, mas esses persistem, se não na obscuridade, em circuitos menos visíveis e menos prestigiados, às vezes quase marginais, enquanto aqueles que realiza(ra)m a fotografia valorizada pelos mercados, ou simplesmente a clonam, nos são mostrados todos os dias como ícones indiscutíveis. Visitamos tantas vezes galerias, museus, bienais, para vermos os mesmos nomes, autores que já vimos há um mês, há um ano, há dois anos, ou então outros que hoje clonam os que tínhamos visto há um mês, há um ano ou há dois anos, ou outros que clonam processos que, pretendendo ser de ruptura, nada rompem, antes repetem fórmulas que perderam a acuidade. E apercebemo-nos mesmo, nalguns casos, de que alguns desses autores aceitaram abdicar da voz própria que tiveram no passado, para debutarem nos salões. Há excepções? Claro que há, mas esta linha de força, assente na clonagem, na pretensa ruptura de um falso contemporâneo, imposta muitas vezes por gente muito afastada da fotografia, é um espartilho que, como um colete de forças, cinge a fotografia em Portugal e no mundo. E o que é verdadeiramente preocupante é que tudo isto acontece à frente dos nossos olhos e não vemos uma polémica acesa, que seria natural que acontecesse. Talvez a melhor forma de compreender este drama seja contar uma pequena história ''verídica'', que um dos antigos responsáveis do Foto España me relatou. Na década de 80 a direcção do evento marcou uma entrevista com uma senhora que era responsável pela politica artística da empresa Telefónica. Nesse reunião, essa senhora afirmou peremptoriamente que a Telefónica não estava interessada em apoiar o Foto España, pois a fotografia era uma área sem interesse para a Fundação. E a reunião acabou. Alguns anos depois, poucos, com a notoriedade e a importância que a fotografia adquiriu, nos eventos e nos mercados de arte, foi essa senhora que coordenou as primeiras compras de fotografias da Fundación Tefefónica e, claro, comprou uns Thomas Ruff por muitos milhões de pesetas. Lembram-se da peseta?

Esta realidade perigosa, porque castradora, pode ser explicada em parte como um resultado inevitável da globalização cultural: há hoje um mundo global cultural ''IMPORTADO''. O contemporâneo é ''IMPORTADO''. Encontramos em toda a Europa, nos EUA, na América do Sul, ou no Oriente fotógrafos que parecem fotografar exactamente da mesma maneira. Repararam como em pouco tempo deixamos de ter coordenadores de exposições, para passarmos a ter comissários, depois curadores e hoje //curators//? Mas esta realidade é sobretudo o resultado de uma subserviência dos artistas e fotógrafos, que muitas vezes quase prescindiram de ter voz própria.

__Pequena nota explicativa:__

Este //tiddler// resultou de um desafio que recebi do fotógrafo Júlio de Matos. Enviou-me um email dizendo:
!
{{indent{//^^Há algum tempo fui convidado pelo IPF - Instituto Português de Fotografia, para organizar um ciclo de conferencias. Escolhi como tema central " Paradigmas da Fotografia Contemporânea" Este ciclo arrancará já no dia 25 em Lisboa e 26 no Porto, com uma conferência a que chamei " Reflexões sobre o Paradigma da Fotografia Contemporânea", e entretanto estou a tentar coligir alguma informação em primeira mão e pensei em enviar-te uma ou duas questões de ultima hora.

Em teu entender o que mais se alterou na tua actividade artística enquanto fotógrafo, nestes últimos anos?

Na tua avaliação quais serão os paradigmas emergentes da fotografia contemporânea?

Ficava-te muito grato mesmo por uma resposta ''muito curta''...^^//}}}
!
Comecei por protestar, dizendo que para responder ao seu desafio necessitava, se não de várias conferências, pelo menos de muitos //tiddlers// nesta minha espécie de blog - ver alguns dos //tiddlers// que aqui tenho dedicado a este tema - pois o problema é complexo e envolve muitos e variados aspectos. Como ele insistisse e até me elogiasse para me convencer, "Pelo menos tenta. Tenho reparado na tua escrita que és capaz de muita capacidade de síntese, indo ao essencial sem te perderes em detalhes", não resisti. Pretendo então neste pequeno //tiddler//, inspirado pelo IMPORTADO da imagem, focar apenas um dos grandes problemas (o maior? não tenho a certeza), com que, na minha óptica, se confrontam aquilo a que se convencionou chamar fotografia e arte contemporâneas, com a dose de provocação quanto baste, para eventualmente suscitar a tal discussão e a tal polémica, que são coisas que hoje fazem muita falta!
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Outra imagem do Oeste para Robert Adams|./wikiImages/west2.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Outra imagem do Oeste para Robert Adams'', Figueira da Foz, Junho 2010^^//}}}
Tal como prometi, volto ao livrinho "Why people photograph" de Robert Adams. Ele inclui nesse livro um pequeno ensaio chamado "Writing", que [[podem encontrar aqui,|http://thinkingaboutart.blogs.com/art/2008/02/writing-by-robe.html]] em que parece menosprezar a importância da escrita e da palavra na fotografia. Começa logo por afirmar

{{indent{//Art is by nature self-explanatory. //}}}
E mais adiante

{{indent{//Years ago when I began to enjoy photographs I was struck by the fact that I did not have to read photographers’ statements in order to love the pictures...Photographers seemed so strikingly unable to write at length about what they had made, in face, that I came to wonder if there was any exception at all, a single case where an artist’s writing did not end up making a picture smaller, less complex, less resonant, less worthy of comparison with life. 
Part of the reason that these attempts at explanation fail, I think, is that photographers, like all artists, choose their medium because it allows them the most fully truthful expression of their vision.//}}}
E ainda mais à frente

{{indent{//The main reason that artists don’t willingly describe or explain what they produce is, however, that the minute they do so they’ve admitted failure. Words are proof that the vision they had is not, in the opinion of some at least, fully there in the picture. Characterizing in words what they thought they’d shown is an acknowledgement that the photograph is unclear – that it is not art. Of course if you believe in the merit of your work you reject the accusation of failure that is implied by a request to explain it. In this respect all artists are elitists. They are convinced that some viewers lack patience to see what is clear.//}}}

Eu tenho aqui muitas vezes defendido a importância de os fotógrafos serem capazes de apresentar os seus trabalhos, de defender as suas opções e de lutar pelas suas convicções sobre fotografia, em vez de, como fazem alguns, murmurarem pelos cantos em surdina contra tudo e contra todos. O que dizer portanto das afirmações de Robert Adams, que aliás parecem corresponder em larga medida à opinião dominante junto de muitos fotógrafos e artistas? "Uma imagem vale por mil palavras", diz-se a cada passo, esquecendo que se poderia contrapor que uma palavra vale milhares de imagens: bastará pensar na palavra "morte" ou na palavra "amor". Posso começar por dizer que poderemos porventura compreender as palavras de Robert Adams, se as contextualizarmos com muito cuidado e se tivermos em conta que a democraticidade do processo fotográfico - hoje teríamos de falar de massificação - faz com que haja uma propensão quase cretina para pedir ao fotógrafo uma "explicação", que muitas vezes se quer centrada na técnica utilizada em cada imagem.  Parece-me no entanto que hoje este ensaio pode ser perigoso, pois pode ser facilmente  interpretado como "os fotógrafos, e no caso geral os artistas, não devem escrever sobre o seu trabalho, nem sobre o trabalho dos outros, não devem teorizar, pois isso é da responsabilidade de especialistas na matéria, os teóricos". Quando defendo a importância da escrita isso não deve ser entendido, como é óbvio, como o fotógrafo dever "explicar" cada imagem, mas sim ser capaz de apresentar e de justificar o conceito, a ideia, por detrás do seu trabalho, se esse conceito ou essa ideia existirem. E ser também capaz de falar sobre o trabalho de outros fotógrafos e sobre propostas/projectos na área da fotografia. E isto é hoje ainda mais importante porque no contexto da chamada arte e fotografia contemporâneas existe um esvaziamento do poder dos artistas e assistimos, muitas vezes estupefactos, a situações em que as obras valem não pelo que são, pela tal visão que apresentam, mas pelo que se escreve acerca delas. E o que se escreve! Neste contexto desfavorável, se os artistas pretendem salvar a genuinidade das obras e dos projectos, terão de ser eles a lançar-lhes a bóia e a discutir tudo aquilo que lhes parece ter de ser discutido. Sem medo da polémica, que hoje surpreendentemente não existe, para além dos tais murmúrios surdos nos bastidores.

Como nota final não deixa de ser curioso ler este ensaio escrito por Robert Adams, quando para além do "Why people photograph", onde aborda todo o tipo de questões e fala sobre o seu trabalho e o trabalho de muitos fotógrafos conhecidos, ele publicou pelo menos mais 2 livros de ensaios sobre fotografia que eu conheço. 

Como nota mesmo final - pois este //tiddler// já vai demasiado longo - depois de ler o ensaio, procurei nas minhas prateleiras o livro "West from Columbia" de Robert Adams, reabri-o e folheei-o, curioso. Comprei-o há uns anos num saldo numa livraria de fotografia de Frankfurt, perto da Catedral, que recomendo. Fui surpreendido de imediato por um pequeno texto não assinado - mas que tudo indica ter sido escrito por Adams - que serve de prefácio ao livro, onde o autor apresenta o conceito, como o só o autor o poderia fazer. E o livro termina com um belo poema de T.S. Elliot, que ilustra tão bem a ideia daquele projecto e que, mais uma vez, tenho a certeza de ter sido escolhido por Adams.

{{indent{//^^We shall not cease from exploration
And the end of all our exploring
Will be to arrive where we started
And know the place for the first time.
Through the unknown, unremembered gate
When the last of earth left to discover
Is that which was the beginning;
At the source of the longest river
The voice of the hidden waterfall
And the children in the apple-tree
Not known, because not looked for
But heard, half-heard, in the stillness
Between two waves of the sea.

T.S. Elliot^^//}}}
E que dizer do facto de Adams ter tido inclusive o cuidado de inserir no livro um anexo com a localização e com pequenas notas pessoais de cada imagem? (Afinal esta é que é a nota mesmo final...)

<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Quem espeta os sinais na nossa vida?|./wikiImages/sinais.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Quem espeta os sinais na nossa vida?'', Mirandela, 2005^^//}}}
{{indent{{{indent{^^Dão-nos um mercado imaginário
que espeta sinais na nossa vida
mais um relógio e um calendário
sem futuro e sem saída^^
}}}}}}

^^inspirado no poema magnífico de Natália Correia e na canção sublime de José Mário Branco ''Queixa das almas jovens censuradas''^^
{{indent{{{indent{^^
...
Dão-nos um nome e um jornal,
Um avião e um violino.
Mas não nos dão o animal
Que espeta os cornos no destino.
...^^}}}}}}
{{indent{{{indent{^^//in ''Queixa das almas jovens censuradas'' de Natália Correia//^^}}}}}}
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Uma imagem do Oeste para Robert Adams|./wikiImages/west.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Uma imagem do Oeste para Robert Adams'', Hiddensee, Alemanha, Julho 2008^^//}}}
Quando procurava outra coisa na internet - já não me recordo o quê -  fui confrontado com um pequeno livro de Robert Adams. Robert Adams é um fotógrafo americano com um trajecto importante na fotografia contemporânea: tem vários livros dedicados à paisagem do Oeste do EUA. Poderá porventura ser enquadrado numa corrente que por vezes é designada por //New Topographics//. Não pertencendo à lista curta - //shortlist// - dos meus fotógrafos de eleição, é no entanto um fotógrafo de que gosto e de que já possuía dois livros. Poderei até ter a ousadia - que me perdoarão - de afirmar que existem alguns pontos de contacto entre a sua fotografia e alguns dos meus projectos. Mas este livro é especial, pois não é um livro de fotografia mas um livro sobre fotografia e sobre fotógrafos, uma pequena colecção de ensaios,  chamada "Why people photograph". Desde há muito que defendo a posição de que existem muito poucos fotógrafos a assumir posições públicas sobre fotografia. Muitas vezes, infelizmente, emudecem e entregam essa tarefa a pessoas que não têm qualquer trajecto fotográfico anterior. Tenho também algumas vezes chamado a atenção para a clareza de pontos de vista, quando os fotógrafos falam sobre fotografia e sobre os seus projectos pessoais fotográficos/artísticos.  Procuro por isso aproveitar todas as oportunidades que se me oferecem para adquirir e ler livros de textos de opinião ou com entrevistas de fotógrafos que conheço e admiro e que são excepção a esse panorama de silêncio pesado.

Quando comecei a ler o livrinho, que adquiri e mandei vir da //Amazon//, o que me surpreendeu foi ser confrontado com opiniões que enquadraria numa visão romântica e idealista da fotografia, uma visão que não esperava de um fotógrafo como Adams, pois o livro é de 1987 : eu achava que nos EUA, no final da década de 80, seria já dominante o panorama actual, marcado pela chamada fotografia contemporânea. Não me surpreenderia essa visão, se expressa por qualquer grande fotógrafo alguns anos antes. Como ilustração dessa visão surpreendente, pelo menos lida nos dias que correm, escrevo aqui um conjunto de citações do 1º ensaio do livro, chamado "Colleagues", em que Adams procura resumir as razões por que admira os fotógrafos.
{{indent{^^
*"Another reason I like photographers: they do not tempt me to envy. The profession is short on dignity"... "Nearly everyone has fallen down, being harassed by security guards and dropped expensive equipment"..."incurring large expenses in porsuit tiny audiences, finding that the wonder they would hoped to share is something few want to receive." 
*"There is room for idealism. There was no fortune or reputation to be made"
*"I respect many photographers for their courage. Sometimes this quality is undramatic and private"... "An aspect of that is likely to be, the threat of insolvency, something with which they have to learn to live, as they would with a chronic disease.  One photographer I admire had to go to cleaning houses, when her Guggenheim felowship ran out."
*"There can be physical danger as welll."
*"Paradoxically, photographers must also face the threat that their vision may one day be denied to them. Their capacity to find their way to art, which is their consolation - to see things whole - may fail for an hour or a month or forever."
*"One aditional quality that I admire in my colleague is a basis for the others: their awareness of finalities and of our place in nature."
^^
}}}Não pretendo com este //tiddler//, nesta minha espécie de //blog//, negar que aquela fotografia e aqueles fotógrafos (de que Adams tanto gosta) continuam a existir, mas hoje são, na maioria dos casos, se não aves raras, aves muito pouco valorizadas por quem manda e por quem escreve sobre fotografia. 

Prometo regressar ao livrinho "Why people photograph" de Robert Adams.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[A morte é a curva da estrada|./wikiImages/rodas.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, Rebordelo, rio Rabaçal, 2006^^//}}}

{{indent{^^A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto.
Se escuto, eu te oiço a passada
Existir como eu existo.

A terra é feita de céu.
A mentira não tem ninho.
Nunca ninguém se perdeu.
Tudo é verdade e caminho.^^}}}

{{indent{{{indent{//^^Poesias de Fernando Pessoa^^//}}}}}}

Nota: este foi um dos poemas seleccionados pela Regina Guimarães para o meu livro ''Hora Sua'', editado pela Assírio & Alvim em 1999, e que acompanhou o projecto fotográfico com o mesmo nome, desenterrado agora da memória por esta imagem antiga do Rabaçal. Para quem não saiba o rio Rabaçal junta-se ao rio Tuela em Mirandela e forma o rio Tua, afluente do Douro.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Esta não é uma fotografia contemporânea, apesar de a ter feito esta semana|./wikiImages/areia6.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Esta não é uma fotografia contemporânea, apesar de a ter feito esta semana'', Matosinhos, Fevereiro 2011^^//}}}
Está a decorrer um ciclo de [[conferências/debates no IPF do Porto|http://www.ipf.pt/]] sob o tema de Paradigmas da Fotografia Contemporânea. 

A partir da conversa animada, em que participei, na última conferência, escrevi um texto onde pretendo reflectir um pouco sobre fotografia e curadoria nos tempos presentes.

Sendo um texto um pouco longo, ultrapassando os limites do que seria razoável num //tidller// desta espécie de //blog//, coloco aqui um [[link|http://www.renatoroque.com/umaespeciedeblog/pdfs/Fotografia_e_Curadoria.pdf]] para quem estiver interessado. Poderão perceber, se lerem o texto, por que razão a fotografia que apresento não é contemporânea, apesar de a ter feito esta semana.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Esta não é uma fotografia contemporânea, apesar de a ter feito esta semana|./wikiImages/areia7.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Esta não é uma fotografia contemporânea, apesar de a ter feito esta semana II'', Matosinhos, Fevereiro 2011^^//}}}
Pelas mesmas razões da fotografia do meu //tiddler// anterior, esta também não é uma fotografia contemporânea, apesar de também a ter feito na semana passada. 

//^^Nota: volto a colocar aqui o mesmo [[link|http://www.renatoroque.com/umaespeciedeblog/pdfs/Fotografia_e_Curadoria.pdf]] para um texto de reflexão sobre arte contemporânea e curadoria, para quem estiver interessado nas razões porventura intrigantes desta minha afirmação.^^//

Mas o que é curioso é percebermos (surpreendentemente?) que apesar de cada fotografia não ser contemporânea, o conjunto de fotografias que realizei, e a que chamo //''Esta Fotografia não é Contemporânea''//, se transforma, de facto, num projecto fotográfico contemporâneo. No fundo, recoloca de alguma forma a velha questão de Duchamp. Duchamp perguntava " O urinol invertido e assinado, colocado num espaço expositivo transforma-se em arte?". Este projecto recoloca a questão como "Um conjunto de fotografias realizadas no século XXI, intituladas //''Esta Fotografia não é Contemporânea''// transformam-se num projecto de arte contemporânea, ao questionar afinal o conceito de arte contemporânea?" 

Porque ao fim ao cabo arte contemporânea é aquela que coloca sempre a questão "Isto é arte?". Assim, este projecto estaria mesmo para lá do contemporâneo, ao colocar já a questão "Isto é arte contemporânea?"
<br>
|[img[Gérard, tinha uma pedra para ti e nunca ta dei|./wikiImages/pedraBohinjBW.jpg]]|
//^^©Renato Roque, ''Gérard, tinha uma pedra para ti e nunca ta dei'',  Lago Bohinj, Eslovénia, Junho 2007^^//

Morreu Gérard Castello Lopes. Estava doente há muito tempo. Não o conheci pessoalmente, mas admiro-o através das imagens e dos escritos. 

Gérard Castello Lopes é um dos nomes incontornáveis da fotografia portuguesa na década de 50, uma fotografia corajosa num país atrasado, pobre e cinzento. E foi capaz de revelar a frescura necessária para voltar a fotografar, com uma nova energia, nos anos 80. Para além das imagens, muitas publicadas em livro, escreveu alguns textos de reflexão sobre fotografia, reunidos pela Assírio e Alvim no livro ''Reflexões sobre Fotografia''. É um adepto fervoroso da ideia de instante decisivo na fotografia: poder-se-á dizer que os seus textos e as suas imagens reflectem uma perspectiva muito Bressoniana, reveladora da admiração profunda que tinha por Henri Cartier Bresson, mas continuam a ser essenciais para um compreensão da fotografia e da sua história em Portugal.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Não consigo resistir muito tempo sem me deitar nas ervas|./wikiImages/alendouro1010.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Não consigo resistir muito tempo sem me deitar nas ervas'', Rebordelo, Serro, Outubro 2010^^//}}}
{{indent{^^Nas ervas mais altas
Resiste ainda
O verão

in D'ouro d'Alendouro - Jorge Sousa Braga^^}}}

As ervas chamam-me e inebriam-me. Deito-me e adormeço.

^^PS: Para o Jorge Velhote que se deitou ao meu lado.^^
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Os fotógrafos são como as cerejas|./wikiImages/nozolino4.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Ceci c'est pas un Nozolino'', Felgar, Julho 2010^^//}}}
Começo por confessar que não conhecia Joachim Schmid. Nunca tinha ouvido falar. E continuaria na minha santa ignorância, se não tivesse lido o livro ''La Câmara de Pandora'' de Fontcuberta, que lhe dedica quase integralmente um capítulo final do livro. E não é de admirar, pois Schmid é o autor que eu conheço cujo trabalho parece estar mais próximo de Fontcuberta. Se para Fontcuberta a questão central se coloca entre a verdade e a mentira na fotografia, para Schmid a questão central coloca-se entre ser ou não obra de arte, entre ter ou não ter a tal aura misteriosa da arte. E Schmid coloca esta questão com fotografias que encontra por todo o lado e que contextualiza nos seus projectos. Menciono apenas dois dos muitos projectos interessantes de Schmid, um bastante antigo e outro recente. O primeiro é já dos anos 80 e chama-se ''Photographic Master Pieces - Collection Schmid/Fricke'', onde Joachim Schmid usou fotografias que encontrou perdidas em feiras ou em antiquários. São imagens anónimas mas que facilmente tomaríamos por fotografias de grandes mestres: Atget, Robert Frank, Walker Evans, etc., sobretudo porque são apresentadas como se o fossem. O segundo projecto é recente e chama-se ''Joachim Schmid is Martin Parr · Martin Parr is Joachim Schmid ''. Em 2009 Martin Parr não pôde visitar o Art Forum de Berlim e ofereceu o passe VIP, a que tinha direito, a Schmid, que teve uma ideia brilhante. Já que tinha o passe de Parr iria fotografar como se fosse o Martin Parr. Pediu depois a Martin Parr para fingir que era Joachim Schmid e para, no espírito de reciclagem de imagens de Schmid, escolher um conjunto imagens num clube de fãs de Parr na internet, que Parr pudesse tomar como suas. O resultado foi o projecto e o livro com esse nome.

Coloco dois links que dão acesso a alguns dos projectos de Joachim Schmid.

[[repositório de livros no blurb|http://www.blurb.com/search/site_search?search=joachim+schmid&filter=all]]

[[repositório de projectos |http://schmid.wordpress.com/works/]]

Mas o que não deixa de ser intrigante (perturbador?) é ter sido confrontado nos últimos anos com três nomes extraordinários da fotografia alemã, cujos trabalhos desconhecia: Robert Häusser, Otto Steinert e agora Joachim Schmid. Creio que nunca expuseram em Portugal. Se estou enganado, peço desculpa. A Häusser  já dediquei um //tiddler// [[aqui|2005-12 - Homenagem a Robert Häusser]]. Quando comprei uma antologia sua na Alemanha, há uns anos, na tal livraria de Frankfurt, de que falei recentemente a propósito do livro de Robert Adams, procurei um livro seu em inglês por todo o lado e não encontrei. Parece que não há! De Steinert mandei vir um livro recentemente da Amazon. Mas também só tem um livro com versão inglesa. E isto acontece ao mesmo tempo que encontro em quase todos os eventos representativos da arte e da fotografia contemporâneas alguns fotógrafos alemães (sempre os mesmos...).
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Para Nozolino a partir de Robert Adams|./wikiImages/nozolino2.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Para Nozolino a partir de Robert Adams'', Felgar, Julho 2010^^//}}}
Pareceu-me fazer sentido, depois dos dois //tiddlers// anteriores inspirados no livrinho de Robert Adams, sobretudo o último sobre a (des)importância da escrita ligada à fotografia, dedicar este //tiddler// a Paulo Nozolino e à entrevista que ele deu a Clara Ferreira Alves na revista do Expresso de 29/01/2011. Recomendo que a leiam. Se não tiverem o jornal, procurem-no. 

Nozolino é um dos fotógrafos portugueses do nosso tempo de que mais gosto - reparem que intencionalmente escrevi "do nosso tempo" e não "contemporâneo".

A entrevista é uma boa solução, sobretudo com fotógrafos que não têm a ousadia de escrever. Há alguns livros publicados com boas entrevistas a fotógrafos e também se encontram algumas muitas interessantes na internet. É uma maneira simples de sermos confrontados, quase sempre de uma forma muito frontal e terra à terra com o autor, com o seu trabalho e com as suas angústias. Eu próprio, lembro-me de ter usado o formato de entrevista fictícia num dos meus primeiros livros, para dizer aquilo que queria dizer e que não ousava escrever em texto corrido. Esta entrevista do Nozolino é talvez demasiado auto-biográfica. Nozolino fala mais de si e da sua relação com o mundo do que dos projectos fotográficos. O que não é mau, mas gostaria de ter um pouco mais de reflexão sobre os vários projectos. Nota-se, creio, que a entrevista é muito conduzida pela Clara Ferreira Alves. Demasiado? Noto uma clara convergência: a proximidade entre fotografia e poesia. Para Nozolino fica o lado negro da literatura e da vida. A morte. Makulatur.

Nota final interessante: Quando João Fernandes realizou há poucos anos a exposição ''Far Cry'' de Nozolino em Serralves, houve quem criticasse essa decisão por considerarem que Paulo Nozolino não era um contemporâneo. Se calhar, à luz do conceito muito discutível de contemporâneo que defendem, teriam razão. Mais uma razão para eu ter escrito "do nosso tempo"...
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[A nossa democracia assenta no voto gratuito|./wikiImages/europa1.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''A nossa democracia assenta no voto gratuito'', Europa, Março 2011^^//}}}

{{indent{^^''A SITUAÇÃO DA OVELHA''

a ovelha vive em rebanho
e sente-se orgulhosa
(excepto, claro, a ranhosa)

a ovelha produz a lã,
em troca tem o sustento
e já não precisa de
passar a noite ao relento

é guiada pelo cão-pastor
e governada por pelicanos
e outros moradores dos céus
que lhe têm um grande amor
e lhe pedem o seu voto
por favor ou por amor de deus:

vota TETRÁS
o que melhor te leva (e te traz)
vota ROLA
a única que não te enrola
vota SANTISSIMA TRINDADE (símbolo POMBA) sempre são três
não votes MAL
pensa no que diz o cardeal
vota CACATUA
sempre é a tua

A ovelha entrega o boletim dobrado em quatro
e por hábito pergunta: - Quanto é?
- A nossa democracia assenta no voto gratuito – diz o presidente da mesa.^^}}}
{{indent{{{indent{^^Alberto Pimenta em //Bestiário Lusitano//^^}}}}}}
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Espanta o quê?|./wikiImages/quintas2.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, A propósito de ''O Imaterial'', projecto ''Espanta o quê?'', Rebordelo, Março 2011^^//}}}
Estive em Serralves numa conferência de Augusto Mateus, do ciclo ''O Imaterial'', subordinada ao tema ''As indústrias culturais e criativas portuguesas''. O primeiro comentário que a conferência me suscita tem a ver com a confusão que muita gente faz - e Augusto Mateus também fez - entre arte, cultura e criatividade. Mistura-se arte com produtos culturais e com indústrias criativas, como se estivéssemos a falar da mesma coisa ou de coisas muito parecidas. Ora estes conceitos são quanto a mim coisas bem diferentes, ainda que com relações fortes entre si. Como é evidente uma obra de arte terá(?) em princípio de evidenciar uma certa criatividade. A melhor forma de explicitar a diferença entre os conceitos poderá ser porventura através de um exemplo: a pessoa que pensou pela primeira vez criar um objecto em cerâmica, para dependurar na parede, para facilitar o acto de urinar dos homens, demonstrou uma enorme criatividade; esse objecto, chamado vulgarmente urinol, transformou-se depois rapidamente num objecto que faz parte da cultura ocidental; mas quando Duchamp pôs o urinol de pernas para o ar, o assinou como R. Mutt e lhe deu o titulo de ''Fonte'', realizou uma intervenção artística. Aliás Duchamp provocou com esse seu gesto um verdadeiro cataclismo na arte do século XX, ao colocar em cima da mesa uma questão nova e provocatória "Será que isto pode ser arte", considerada por muitos como a génese da chamada arte contemporânea. 

De facto o modelo do produto cultural - apresentado por Augusto Mateus - pensado para "satisfazer as necessidades" dos consumidores de bens culturais não tem nada a ver com arte ou pelo menos não deveria.

A ideia central da conferência foi de que a globalização e as transformações que aconteceram nas ultimas décadas impõem um modelo de desenvolvimento diferente, substituindo as mercadorias tradicionais por soluções integradas de bens e serviços, onde a cultura e a criatividade desempenham um papel chave. Não faz por isso sentido, na opinião de Augusto Mateus, a divisão entre indústrias não criativas e indústrias criativas. Todas têm de ser criativas para sobreviver. Em vez de camisas ter-se-á de oferecer conforto e moda, em vez de turismo tradicional ter-se-á de oferecer um produto inovador e integrado que associe viagem, aventura, cultura, gastronomia, conhecimento. Na opinião de Augusto Mateus os territórios no mundo que terão sucesso serão os que forem capazes de encontrar soluções que se adaptem às características culturais desses territórios e que correspondam a necessidades dos consumidores globais. Independentemente de ter achado a conferência interessante e de alguma forma compreender as propostas de Augusto Mateus, há duas perplexidades de que não consigo libertar-me. Em rigor, talvez se fundam numa mesma perplexidade. A primeira tem a ver com aquilo que se poderia designar como o cunho Darwinista da proposta: cada território terá de ser capaz de procurar soluções inovadoras e criativas, ainda que com um risco grande, pois poderá não acertar no que os consumidores do futuro pretendem e a estratégia pode falhar. Alguns territórios terão sucesso, outros não. O sucesso passa por ter capacidade para encontrar essas tais soluções integradas e inovadoras de bens e serviços, mas também pela sorte de a aposta ter sido feita em áreas que o futuro confirmará. A segunda perplexidade tem a ver com uma preocupação que já aqui coloquei, nesta minha espécie de //blog//, que é esta ideia dos economistas de que o progresso e o sucesso implicam um crescimento constante. Qualquer pessoa com formação cientifica sabe que este modelo é inviável a longo prazo, pois implicaria recursos infinitos e energia infinita. Ao atingir a saturação, o sistema não pode crescer; para que alguns elementos cresçam, outros têm de decrescer. O sistema rompe ou estabiliza. Interrogo-me se o que acontece actualmente, com os novos países emergentes a crescer rapidamente e com a Europa a não conseguir fazê-lo, não poderá ser um sinal de que já atingimos esse limite. O modelo de Augusto Mateus parece-me mais solidamente estruturado do que o dos nossos governantes - aliás estes parecem não ter qualquer modelo perceptível para o futuro - mas no fundamental assenta nos mesmos princípios económicos: produzir bens e serviços e crescer. Não vejo ninguém a apresentar um verdadeiro paradigma de ruptura, que não implique crescimento, mas ofereça em alternativa mais equidade global e mais qualidade de vida. Claro que não sei se um tal modelo de desenvolvimento - sem procurar sempre o crescimento e até eventualmente procurando um decrescimento controlado - poderia funcionar. Mas gostava que pudesse.

Explicação adicional sobre os conceitos arte, cultura, produto cultural, criatividade e indústria criativa a partir da imagem deste //tiddler//: a pessoa em ~Trás-os-Montes que teve a ideia de dependurar objectos - peças de roupa, frascos, garrafas ou simples plásticos - nas árvores, para espantar bichos, gentes ou maus olhados (espanta o quê?) pode ter demonstrado uma grande criatividade; como parece que toda a gente adoptou essa ideia - ver meu projecto fotográfico ''Espanta o  quê?'' - essa ideia poder-se-á ter transformado numa prática cultural transmontana; mas uma instalação com garrafas dentro de um museu de arte contemporânea, uma peça porventura sobre o espanto que a arte (não) deve traduzir, pode eventualmente ser considerada como arte, independentemente do que pudéssemos pensar sobre isso. Se alguém inspirado por esta tradição cultural criar "espanta-espíritos" com garrafas de todas as cores e as vender na internet, volta a mostrar grande criatividade e cria um produto cultural e até eventualmente, se o negócio prosperar, uma indústria criativa para produzir garrafas mas que, em rigor, deixam de ser garrafas, para se transformar em "ambiente campestre em sua casa...".
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Afrodite de Praxíteles|./wikiImages/afrodite.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Afrodite de Praxíteles'', ou Vénus para os Romanos, Roma, Museu Capitolino, Março 2011^^//}}}
{{indent{^^
Oh, que famintos beijos na floresta,
E que mimoso choro que soava!
Que afagos tão suaves! Que ira honesta,
Que em risinhos alegres se tornava!
O que mais passam na manhã e na sesta,
Que Vénus com prazeres inflamava,
Milhor é exprimentá-lo que julgá-lo;
Mas julgue-o quem não pode exprimentá-lo.

in canto IX de Lusíadas de Luís Vaz de Camões^^}}}

Quando olhamos para a história sentimos que a NOSSA história começou de facto com os gregos, por volta do século V AC. Observamos que quase todos os grandes conceitos que balizam hoje as nossas vidas foram enunciados pela primeira vez pelos gregos: a ética, a democracia, a filosofia, a ciência, a matemática. Em particular no caso da arte são os gregos os primeiros a adoptar a arte como um campo para a liberdade e para a fruição estética puras, uma atitude muito próxima da que subsistiu até ao presente, tendo sido posta em causa apenas durante a Idade Média, por razões que são conhecidas e não pretendo aqui aprofundar, e porventura também com a chamada arte contemporânea, a partir da segunda metade do século XX. Não é por acaso que no fim da Idade Média os grandes artistas renascentistas tomaram como referência precisamente os clássicos gregos, para voltar a trilhar o caminho que os gregos tinham apontado cerca de 1500 anos antes. 

Na escultura de Afrodite de Praxíteles, que foi considerada como um padrão de beleza feminina, os gregos, de alguns séculos AC, já tinham "a ousadia" de representar um corpo feminino nu - e não é um corpo qualquer, mas o corpo de Afrodite (Vénus para os Romanos), a deusa do Amor. Durante toda a Idade Média o poder preocupou-se sobretudo em tapar a nudez com folhas parras ou em destruí-la pura e simplesmente à força de marretas; e lembro-me de ainda na década de 60 um filme francês chamado a Piscina, com Alain Delon e Romy Schneider, ter provocado um pequeno escândalo social em Portugal e um grande entusiasmo na juventude masculina, por ter uma cena de apenas alguns segundos em que se vislumbravam os seios nus de Romy Schneider...

Nós ainda somos fruto desse tempo.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[As regras da arte|./wikiImages/rules.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''As regras da arte'', Roma, Março 2011^^//}}}

A arte seria certamente mais simples, se pudesse haver regras claras, mas seria também, com toda a certeza, muito menos interessante.

Porque faz parte da grande arte quebrar as regras. 


^^Nota: Por razões óbvias dedico este //tiddler// à minha amiga, a pintora Joana Rego, pela sua série //"phrases and words"//^^
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Die Wahrheit - A Verdade|./wikiImages/wahreit.jpg]]|{{indent{^^''Civilidade''<br>não tussa monsieur<br>reprima a tosse<br>não espirre monsieur<br>reprima o espirro<br>não soluce monsieur<br>reprima o soluço<br>não cante monsieur<br>reprima o canto<br>não arrote monsieur<br>reprima o arroto<br>não cague monsieur<br>reprima a merda<br>e quando estourar<br>que seja devagarinho<br>e sem incomodar, ok monsieur?<br>ok, madame.<br><br>//a partir de Alberto Pimenta//^^}}}|
{{indent{//^^©Renato Roque, Primavera 2011, ''Die Wahrheit - A Verdade'', Stuttgart, 2005^^//}}}
Quando o governo apresentou o chamado PEC 4 pensei, como muita gente pensou, que se tratava de uma estratégia para quase obrigar a oposição a ter de chumbar o PEC no Parlamento e assim encontrar um bom pretexto para sair, antes de tudo se complicar ainda mais. Com gente tão experimentada nestas lides, seria difícil acreditar em falta de jeito ou em precipitação. Aliás muita gente, mesmo da área do governo, fez essa interpretação. Mas algo não batia certo! E as atitudes pareciam contraditórias. Senão vejamos: Faz algum sentido elaborar um plano com esta responsabilidade, sem um estudo minimamente aprofundado, que pudesse medir o impacto de cada medida e eventualmente comparar essas medidas com outras? Como se escolheram as medidas propostas? Esse estudo implicava, no mínimo, a participação de todo o governo, e havia tempo para tal, pois o governo sabia há muito que teria de apresentar um PEC. Ora sabemos que o próprio governo só conheceu o PEC depois deste ter sido apresentado - aprovou-o em reunião depois da conferência de imprensa do ministro das Finanças em Bruxelas. As declarações do senhor Euro - Junker, não não é o esquentador  - decifrou o enigma. Ele afirmou preto no branco que as medidas foram (im)(pro)postas pela Europa, quer dizer pelo BCE e pelos banqueiros. Estou convencido neste momento que nem Sócrates sabia que as medidas iriam ser essas quando saiu de Portugal, ou soube pouco antes. Aquilo que ele apresenta como sua grande vitória, pois teria conseguido convencer a Europa a apoiar as medidas propostas, foi de facto ele ter de aceitar tudo o que o obrigaram. Só isso explica também haver medidas que nada têm a ver com a dívida nem com o défice.

Ou seja, o governo não se demitiu, pois já não existia há muito...

PS: creio que pela primeira vez (?) reutilizei um mesmo texto literário, mas este pequeno poema do Alberto Pimenta, que tive a lata de modificar, trocando madame por monsieur e monsieur por madame, pareceu-me não ter substituto à altura para ilustrar a atitude do nosso governo perante os banqueiros, personificados na Madame Merkel
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Espanta o Quê?|./wikiImages/espanta1.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, Projecto ''Espanta o Quê?'', Rebordelo, Março 2011^^//}}}
Confesso que ainda me espanto com a capacidade que pareço manter de me espantar...

Lembro-me de ter lido há algum tempo uma crónica do meu amigo Manuel António Pina em que ele defendia que deveríamos reivindicar o direito de votar nas eleições alemãs. Os recentes acontecimentos demonstram como ele tinha razão. 

Depois de inúmeras declarações do primeiro-ministro afirmando que as medidas eram suficientes, que não estavam previstas outras, que a execução orçamental estava a correr até melhor do que se esperava, depois de no dia anterior na AR ter assegurado que tudo estava a correr fantasticamente, o governo (?) anuncia em Bruxelas outro pacote...

Estamos a ser governados(?) por marionetas?

Esta situação, quanto a mim, para além de escandalosa - a falta de vergonha ultrapassa os limites do razoável - é muito perigosa. De facto qual o sentido de votar num governo e num programa que depois de nada servem? De que serve uma AR que não tem qualquer autonomia? Queixam-se da abstenção? Se os mecanismos democráticos forem esvaziados, se o estado social for destruído, o que nos resta?

[[Estranhamente (será?) o programa de governo deixou de estar acessível na internet|http://www.socrates2009.pt/Conteudos/Noticias/Programa-do-Partido-Socialista/Programa_de_Governo_do_PS.aspx]]. De facto é talvez melhor assim. Esse programa nunca existiu.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Primavera 2011|./wikiImages/primavera2011.jpg]]|{{indent{^^Florescem as couves<br>Floresce o nabal<br> Só não floresce Portugal<br>^^}}}|
{{indent{//^^©Renato Roque, Primavera 2011, Rebordelo, Março 2011^^//}}}
{{indent{^^  
''Quando Vier a Primavera''
 
Quando vier a Primavera, 
Se eu já estiver morto, 
As flores florirão da mesma maneira 
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada. 
A realidade não precisa de mim. 
Sinto uma alegria enorme 
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma 

Se soubesse que amanhã morria 
E a Primavera era depois de amanhã, 
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã. 
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo? 
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo; 
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse. 
Por isso, se morrer agora, morro contente, 
Porque tudo é real e tudo está certo. 

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem. 
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele. 
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.   
O que for, quando for, é que será o que é.^^}}}

{{indent{^^//Alberto Caeiro//^^}}}

No último fim de semana em ~Trás-os-Montes a Primavera já se anunciava
Portugal não...
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Alternativa?|./wikiImages/alternativa.jpg]]|{{indent{^^o carrinho dos uísques<br>e das revistas<br>a dizer coisas…<br>quem o empurra<br>é o cônjuge periódico<br><br>diz que a marca dos uísques<br>é sobretudo uma questão<br>de agradar ao olho<br><br>se o papel fosse mais macio<br>podia-se<br>dizer o mesmo das revistas<br><br>''Alberto Pimenta''<br><br>''Nota de Rodapé'': e dos partidos que têm passado pelo governo...^^}}}|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Alternativa?'', Europa, 2011^^//}}}
Qual a alternativa quando de um lado temos um caminho único, obrigatório, que nos conduz contra uma parede, e do outro um sentido proibido que nos leva contra a mesma parede!

Temos de ser todos nós a construir uma alternativa diferente! Comecemos por ser desconfiados. Não acreditemos facilmente no que nos dizem! Tenhamos memória e lembremos o que nos disseram ontem.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Blackbird|./wikiImages/blackbird1.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Blackbird'', Rebordelo, Abril 2011^^//}}}
{{indent{^^
Blackbird //(not)// singing in the dead of night
Take these broken wings and learn to fly
All your life
You were only waiting for this moment to arise

Black bird //(not)// singing in the dead of night
Take these sunken eyes and learn to see
all your life
you were only waiting for this moment to be free

Blackbird fly, Blackbird fly
Into the light of the dark black night.

Paul ~McCartney (Beatles) ^^}}}
<html>
<iframe title="YouTube video player" width="480" height="390" src="http://www.youtube.com/embed/A2V6lG1P3nE" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>
</html>
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Mais um objecto insólito pousado na paisagem do Alendouro|./wikiImages/fmi2.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Mais um objecto insólito pousado na paisagem do Alendouro'', Rebordelo, Abril 2011^^//}}}

{{indent{^^''De um miserável naufrágio que passámos''

- Estamos a ir ao fundo.
- Eu sei.
- Chama o nadador-salvador.
- Chama tu.
- Chama tu.
- Chama tu.
- Tu é que estás a remar. Chama tu.
- Já não estou! Olha para mim! Chama tu.
- Eu não, chama tu.
- Para te armares em forte? Chama tu.
- Tu é que estás armado em bom e não queres que as pessoas na praia vejam que foste tu que chamaste.
- Eu não preciso de chamar.
- Mas estamos a afundar.
- Eu sei. Então chama o nadador-salvador.
- Eu não chamo. Chama tu se achas que precisas.
- Eu acho que precisamos mas quem tem que chamar és tu.
- Não, não chamo. Queres os remos?
- Eu? Agora não! Só depois de vir o nadador-salvador.
- Então chama-o.
- Quem tem que chamar és tu.
- Eu não chamo.
- Mas estamos a afundar.
- Pois estamos.
- Sabes nadar?
- Eu sei, e tu?
- Eu também.
- Ah! Então que se lixe o barco! Nem é nosso!

João Moreira de Sá (//Arcebispo de Cantuária//)^^}}}

Que estamos a ir ao fundo ninguém duvida. Há no entanto um conjunto  de objectos insólitos pousados na paisagem desta crise, que não vejo, ou vejo muito pouco, serem colocadas em cima da mesa, onde os interlocutores (não) parecem estar a tentar discutir e a encontrar soluções para a crise. "Então que se lixe o barco, pois nem é nosso?" Parece, não é?

1 - O grande problema português, todos o reconhecem, é o da dívida galopante. Mas este problema é antigo. A dívida cresce há muitos anos resultado de um modelo e de uma política. Já existia, tal como hoje, a menos das taxas de juro, nas últimas eleições, e também nas anteriores. Lembram-se do programa do partido que ganhou as últimas eleições? Desapareceu do site do PS!!! Dizem-nos que vivemos acima das nossas possibilidades. Se não havia recursos no país, porquê construir tanta coisa que é muito difícil justificar e já nem falo dos estádios de futebol? Como justificar todas as mordomias para filhos e enteados, como justificar as benesses e as medidas eleitoralistas? Não há responsáveis? Os primeiros responsáveis são os nossos governantes. Como acreditar que sejam os mesmos que agora apresentam a solução? Os segundos responsáveis são as políticas europeias e as entidades financeiras que fomentaram o tal modelo de endividamento. Agora as entidades financeiras que nos emprestaram, porque tal servia os seus desígnios e os seus lucros, que se transformavam em prémios para os gestores, sobem as taxas de juro para nos sugar até o tutano. E ninguém parece querer fazer nada. Lembram-se dos discursos contra a finança desregulada no início da crise? Como acreditar?

2 - As taxas de juro no presente são incomportáveis e levarão à ruína. Toda a gente o admite mas ninguém faz nada, nomeadamente a Europa. A Europa pareceria ter as ferramentas para contrariar a especulação, se o quisesse fazer, mas a Europa parece estar nas mãos da Europa da Finança. A receita praticada na Irlanda e na Grécia só conduziu à recessão e ao aumento das taxas, aliás tal como tudo o que nos prometeram em Portugal que as baixaria: a aprovação do orçamento, dos ~PECs, a eleição de Cavaco à primeira volta, etc. Como acreditar? 

Não é possível mudar sem acreditar e não podemos acreditar em que não se responsabiliza e garante tudo para no dia seguinte vir justificar com a mesma convicção a perda desse tudo e prometer outro tudo...
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[FMI em Portugal|./wikiImages/fmi.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''FMI em Portugal''^^//}}}

{{indent{^^Foi bonita a festa, pá
fiquei contente
'inda guardo renitente, um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
mas, certamente
esqueceram uma semente nalgum canto de jardim

...


em Tanto Mar de Chico Buarque^^}}}
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Mentem|./wikiImages/mentem.jpg]]|
{{indent{^^
...
Ó partidos, da esquerda e da direita, mais uma vez podeis beijar os pés ao papa, ficareis com a boca abençoada para mentir melhor.
... ^^}}}
{{indent{{{indent{^^em ''Teses sobre a Visita do Papa'' de //António José Forte//^^}}}}}}

Nota: ao usar a citação do poeta surrealista António José Forte neste //tiddler//, revoltado com alguns discursos deste fim-de-semana político, não pretendo difundir uma mensagem demagógica e populista contra os partidos, mas apenas protestar contra a mentira instalada por tantos, que nos escondem o que realmente aconteceu e que não desvendam o que vai acontecer. E às vezes mentem descaradamente e com todos os dentes, como se nós fossemos estúpidos. E às vezes parecemos ser...
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[As coisas devem ser bem grandes p'ra formiga pequenina|./wikiImages/lagarto.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''As coisas devem ser bem grandes p'ra formiga pequenina'', Rebordelo, Abril 2011^^//}}}

{{indent{^^''A formiga''

As coisas devem ser bem grandes
Pra formiga pequenina
A rosa, um lindo palácio
E o espinho, uma espada fina

A gota d'água, um manso lago
O pingo de chuva, um mar
Onde um pauzinho boiando
É navio a navegar

O bico de pão, o corcovado
O grilo, um rinoceronte
Uns grãos de sal derramados,
Ovelhinhas pelo monte

"Um lagarto, um dinossauro..."

A partir do poema "A formiga" de Vinicius de Moraes^^}}}

Tudo é relativo neste mundo. Mas às vezes é mesmo mentira e aldrabice...
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Auto-retrato com Trisha Brown|./wikiImages/trisha.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Auto-retrato com Trisha Brown'', Serralves, exposição de Trisha Brown, Abril 2011^^//}}}
{{indent{
^^Sob o eu que eu sou, não sendo
há pontes, que só eu quero passar
O eu que eu sou, temendo
agarra-me e obriga-me a ficar^^}}}

Mergulho na obra de Trisha Brown.
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Auto-retrato no quarto escuro de José Barrias|./wikiImages/barrias.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Auto-retrato no quarto escuro de José Barrias'', Serralves, exposição //In Itinerere// de José Barrias, Abril 2011^^//}}}
{{indent{
^^Eu não sou eu nem sou o outro, 
Sou qualquer coisa de intermédio: 
Pilar da ponte de tédio 
Que vai de mim para o Outro.

Mário de Sá - Carneiro
^^}}}
Continuo a gostar de mergulhar nas obras dos outros...
<br>
|[img[Fontana de Trevi| ./wikiImages/fontana.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''Fontana di Trevi'', Barragem do Picote, Projecto Hollywood^^//}}}}}}
Realizei o projecto fotográfico ''Hollywood'' a convite do FITEI. A exposição está no CPF, no Porto, até 26 de Junho. Neste projecto utilizei um conjunto de imagens que fiz durante as obras de ampliação da barragem do Picote, no Douro Internacional, em 2007. O que me surpreendeu desde essa altura foi o facto de imagens, que esperaríamos tão "reais", tão "documentais", me sugerirem de uma forma tão natural cenários Hollywoodescos. Este projecto fotográfico permitiu-me assim recolocar em cima da mesa aquela questão tão velha e tão presente na chamada fotografia contemporânea, da relação entre fotografia e verdade/realidade e e entre fotografia e mentira/ilusão. 

E paradoxalmente essa ilusão de cenário não resulta de qualquer artificialidade introduzida e nem sequer intuída nas imagens, mas de algo que poderíamos chamar quase uma sobre-realidade que se impõe. As imagens parecem ser mais reais do que o real, se tal pode ser dito, como se o real tivesse sido construído como cenário para ser fotografado Temos assim um mundo de ilusão, não o que a energia produzida nas turbinas eléctricas proporciona nos lares dos portugueses, nos teatros e nos cinemas, mas uma ilusão criada por esse processo misterioso, que congela o tempo e aprisiona o espaço, chamado Fotografia.

Nota importante : o texto que escrevo a seguir era o texto, que escrevi durante os dias de preparação da exposição para o FITEI, e que eu gostaria de ter lido na inauguração, se o protocolo o tivesse permitido

{{indent{{{indent{^^''Estamos em Hollywood''

Quando um  governante de fato cinzento, 
gravata vermelha de seda italiana
afirma com solenidade que está a fazer o melhor
Estamos em Hollywood...

Quando um dirigente da oposição de fato cinzento
gravata laranja de seda italiana
afirma com solenidade que faria muito melhor
Estamos em Hollywood...

Quando o presidente de fato cinzento, 
gravata de outra cor de seda italiana
afirma com solenidade que têm todos de se unir para fazer melhor
Estamos em Hollywood...

Quando assistimos, como nêsperas, a tal momento
calados, deitados na cama
a esperar que tudo aconteça pelo melhor
Estamos em Hollywood...

Renato Roque, Maio 2011^^}}}}}}
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Ver com o coração|./wikiImages/leca.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, Leça da Palmeira, 2011^^//}}}

{{indent{^^É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos...^^}}}
{{indent{//^^em ''O Principezinho'' de Antoine de ~Saint-Exupéry ^^//}}}

Pergunto-me como pode continuar tanta gente sem ver o que se passa à nossa volta. A luz, que nos ofusca tantas vezes, não está lá. Têm olhos, parecem ter coração. Faltar-lhes-á o quê: a memória?
<br>
|bgcolor(#FFFFFF):[img[Uma história de amor|./wikiImages/umaHistoriaAmor.jpg]]|
{{indent{//^^©Renato Roque, ''Uma história de amor'', Roma, Março 2011^^//}}}

Sem palavras; cada um escreva a sua história...
<br>
|[img[A(s) Troika(s)| ./wikiImages/troika.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''A(s) Troika(s) olham pro nobis'', Rebordelo, 5 de Junho 2011^^//}}}}}}
{{indent{{{indent{^^
E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama protesta,
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio, e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?|

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José
José, pra onde?

//Carlos Drummond de Andrade//

As //Troikas// olham por nós, José!
Marchamos, José?
José, para onde?

PS: Obrigado Teresa Tudela pelo poema!^^}}}
<br>
|[img[Abertura da época balnear| ./wikiImages/epocaBalnear.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''Abertura da época balnear'', Malhão, Vila Nova de Mil Fontes, Junho 2011^^//}}}}}}

{{indent{{{indent{^^...
De todos os complexos turísticos da Europa são as estâncias balneares do Mar Negro, as preferidas pelos morcegos em gozo de férias
...

Jorge Sousa Braga in Greve dos Controladores de Voo^^}}}}}}
<br>
<br>
Na minha última visita ao sul  ao Algarve, disseram-me que uma habitação enorme sobre a falésia tinha sido um dos refúgios de Mobutu do Zaire. Lembram-se? Terá sido confiscada(?) pelo estado português para pagar dívidas antigas. Hoje parece abandonada e semi-vandalizada. Mas a estrutura do edifício permanece incólume. Curioso, esgueirei-me por uma abertura na rede com arame farpado, que limita o terreno à volta, e entrei na casa por uma porta escancarada. Encontrei no chão da sala do rés-do chão um pássaro negro morto que, com certeza, encontrou o fim da vida por não ter conseguido escapar, depois de ter entrado na casa tal como eu. 

|[img[Metáfora de África I| ./wikiImages/mobutu1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''Metáfora de África I'', Algarve, Junho 2011^^//}}}}}}
Como uma resposta do destino e talvez, quem sabe, como um complemento da metáfora, encontrei noutra divisão, no 1º andar, um pássaro branco - uma rola - que batia as asas, desesperado, contra o vidro de uma janela, procurando fugir daquela prisão. Procurei uma janela que pudesse abrir para o salvar, mas estavam todas trancadas. Terá morrido de exaustão à procura da liberdade...

|[img[Metáfora de África II| ./wikiImages/mobutu2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''Metáfora de África II'', Algarve, Junho 2011^^//}}}}}}
{{indent{{{indent{^^''Fui Sabendo de Mim''

Fui sabendo de mim
por aquilo que perdia

pedaços que saíram de mim
com o mistério de serem poucos
e valerem só quando os perdia

fui ficando
por umbrais
aquém do passo
que nunca ousei

eu vi
a árvore morta
e soube que mentia

in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas" de Mia Couto^^}}}}}}

eu vi os pássaros mortos e soube que mentia...
<br>
|[img[Verão 2011| ./wikiImages/verao2011.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, imagens do fim de semana do solstício de Verão nas proximidades de Rebordelo, Junho 2011^^//}}}}}}
{{indent{{{indent{^^''Quem Me Mandou a Mim Querer Perceber?''

Como quem num dia de Verão abre a porta de casa 
E espreita para o calor dos campos com a cara toda, 
Às vezes, de repente, bate-me a Natureza de chapa 
Na cara dos meus sentidos, 
E eu fico confuso, perturbado, querendo perceber 
Não sei bem como nem o quê... 
Mas quem me mandou a mim querer perceber? 
Quem me disse que havia que perceber? 
Quando o Verão me passa pela cara 
A mão leve e quente da sua brisa, 
Só tenho que sentir agrado porque é brisa 
Ou que sentir desagrado porque é quente, 
E de qualquer maneira que eu o sinta, 
Assim, porque assim o sinto, é que é meu dever senti-lo...

//Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)//^^}}}}}}

Num fim de semana prolongado no Alendouro, o Verão deu-se a provar com toda a sua intensidade. Começou o Verão, acabou a Primavera. E eu sem perceber nada...
<br>
|[img[21| ./wikiImages/vinteEum.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''21'', Lampaça, perto de Rebordelo, Junho 2011^^//}}}}}}
{{indent{{{indent{^^Sete e sete são quatorze 
com mais sete vinte e um;
tenho sete governantes
e não gosto de nenhum...^^}}}}}}
<br>
|[img[C'est pas un cadavre exquis| ./wikiImages/cadavreExquis.jpg]]|
{{indent{{{indent{//^^©Renato Roque, ''C'est pas un cadavre exquis'', Rebordelo, Junho 2011^^//}}}}}}
{{indent{{{indent{
Para pescar...
Colheres SAR}}}}}}

{{indent{{{indent{^^C'est pas un "cadavre exquis"º de Cesariny et quelqu'un d'autre. C'est justement exquis.

º''Cadavre exquis'' - Jeu qui consiste à faire composer une phrase, ou un dessin, par plusieurs personnes sans qu'aucune d'elles puissent tenir compte de la collaboration ou des collaborations précédentes. (in Wikipedia)^^}}}}}}
<br>
|[img[Desaprender de contar| ./wikiImages/aprenderContar.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Desaprender de contar'',Carção, Vimioso, Julho 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:11px;De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

Vinícius de Moraes@@}}}}}}

{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Temos de desaprender de contar
desaprender de contar os passos
desaprender de contar os bens
desaprender de contar os dias
para nascer todas as manhãs
como se fosse a última
@@}}}}}}}}}
<br>
|[img[Mudam-se os tempos| ./wikiImages/campoViboras.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Mudam-se os tempos'', Campo de Víboras, Vimioso, Julho 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:11px;Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,     
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,  
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

Luís Vaz de Camões@@}}}}}}

É curioso observar na imagem a forma como se obtêm o padrão desenhado na parede. Como com certeza o papel de parede era muito caro naquele tempo, as pessoas desenhavam o padrão com tinta, recorrendo a um molde que iam colocando ao longo da superfície, até a cobrir integralmente. Hoje o papel de parede, fora de moda, seria indubitavelmente mais barato.

Esta imagem e a mudança que revela recordaram-me aqueles que hoje como ontem mudam de opinião ao sabor do vento. Mudam-se as vontades porque se mudam os tempos dirão eles, claro, mas os tempos não mudaram assim tanto, a não ser o lugar onde eles estão. Basta ouvir o que tantos- sem qualquer vergonha na cara e sem acto de contrição - ousam dizer acerca das agências de rating, que antes eram sagradas, e do papel da Europa na resolução da crise, que antes era nenhum ou quase nenhum, pois nós éramos os culpados. Ainda hão-de um dia defender a renegociação da dívida e chamar ignorantes a quem se admirar...
<br>
|[img[Santo António e São José| ./wikiImages/santos.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Santo António e São José'', Igreja de Vimioso, Julho 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:11px;
''SANTO ANTÓNIO'' 

Nasci exactamente no teu dia —
Treze de Junho, quente de alegria,
Citadino, bucólico e humano,
Onde até esses cravos de papel
Que têm uma bandeira em pé quebrado
Sabem rir...
Santo dia profano
Cuja luz sabe a mel
Sobre o chão de bom vinho derramado!

...

Fernando Pessoa@@}}}}}}


Fernando Pessoa nasceu a 13 de Junho, dia de Santo António. Se vivêssemos num mundo justo, Mário de ~Sá-Carneiro deveria ter nascido em dia de São João ou em dia de São José. Nasceu afinal a 19 de Maio. Ironia do destino! Que justiça pode haver num mundo em que Mário de ~Sá-Carneiro acertou no dia mas se enganou apenas na terminação do mês e, assim, errou o dia de São José, o dia 19 de Março, por dois meses certinhos?

<br>
|[img[Auto-retrato comigo e com os 438 outros| ./wikiImages/autoRetratoTavira.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Auto-retrato comigo e com os 438 outros'', Projecto ''Espelhos Matriciais'', na exposição "J'aime la Différence", Casa das Artes, Tavira, Agosto  2011@@//}}}}}}

O projecto [[Espelhos Matriciais|http://www.renatoroque.com/EspelhosMatriciais/index.htm]] é um projecto fotográfico sobre a identidade e a forma como nós a reconhecemos; a identidade não considerada em toda a sua complexidade, com todas as suas vertentes, mas apenas a identidade imagética, simbolizada pela imagem da face humana. 

O projecto partiu de uma Base de Dados de Retratos, construída com 439 retratos de homens e mulheres, amigos, conhecidos e descohecidos, da Universidade do Porto, com idades entre os 18 e os 65 anos.
<br>
|[img[Estará a Europa a afogar-se?| ./wikiImages/autoRetratoBC2011.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Estará a Europa a afogar-se?'', autoretrato na Bienal de V.N. Cerveira, Agosto 2011@@//}}}}}}
Estará a Europa a afogar-se e nós olhamos e não damos por nada? Porque a questão que se poderia colocar, em vez de "Porque acontece isto em Inglaterra", poderia ser " Porque não está a acontecer também por cá?" ou até "Porque não acontece em toda a Europa?"

PS - Quanto à Bienal de V. N. Cerveira, que foi um evento muito importante em Portugal há muitos anos atrás, creio que continua a evidenciar uma certa indefinição, apesar dos esforços visíveis para lhe introduzir uma nova dinâmica. Mas passem por lá e visitem os vários espaços que integram a Bienal deste ano.
<br>
|[img[Eu Amo Voçê!!!| ./wikiImages/amoVoce.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Eu Amo Voçê!!!'', Terra Estreita, Ilha de Tavira, Agosto  2011@@//}}}}}}

Eu acredito que escrevemos o nosso nome, ou o nome da pessoa de quem gostamos, nos muros, nas pedras, nas cascas das árvores, ou na areia da praia, pela mesma razão por que fotografamos: para registar a nossa passagem; pegadas na paisagem. São sempre registos efêmeros, mesmo se feitos com a ilusão de eternidade. Neste caso o "Eu amo voçê" tem uma efemeridade quase sufocante: dura até à próxima maré alta.
<br>
|[img[Orgulho Português| ./wikiImages/orgulhoPortugues.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Orgulho Português'', Festa de N. Srª da Saúde, Vale Janeiro, Vinhais, Agosto  2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar, 
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho, 
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul, 
o ladino pardal, 
o manso boi coloquial, 
a rechinante sardinha, 
a desancada varina, 
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos, 
a muda queixa amendoada 
duns olhos pestanítidos, 
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos, 
o ferrugento cão asmático das praias, 
o grilo engaiolado, a grila no lábio, 
o calendário na parede, o emblema na lapela, 
ó Portugal, se fosses só três sílabas 
de plástico, que era mais barato! 

...

//in ''Portugal'' de Alexandre O'Neill//@@}}}}}}

O que sentir, senão orgulho, perante o que nos fazem e o que nos dizem e o que nós (não) fazemos e (não) dizemos...


@@font-size:11px;PS: A primeira vez que estive na festa da N. Srª da Saúde, foi há muitos anos, levado pelo Sr António Carvalho de Rebordelo, a quem devo, se não o meu amor a ~Trás-os-Montes, parte da minha afectividade especial para com o concelho de Vinhais. Dedico-lhe pois este modesto //tiddler//@@
<br>
|[img[A casinha do médico| ./wikiImages/casaMedico.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A casinha do médico de Figueira'', Figueira de Castelo Rodrigo, Setembro 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:11px; É pequenina e modesta
a casa que visitais
mas reparai, está em festa
pela honra que lhe dais.
@@}}}}}}

Esta era a "casinha" do médico de Figueira de Castelo Rodrigo. 

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;É uma casa portuguesa, com certeza!
É, com certeza, uma casa portuguesa @@}}}}}}
A casa do "oftalmologista dos dentes" de Figueira, como gostava de dizer a brincar o meu pai, com algum sentido de humor, mas expresso sem sarcasmo, dada a relativa amizade que o ligava ao médico. 

A casa, no centro da principal avenida de Figueira, encontra-se completamente devassada e em ruínas. Centenas ou milhares de novas habitações foram entretanto construídas, por todo o lado, durante as últimas décadas. Muitas estão vazias.
<br>
|[img[A propósito de Ivan o Terrível| ./wikiImages/ivan.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A propósito de Ivan o Terrível'', na Barragem do Picote e na Cerâmica da Marofa, Setembro 2011@@//}}}}}}

Lembro-me de ver o fime ''Ivan o Terrível'' de Eisenstein há muitos anos, já não me lembro exactamente quando (antes ou depois do 25 de Abril? já não sei). A imagem do filme que mais marcou a minha memória foi, talvez surpreendentemente, a daquelas portas e passagens dos palácios russos, onde os personagens mal cabiam. Na minha memória tinham de se baixar para passar.

Einsenstein tem se calhar pouco a ver com Hollywood, mas tem tudo a ver com a história do cinema, e por isso integrei esta imagem, que junta duas fotografias, uma no Picote outra em Figueira de Castelo Rodrigo, na série Hollywood.

<br>
|[img[Cerâmica da Marofa| ./wikiImages/ceramica.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Cerâmica da Marofa, Setembro 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;deus-ex-machina
deixou cair 100 bancadas de trabalho
1000 roldanas 10000 pedais
as raspas dos restos juntavam-se fazendo-se madeira sem grupe nem nada que colasse
as tábuas saíam 
lisas
a gente comprava-as
os pintores mais amadores até nelas faziam quadros
camas e quadros mesas e quadros estantes e quadros
os operários ganhavam dois tostões e serravam um dedo de vez em quando
manchas vermelhas escorrendo como tinta em quadros
A felicidade andava enterrada no trabalho
depois enterrou-se na memória de cada um

Eduarda Dionísio, em texto escrito para projecto fotográfico [[Catedrais do Silêncio|http://www.renatoroque.com/catedraissilencio/images/FrameSet.htm]], a partir de imagens da Tabopan em Vila Pouca de Aguiar@@}}}}}}

A Cerâmica da Marofa, ou Morofa como se diz por lá, é uma das poucas unidades industriais de Figueira de Castelo Rodrigo. Com a implosão da agricultura, é difícil perceber o modelo de desenvolvimento destas terras. Nunca tinha entrado na Cerâmica e nem sabia se ainda laborava. Fiquei a saber que já teve cerca de 50 trabalhadores, com direito a refeitório e até pequenas casas destinadas aos operários. Hoje são ruínas abandonadas para deslizar no tempo. Restam apenas quatro trabalhadores, "O que nos ajuda, pois permite parar a produção, quando não é necessária, e entretermo-nos com outras coisas". Respira-se decadência e uma morte anunciada. Inevitável?
<br>
|[img[Gravuras de Foz-Côa à noite| ./wikiImages/gravuras.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Gravuras no Parque de ~Foz-Côa, à noite, à luz do luar, Setembro 2011@@//}}}}}}
Nos últimos anos, nas minhas idas a Figueira de Castelo Rodrigo, pude visitar, um a um, os núcleos de gravuras abertas ao público. No ano passado visitei o museu, finalmente construído sobre o vale do Douro. Este ano tive a oportunidade, que aconteceu por acaso, de visitar o núcleo da Penascosa, em Castelo Melhor, à noite. Não revi aquelas paisagens magníficas, que se vêem durante o dia, mas afoguei-me naquele céu cheio de estrelas, que me recorda sempre a infância em Figueira, e pude observar as gravuras com outra definição, pois a iluminação controlada, rasante, permite ver com muito detalhe os desenhos, alguns datados com mais de 20000 anos.

Não compreendo como ainda não fomos capazes de transformar o Côa num destino de excelência em Portugal, ou melhor talvez, como ainda não fomos capazes de fazer saber a todos que o Côa é um destino de excelência, que merece uma viagem de pelo menos alguns dias. Temos as gravuras, o museu, as paisagens assombrosas do vale do Côa e do vale do Douro, e podíamos ainda mencionar o Águeda, temos os vinhos, a gastronomia, os trilhos magníficos para passeios a pé ou de bicicleta. Temos quase tudo. Vem gente de propósito de toda a Europa, e até de outros continentes, para visitar o parque e as gravuras e nós ainda não fomos capazes de construir naquela região um projecto sustentável. Convinha reflectir porquê.
<br>
|[img[Roubaram-nos o tempo| ./wikiImages/tempoRoubado.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Roubaram-nos o tempo'', Afife, 2011@@//}}}}}}

Onde está o tempo de que me lembro? Onde estão aqueles Verões que não acabavam? Onde estão aqueles dias sem fazer nada que duravam até nos aborrecer? Onde estão aqueles Junhos e Julhos que não chegavam a Agosto e à praia que esperava por nós? E onde estão os meses de Setembro e aquelas tardes que se prolongavam abafadas e não nos deixavam sair, que o calor era tanto? Roubaram-nos o tempo e nem sequer sabemos quem nos roubou. Hoje de Junho a Setembro é um instante. 

Roubaram-nos e trocaram-nos o tempo, sem darmos por nada.

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;Sou dono de um tempo vazio, ou de um tempo só cheio de tempo?

I
Peguei num bocado de tempo em branco para poder escrever sobre ele.

II
O tempo às vezes é transparente. Vemos através do tempo como se não estivesse lá.
O tempo às vezes é opaco. Vivemos encerrados no tempo e não conseguimos ver o outro lado.
Quase sempre o tempo é translúcido. Através do tempo pressentimos as sombras do passado.

III
O tempo às vezes é sólido. Pregado com pregos no presente.
Às vezes respiramos um tempo gasoso que nos enche os pulmões e inunda o coração.
Quase sempre o tempo é líquido. Escorrega nas condutas do tempo a encher o presente.@@}}}}}}
<br>
|[img[Para Júlio Resende| ./wikiImages/julioResende.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Para Júlio Resende'', Rebordelo, 2007@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:11px; //"Ainda hoje me irrita que as pessoas olhem para uma pintura e vejam euros"

"Eu nem sei o que é que procuro. O que sei é que procuro."

Júlio Resende//@@}}}}}}

Nunca conheci o Julio Resende pessoalmente - o destino tem destas estranhezas, apesar de pisarmos o mesmo chão - mas a obra dele está presente na minha memória desde a minha juventude, na gateria Arvore, o único(?) espaço de reflexão artistica na cidade do Porto, antes do 25 de Abril.

<br>
|[img[Cheiro de Outono| ./wikiImages/outono.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Cheiro de Outono'', Vassal, Valpaços, Agosto  2011@@//}}}}}}

''Teatro dos dias''     

    
Ninguém cheira melhor
nestes dias
do que a terra molhada: é outono.
Talvez por isso a luz,
como quem gosta de falar
da sua vida, se demora à porta,
ou então passa as tardes à janela
confundindo o crepúsculo
com as ruínas
de cal mordidas pelas silvas.
Quando se vai embora o pano desce
rapidamente.
  

Eugénio de Andrade, in "Ofício de paciência", 1994
|[img[Como resistir ao canto do silêncio?| ./wikiImages/ervasFigueira.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Como resistir ao canto do silêncio?'', Figueira de Castelo Rodrigo, Setembro2011@@//}}}}}}

Regressei a Figueira de Castelo Rodrigo por alguns dias, à terra de meus avós, como tenho feito todos os anos. 

Quantas vezes já prometi a mim mesmo deixar de fotografar estas ervas douradas, em que me deitei tantas e tantas vezes no projecto [[D'ouro d'Alendouro |http://www.renatoroque.com/paisagens_silencio/FrameSet.htm]], que fiz com o Jorge Sousa Braga? Mas de cada vez me esqueço de pedir para me amarrarem firme ao mastro, como a Ulisses, e não resisto ao canto inebriante daquelas ervas mágicas. E mergulho de novo bêbado no silêncio, fundo, muito fundo, perco o ar  e venho à tona sôfrego, respirar um zumbido de insecto ou um chilrear de pássaro.
<br>
|[img[Procurar a eternidade num instante| ./wikiImages/nao.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''NÃO'', Porto, Manifestação do 15 de Outubro de 2011@@//}}}}}}
Hoje no carro ia a ouvir o forum do TSF sobre a proposta de orçamento e, ao entrevistarem uma aluna da Faculdade de Economia do Porto, ela dizia a propósito do documento que "Temos de continuar a acreditar". Ora eu afirmo, com toda a veemência de que sou capaz, que aquilo que temos de fazer, se temos de fazer alguma coisa, é de "NÃO ACREDITAR". Aliás uma dose de cepticismo perante tudo na vida é quanto a mim uma atitute inteligente. E neste caso só acredita mesmo quem for parvo, não, muito parvo se não estúpido. Vejam a entrevista magnífica com o Bispo Januário Torgal sobre as propostas deste governo. Bastaria comparar aquilo que o PM disse antes e o que diz agora para não podermos acreditar. E ele até disse, vejam lá (falou demais?), que nunca iria argumentar que não conhecia a situação para propor coisas que não anunciou, pois conhecia-a. 

É preciso ''NÃO''acreditar e pelo contrário exigir conhecer toda a situação. Uma auditoria independente às contas! Pois, como diz o bispo, até tudo pode estar a ser manipulado para conseguir destruir direitos. Temos de saber quanto devemos, a quem e porquê? E quem é responsável?

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;...
Seremos deuses adúlteros ou selvagens
escravos...NÂO@@}}}}}}

{{indent{{{indent{{{indent{@@font-size:11px; //Afonso Rocha//@@}}}}}}}}}
<br>
|[img[Reality Shows used as a Espanta o Quê| ./wikiImages/tvHorta.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Reality Shows used as a Espanta o Quê'', Rebordelo, Outubro de 2011@@//}}}}}}

Os agricultores de ~Trás-os-Montes estão a colocar as televisões na horta. Parece que os reality shows são óptimos para assustar a passarada. Os programas da manhã e da tarde também parecem ser muito eficazes.

{{indent{{{indent{@@font-size:10px; Da série fotográfica "Espanta o Quê?" @@}}}}}}
<br>
|[img[Procurar a eternidade num instante| ./wikiImages/eternidade.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Procurar a eternidade num instante'', Rebordelo, Outubro 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;Eterno é este instante, o dia claro,
as cores das casas desenhadas em aguada rasa,
castanhos e vermelhos quase em declive,
as janelas limpíssimas, de vidros muito honestos.
Este instante que foi e já não é, mal pousei a caneta
no papel: eterno

...
 Em ''Vozes'' de //Ana Luísa Amara//l@@}}}}}}

Fui hoje assistir, no Planetário no Porto, ao lançamento do último  livro de poesia de Ana Luísa Amaral, chamado ''Vozes''. Ao ouvir ler este poema, pela própria autora, compreendi finalmente porque regresso sempre às ervas onde se deita o silêncio. Compreendi porque não consigo resistir ao apelo, mesmo fechando os olhos, tal como os companheiros Ulisses taparam os ouvidos com cera, ao aproximarem-se dos mares das sereias. Volto às ervas à procura da eternidade, mesmo que a eternidade só dure um instante: esse.

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;Eterno é este instante, o dia claro,
as cores das ervas desenhadas em céu raso,
castanhos e amarelos quase em declive,
o ar limpíssimo, como de vidro muito honesto.
Este instante que foi e já não é, mal pousei a câmara
no colo: eterno@@}}}}}}
<br>
|[img[Proibido fotografar| ./wikiImages/proibido4.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Proibido fotografar'', Amsterdão, Museu da Fotografia, Outubro 2011@@//}}}}}}
Tenho nesta espécie de blog já algumas vezes protestado contra a incoerência(tolice?) de proibir a fotografia em museus e galerias de fotografia. Se a proibição de utilização de flash pode ter alguma justificação, proibir a fotografia é quanto a mim inaceitável e até moralmente sem justificação.

Neste caso, foi no museu de fotografia de Amsterdão, conhecido por Marseille. A exposição era de [[SCARLETT HOOFT GRAAFLAND| www.scarletthooftgraafland.com]], uma jovem fotógrafa holandesa, que fotografa paisagens, onde intervém de uma forma planeada, com objectos, com cor, ou utilizando coreografias de personagens locais. As intervenções são efêmeras, uma espécie de performance na paisagem, para a fotografar. As imagens são tecnicamente muito boas e evidenciam alguma sensibilidade/sentido de humor. A questão que coloco é até que ponto ela parece já estar amarrada a uma fórmula, de que se não consegue libertar, pois já a usou em vários locais na Europa, na América do Sul, na Ásia e na África, ao longo de muitos anos. Há vários exemplos de autores que parecem ficar prisioneiros de fórmulas, que já parecem há muito esgotadas, durante dezenas de anos ou mesmo toda a vida. Será este apenas um desabafo de quem (bem ou mal) tem sempre partido de um projecto fotográfico para outro, que parece ser completamente diferente?
<br>
|[img[Window in Amsterdam| ./wikiImages/amsterdamNigh2t.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Window in Amsterdam'', Amsterdão, Outubro de 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;A noite chega pela janela do quarto.
Tu não chegas.
A noite ilumina-se e 
o céu acende.
O candeeiro 
da tua mesinha de cabeceira 
não acende.
A noite escurece 
e tu adormeces
Eu não adormeço.@@}}}}}}
<br>
|[img[A Cinderela passou por aqui| ./wikiImages/casaAchada1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A Cinderela passou por aqui'', Largo da Achada, 19 de Novembro de 2011@@//}}}}}}

A Cinderela passou por aqui. Terá seguido o rasto de baba? Terá andado à procura do caracol?

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;O caracol não é tolo
não se perde no caminho
Deixa atrás de si no solo 
de baba, um fiozinho@@}}}}}}
<br>
|[img[Fountain by R. Butt| ./wikiImages/fountain.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Fountain by R. Butt'', Serralves, Novembro 2011@@//}}}}}}

As restrições financeiras obrigaram Serralves a adquirir uma Fountain de R. Butt em muito mau estado. 

Foram obrigados a usar fita adesiva para sustentar a peça.
<br>
|[img[Tu és tu ou tu és eu?| ./wikiImages/autoRetratoMatosinhos2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Tu és tu ou tu és eu?'', Matosinhos 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Ó caracol, caracol
já não sei o que me deu
C'os corminhos ao sol
tu és tu ou tu és eu?@@}}}}}}

Não consigo lembrar exactamente o momento em que surgiu a ideia do caracol, mas talvez ao nível do subconsciente, pensei nisto mais tarde, tenha pesado alguma parecença que eu posso reconhecer com esse bicho simpático. 

Tal como o caracol, desloco-me muito devagar na paisagem, demoro muito tempo a percorrer alguns metros, o que provoca muitas vezes os protestos de familiares e de amigos. O caracol tem razão quando diz ao leitor "os fotógrafos são uns chatos". Além disso, tal como o caracol, pareço quase sempre andar sem (des)tino e deixo por onde passo, com os disparos da câmara, uma espécie de baba atrás de mim, para ser capaz de encontrar o caminho de volta. E tenho memória de caracol, memória curta, a fotografia ajuda-me a recordar.
<br>
|[img[Velocidade Máxima 30 cm/h| ./wikiImages/casaAchada2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Velocidade Máxima 30 cm/h'', Largo da Achada, 19 de Novembro de 2011@@//}}}}}}

A Junta de Freguesia, sabendo da visita do caracol à Mouraria, mandou colocar uma placa de limite de velocidade junto à Casa da Achada em Lisboa. Vamos a ver se no Porto a edilidade tem o mesmo cuidado e coloca placas limitadoras na Rua José Falcão, junto à GESTO, no próximo sábado, dia 26 de Novembro, à tarde.

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Devagar, devagarinho
té parece que não bole
mas chega ao fim do caminho
com o seu corpinho mole

Vai à esquerda e direita
vai em frente e atrás retorna
A paisagem é estreita
visita de cada jorna

Atrás de si no chão deixa
um fiozinho brilhante
Um caminho que se fecha
se atrás volta, num instante

Se as coisas dão pró torto
às costas carrega o lar
e se não quer ser morto
só tem de se enrolar@@}}}}}}
<br>
|[img["O porco, criado e cevado com desvelos de que gozam poucos humanos, lá está a sangrar no banco do sacrifício"| ./wikiImages/matanca2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''O porco, criado e cevado com desvelos de que gozam poucos humanos, lá está a sangrar no banco do sacrifício'', Rebordelo, Dezembro de 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''S. Martinho de Anta, 24 de Dezembro de 1950 – A matança.'' O porco, criado e cevado com desvelos de que gozam poucos humanos, lá está a sangrar no banco do sacrifício. Berra que espanta a penumbra da madrugada, mas o seu sofrimento não encontra eco nos ouvidos de ninguém. Quanto mais barulhenta for a agonia, mais escoado ficará o seu corpo no chambaril. Impressionou-me sempre na vida aldeã este cerimonial doméstico, que acaba por deixar um porco de pernas para o ar, pendurado na trave da casa. (…) (Torga 1995: 508)@@}}}}}}

No penúltimo fim de semana fotografei a matança do porco em Rebordelo. A matança, nas terras de ~Trás-os-Montes, está ligada ao que de mais genuíno ainda lá persiste. O porco era a garantia de sobrevivência das gentes nessas regiões. Quase todas as tradições culturais incluem uma matança. É um momento de festa e muitas vezes de encontro e de partilha. Bem sei que poderá parecer cruel a muita gente e eu não sei se assistiria, se não me escondesse por detrás da máscara que a câmara constitui.
<br>
|[img['Mais um "Espanta o Quê"| ./wikiImages/espantaPano3.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Mais um Espanta o Quê'', Rebordelo, Dezembro de 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Já tudo é tudo. A perfeição dos
deuses digere o próprio estômago.
O rio da morte corre para a nascente.
O que é feito das palavras senão as palavras?

O que é feito de nós senão
as palavras que nos fazem
Todas as coisas são perfeitas de
Nós até ao infinito, somos pois divinos.

Já não é possível dizer mais nada
mas também não é possível ficar calado.
Eis o verdadeiro rosto do poema.
Assim seja feito a mais e a menos

//Manuel António Pina//@@}}}}}}

Quantas vezes já prometi aqui, nesta minha espécie de blog, não voltar a estas ervas onde se deita o silêncio? O projecto [[D'ouro d'Alendouro|http://www.renatoroque.com/paisagens_silencio/FrameSet.htm]] e o projecto [[Paisagens de Silêncio|http://www.renatoroque.com/paisagens_silencio/FrameSet.htm]] deveriam encerrar o assunto. Mas "Já não é possível dizer mais nada mas também não é possível ficar calado. Eis o verdadeiro rosto da //fotografia//. Assim seja feito a mais e a menos." 

E regresso sempre às ervas, de cada vez que volto ao Reino Maravilhoso, e sei vou continuar a regressar.

Nota: Obrigado Manuel António Pina por me dares a conhecer este poema na sessão de homenagem realizada a semana passada na Biblioteca Municipal de Matosinhos.
<br>
|[img['Um Espanta o Quê| ./wikiImages/espantaSaco.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Um Espanta o Quê'', Rebordelo, Dezembro de 2011@@//}}}}}}

Palavras para quê? Num dos locais mais belos dos mundo...
<br>
|[img[O governo quer decidir quem fica e quem sai| ./wikiImages/emigrar.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''O governo quer decidir quem fica e quem sai'', Picote, Julho de 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Ei-los que partem''

Ei-los que partem
novos e velhos 
buscando a sorte 
noutras paragens 
noutras aragens 
entre outros povos 
ei-los que partem 
velhos e novos 

Ei-los que partem 
de olhos molhados 
coração triste 
e a saca às costas 
esperança em riste 
sonhos dourados 
ei-los que partem 
de olhos molhados 

Virão um dia 
ricos ou não 
contando histórias 
de lá de longe 
onde o suor 
se fez em pão 
virão um dia 
ou não@@}}}}}}

{{indent{{{indent{{{indent{@@font-size:9px;//De canção de antes do 25 de Abril do Manuel Freire//@@}}}}}}}}}
<br>
|[img[O tempo parece que parou| ./wikiImages/boucoais2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''O tempo parece que parou'', Sonim, concelho de Valpaços, Novembro 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Nalguns locais do nosso país o tempo parece que parou, embrulhado num lençol de mortalha...@@}}}}}}

Jeff Wall é um fotógrafo americano de que não gosto especialmente - nem consegui compreender até hoje (bem talvez consiga em parte) o relevo de que parece gozar no reino da chamada fotografia contemporânea - mas não resisto a citar uma entrevista dele, publicada na ''ipsilon'' desta semana, a propósito de uma exposição sua no Centro de Arte Contemporânea, em Santiago de Compostela, porque estou absolutamente de acordo com o que ele lá diz. Penso mesmo que poderia ter respondido a algumas perguntas que lhe fizeram de uma forma muito parecida. Diz ele "Os fotógrafos são poetas: os grandes são todos poetas. A maioria interessa-se por poesia e sentem que existe alguma afinidade entre o que fazem e aquilo que um poeta faz". Ao responder à pergunta "Como surge a necessidade de realizar uma fotografia?" ele diz: É apenas uma intuição. São acidentes que surgem. As minhas fotografias podem ter origem em qualquer lugar, mas surgem quase sempre de forma acidental: pode ser alguma coisa que vi na rua, pode ser algo que uma pessoa me contou, pode ser uma canção e pode ser também um livro".  Depois respondendo à questão "Podemos então ler as suas fotografias como poemas" Jeff Wall responde: "Análogas à prosa poética, de uma forma simples. Sinto que Baudelaire que escreveu os maiores poemas em prosa, teve intenção de escrever uma reportagem e acabou com um poema. E penso que esse processo diz tudo acerca de como uma fotografia se pode tornar artística."

Alguns dirão que fotografam porque não sabem escrever. Eu digo que fotografo quando não quero escrever. Porque a fotografia me permite contar melhor as histórias que quero contar. E de facto, sem falsa modéstia, acho que todos os meus livros, bons ou maus, são livros de prosa poética, tal como afirma Jeff Wall.
<br> <br>
|[img[Receita de Ano Novo com Espanta O Quê| ./wikiImages/espantaCamisola1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Receita de Ano Novo com Espanta O Quê'', Rebordelo, Dezembro 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Receita de Ano Novo''

        Para você ganhar belíssimo Ano Novo
        cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
        Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
        (mal vivido talvez ou sem sentido)
        para você ganhar um ano
        não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
        mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
        novo até no coração das coisas menos percebidas
        (a começar pelo seu interior)
        novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
        mas com ele se come, se passeia,
        se ama, se compreende, se trabalha,
        você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
        não precisa expedir nem receber mensagens
        (planta recebe mensagens? passa telegramas?)

        Não precisa
        fazer lista de boas intenções
        para arquivá-las na gaveta.
        Não precisa chorar arrependido
        pelas besteiras consumidas
        nem parvamente acreditar
        que por decreto de esperança
        a partir de janeiro as coisas mudem
        e seja tudo claridade, recompensa,
        justiça entre os homens e as nações,
        liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
        direitos respeitados, começando
        pelo direito augusto de viver.

        Para ganhar um Ano Novo
        que mereça este nome,
        você, meu caro, tem de merecê-lo,
        tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
        mas tente, experimente, consciente.
        É dentro de você que o Ano Novo
        cochila e espera desde sempre.@@}}}}}}

{{indent{{{indent{{{indent{@@font-size:9px;//Carlos Drummond de Andrade//@@}}}}}}}}}

Para merecer um Ano Novo, que mereça este nome, você, meu caro, vai ter de deixar de se espantar com o que lhe fazem e vai ter de fazer alguma coisa...
<br>
|[img[Receita para fazer azul| ./wikiImages/azul4.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Receita para fazer azul'', Feira de Rebordelo, 4 de Dezembro de 2011@@//}}}}}}

''RECEITA PARA FAZER O AZUL''

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Se quiseres fazer azul,
pega num pedaço de céu e mete-o numa panela grande,
que possas levar ao lume do horizonte;
depois mexe o azul com um resto de vermelho
da madrugada, até que ele se desfaça;
despeja tudo num bacio bem limpo,
para que nada reste das impurezas da tarde.
Por fim, peneira um resto de ouro da areia
do meio-dia, até que a cor pegue ao fundo de metal.
Se quiseres, para que as cores se não desprendam
com o tempo, deita no líquido um caroço de pêssego queimado.
Vê-lo-ás desfazer-se, sem deixar sinais de que alguma vez
ali o puseste; e nem o negro da cinza deixará um resto de ocre
na superfície dourada. Podes, então, levantar a cor
até à altura dos olhos, e compará-la com o azul autêntico.
Ambas a s cores te parecerão semelhantes, sem que
possas distinguir entre uma e outra.
Assim o fiz – eu, Abraão ben Judá Ibn Haim,
iluminador de Loulé – e deixei a receita a quem quiser,
algum dia, imitar o céu.

//Nuno Júdice//@@}}}}}}
|[img[Um postal de Natal| ./wikiImages/postal2011_B.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Um postal de Natal'', 2011@@//}}}}}}
<br>
|[img[A pantera| ./wikiImages/jaula.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A Pantera'', 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;    
 ''Der Panther''

    Sein Blick ist vom Vorübergehn der Stäbe
    so müd geworden,dass er nichts mehr hält.
    Ihm ist, als ob es tausend Stäbe gäbe
    und hinter tausend Stäben keine Welt
    ...

''A Pantera''

    O seu olhar de tanto olhar as grades
    foi tomado de um cansaço profundo
    para ela é como se houvesse mil grades
    e, atrás das mil grades, nenhum mundo
    ...
   
Rainer Maria Rilke (tradução minha, desculpem qualquer falta de rigor...)@@}}}}}}

Tal como a pantera, parecemos hoje viver dentro de uma jaula e acreditamos que por detrás das grades não há nenhum mundo.

@@font-size:10px;Nota: Eu sabia que havia traduções do poema em português. Uma das pessoas que o traduziu foi o meu amigo Jorge Sousa Braga para o livro "Animal, Animal", uma colectânea sobre animais, onde o poema está incluído. Fui à procura do livro. Como não o consegui encontrar, fui obrigado a tentar uma tradução.@@
<br>
|[img[Este não é um Struth| ./wikiImages/struth4.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Este não é um Struth'', Portugal, Junho 2010@@//}}}}}}

Este não é um Struth, nem é uma Nova Imagem do Paraíso. Quando muito poderá ser uma imagem do Reino Maravilhoso (Mágico?).

O concurso ''Qual das duas imagens é um Thomas Struth? Qual a genuína, qual a falsa?'' foi, como terá sido evidente para a maioria, uma brincadeira, ou uma pequena provocação como um amigo lhe chamou, com o objectivo de fazer as pessoas reflectir sobre a chamada fotografia contemporânea: quais os mecanismos de atribuição do carimbo de artista contemporâneo e quais os mecanismos de atribuição de valor a cada imagem? Porque nestes mercados, tal como nos financeiros, também há agências de rating, que tal como aquelas são quase sempre controladas pelos donos do dinheiro.

As respostas que obtive foram curiosas. A par de respostas de gente que sobretudo alinhou na brincadeira e na provocação, tive algumas respostas de pessoas que pareceram levar o concurso a sério. Alguns fãs de Struth, que demonstravam conhecer as imagens - aliás fáceis de encontrar na Internet, onde eu as fui buscar -  que justificavam as suas escolhas "óbvias" das fotografias de Struth com aspectos técnicos: melhor densidade, melhor focagem e maior profundidade de campo, melhor relação cromática, etc.. Curiosamente, algumas pessoas pouco conhecedoras da obra de Struth e que não tiveram a preocupação de procurar as imagens na net, mas que procuraram identificar as imagens, nalguns casos escolheram as outras imagens baseadas em critérios técnicos idênticos, pois assumiam que as melhores imagem (quer dizer tecnicamente mais perfeitas) seriam a de tão ilustre autor. E houve mesmo quem justificasse a escolha apresentando os links para sites onde as imagens de Struth são observáveis.

Poderão alguns pensar, a partir desta brincadeira, que acho o trabalho de Struth muito mau. Não é esse o caso. Gosto de algumas séries, como a dos museus, gosto das fotografias de cidades a PB mais antigas. E tenho de reconhecer que todas são fotografias tecnicamente perfeitas, e o formato gigante ajuda muito. Mas não o considero um fotógrafo extraordinário. Muitos trabalhos serão mesmo triviais como é o caso das florestas. Está claramente sobre-valorizado, quando comparado com tantos autores europeus e não-europeus muito mais interessantes e inovadores. 

Deixem-me repetir uma história, que já contei aqui, mas que vem a matar. É uma pequena história verídica, que me foi contada por Alejandro Castellote, que foi durante muitos anos responsável pelo Foto España. Quando ele estava à frente do festival foi falar com uma senhora, que era então responsável pela colecção de arte da Fundação Telefonica, para tentar obter apoio dessa Fundação. A senhora disse-lhe cruamente que a fotografia lhe não interessava. Passados alguns anos, quando a fotografia começou a adquiriu notoriedade nos meios artísticos, por razões que ultrapassam este post, a Fundação decidiu adquirir obras fotográficas e a primeira fotografia que essa senhora decidiu comprar foi um Thomas Ruff. Mas poderia ter sido um Thomas Struth ou um Andreas Gürsky, todos ele do grupo de Dusseldorf, autores das imagens mais valorizadas no mercado de arte
<br>
|[img[Ver ao longe| ./wikiImages/chuva&nevoeiro.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, hoje em ~Trás-os-Montes com chuva e nevoeiro, concelho de Vinhais, 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
Ninguém sabe que coisa quer,
Ninguém conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...

É a Hora!

//Ferrnando Pessoa//@@}}}}}}
<br>
|[img[Objecto Luminoso Pousado na Paisagem| ./wikiImages/objectoLuminoso.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Objecto Luminoso Pousado na Paisagem'', S. Brás, Baião, Janeiro 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px; 
Assim o amor 
Espantado meu olhar com teus cabelos 
Espantado meu olhar com teus cavalos 
E grandes praias fluidas avenidas 
Tardes que oscilam demoradas 
E um confuso rumor de obscuras vidas 
E o tempo sentado no limiar dos campos 
Com seu fuso sua faca e seus novelos 

Em vão busquei eterna luz precisa 

''Sophia de Mello Breyner Andresen'', in “Obra Poética” @@}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:9px; E a luz sentada no limar dos campos
Com seu fuso sua faca e seus novelos

E eu encontrei a eterna luz precisa@@}}}}}}
<br>
|[img[vão-se os textos, fiquem os peixes| ./wikiImages/peixes.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''vão-se os textos, fiquem os peixes'', 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Clarice Lispector,
a senhora não devia
ter-se esquecido
de dar de comer aos peixes
andar entretida
a escrever um texto
não é desculpa
entre um peixe vivo
e um texto
escolhe-se sempre o peixe
vão-se os textos
fiquem os peixes
como disse Santo António
aos textos

Adília Lopes@@}}}}}}

Dedicado ao Sr. Soares dos Santos (Pingo Doce), porque ele merece, pelo texto e pelo peixe que nos vende todos os dias.
<br>
|[img[Proibido Fotografar Fotografias| ./wikiImages/proibidoStruth3.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Proibido Fotografar Fotografias do Struth'', Serralves, Janeiro 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px; ''Nota'': Esta foi a fotografia que fiz à frente da segurança do museu, antes de me virem informar que era proibido. Espero que não constitua um "uso indevido de imagens do artista"
@@}}}}}}
Na sequência do meu protesto, aqui e no FB, recebi vários comentários a solidarizarem-se com a minha posição, mas também recebi um email de Serralves tentando esclarecer a situação. Fiquei contente, pois revela que Serralves está atenta aos protestos dos seus visitantes. Tendo obtido autorização, decidi divulgar aqui esse mail e a minha resposta.

__MAIL de SERRALVES:__

Exmo. Senhor, 

Gostaríamos, antes de mais, de agradecer a visita que efectuou à Fundação de Serralves no passado dia 15 de Janeiro.

O nosso objectivo primordial é proporcionar aos nossos visitantes uma experiência única e enriquecedora. Nesse sentido, consideramos fundamental dispor das opiniões e apreciações de quem nos visita por forma a podermos implementar acções que visem a constante melhoria dos serviços que prestamos.

A atenção que os nossos visitantes nos merecem reflecte-se na justificação infra que a Direcção do Museu preparou como resposta ao comentário produzido no seu blog.

É um facto que o trabalho do artista Thomas Struth se tem vindo a desenvolver, em grande medida, graças à generosidade de museus que albergam algumas das consideradas obras-primas da arte ocidental. Nenhuma das imagens por si produzidas foi feita à revelia das instituições que autorizaram o fotógrafo a permanecer nas suas salas com equipamento fotográfico distinto daquele comummente transportado pelo comum visitante de museus – porque sabiam que Thomas Struth iria utilizar técnicas fotográficas irrepreensíveis, respeitar ao máximo as qualidades das peças, fotografando-as de forma a sublinhar as suas características, nomeadamente cromáticas. Uma das vertentes do seu trabalho passa pela crítica ao turismo cultural de massas que “obriga” as pessoas a circular por salas de exposição muitas vezes dedicando pouca atenção às obras apresentadas, que fotografam rapidamente ou cuja reprodução compram nas lojas dos museus. Ora o artista, a quem interessa contrariar o ritmo frenético com que hoje vemos exposições, propenso a distracções visuais mais do que à contemplação, pretende com a proibição de fotografar as suas obras garantir o espaço para a contemplação mais ou menos demorada das mesmas. Por outro lado, e infelizmente, multiplicam-se os casos de usos indevidos de imagens dos artistas – oferecidas pelas recentes plataformas de distribuição de imagens, nomeadamente a internet e que, em muitos casos, desrespeitam a natureza do seu próprio trabalho. Querendo controlar a forma como o seu trabalho é visionado e garantir que esse visionamento acontece em condições perfeitas, é o próprio artista quem coloca restrições no que toca à sua circulação.

Com os nossos melhores cumprimentos.

Direcção de Marketing e Desenvolvimento

__MINHA RESPOSTA:__

À Direção de Marketing e Desenvolvimento de Serralves

Gostaria de começar por agradecer o vosso mail, tentando esclarecer as razões da proibição de fotografar na exposição de Thomas Struth em Serralves, na sequência do conhecimento de um post meu, na minha espécie de blog, dedicado a esse assunto.

A seguir gostaria de esclarecer que o meu protesto e mesmo indignação não se volta contra Serralves, como tenho deixado claro neste e noutros posts dedicados a estas proibições na minha espécie de blog. Eu sei, porque visito Serralves com regularidade, que a política desta instituição tem sido sempre a de deixar fotografar, a menos que os autores obriguem a assumir uma posição diferente. Na exposição ao lado, do Eduardo Batarda, pude fotografar o que quis. A minha luta contra a proibição de fotografar em locais públicos, em particular nas exposições de fotografia, é antiga e tenho outros posts dedicados ao assunto. Foi o caso de das exposições de Robert Rauschenberg e de Augusto Alves da Silva em Serralves. A proibição nesses casos também se deveu a imposições desses autores.

Vejamos agora os argumentos que apresentam:

Eu conheço há muito o Thomas Struth e vi muitos dos seus trabalhos em muitas exposições em vários sítios da Europa. Não tenho qualquer dificuldade em reconhecer que o seu projecto dedicado aos museus, que integra a exposição de Serralves, pode conter uma crítica subtil "ao turismo cultural de massas que “obriga” as pessoas a circular por salas de exposição muitas vezes dedicando pouca atenção às obras apresentadas, que fotografam rapidamente ou cuja reprodução compram nas lojas dos museus". A partir desta observação não polémica afirmam no vosso email que o artista "pretende com a proibição de fotografar as suas obras garantir o espaço para a contemplação mais ou menos demorada das mesmas". Poderia ser um bom argumento ainda que a série "os museus" seja apenas uma pequena parte da obra exposta. A ser constatável, essa proibição e essa razão poderiam inculcar no trabalho de Struth até uma certa contemporaneidade de provocação ao visitante e de crítica aos conceitos massificados de cultura e de arte. No entanto observamos que a  informação de proibição de fotografar é quase invisível. Eu procurei-a, ao entrar na exposição e nas salas, pois queria fotografá-la, como acabei por fazer. Como informo no meu post, quando visitei a exposição, tinha já sido avisado da proibição e já estava pronto para a encarar.  A verdade é que tive de perguntar à segurança onde estava a proibição afixada. Ou seja, só os visitantes que tentam fotografar e o fazem à frente de um segurança são informados dessa proibição. Poderia ser uma simples falha de publicitação na montagem. Então eu li com atenção a folha distribuída aos visitantes. Nenhuma informação sobre a proibição. Procurei no catálogo e, mais uma vez, nada... Procurei na internet, em vários sites com informação sobre o trabalho de Struth, e nada. Para uma componente conceptual do seu trabalho tão importante pois "pretende garantir o espaço para a contemplação mais ou menos demorada das obras", já seria incompetência. Se houvesse competência, esta proibição teria de ser bem visível e por exemplo obrigar quem quisesse fotografar a pedir um autocolante na recepção acompanhado de informação sobre o assunto para propiciar o tal "espaço de contemplação". Há muitos museus, como devem saber, onde todos podem fotografar mas têm de pedir uma autorização na recepção. Ora, eu sei que Serralves é competente e que a montagem e a informação foi feita de acordo com as instruções de Struth. Eu estou certo de que a informação que me enviaram sobre a razão da proibição seja baseada em qualquer informação que obtiveram do Struth, onde gostaria de saber, mas essa informação conceptual é invisível para quem visita a exposição, mesmo depois de uma procura militante na folha de sala, catálogo e internet. É por isso estanho que ela exista de facto.

Vejamos o outro argumento "multiplicam-se os casos de usos indevidos de imagens dos artistas – oferecidas pelas recentes plataformas de distribuição de imagens, nomeadamente a internet e que, em muitos casos, desrespeitam a natureza do seu próprio trabalho. Querendo controlar a forma como o seu trabalho é visionado e garantir que esse visionamento acontece em condições perfeitas, é o próprio artista quem coloca restrições no que toca à sua circulação". Eu sei que é próprio artista quem coloca as restrições e é isso que eu considero estúpido e imoral, sobretudo neste caso. Será esse o argumento de Struth, mas alguém inteligente pode aceitar este argumento? Se eu quiser obter qualquer imagem do Struth, elas estão na Internet e também posso obtê-las de livros, até do catálogo que editaram, muito mais facilmente do que fotografar as obras com vidros e iluminação deficiente . Posso pegar nessas imagens e fazer todo o uso indevido que quiser. (Ver, por exemplo, o concurso que organizei aqui sobre "O Genuino Struth", que não considero indevido)

Reafirmando que o meu protesto não é contra Serralves, mas é por uma questão de principio e por não aceitar limites à liberdade de fotografar em locais públicos, a não ser em casos muito bem justificados, como por exemplo fotografar certas obras com flash. Se Serralves errou, foi apenas em não afirmar claramente na proibição e no esclarecimento que enviaram que ela se devia ''apenas'' à exigência do autor, contrariando a política normal do museu.

Tal como no passado continuarei a gostar de visitar Serralves, que considero que tem tido um papel muito positivo no panorama artístico em Portugal, mesmo reservando o meu direito a expressar o meu sentido critico, quando achar que o devo tornar público.

Melhores cumprimentos

Renato Roque
|[img[É proibido fotografar| ./wikiImages/proibidoStruth1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''É proibido fotografar'', Exposição de Thomas Struth, Serralves, Janeiro de 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:11px; 
Há uns dias, ao encontrar o João Fernandes, ele perguntou-se se eu ainda não tinha ido visitar a exposição de Thomas Struth a Serralves. Confirmei e ele afirmou que já desconfiava, pois eu ainda não tinha manifestado o meu protesto nesta espécie de blog, por ser proibido fotografar as imagens desse fotógrafo alemão. 

Estive finalmente esta semana no museu e confirmei essa proibição absurda e até, no caso de Thomas Struth, talvez imoral. Se pensarmos na sua série porventura mais conhecida, a dos museus, ele fotografa nos melhores museus de todo o mundo, onde normalmente é proibido fotografar, obras de génios da pintura como Velásquez, Dürer ou Seurat, com dezenas e dezenas de visitantes anónimos, depois imprime essas fotos e vende cada uma por centenas de milhares de euros e no fim proíbe que quem visita as suas exposições as possa fotografar. Além de inaceitável é estúpido, pois não consigo encontrar, tal como já aqui escrevi e desenvolvi em ocasiões anteriores, qualquer razão lógica para essa proibição. 

Eu fiz uma fotografia - que até ficou interessante - e uma senhora da segurança veio logo me "informar", como eu já estava à espera, de que não podia fotografar. Perguntei-lhe onde estava afixada essa proibição e ela indicou-me o local. Dirigi-me para lá e fotografei-o. Ao ver o que eu estava a fazer, ela veio logo ter comigo, reafirmando com veemência que já me tinha informado que não podia fotografar. Eu esclareci que só estava a fotografar o placard com a proibição e perguntei se também era proibido. Ela mostrou o seu grande espanto e resmungou " Fotografar o placard? Para quê?,"Porque gosto de fotografar placards de proibições!". Ela, percebendo que eu não estava a fotografar as obras tão frágeis de tão notório autor, afastou-se, talvez a pensar que no seu trabalho tem de lidar com todos os tipos de loucura.
@@}}}}}}

|[img[As obras dsta exposição são extremamente frágeis| ./wikiImages/proibidoStruth2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''As obras dsta exposição são extremamente frágeis'', Exposição de Thomas Struth, Serralves, Janeiro de 2012@@//}}}}}}
<br>
|[img[Qual é o Struth genuíno?| ./wikiImages/struth1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Qual é o Struth genuíno?''@@//}}}}}}

''Qual das duas imagens é um Thomas Struth? Qual a genuína, qual a falsa?''

Thomas Struth é um fotógrafo muito conhecido. Está exposto em Serralves. Pertence a um grupo de super-stars alemãs conhecido como o grupo de Dusseldorf. Para além do proprio Struth os mais conhecidos são o Thomas Ruff, o Andreas Gurski e a Candida Hofer. Há pouco tempo eram os fotógrafos com recordes em preços de vendas. Não sei se continuarão no topo, porque estas coisas mudam rapidamente, por vezes sem razões evidentes. 

Já uma vez criei aqui, na minha espécie de blog, um pequeno concurso a partir de uma exposição em Serralves. A exposição de Struth deu-me o pretexto para voltar à ideia.

O que eu acho muito curioso, agora que estou a meio de escrever este post, é aperceber-me de que, se não tenho a certeza de que a fotografia de Thomas Struth possa ser considerada como arte contemporânea, este concurso pode! Arte contemporânea, sim...

Quem desejar participar neste grandioso concurso, que vai ter prémios aliciantes, tem apenas de enviar um mail para ~QualEhStruth@gmail.com, indicando qual das duas é a imagem de Thomas Struth e explicando porquê.
{{indent{{{indent{@@font-size:11px;  @@}}}}}}
<br>
|[img[Qual é o Struth genuíno?| ./wikiImages/struth2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Qual é o Struth genuíno?''@@//}}}}}}

''Qual das duas imagens é um Thomas Struth? Qual a genuína, qual a falsa?''

Na exposição em Serralves uma das séries apresentadas por Thomas Struth chama-se ''Novas imagens do paraíso''. São fotografias de florestas tropicais situadas em vários locais. 

Este segundo par de imagens continua o desafio do post anterior, que usava fotografias da série dedicada a lugares de tecnologia.

Quem desejar participar neste grandioso concurso, que vai ter prémios aliciantes, tem apenas de enviar um mail para ~QualEhStruth@gmail.com, indicando qual das duas é a imagem de Thomas Struth e explicando porquê.
{{indent{{{indent{@@font-size:11px;  @@}}}}}}
<br>
|[img[Qual é o Struth genuíno?| ./wikiImages/struth3.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Qual é o Struth genuíno?''@@//}}}}}}

''Qual das duas imagens é um Thomas Struth? Qual a genuína, qual a falsa?''

Na exposição em Serralves uma das séries apresentadas por Thomas Struth chama-se ''Públicos'', integrando imagens de visitantes fotografados em museus e outros locais de culto cultural. 

Este terceiro par de imagens continua o desafio dos 2 posts anteriores.

Quem desejar participar neste grandioso concurso, que vai ter prémios aliciantes, tem apenas de enviar um mail para ~QualEhStruth@gmail.com, indicando qual das duas é a imagem de Thomas Struth e explicando porquê.
{{indent{{{indent{@@font-size:11px;  @@}}}}}}
<br>
|[img[Recomeçar| ./wikiImages/recomecar2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Recomeçar'', Rebordelo, Dezembro 2011@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Recomeçar''

Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…

Miguel Torga@@}}}}}}

Pareceu-me adequado colocar aqui, nesta minha espécie de blog, esta fotografia tão recente e este poema, ao chegar ao fim o primeiro dia do ano de 2012. Como uma mensagem, não de esperança, mas de coragem. Recomeçar...
<br>
|[img[Ver ao longe| ./wikiImages/longe.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Ver ao Longe'', 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
O sonho é ver as formas invisíveis
Da distância imprecisa, e, com sensiveis
Movimentos da esp'rança e da vontade,
Buscar na linha fria do horizonte
A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte-
Os beijos merecidos da Verdade

//Em Mensagem de Fernando Pessoa//@@}}}}}}

Porque em tempos de austeridade e de medo é difícil ver ao longe...

|[img[Ver ao perto| ./wikiImages/perto.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Ver ao Perto'', 2011@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
Quem vê é só o que vê, 
Quem sente não é quem é
...

//Novas Poesias Inéditas de Alberto Caeiro//@@}}}}}}

Porque nestes tempos, só vemos o que nos põem à frente dos olhos, mesmo que não esteja lá...
<br>
|[img[Auto-retrato no Bes Revelacao 2011| ./wikiImages/besRevelacao2011.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Auto-retrato no Bes Revelacao 2011'', Serralves, Janeiro2012@@//}}}}}}
Porque se insiste em dizer que o BES Revelação é um prémio de fotografia? Para além de se observar, na minha humilde opinião, uma qualidade artística que decai de ano para ano, vemos que nos seleccionados deste ano - exposição em Serralves - não há nada de fotografia. Há vídeo - um dos trabalhos em vídeo é interessante - há pintura, há desenho. É verdade que em anos anteriores muitos trabalhos já pouco (nada?) tinham a ver com fotografia, mas este ano atingiu-se o extremo: nenhum é verdadeiramente fotografia. Um trabalho exposto, baseado em vídeo, que se apropria de algumas fotografias de notícias de jornais não parece ser suficiente para um prémio que se reclama da fotografia.

Seria preferível chamar-lhe um prémio de artes visuais, onde a fotografia também poderia participar. Tudo seria mais transparente e a fotografia poderia desempenhar o papel subalterno que tem desempenhado sem parecer mal.

{{indent{{{indent{@@font-size:10px; No regulamento lemos:

"O BES Revelação é uma iniciativa conjunta do Banco Espírito Santo e da Fundação de Serralves que visa incentivar a produção e criação artística de jovens talentos portugueses, tendo por base uma lógica de divulgação, lançamento e apoio a todos os que recorram ao medium fotografia"
@@}}}}}}
<br>
|[img[Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz| ./wikiImages/cidadeCampo.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz'', Costa da Caparica, Fevereiro 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px; 
Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz
mas isso era o passado e podia ser duro
edificar sobre ele o Portugal futuro

Ruy Belo@@}}}}}}

O crescimento das cidades fez-se sem regras e foi ocupando todo o espaço de que a especulação necessitava. Nalguns sítios o campo resistiu. 
Muita gente partiu para as cidades à procura da sorte. Deixou de ouvir as horas do relógio da matriz da aldeia...

Vai ser duro edificar o Portugal futuro mas por outras razões. Teremos de impedir a destruição da parte do Portugal presente de que nos orgulhamos.
<br>
|[img[Um Espanta o Quê? no Serro| ./wikiImages/espantaSerro.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Um Espanta o Quê? no Serro'', Rebordelo, Fevereiro 2012@@//}}}}}}

Mais um ''Espanta O Quê'' no Serro...
{{indent{{{indent{@@font-size:10px; 
Não nos espantamos que nos prometam uma coisa e depois façam outra
Não nos espantamos que cortem nos salários e nas pensões
Não nos espantamos que decidam eliminar feriados
Não nos espantamos que eliminem direitos
Não nos espantamos que os responsáveis pelas burlas continuem por aí a aconselhar nos negócios
Não nos espantamos com as nomeações 
Não nos espantamos com a censura
Não nos espantamos com a venda ao desbarato do país a outro país
Não nos espantamos com a lata com que o fazem
Não nos espantamos com o desespanto de toda gente@@}}}}}}
<br>
|[img[Ó Portugal, Portugal| ./wikiImages/pensaoCentral.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Ó Portugal, Portugal'', Caldas de Aregos, Fevereiro 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px; Ó Portugal, Portugal

Esbanjaste muita vida nas apostas
E agora trazes o desgosto às costas
Não se pode estar direito
Quando se tem a espinha torta

//Jorge Palma//@@}}}}}}
<br>
|[img[Cidade dos Outros| ./wikiImages/tavira6.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Cidade dos Outros'', Tavira, Março 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px; ''Cidade dos Outros!''  
Uma terrível atroz imensa
Desonestidade
Cobre a cidade
Há um murmúrio de combinações
Uma telegrafia
Sem gestos sem sinais sem fios
O mal procura o mal e ambos se entendem
Compram e vendem
E com um sabor a coisa morta
A cidade dos outros
Bate à nossa porta

Sophia de Mello Breyner Andresen @@}}}}}}

A propósito do que está a acontecer à Europa.
<br>
|[img[Foto Andrade| ./wikiImages/andrade.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Foto Andrade'', Tavira, Palácio da Galeria, Março 2012@@//}}}}}}
A fotografia foi, desde a sua invenção, um processo de registo e de documentação cultural, social e político. Desde o final do século XIX que os estúdios foram abrindo em várias cidades portuguesas -o primeiro parece que foi no Porto - fazendo chegar o retrato a todo o lado. É um registo fundamental para compreender a história de Portugal.

O estúdio fotográfico, Casa Andrade, em Tavira, foi criado no início do século XX, ainda antes da instauração da República. Hoje o herdeiro - bisneto do fundador - guiou-nos na visita da exposição que vai estar aberta até ao Verão no Palácio da Galeria, que nos mostra a história do estúdio da família ao longo de 4 gerações. Apesar de muito do espólio ter sido impunemente destruído ou degradado, vale a pena a visita. A exposição está muito bem montada e por lá encontramos algumas imagens extremamente interessantes, até algumas que se poderiam transmutar em "objectos contemporâneos", como aconteceu por exemplo com o trabalho do fotógrafo galego [[Virxilio Vieitez |http://www.cefvigo.com/galego/galeria_virxilio.htm]], cujos fantásticos retratos realizados pelas aldeias onde vendia o seu trabalho, passaram rapidamente do anonimato a ser cotados nas melhores galerias de Paris.
<br>
|[img[Isto não é contemporâneo, ou agora já é?| ./wikiImages/tavira1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Isto não é contemporâneo, ou agora já é?'', ilha de Tavira, Março 2012@@//}}}}}}
Visitei uma exposição chamada "Fotografia Contemporânea" na galeria Cordeiros no Porto. Devem visitá-la se quiserem ser confrontados com um bom exemplo da confusão que o adjectivo "contemporâneo" provoca em tanta gente e até numa galeria tão antiga e "conceituada". Ao preparar este //"tiddler"// pensei em colocar por baixo um ''Aviso Sério'': Atenção que esta fotografia não é contemporânea, apesar de a ter realizado em 2012! Mas depois percebi que a mesma fotografia, com este aviso por debaixo, já podia ser considerada contemporânea. 
<br>
|[img[Pioneiros da fotografia em Portugal| ./wikiImages/tavira8.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Pioneiros da fotografia em Portugal - Casa Andrade'', Tavira, Palácio da Galeria, Março 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;"Chamo referente fotográfico não à coisa facultativamente real para que remete uma imagem ou um signo, mas à coisa necessariamente real que foi colocada diante da objectiva, sem a qual não haveria fotografia".

em Câmara Clara de Roland Barthes@@}}}}}}

A fotografia no século XIX e ainda nas primeiras décadas do século XX era quase sempre em estúdio. As máquinas eram ainda muito pesadas para poderem ser transportadas. O retrato usava muitas vezes um cenário pintado. Um cenário falso a servir de "referente". Curioso como esta metodologia foi recuperada por muitos dos chamados fotógrafos contemporâneos, interessados em questionar a representação fotográfica e o conceito de referente.

A Casa Andrade foi criada nos primeiros anos do século XX em Tavira. Há 4 gerações que os //Andrades// fotografam as gentes do Sotavento. A exposição no Palácio da Galeria está muito bem montada e merece a visita.
<br>
|[img[Speaker's Corner a que temos direito| ./wikiImages/tavira4.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Speaker's Corner a que temos direito'', Tavira, Março 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px; ''Fala!''  

Fala a sério e fala no gozo
Fá-la pela calada e fala claro 
Fala deveras saboroso 
Fala barato e fala caro 
Fala ao ouvido fala ao coração 
Falinhas mansas ou palavrão 
Fala à miúda mas fá-la bem 
Fala ao teu pai mas ouve a tua mãe 
Fala francês fala béu-béu 
Fala fininho e fala grosso 
Desentulha a garganta levanta o pescoço 
Fala como se falar fosse andar 
Fala com elegância muito e devagar. 

Alexandre O'Neill@@}}}}}}
<br>
Para a Raquel, uma imagem da cerejeira que dá as melhores cerejas do mundo. De novo florida.
|[img[Para a Raquel| ./wikiImages/cerejeira.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A uma cerejeira em flor'', Rebordelo, Serro, Abril 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''A UMA CEREJEIRA EM FLOR''

Acordar, ser na manhã de Abril
a brancura desta cerejeira;
arder das folhas à raiz,
dar versos ou florir desta maneira

Abrir os braços, acolher nos ramos
o vento, a luz, ou o quer que seja;
sentir o tempo, fibra a fibra,
a tecer o coração duma cereja.

// em As mãos e os frutos de Eugénio de Andrade//@@}}}}}}
<br>
|[img[Abro mão da primavera para que continues me olhando| ./wikiImages/primavera2012.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Abro mão da primavera para que continues me olhando'', Rebordelo, Abril 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Quero apenas cinco coisas.. 
Primeiro é o amor sem fim 
A segunda é ver o outono 
A terceira é o grave inverno 
Em quarto lugar o verão 
A quinta coisa são teus olhos 
Não quero dormir sem teus olhos. 
Não quero ser... sem que me olhes. 
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda@@}}}}}}

Eu até nem sou muito ambicioso mas quero muito mais coisas:

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
quero o vento morno na cara
quero o mar a molhar-me o corpo
quero queimar os pés na areia
quero ouvir o rio a correr nas fragas
quero o cansaço doce de subir ao monte
mas mais que tudo
quero a liberdade
quero a justiça
quero a verdade
e quero que os outros também queiram@@}}}}}}


Nota: Todos os anos tenho dedicado um "tidller" ao início da Primavera, sempre com uma imagem no Alendouro.
<br>
|[img[Auto-retrato com cartaz de "procura-se"| ./wikiImages/autoRetratoCQ.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Auto-retrato com cartaz de "procura-se"'', Matosinhos, 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto
E hoje, quando me sinto,
É com saudades de mim.

...

in Dispersão de Mário de ~Sá-Carneiro@@}}}}}}
<br>
|[img[Livres podemos ser, porque irrequietos, inconformados, rebeldes, Grávidos de Esperança| ./wikiImages/fontinha5.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Livres podemos ser, porque irrequietos, inconformados, rebeldes, Grávidos de Esperança'', Fontinha, Abril 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Livres podemos ser, porque irrequietos, inconformados, rebeldes
Grávidos de Esperança@@}}}}}}
{{indent{{{indent{{{indent{@@font-size:9px;Num muro da Fontinha@@}}}}}}}}}
Criei um [[álbum no Picasa|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/APoesiaSaiuDeNovoARua?authuser=0&feat=directlink#slideshow/5735745679898241922]] com as fotos do 25 de Abril na Fontinha e do 25 de Abril pela Fontinha
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Nota: tem talvez fotos a mais mas tive dificuldade em cortar.
Se alguém que aparece nalguma fotografia não quiser a imagem pública, diga-me.@@}}}}}}
<br>
|[img[Poderei ser algum dia um foto-jornalista?| ./wikiImages/fotojornalista3.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''Poderei ser algum dia um foto-jornalista?'', 12 Abril 2012@@//}}}}}}

Como é óbvio o meu "tiddler" anterior e a [[série| https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/ConseguireiAlgumDiaSerFotojornalista#slideshow/5731023471469864194]] que coloquei no Picasa tinham como objectivo provocar alguma reflexão sobre o que (não) é o foto-jornalismo nos dias que correm. Porque não é nada óbvio o que possa hoje ser. A fotografia mudou - há quem diga que o que existe já não é fotografia ( ver por exemplo [["La Câmara de Pandora|"http://ggili.com/es/tienda/productos/la-camara-de-pandora]] de Joan Fontcuberta)- e o foto-jornalismo mudou também e não é muitas vezes claro qual é o seu papel nem quais são os seus limites, nem parece haver muita discussão acerca disso.

Recebi alguns comentários e muitas pessoas parecem ter gostado especialmente desta foto. Porquê? Pelo seu lado simbólico?
<br>
|[img[Poderei ser algum dia um foto-jornalista?| ./wikiImages/fotojornalista2.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''Poderei ser algum dia um foto-jornalista?'', 12 Abril 2012@@//}}}}}}

Relatei nesta espécie de blog algumas experiências que pareciam evidenciar o facto de eu não ser um foto-jornalista.

Desta vez, queria tirar mesmo a prova dos nove. Quando vi o fumo negro e denso da minha janela, ainda sem saber do que se tratava, peguei na máquina fotográfica e saí de casa a correr. Voltei logo atrás para ir buscar uma bateria e um cartão de reserva, que meti no bolso.

Fotografei.

Regressado a casa com as imagens a dúvida permanece.

[[Vejam o álbum| https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/ConseguireiAlgumDiaSerFotojornalista#slideshow/5731023471469864194]] e ajudem-me a responder a essa questão.
<br>
|[img[Sou do partido dos autónomos| ./wikiImages/guimaraes1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Sou do partido dos autónomos'', Guimarães, Fábrica ASA, 21 de Abril 2012@@//}}}}}}

EU PERTENÇO AO PARTIDO DOS AUTÓNOMOS!

Por isso decidi dar a minha opinião!

Estive em Guimarães na Fábrica Asa. Não sei como estava o espaço quando decidiram utilizá-lo para o conjunto de eventos programados. A adaptação do espaço parece-me bastante bem feita. Quanto à exposição colectiva do rés-do chão o que senti é que a montagem é muito confusa. Demasiado! Não se consegue identificar o nome do autor ou o título da maioria das peças. Não se descobre em lado nenhum a duração dos vídeos. Não há texto de curadoria que definam o conceito de cada trabalho nem encontramos o critério das selecções das imagens agrupadas que, nalguns casos, parece ser pura aleatoriedade. 

Por outro lado em muitos trabalhos tem-se a sensação de que se continua em insistir na ruptura fácil, esquecendo que muita dessa ruptura está feita...

O urinol transformado em Fonte já aconteceu quase há um século atrás...
O lixo transformado ou assemblado em arte de Rauschenberg já tem mais de 50 anos...

Sim, eu sei que é muito difícil continuar a fazer arte contemporânea verdadeiramente inovadora. São muito poucos os que conseguem romper o que já foi rompido tantas vezes de outra forma, com ironia, humor, com narrativas que nos encantem ou seduzam.

|bgcolor(#000000):color(#000000):[img[O qué belo, o que não é| ./wikiImages/hevelda2.jpg]]|

Nota: bem sei que a chamada arte contemporânea nada tem a ver com critérios estéticos (belo ou não belo não lhe interessa a não ser para eventualmente o questionar), mas não resisti a ir buscar este poema de John Havelda que usei no meu projecto velhinho [["O que resta da Arte?" | http://www.renatoroque.com/resta/galeria.html]].  Porque a chamada arte contemporânea terá de ter pelo menos a ver com critérios de inteligência e de novidade.
<br>
Para a Raquel,
|[img[Uma pequena mão preenche| ./wikiImages/Raquel3.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Uma pequena mão preenche'', 5 Abril 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''O SEU OLHAR CHEGA COMO OFÍCIO E REPOUSA''

A sua voz vem subindo como um sopro, ondulando
o seu olhar chega como ofício e repousa
como água que desliza descampando de pedras
o seu leito -- ou vento que regressa desenhando
de luz o vácuo que uma pequena mão preenche
com as cores que reduzem o tempo
à sua eternidade

como as borboletas que nos canteiros azulam
de alegria o ar que respira e inédito
sempre seja no seu olhar
o sol a lua e o mar.

//poema escrito para a Raquel pelo Jorge Velhote//
@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img["O Caracol" espera pelos seus leitores| ./wikiImages/esperas.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''"O Caracol" espera pelos seus leitores, na escola de Nevogilde. Tu esperas por mim'', 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Um livro aberto é um cérebro que fala; 
Fechado, um amigo que espera; 
Esquecido, uma alma que perdoa; 
Destruído, um coração que chora.

Voltaire


Horas, horas sem fim,
pesadas, fundas,
esperarei por ti
até que todas as coisas sejam mudas.

Até que uma pedra irrompa
e floresça.
Até que um pássaro me saia da garganta
e no silêncio desapareça.

Eugénio de Andrade, em //As Mãos e os Frutos//@@}}}}}}

Nota: Já valeu a pena ter escrito e publicado "O Caracol", para ver [[este trabalho tão delicado em vídeo| https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=IIL3uQeMAic]], baseado nos desenhos e nos escritos dos alunos da escola de Nevogilde, a partir da leitura do livro, sob a orientação da professora Sara Canelhas.  
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Como se navegasse um rio| ./wikiImages/nu4.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Como se navegasse um rio'', 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Como se navegasse um rio
por dentro
e na tua fragilidade encontrasse
a minha força
Um caminho rigoroso de
silêncio

Casimiro de Brito@@}}}}}}

Eu não tenho experiência de fotografar em estúdio. O meu amigo Mário Jorge Pedra desafiou-me para fotografar nu feminino num velho armazém de tecidos, muito conhecido, na baixa do Porto.  Aquele espaço pertencera à sua família e, por isso, mantinha com ele ligações afectivas. O armazém ia ser vendido, depois de esvaziado. Viria a ser restaurado, curiosamente para uma empresa de novas tecnologias. Fizemos uma sessão com modelo e decidimos fazer mais uma sessão noutro espaço. Como tínhamos apenas um cabo de controlo dos dois flashes que utilizámos, éramos obrigados a fotografar à vez. A certa altura quando ele fotografava resolvi também fotografar, mas sem luz artificial, aumentando os ASA da máquna, e não tendo de me preocupar em orientar o modelo. Acho que essas foram as minhas melhores fotografias. A razão será a maior descontração e o facto de ver exactamente o que vou fotografar, o que não acontece com luz artificial. Antes de fotografar eu tenho de ver exactamente a imagem que procuro (encontro?). Depois de ter concluído que não sou foto-jornalista terei de concluir que não sou fotógrafo de estúdio?

Um flâneur vai sempre ser um flâneur. //Un flâneur sera toujours un flâneur//.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[De quem é esta obra exposta numa galeria da Miguel Bombarda?| ./wikiImages/FS.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''De quem é esta obra exposta numa galeria da Miguel Bombarda?'', 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Adivinha''
Não é galo nem galão
Nem padre nem sacristão
É um animal esquisito
Entre peru e pavão,
Tem barbas ruivas de milho
Tem olhos de crocodilo,
Rabo de gato ou de cão,
Ão ão, ão!

Eugénio de Andrade - (Aquela nuvem e Outras de 1986) @@}}}}}}

Aceitam-se respostas
<br>
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Deixamos! Paguem Menos!| ./wikiImages/DayOrg.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Deixamos! Paguem Menos!'', 15 de Maio de 2012@@//}}}}}}
"Paguem menos", "Deixamos", lê-se nos restos de jornal pegados ao vidro da montra de mais um estabelecimento comercial da Rua Brito Capelo em Matosinhos que fechou.

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;O homem vestiu o seu melhor fato, pôs a gravata dos funerais e foi vender o último anel de ouro que lhe restava.@@}}}}}}

Nota: Fiz estas duas fotos hoje para responder a um repto do meu amigo fotógrafo Nelson D'aires, membro do Kameraphoto, para fazer o upload de uma foto do dia 15 de Maio para um [[site que lançou esse desafio|http://www.aday.org/]].
Saí com a máquina e fiz apenas duas fotos perto do sítio onde vivo, em Matosinhos. Decidi juntá-las.
|bgcolor(#ffffff):[img[Não mexer pf| ./wikiImages/naoMexer.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Não mexer pf'', 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Gostava tanto de mexer na vida,
De ser quem sou – mas de poder tocar-lhe...
E não há forma: cada vez perdida
Mais a destreza de saber pegar-lhe.

Mário de ~Sá-Carneiro @@}}}}}}

|[img[GET OUT!| ./wikiImages/out.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''GET OUT!'', Guimarães, Fábrica ASA, Abril 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;{{twocolumns{

''Liberdade'' 

Nos meus cadernos de escola
Nesta carteira nas árvores
Nas areias e na neve
Escrevo teu nome

Em toda página lida
Em toda página branca
Pedra sangue papel cinza
Escrevo teu nome

Nas imagens redouradas
Na armadura dos guerreiros
E na coroa dos reis
Escrevo teu nome

Nas jungles e no deserto
Nos ninhos e nas giestas
No céu da minha infância
Escrevo teu nome

Nas maravilhas das noites
No pão branco da alvorada
Nas estações enlaçadas
Escrevo teu nome

Nos meus farrapos de azul
No tanque sol que mofou
No lago lua vivendo
Escrevo teu nome

Nas campinas do horizonte
Nas asas dos passarinhos
E no moinho das sombras
Escrevo teu nome

Em cada sopro de aurora
Na água do mar nos navios
Na serrania demente
Escrevo teu nome

Até na espuma das nuvens
No suor das tempestades
Na chuva insípida e espessa
Escrevo teu nome

Nas formas resplandecentes
Nos sinos das sete cores
E na física verdade
Escrevo teu nome




Nas veredas acordadas
E nos caminhos abertos
Nas praças que regurgitam
Escrevo teu nome

Na lâmpada que se acende
Na lâmpada que se apaga
Em minhas casas reunidas
Escrevo teu nome

No fruto partido em dois
de meu espelho e meu quarto
Na cama concha vazia
Escrevo teu nome

Em meu cão guloso e meigo
Em suas orelhas fitas
Em sua pata canhestra
Escrevo teu nome

No trampolim desta porta
Nos objetos familiares
Na língua do fogo puro
Escrevo teu nome

Em toda carne possuída
Na fronte de meus amigos
Em cada mão que se estende
Escrevo teu nome

Na vidraça das surpresas
Nos lábios que estão atentos
Bem acima do silêncio
Escrevo teu nome

Em meus refúgios destruídos
Em meus faróis desabados
Nas paredes do meu tédio
Escrevo teu nome

Na ausência sem mais desejos
Na solidão despojada
E nas escadas da morte
Escrevo teu nome

Na saúde recobrada
No perigo dissipado
Na esperança sem memórias
Escrevo teu nome

E ao poder de uma palavra
Recomeço minha vida
Nasci pra te conhecer
E te chamar
Liberdade

}}}

Paul Éluard - tradução de  Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira @@}}}}}}

Nasci para te conhecer 
e te chamar 
Liberdade
ελευθερία
Libertad
Liberté
Libertà
Freedom
Freiheit
Getout!
<br>
|[img[Trocas e baldrocas| ./wikiImages/consumo.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Trocas e baldrocas'', Tavira, Março 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''TROCAS''

Se me deres 
a lapiseira 
dou-te um gomo de maçã. 
Se me deres 
um livrinho 
dou-te as asas de uma rã.
Se me deres 
uma boneca 
dou-te a flor que dá a lã.
E se eu 
não te der nada?
Largo aqui uma galinha
para te dar uma dentada

Luisa Ducla Soares em ''Poemas da Mentira e da Verdade''@@}}}}}}

PS:

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Se me deres
uma cabeça
dou-te um espelho e um pente
Se me deres
o teu futuro
dou-te 50% de presente@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[GET OUT!| ./wikiImages/bernardo.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Para o Bernardo Sasseti'', 2012@@//}}}}}}

A vida raras vezes é justa. E quando é, ao mesmo tempo acontecem milhares de injustiças. Não conheci pessoalmente o Bernardo Sasseti. 

Assisti ao vivo a alguns dos seus espetáculos, a última vez, há tão pouco tempo, a acompanhar a Beatriz Batarda na belíssima "Menina do Mar" em Matosinhos, perto de minha casa. Fui a pé, regressei a voar. 
Ouvi algumas das suas entrevistas na rádio e na televisão. Era profundo e simples ao mesmo tempo. Fiquei com vontade de o conhecer.
Tenho alguns ~CDs seus que fui comprando ao longo do tempo. Há quem diga que o que é importante é a obra e não o autor. Eu não acredito nisso.

Nunca o conheci pessoalmente e ele morreu com 41 anos. A fazer fotografia. Suprema ironia, fotografia, a arte, de todas, a mais próxima da morte... 
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Sem título| ./wikiImages/trondheim5.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Fiorde de Trondheim, imagem do projecto ''12 pm'', editado em livro com poemas de Jorge Sousa Braga, 2008@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
O coração do mar
é um cemitério
de navios e de luar

//Jorge Sousa Braga//@@}}}}}}

Contra a ideia mais generalizada, que coloca próximas a pintura e a fotografia - ideia que é compreensível de um ponto de vista histórico, pois a fotografia, quando foi inventada provocou um conflito sobretudo com os pintores, conflito que, já agora, está muito longe de ser resolvido - eu tenho dito e escrito muitas vezes que considero a literatura e em particular a poesia como a forma de expressão mais próxima da fotografia. Trata-se evidentemente de uma posição pessoal e subjectiva que reflecte a minha atitude perante a fotografia e admito que outros a sintam de outra maneira. Os dois livros que publiquei com o Jorge Sousa Braga são de alguma forma uma materialização dessa ideia. Regresso a este assunto, a partir de um texto que acabei de ler. Na Feira do Livro deste ano encontrei num saldo um livrinho de bolso com o Banquete de Platão. Para quem nunca o leu, é um texto escrito sobre a forma de diálogo entre vários personagens, entre os quais está Sócrates, como em muitos outros livros de Platão. O Banquete é sobre o amor. A determinada altura no discurso de Sócrates ele diz, repetindo as palavras de Diotima, mulher de Mantineia:

{{indent{//Sabes que a "poesia" é multiforme; no sentido geral é, não importa em que objecto, a causa pela qual  ele surge do não-ser para a existência: assim os trabalhos realizados em todas as profissões são "poesias" e os seus autores "poetas". Todavia, tu sabes que estes não são denominados poetas, mas têm outros nomes, enquanto que de toda a “poesia” uma única parcela foi destacada, a que se refere à música e aos versos, e com o nome do todo é denominada.//}}}

Para Platão toda a criação é poesia. Assim, cada pessoa pode ser um poeta na sua actividade, se a exercer de uma forma criativa, se realizar coisas, criar objectos. Afinal, o célebre slogan de Joseph Beuys "Cada pessoa é um artista", que tanto clamor originou e que continua a ser objecto de tanta discussão, não passaria de uma reprodução daquela ideia de Platão, expressa há cerca de 2500 anos atrás!
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Sem título| ./wikiImages/festaSerralves7.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Sem título'', 3 de Junho de 2012@@//}}}}}}

SEM COMENTÁRIOS

{{indent{@@font-size:10px;Nota: em anos anteriores expressei aqui as minhas dúvidas e as minhas questões perante o evento //Serralves em Festa//. Parece-me que, sentindo-me dividido e tendo muita dificuldade em expressar essas dúvidas por palavras, talvez esta imagem acabe afinal por ser mais loquaz.@@}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Sem título| ./wikiImages/festaSerralvesF.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,  ''Que fez a Festa?'', Festa de Serralves, 3 de Junho de 2012@@//}}}}}}

{{indent{@@font-size:10px;Quem construiu a Tebas das sete portas?
Nos livros constam os nomes dos reis.
Os reis arrastaram os blocos de pedra?
E a Babilônia tantas vezes destruída
Quem ergueu outras tantas?
Em que casas da Lima radiante de ouro
Moravam os construtores?
Para onde foram os pedreiros 
Na noite em que ficou pronta a Muralha da China?
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.
Quem os levantou?
Sobre quem triunfaram os Césares?
A decantada Bizâncio só tinha palácios
Para seus habitantes?
Mesmo na legendária Atlântida,
Na noite em que o mar a engoliu,
Os que se afogavam gritaram por seus escravos.
O jovem Alexandre consquistou a Índia.
Ele sozinho?
César bateu os gauleses,
Não tinha pelo menos um cozinheiro consigo?
Felipe de Espanha chorou quando sua armada naufragou.
Ninguém mais chorou?
Fredrico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
Quem venceu além dele?

Uma vitória a cada página.
Quem cozinhava os banquetes da vitória?

Um grande homem a cada dez anos.
Quem pagava as despesas?

Tantos relatos.
Tantas perguntas.

//Bertolt Brecht//@@}}}

Afinal quem fez a festa?
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Aquele querido mês de Agosto| ./wikiImages/agosto.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Aquele querido mês de Agosto'', Rio Mente, ~Trás-os-Montes, 22 de Julho de 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
A poesia não vai à missa,
não obedece ao sino da paróquia,
prefere atiçar os seus cães
às pernas de deus e dos cobradores
de impostos.
Língua de fogo do não,
caminho estreito
e surdo da abdicação, a poesia
é uma espécie de animal
no escuro recusando a mão 
que o chama.
Animal solitário, às vezes 
irónico, às vezes amável,
quase sempre paciente e sem piedade.
A poesia adora
andar descalça nas areias do Verão.

//Eugénio de Andrade//@@}}}}}}

O problema é que quase todos nós vamos às missas, obedecemos aos sinos das paróquias e temos muito medo de queimar os pés nas areias do Verão...

Transformemo-nos pois em versos de um poema!
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Esta fotografia é MESMO uma apropriação| ./wikiImages/apropriacao.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Esta fotografia é MESMO uma apropriação'', Estúdio Foto Andrade, Tavira, 2012@@//}}}}}}

Na apresentação do livro [[''Fotografia e Curadoria''|http://www.theportfolioproject.org/books/hefc1d85#hefc1d85]] em Serralves mais uma vez veio à baila a questão da apropriação da fotografia pelos artistas contemporâneos. Como o tempo escasseou e porventura o meu ponto de vista não ficou totalmente claro decidi explicitá-lo aqui, nesta espécie de blog.

Antes de mais o conceito de apropriação ''faz'' sentido. Os surrealistas, os dadaístas, os conceptualistas e outros artistas apropriaram-se muitas vezes de fotografias e de outros objectos que integravam nos seus trabalhos. Os conceptualistas para além da apropriação propriamente dita de fotografias, muitas vezes de autor desconhecido, usaram fotografias de que eram autores em que, de acordo com as sua intenção expressa, não se preocupavam com a qualidade das imagens mas somente na afirmação de um conceito, quase sempre através de uma série e não de uma única imagem. No segundo caso, falar em apropriação, já poderá parecer forçado, pois os artistas são os autores das imagens (ver por exemplo Dibbets ou Ruscha), ainda que o carácter conceptual do trabalho, sem quaisquer preocupações técnicas ou estéticas, possa desculpar esse forçar da ideia original de apropriação. Por vezes associado a esta ideia de apropriação aparece a ideia de usar a fotografia como mera ferramenta@@font-size:8px;^^1^^@@, tal como expressa Ricardo Nicolau no seu livro "Fotografia na Arte"@@font-size:8px;^^2^^@@ , que constitui um dos vectores da reflexão no livro [[''Fotografia e Curadoria''|http://www.theportfolioproject.org/books/hefc1d85#hefc1d85]]. Para os fotógrafos do movimento conceptualista (ver por exemplo Dibbets ou Ruscha), para realçar o facto desses fotógrafos não valorizarem as qualidades estéticas ou técnicas da obra, poderíamos aceitar a utilização desse conceito de "ferramenta", que parece ser mais adequado do que falar em "apropriação". 

Mas o que é de estranhar (será) é pretender alargar estas ideias de apropriação e de ferramenta a muitos fotógrafos do nosso tempo. Como podemos falar de apropriação ou de ferramenta por exemplo a propósito da fotografia de Thomas Struth? Tal como no livro [[''Fotografia e Curadoria''|http://www.theportfolioproject.org/books/hefc1d85#hefc1d85]], escolho  este exemplo apenas porque é um autor conhecido, foi mostrado recentemente em Portugal e também porque foi o pomo da discussão que tivemos na apresentação do livro [[''Fotografia e Curadoria''|http://www.theportfolioproject.org/books/hefc1d85#hefc1d85]] na Biblioteca de Serralves@@font-size:8px;^^3^^@@. Muitos outros fotógrafos poderiam servir de ilustração para o que pretendemos mostrar. Como explicar a apropriação/ferramenta em Struth? Struth é fotógrafo, fez a sua aprendizagem numa escola de fotografia, faz uma fotografia tecnicamente e esteticamente  irrepreensível. Afirmar que faz sentido para Struth falar em apropriação ou em ferramenta porque ele faz séries ou porque "usa" a fotografia na afirmação de ideias ou de conceitos é o mesmo que dizer que todos os grandes fotógrafos fizeram apropriação ou usaram a fotografia como ferramenta. Todos fizeram séries e todos usaram a fotografia para expressar questões, ideias, inquietações. Afirmar que esta terminologia faz sentido pelas dimensões dos seus trabalhos é para mim algo de completamente incompreensível. As dimensões fazem parte da obra, claro, mas não são a obra. Struth hoje produz obras para contemplação (tableaux) nas paredes dos museus ou de instituições com muito dinheiro e essa é talvez a razão principal dessas dimensões, que exigem produção extremamente cara.

Como interpretar então esta insistência obsessiva na ideia de “apropriação”/"ferramenta" para artistas que de facto fotografam, que inclusive incorporam no seu trabalho toda a tradição e a cultura da fotografia  e que mostram essas fotografias em galerias e museus? 

Para assim os poder classificar como contemporâneos?  Talvez, já que nada parece existir nos seus trabalhos que traduza a ruptura ontológica com a Arte/Fotografia Clássicas ou Modernistas, que a chamada arte contemporânea exige.

Existem porventura outras justificações para esta obsessão:

a) Uma forma de “marketing”, para ser mais fácil vender fotografia no território das galerias? Antes, nem com os pictorialistas a fotografia tinha sido aceite no circuito da obra de arte. Para validar e valorizar a nova fotografia, seria necessário afirmar a sua diferença. Por isso, se transformaria a fotografia em “apropriação” da fotografia por artistas, que fotografam mas não são fotógrafos. Tal como os publicitários conseguem vender o mesmo produto, dando-lhe outro nome e outro embalagem, garantindo enormes diferenças. 

b) Dar tanta importância à questão da “apropriação” poderá representar também um ressurgimento de velhos preconceitos dos artistas e dos curadores, que sempre os impediram de aceitar a entrada da fotografia para o clube privado da arte, mas que agora são obrigados a aceitar por múltiplas razões que ultrapassam o âmbito deste pequeno texto. Para justificar esta mudança de atitude perante si próprios, teriam de vestir a fotografia com outras vestes, as suas. Podemos facilmente observar que as pessoas que normalmente recorrem a esta terminologia não tiveram uma formação importante na área da fotografia, mas sim na pintura ou na História de Arte.

Talvez tudo isto justifique ser tão decisivo distinguir os artistas que usam a fotografia dos fotógrafos que usam a fotografia, mesmo que os artistas sejam fotógrafos.

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;  1 Curiosamente esta ideia da “fotografia como ferramenta” ao serviço da arte, parece retomar o pensamento de Baudelaire, expressa no famoso “Salon de 1859”. Ele diz ao falar da fotografia “Il faut donc, qu’elle rentre dans son véritable devoir, qui est d’être la servante des sciences et des arts, mais la plus humble servante, comme l’imprimerie et la sténographie, qui n’ont ni criée ni suplée la litérature”.

  2 Ricardo Nicolau no seu livro associa os dois conceitos. Diz o autor ao falar dessa fotografia ferramenta: “confundida com determinadas práticas artísticas, nomeadamente as que foram designadas como arte conceptual, pós-modernismo e ''apropriacionismo''”.

  3Tal como afirmo no livro a escolha de fotógrafos - neste caso Struth -  não obedece a nenhum critério de gosto ou não-gosto, mas são apenas nomes conhecidos e que servem para ilustrar uma ideia.@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Um Castanheiro| ./wikiImages/searaCastanheiro.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Um Castanheiro'', Rebordelo, Julho 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''A árvore que se queria transformar em pássaro''

{{indent{//“Mal entrara no paraíso logo se encontrou diante de uma árvore que era a um só tempo homem e mulher.”
(Em ´Contos Maravilhosos de Herman Hesse)//}}}

O sonho bateu à porta. Abri a porta ao sonho e entrei.
Mal entrei, vi uma árvore majestosa. Sentei-me à sua sombra e perguntei-lhe se era um castanheiro, mas a árvore não me respondeu. Talvez não me compreendesse. Infelizmente, na escola não aprendemos a falar com as árvores.
Levantei-me, e continuei. Os meus pés pisavam flores de todas as cores sem as machucar. Cheiravam cheiros antigos que quase já tinha esquecido.
Vi uma outra árvore tão majestosa como a primeira. No galho mais alto pousava um pássaro muito belo. Perguntei-lhe:
- Pássaro o que é a felicidade?
- A felicidade é poder voar-. Abriu as asas e voou. Bateu as asas e transformou-se numa borboleta que voltejou sobre a minha cabeça. Estendi o braço e a borboleta pousou na palma da minha mão, fazendo-me cócegas. Bateu as asas e transformou-se num espelho. Do outro lado, um outro Eu que eu não conhecia, fitava-me. Gostei dele. Disse-me:
- Este espelho é mágico. Podes pedir o que quiseres. O teu desejo será concedido.
Quase sem pensar pedi:
- Quero ser um castanheiro majestoso.
De imediato senti os meus pés criarem raízes, o meu corpo lenhificar-se. Os meus braços esticaram e curvaram, e novos braços nasceram. E nos braços folhas verdes brotaram, pois estávamos na Primavera. 
Os anos passaram, muitos muitos anos, e eu sentia-me feliz e importante. Era um castanheiro. Os pássaros pousavam nos meus ramos, faziam ninhos, nasciam, cresciam e morriam. As borboletas voavam, e a cada bater de asas transformavam-se, e magicamente transformavam o mundo à minha volta. Os prados verdejantes transmutavam-se em searas luminosas. Regatos frescos e rumorejantes desapareciam revelando encostas pedregosas. Mas as minhas raízes continuavam bem cravadas na terra. 
Demorei muito tempo a compreender que não era feliz. Que a vida de árvore não me chegava. Mas as raízes continuavam a crescer e a enterrar-se bem fundo na terra.
Um dia, um pássaro-arco-iris pousou no meu ramo mais alto. Cantou uma canção triste e bela que não compreendi porque infelizmente as árvores não aprendem a falar com os pássaros. Mas comoveu-me. O eco de algo pronunciado há muito tempo ressoou, reflectido pela abóbada celeste: “A felicidade é poder voar.” Bati os ramos mas as raízes fundas não me deixaram mover. Uma borboleta negra pousou no bico do pássaro, bateu as asas e transformou-se em espelho mágico. O pássaro piou e expressou o desejo.
Senti as raízes cederem. Transformei-me em pássaro e levantámos voo juntos. 
Sobrevoamos prados verdes, searas de ouro e campos rubros de papoilas. Ao cruzar um souto olhei os castanheiros-irmãos e chorei uma lágrima que caiu na terra de onde brotou uma nova árvore. Pousamos no seu galho mais alto, transformámo-nos em borboletas batemos as asas e fundimo-nos na árvore, “uma árvore que era a um só tempo homem e mulher”.

//Em ''Arcas de Sonhos'' de Renato Roque, editado pela Colibri em 1994//
@@}}}}}} 

Quem me conhece, sabe que tenho uma paixão especial por castanheiros. São árvores belíssimas e possuidoras de uma magia que não consigo expressar por palavras. Há uns poucos, perto da aldeia onde temos uma casa em Trás-os-Montes, que visito com frequência, como se visitam velhos amigos. Uns desses castanheiros, que fotografei muitas vezes ao longo dos anos, ardeu num dos incêndios estivais que massacram o nosso interior; pensei que tinha morrido, fotografei-o então queimado e prestei-lhe uma última homenagem nesta minha espécie de blog. Mas esse castanheiro, apesar de revelar algumas debilidades, recuperou e está vivo. Volto hoje a fotografá-lo com a esperança de que a sua magia possa ser um sinal para os tempos malditos em que vivemos.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Super-Homem em Matosinhos| ./wikiImages/superHomem.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''~Super-Homem em Matosinhos'', Matosinhos, 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
É grande quem usa vasos de argila como se fossem de prata, mas não é inferior quem usa vasos de prata como se fossem de argila. Uma alma fraca não sabe suportar a riqueza. 

Séneca@@}}}}}}

Nota: Os nosso governantes deveriam ler os clássicos!

Mas se já não podemos nem confiar no ~Super-Homem, que recorre à Internet para saber o que se passa no mundo, como queremos confiar nos nossos governantes que, ao que parece, receberam equivalência à cadeira de Ética.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Celeste abre brevemente| ./wikiImages/100metros1_sh.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Celeste Abre Brevemente'', da série ''Compro Ouro - A Menos de 100 Metros da Minha Casa'', Matosinhos, Agosto de 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Impus-me ontem a um exercício que resultou numa [[série fotográfica|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/ComproOuroUmaSerieAMenosDe100MetrosDeMinhaCasa#slideshow/5775157174865196658]] a que chamo "Compro Ouro - A Menos de 100 Metros da Minha Casa". Saí com a câmara para fotografar e dei a volta ao quarteirão, sem me poder afastar de minha casa mais do que cerca de 100 metros. Ao fim de cerca de uma hora de passeio tinha [[a série|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/ComproOuroUmaSerieAMenosDe100MetrosDeMinhaCasa#slideshow/5775157174865196658]].

Vamos às vezes tão longe à procura de imagens e elas estão ali a menos de 100 metros de nós.

Este díptico junta duas dessas imagens.

Nota: quem conhece o sítio onde moro identificará com certeza muitos dos locais...@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Aquele Querido Mês de Agosto| ./wikiImages/miramar4.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Aquele Querido Mês de Agosto'', Miramar, Agosto de 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''Poeminha de Homenagem à Preguiça Universal''

Que nada é impossível 
não é verdade; 
todo o mundo faz nada 
com facilidade 

//Millôr Fernandes in "~Pif-Paf"//@@}}}}}}

Há em Agosto, nas férias, na praia, que consumimos com sofreguidão, algo de muito absurdo. Mas a vida sem absurdos teria muito pouca graça...
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Graffitis à beira Douro| ./wikiImages/graffiti1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,''Graffitis à beira Douro'', Linha do Douro, 2012@@//}}}}}}

Ao contrário de muita gente, que vejo opinar sobre tudo e mais alguma coisa, há muitos assuntos relativamente aos quais não tenho uma opinião firme, dividindo-me entre os argumentos de um de outro lado. Uns destes assuntos está a gerar no presente alguma discussão. Refiro-me aos graffitis e à legislação mais repressiva que alguns pretendem (o governo?) aprovar para impredir ou condicionar tal actividade. Confesso que muitas vezes (quase sempre?) os graffitis me atraem visualmente, mesmo graffitis que na opinião de alguns não possam ser considerados graffitis mas simples "tags". Os segundos são meras inscrições de símbolos ou de assinaturas. E não me refiro apenas a graffitis que começaram como lixo nas paredes e que foram transformados, pelos tais mercados, em arte valiosa, vendida nas melhores galerias de todo o mundo. Gosto geralmente do efeito colorido da maioria dos graffitis e de outras pinturas murais. Mas por outro lado compreendo que haja muita e boa gente que não goste de ver essas imagem a ornar monumentos, estátuas, ou até as paredes das suas casas, que tinham acabado de caiar. Parece-me que nestes conflitos de interesses muitas vezes o bom-senso é a melhor solução, mas sei que não o consigo garantir.

Tudo isto a propósito de uma série de imagens que fiz em Julho, na minha viagem de combóio do Pocinho até ao Porto, a relembrar velhas viagens. O combóio estava coberto de graffitis, que cobriam inclusive parte das janelas, perturbando a visibilidade. Poderia ser um incómodo grande para alguém como eu que pretendia fazer algumas fotografias durante a viagem. Mas porque não transformar esta barreira num olhar diferente sobre o Douro? Foi o que tentei fazer.

Dessa decisão resultou uma série, a que esta imagem pertence. Se tiver tempo publicarei um álbum, que divulgarei.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[FDP| ./wikiImages/fdp.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,''FDP'', restauro cuidado de obra apresentada no projecto de arte contemporânea ''Collecting Collections and Concepts'', Fábrica ASA, Guimarães Capital Europeia da Cultura, 2012@@//}}}}}}

É muito curioso o fenómeno mediático gerado por uma notícia do "restauro" de um fresco numa pequena igreja perto de Saragoça, numa aldeia de nome Borja. A obra datava de 1910 e estava em mau estado. O autor do Ecce Hommo restaurado era um pintor espanhol chamado Elías García Martínez (1858-1934). O "restauro" foi feito por uma senhora da aldeia, de nome Cecilia Gimenez, com mais de 8o anos, aparentemente sem autorização. Este "restauro", que muitos consideram um horror e um atentado,está a provocar um interesse enorme (viral) em torno da aldeia onde o episódio aconteceu. A pequena igreja tem sido visitada por milhares de pessoas, são publicadas inúmeras notícias nos jornais, rádios e  televisões, e assistimos a inúmeras discussões nas redes sociais.

A minha questão, porventura irreverente/provocatória, é: seríamos ou não capazes de afirmar que este episódio contém algumas das características do que se costuma chamar arte contemporânea? Algumas pessoas ao ler isto pensarão "Lá está a ele a brincar, a gozar uma vez mais com as contradições inerentes ao conceito de arte contemporânea". Sim trata-se certamente disso, uma brincadeira, mas pretende ser brincadeira séria. Brincadeira séria? Faz sentido? Claro, se lembramos que uma das características, que atravessa grande parte do que se chama arte contemporânea, é a crítica mordaz, o humor, a irreverência. Basta pensar em Duchamp ou em Piero Manzoni para o percebermos.

E de facto essa pergunta provocatória(?) não é descabida, independentemente dos sorrisos que possa provocar. Se pensarmos um pouco, constatamos que é possível observar e questionar neste episódio quase todos os motivos de enfoque de muitas peças/projectos da chamada arte contemporânea. A arte contemporânea apresenta-se como uma arte de ruptura ontológica com toda a arte anterior, desde a arte clássica até ao modernismo. Questiona a função da arte, o conceito de belo, despreza a obra criada para contemplação, contesta o conceito de original, o conceito de valor da obra, o conceito de autoria, etc. Ora, podemos facilmente concluir que este "restauro" de Cecilia Gimenez permite colocar em cima da mesa todos esses conceitos fundadores da arte pré-contemporânea, e questioná-los de uma forma acutilante: o conceito de beleza, de autor, de valor de efemeridade da obra, de original, e até contestar a ilusão de verdade num restauro. Aliás, a intervenção numa obra de arte, alterando-a, questionando-a, ridicularizando-a, não é nada de novo na chamada arte contemporânea. Tem sido um método utilizado frequentemente por autores que pertencem a esse "género artístico" - basta pensarmos na Mona Lisa adornada com bigode de Duchamp. Lembro-me de outro episódio curioso, mediático, cuja notícia li há uns anos, já não sei onde, e que, como veremos, pode ter algumas similitudes com o acto de "restauro" que motivou esta reflexão. Aconteceu com a célebre escultura ''O Beijo'' de Rodin. Uma artista chamada Cornelia Parker, numa exposição que realizou na Tate em 2003, com autorização do museu, pretendeu intervir contemporaneamente na escultura célebre de Rodin, e decidiu cobri-la integralmente por tecido, escondendo assim a peça original. Independentemente das intenções, porventura irreverentes de Cornelia Parker, esta intervenção foi considerada por muitos como vandalismo e mesmo como um insulto à obra de Rodin, e gerou muitos protestos, tendo inclusive provocado uma reacção de protesto público por Piers Butler, que cortou os tecidos que cobriam a escultura, enquanto vários pares se beijavam à volta peça. Apesar de toda a contestação, que como se sabe muitas vezes a chamada arte contemporânea procura, aquela intervenção de Cornélia Parker foi apresentada como arte contemporânea num dos mais prestigiados museus do mundo. 

Poder-se-á argumentar que falta ao Ecce Hommo de Cecilia a vontade expressa da sua autora de realmente intervir de uma forma contemporânea. Faltaria no fundo à artista a inspiração/protecção da máxima "Arte é o que artista diz que é arte", divisa tão do agrado de algumas pessoas do meio. É verdade, poder-se-á acreditar que Cecilia pretendia mesmo só "restaurar" o Ecce Hommo, mas o Ecce Hommo já ultrapassou o estreito domínio de Cecilia Jimenez. Hoje agrega todo o fervilhar de notícias e de discussão globalizados. Se inserido num projecto contemporâneo por um curador corajoso(?), pode transformar-se facilmente numa peça contemporânea que nos faz reflectir sobre todas estas coisas, tal como um urinol corriqueiro de uma fábrica de material de casa de banho se transformou pelas mãos e cabeça de Duchamp na Fonte, de facto a fonte de um ciclo novo na história da arte.

Conclusão: esta "obra" de Cecilia Gimenez pode muito bem ser utilizada como peça importante num projecto contemporâneo que pretenda questionar a arte e até curiosamente a própria arte contemporânea e os princípios de transgressão em que assenta. Poder-se-á argumentar, com razão, que afinal qualquer objecto pode fazer parte de um projecto da chamada arte contemporânea, pois o que corporiza a arte contemporânea não são critérios estéticos nem técnicos mas tudo o que acontece à volta do objecto/evento: o mais importante não é o objecto/obra física mas sim a metadata. É verdade, e por isso mesmo este "restauro" contem afinal todos os condimentos necessários para o transformar num ícone contemporâneo. 

Estou a brincar mas, como avisei, a falar a sério...
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Fogo Sobre Fogo Sobre Fogo| ./wikiImages/fogoSobreFogo.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''Fogo Sobre Fogo Sobre Fogo'', Rebordelo, Agosto de 2012@@//}}}}}}
Estive na segunda semana de Agosto em ~Trás-os-Montes. Fotografei o  resultado de um  fogo de proporções razoáveis,  perto de nossa casa.  Com essas imagens criei uma [[série|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/FogoSobreFogoSobreFogo#slideshow/5779173593482143794]]. Juntei algumas fotografias, onde o verde começa a despertar, que fiz de outro fogo que tinha ocorrido o ano passado, bem próximo, num lameiro, no Serro.

Sabem o que me perturba nesta [[série|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/FogoSobreFogoSobreFogo#slideshow/5779173593482143794]] como noutras? O facto de imagens daquela natureza queimada poderem despertar emoções estéticas, como se realmente o fogo pudesse "purificar" o visível. Senti muitas vezes algo parecido ao olhar fotografias de muitos foto-jornalistas, de que o exemplo mais paradigmático será talvez o Sebastião Salgado. Como é possível que o mais forte possa ser uma tal emoção estética perante tanta dor e sofrimento?

Talvez a questão não faça sentido... Afinal, muitas obras-primas da literatura ou da pintura descrevem factos horrendos e tal já não me parece perturbar. Talvez este pudor radique afinal ainda naquela ilusão romântica de que a fotografia é um registo do real.

O título da série roubei-o de uma pequena colecção de pequenos textos, que escrevi em 1998, em resposta ao livro de poemas ''Fogo sobre Fogo'' de Jorge Sousa Braga, e que lhe enviei, junto com a carta que anexo. Na altura ainda não tinha com ele a relação de cumplicidade que alguns anos mais tarde nasceu e que já permitiu a colaboração em dois livros, D’ouro d’Alendouro (2003) e 12 pm (2008).


{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Jorge Sousa Braga:

Quantas palavras poderá conter uma gota de água? 

Eu prefiro, quase sempre, as gotas de água vazias de palavras. As palavras menos densas do que a água – densidade < 1 – vêm à tona, flutuam e conspurcam a transparência da água. As palavras mais densas do que a água – densidade > 1 – vão ao fundo e perdem-se para sempre. Durante o fim-de-semana, após a apresentação do teu livro na Leitura, li-o e reli-o várias vezes; alguns poemas despertaram-me pequenas reacções/anotações e tive vontade de fazer uma espécie de cantiga ao desafio: responder a cada um daqueles pequenos poemas, construindo como que uma imagem ao espelho do livro. Ao meu espelho. Aliás o título circular do livro quase sugeria essa brincadeira óptica/geométrica.

Fui repetindo as leituras, até que tinha escrevinhado 55 pequenos ‘poemas’/anotações/impressões, um(a) para cada um dos poemas no livro. Afinal, incoerente como sempre, enchera cada gota de água de palavras... Talvez o António Pina tenha razão quando disse na apresentação que entre ler e escrever poesia não há grande diferença. Depois hesitei 
sobre o que fazer. Deveria enviar-te o que escrevera? A minha timidez aconselhava-me a não o fazer. Seria pretensiosismo da minha parte enviar aqueles escritos, aqueles rascunhos tão verdes, apesar do prazer que me dera escrevê-los? Deveria deixar amadurecer aqueles rabiscos dentro de uma qualquer gaveta para escritos verdes. Sabia que, mais tarde, teria o argumento fácil da já falta de oportunidade da minha carta, para a não enviar. Depois, olhando para trás, concluí que nunca a minha timidez me servira para nada, a não ser para perder muitos futuros possíveis. A distância que uma carta permite facilitou-me a ousadia. 

Se as minhas palavras conspurcarem a transparência da água, basta aumentar-lhes ligeiramente a densidade  e afundá-las. Dotei para tal cada ‘poema’ de uma pequena bolsa que pode ser cheia de chumbo líquido. 

Tendo cumprido as normas de segurança, em vigor na UE, para projectos de poemas em gotas de água, decidi enviar-tos.

Obrigado

Renato Roque@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Facing My Youth| ./wikiImages/youth1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Facing My Youth'', Figueira de Castelo Rodrigo, em casa da minha avó, Setembro 2012@@//}}}}}}

Fotografar é como fazer pequenos riscos no tempo com a ilusão de que nada será esquecido...

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''A MINHA ALTURA''

Era a minha altura. Um livro
em cima da cabeça marcava
o lugar que um lápis semestralmente
riscava na parede da cozinha.
A única sabedoria dos ossos, crescerem
como a teia sólida de um propósito
e a anatomia mais transparente.
Centímetro a centímetro
espigava o corpo imaginário, essa contabilidade
que era assim, íntima, pictórica,
como uma cena burguesa.

Traço a traço a parede da cozinha
tornou-se rupestre,
a infância uma ternura assustadora.
Esta era a minha altura.
Agora sou tão mais alto e mais pequeno.

Pedro Mexia@@}}}}}}

Os Encontros da Imagem em Braga deste ano têm como tema a ''Juventude''. O tema aparece ligado ao facto de Braga ser este ano Capital Europeia da Juventude. A exposição coletiva no Mosteiro de Tibães chama-se por isso "Facing Youth". 

Desde sexta-feira última, em que visitei Tibães, que fui ganhando vontade de reflectir por escrito sobre o que lá vi. A principal motivação da escrita é saber que esta é a forma de eu próprio aprender e de conseguir reunir um corpo de pensamento próprio a partir do que vou vendo. Foi procedendo assim que reuni um conjunto de reflexões que foram o ponto de partida para poder publicar recentemente o livro ''Fotografia e Curadoria - Queijo Curado é Outra Coisa''.

Decidi depois colocar a mim próprio o desafio de construir [[uma série|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/AoEncontroDosEncontros#slideshow/5793275894546424882]], a  partir das imagens que fiz durante a visita aos Encontros da Imagem de Braga no dia 21 de Setembro de 2012, e que traduzisse o conjunto de reflexões que as exposições me suscitaram e que reflectisse também o meu estado de espírito ao deambular pela cidade de exposição em exposição. O destino da maior parte [[dessas imagens|https://picasaweb.google.com/114896269543768506710/AoEncontroDosEncontros#slideshow/5793275894546424882]] , depois de usar uma ou outra no Facebook ou aqui nesta espécie de blog, seria a arrecadação imensa de imagens passadas. E essa foi outra reflexão que este exercício tornou possível.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Mais Um Objecto Insólito Pousado Na Paisagem| ./wikiImages/FCR02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Mais Um Objecto Insólito Pousado Na Paisagem'', perto de Vale da Coelha, Almeida, Setembro 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Sob o chuveiro amar''

Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
Ou na banheira amar, de água vestidos,
Amor escorregante, foge, prende-se,
Torna a fugir, água nos olhos, bocas,
Dança, navegação, mergulho, chuva,
Essa espuma nos ventres, a brancura
Triangular do sexo é água, esperma,
É amor se esvaiando, ou nos tornamos fonte? 

 //Carlos Drummond de Andrade//@@}}}}}}

PS: as séries regressam de quando em vez com naturalidade.
<br>

|bgcolor(#ffffff):[img[A Poesia Saiu de Novo à Rua| ./wikiImages/manif1509_11.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A Poesia Saiu de Novo à Rua'', Porto, Avenida dos Aliados, 15 de Setembro 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

                         //Sophia de Mello Breyner Andresen//@@}}}}}}

Fazer política é intervir na vida em sociedade, participar na polis, na vida da cidade. Por isso considero que todos os meus "posts", aqui nesta espécie de blog, são de alguma forma políticos. Ao contrário do que considera muita gente, que resume a política à vida dos partidos, todos fazemos política todos os dias, mesmo quando afirmamos peremptoriamente que não o fazemos. Mas a política não costuma estar tão à superfície das águas aqui. Mas vivemos um tempo perigoso e de excepção e, por isso, este post também tem de ser excepcional, porque é urgente correr com este governo que, para além de ser varrido, deveria com outros personagens da seita ser julgado nos tribunais por gestão dolosa e talvez mais algumas coisas. 

A foto foi feita no fim da manifestação de 15 de Setembro no Porto, já quase noite, quando se cantava a "Grândola, Vila Morena".
<br>

|bgcolor(#ffffff):[img[Dança Macabra| ./wikiImages/boltansky1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Dança Macabra'', Fábrica ASA, Guimarães, Setembro 2012@@//}}}}}}

Estive a semana passada em Guimarães para visitar, entre outras coisas, a exposição "Dança Macabra" do Boltansky. Este autor tem abordado muitas vezes o tema da identidade, da vida e da morte, recorrendo frequentemente ao usa da fotografia, como acontece no conhecido trabalho "Les Suisses Morts", mostrado já várias vezes em Portugal. Por isso me interessava tanto. 

Confesso que "Dança Macabra" me suscita algumas perplexidades. Creio que ninguém ficará indiferente à instalação, pois, se ela contém um lado macabro, ao percebermos os casacos mobiles como símbolos de gente morta, como roupa que traz consigo o cheiro e até porventura o formato de corpos que se desfizeram, ou se desfazem, contém também algo de espectacular e até de lúdico, que divertirá tantos visitantes, a brincar por entre os casacos, gabardinas e sobretudos, que se arrastam num círculo vicioso na sala da fábrica ASA.

É esse lado lúdico, espectacular, de entretenimento, a que a chamada arte contemporânea tantas vezes recorre, que me causa algumas cócegas no umbigo, para as quais não conheço o anti-alérgico indicado. 

Parecer-me-ia um trabalho muito mais indicado como cenário de teatro, onde adquiriria com toda a certeza todo o dramatismo que potencialmente contém, mas que estou certo muitas vezes se não revela, disfarçado por aquele jogo de carrossel.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[O Restaurante Santa Cruz| ./wikiImages/boticas28_sh.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da [[série|https://www.facebook.com/photo.php?fbid=542400519110812&set=a.542396299111234.144774.100000226070829&type=3&theater]] ''A minha última viagem por ~Trás-os-Montes'', Boticas, Outubro 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''As Gavetas''
Não deves abrir as gavetas fechadas
por alguma razão as trancaram,
e teres descoberto agora a chave
é um acaso que podes ignorar.
Dentro das gavetas sabes o que encontras:
mentiras. Muitas mentiras de papel,
fotografias, objectos.
Dentro das gavetas está a imperfeição
do mundo, a inalterável imperfeição,
a mágoa com que repetidamente te desiludes.
As gavetas foram sendo preenchidas
por gente tão fraca como tu
e foram fechadas por alguém mais sábio do que tu.
Há um mês ou um século, não importa. 

Pedro Mexia@@}}}}}}

A última vez que tinha visitado Boticas tinha sido há mais de vinte anos. Quando entrei na vila (cidade?) na última sexta-feira, depois de várias rotundas, que por lá pululam, como por por todas as terras do interior, quase sempre engalanadas por fontanários ou esculturas de gosto duvidoso, não reconheci nada. Parecia ser uma terra diferente. 

Lembrava-me de ter almoçado da última vez num restaurante tradicional, onde tinha sido bem servido. Tinha sido aí que bebera, pela primeira vez e última, o chamado vinho dos mortos, receita que "devemos" às invasões francesas e à capacidade de improvisação dos lavradores portugueses, que engendraram uma forma de impedir o roubo do seu vinho. Esconderam-no, enterrando-o.  O resultado foi o tal vinho dos mortos, que parece que tem um travo especial que o distingue, por permanecer durante um determinado período de tempo enterrado, em condições especiais de temperatura e humidade; não sei exactamente como nem porquê. E digo "parece" porque bebi-o daquela vez mas não me consigo lembrar bem do paladar e por informação de pessoas com quem falei desta vez, parece haver muitas imitações, que mais não são do que o vinho tradicional a que colam o rótulo da estadia nas terras de Hades. Para atravessar o rio Aqueronte é necessário dar a moeda da passagem ao barqueiro. Mas essa gente não está disposta a gastar o que é devido a Caronte, preferindo enganar os ingénuos.

Lembrava-me de que o restaurante ficava na beira da estrada nacional, numa subida, e que tínhamos almoçado numa varanda virada para o exterior. 

Mas o restaurante não aparecia. Perguntámos e lá acabámos por descobri-lo, fora do local onde nos parecia que ele deveria estar. Soubemos então que o restaurante Sta Cruz já fechou há cerca de 20 anos, mas a dona teimosamente continua a habitar no edifício e mantém tudo como se tivesse fechado na semana passada. Como se o tempo tivesse parado. A varanda onde almoçáramos lá estava. [[Fotografei|https://www.facebook.com/photo.php?fbid=542400519110812&set=a.542396299111234.144774.100000226070829&type=3&theater]]

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;O tempo às vezes é opaco. Fechamos o tempo em pequenas gavetas e não conseguimos ver o outro lado do tempo. 

Se abrimos as gavetas, o tempo torna-se sólido, pregado com pregos no presente. 

Mas quase sempre o tempo é translúcido. Através do tempo pressentimos as sombras do passado.@@}}}}}}
<br> 
|bgcolor(#ffffff):[img[O fim do Verão entristece-me sempre| ./wikiImages/mat120916_13_sh.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''O fim do Verão entristece-me sempre'', Matosinhos, Setembro 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Contemplo o que não vejo''

Contemplo o que não vejo. 
É tarde, é quase escuro. 
E quanto em mim desejo 
Está parado ante o muro. 

Por cima o céu é grande; 
Sinto árvores além; 
Embora o vento abrande, 
Há folhas em vaivém. 

Tudo é do outro lado, 
No que há e no que penso. 
Nem há ramo agitado 
Que o céu não seja imenso. 

Confunde-se o que existe 
Com o que durmo e sou. 
Não sinto, não sou triste. 
Mas triste é o que estou. 

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"@@}}}}}}

Desde há uns anos que o Verão passa a correr. De Maio a Outubro é uma pressinha. O tempo acelera. Talvez tal efeito se deva um fenómeno estranho explicado pela Teoria da Relatividade Restrita dos Sonhos [[(TRRS)|http://www.renatoroque.com/rroque/trrs.htm]]. Talvez os sonhos acelerem mais no Verão e provoquem tal contracção do tempo. Talvez os sonhos acelerem mais durante os longos dias estivais, talvez a luz do sol influencie a taxa de aceleração.

Cada ano ao regressar de Figueira, da visita anual com a minha mãe à casa da minha avó, sei que os dias grandes acabaram. E o fim do Verão entristece-me...

Nota: a maioria das fotos que reuni ao longo de muitos anos - em filme e a partir de 2005 em suporte digital - estão guardadas em arcas do futuro. São do futuro, tive o cuidado de me certificar, mas não tenho a certeza de um dia as voltar a abrir. Quem conhece a TRRS, sabe do que falo. A utilização de espaço virtual, tal como o que oferece o Facebook ou o Picasa, permite-me(?) ter a ilusão de que consigo uma arca do futuro mais amigável (//user-friendly// como se diz no software) e com maior probabilidade de vir a ser aberta. Decidi por isso criar no Picasa este pequeno [[álbum|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.538283179522546.143869.100000226070829&type=3]] rascunho, a que chamei [[O fim do Verão entristece-me sempre|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.538283179522546.143869.100000226070829&type=3]]
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Último retrato| ./wikiImages/retrato.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Último retrato'', Rebordelo, Novembro 2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;"To photograph people is to violate them, by seeing them as they never see themselves, by having knowledge of them they can never have; it turns people into objects that can be symbolically possessed. Just as the camera is a sublimation of the gun, to photograph someone is a sublimated murder—a soft murder, appropriate to a sad, frightened time."

Susan Sontag in Plato’s Cave@@}}}}}}

É terrível, não é? Faz-nos pensar, não faz? Será por ter esta subpercepção ao nível do subconsciente que nunca publiquei fotos com pessoas - "publiquei" quer dizer aqui em livro ou em exposições - e mesmo no Facebook e nesta minha espécie de blog a percentagem de imagens com rostos humanos é pequena. Não sei... É verdade que sinto muitas vezes um certo pudor em carregar no "gatilho" e em "disparar" sobre os inocentes, mas isso nem sempre acontece ou, se acontece, muitas vezes cubro o pudor com despudor e lá vou fotografando e encurralando rostos de gente em pequenas caixas que foram de prata e hoje são feitas de uns e de zeros. Será esse pudor coberto de despudor que no fim não me deixa publicar?

~PS1: Esta é a última fotografia que fiz de uma pessoa. Na feira de Rebordelo, dia 4 De Novembro de 2012.
~PS2: O ensaio da Susan Sontag foi publicado em conjunto com outros ensaios pela Quetzal num livro chamado "Ensaios Sobre Fotografia", com tradução do José Afonso Furtado. Aconselho.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Com que palavras?| ./wikiImages/livros.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, do livro ''Uma Luz de Papel'', comemorativo do 95º aniversário da Livraria Académica, onde M.A. Pina participou, editado em 2007@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
As palavras (o tempo e os livros que
foram precisos para aqui chegar,
ao sítio do primeiro poema!)
são apenas seres deste mundo,
insubstanciais seres, incapazes também eles de compreender,
falando desamparadamente diante do mundo.
As palavras não chegam,
a palavra azul não chega,
a palavra dor não chega.
Como falaremos com tantas palavras? Com que palavras e sem
                                                                           [que palavras?
E, no entanto, é à sua volta
que se articula, balbuciante,
o enigma do mundo.
Não temos mais nada, e com tão pouco
havemos de amar e de ser amados,
e de nos conformar à vida e à morte,
e ao desespero, e à alegria,
havemos de comer e de vestir,
e de saber e de não saber,
e até o silêncio, se é possível o silêncio,
havemos de, penosamente, com as nossas palavras construí-lo.

Teremos então, enfim, uma casa onde morar
e uma cama onde dormir
e um sono onde coincidiremos
com a nossa vida,
um sono coerente e silencioso,
uma palavra só, sem voz, inarticulável,
anterior e exterior,
como um limite tendendo para destino nenhum
e para palavra nenhuma.

Manuel António Pina@@}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:11px;Lembro-me de ter ouvido o M.A. Pina, quando o interrogavam sobre  a forma de escrever poesia, contar mais do que uma vez uma história, parece que verídica, envolvendo o poeta Mallarmé e o pintor Degas . O pintor Degas terá comentado um dia, ao visitar o amigo Mallarmé, que possuía muitas boas ideias que poderiam ser utilizadas para escrever grandes poemas. Mallarmé teria respondido com assertividade  que os poemas não se escrevem  com ideias mas com palavras.

Para validar esta ideia do poeta, curiosamente descrita com palavras, decidi experimentar. Construí um mecanismo engenhoso, com uma peneira de grão fino, regulada para a dimensão da poesia,  montando-a sobre uma estrutura em arame, colocada sobre uma caixa de papelão cinzento de grande formato. Peguei em seguida em cada um dos seis volumes do  Houaiss e despejei na peneira todas as palavras, página a página, de A a Z, para separar  as palavras necessárias para construir um novo poema de M.A. Pina, um poema que ele escreveria se não tivesse sido forçado a partir. Porque esta era a única homenagem adequada.

Depois de algumas horas de joeira, já com os braços dormentes, cheguei ao "zzz..." e observei que todas as palavras tinham caído na caixa; nenhuma ficara retida no reticulado da peneira. Diminuí então a secção da peneira e repeti a operação; fi-lo várias vezes, mas o resultado foi sempre o mesmo. Experimentei ainda juntar ao Houaiss dicionários de sinónimos e de antónimos, dicionários de calão, dicionários de rimas fáceis e difíceis e de cada vez restava um vazio de palavras na rede da peneira; as palavras caíam todas e transbordavam da caixa que colocara por debaixo para as aparar. Perdia de cada vez algum tempo a procurar algumas palavras mais matreiras que aproveitavam a ocasião para se esconder em vários pontos da sala. Encontrei várias vezes um "cotão" debaixo do sofá, um "pó" por detrás dos livros nas estantes e um "lixo" sob a carpete.

Percebi então que, ao contrário do que afirmara Mallarmé e em que M.A. Pina parecia acreditar, a poesia, se não se constrói com ideias, também não se constrói com palavras . A poesia constrói-se com nada. O material, como sempre, tinha razão. Há nada e surge o poema. A poesia é o que conhecemos que mais se aproxima do milagre de multiplicação dos pães e do vinho, com a diferença de que, em vez de multiplicar uma existência, cria uma existência a partir de uma não existência. Existe subitamente um poema onde antes nada existia. Talvez cada poema nos permita aproximar da compreensão do Big Bang. É a única excepção conhecida à lei da conservação da energia, a única experiência que contraria  o célebre principio de Lavoisier "Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma".


Por isso não há poesia sem poetas; e eu não fui capaz de joeirar o teu poema, que procurava para te oferecer e homenagear.@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Die Kunst ist Kacke| ./wikiImages/sontag08.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Die Kunst ist Kacke'', Serralves, BES Revelação, Janeiro de  2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Even in the nineteenth century, when photography was thought to  be  so  evidently  in  need  of  defense  as  a  fine  art,  the  line  of defense was far from stable. Julia Margaret Cameron’s claim that photography qualifies as an art because, like painting, it seeks the beautiful  was  succeeded  by  Henry  Peach  Robinson’s  Wildean claim that photography is an art because it can lie. In the early twentieth century Alvin Langdon Coburn’s praise of photography as “the most modern of the arts,” because it is a fast, impersonal way of seeing, competed with Weston’s praise of photography as a new means of individual visual creation. In recent decades the notion of art has been exhausted as an instrument of polemic; indeed, a good part of the immense prestige that photography has acquired as an art form comes from its declared ambivalence toward being an art. 

Susan Sontag in ''On Photography''@@}}}}}} 

O BES Revelação é supostamente um concurso na área da fotografia*. Mas aparentemente a fotografia, que parece de alguma forma condenada a estar assombrada pelo espectro da beleza (ver uma vez mais os ensaios de Susan Sontag sobre fotografia e beleza), não é capaz de produzir verdadeira caca. Pode ser bela, pode mentir, pode produzir uma visão de autor, mas é incapaz de cheirar mal. Podemos por isso desculpar ao júri de um PRÉMIO de fotografia aceitar peças como esta....

Nota: Ainda não visitei o prémio deste ano, mas quando o fizer se tiver de dizer alguma coisa, di-lo-ei aqui nesta espécie de blog.

@@font-size:10px;*Ver lista das condições que os projectos devem respeitar no regulamento do prémio BES Revelação: "Projecto/trabalho em fotografia, impressão digital, slide 35 mm, ou diapositivo." Apesar de confuso (Porquê impressão digital? Porquê só slide em 35 mm? Qual a diferença entre slide e diapositivo?) afirma claramente projecto em fotografia!@@
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Fotografia e Narrativa| ./wikiImages/sontag06.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Uma história simples'', metro de Lisboa, Dezembro2012@@//}}}}}}
Li nos últimos dez anos dois livros que marcaram decididamente a forma como sinto a fotografia. O primeiro, ''Câmara Clara'' de Roland Barthes, levou-me de imediato a sentir a necessidade de escrever um pequeno ensaio em que, de alguma forma, pretendia demonstrar como o texto de Barthes, se era importante e mesmo interessante, era ao mesmo tempo fortemente redutor e mesmo castrador relativamente à fotografia. O segundo, ''Ensaios Sobre Fotografia'' (On Photography) de Susan Sontag é bastante mais difícil de digerir. É impossível ficar-lhe indiferente. Todos os fotógrafos, em particular os foto-jornalistas e os fotógrafos documentais, deveriam ser obrigados a lê-lo e a estudá-lo. A questão que se me põe é sobretudo saber, não se Sontag tem razão, mas se, como Barthes, ela não tem a razão toda. Não é para mim tão fácil encontrar os terrenos de fuga, as pedras no leito do rio, para fotógrafos que como eu queiram escapar ao triste fado que Sontag nos canta. Como quando afirma que a fotografia por si é incapaz de contar uma história, de revelar a verdade, é incapaz de "falar". Sontag cita Walter Benjamin, que afirmou em 1934, numa conferência em Paris, no Institute for the Study of Fascism :

@@color(#666666):"//The camera is now incapable of  photographing a tenement or a rubbish-heap  without  transfiguring  it. Not to mention a river dam or an electric cable factory: in front of these, photography can only say, ‘How   beautiful.’ It has succeeded in turning abject poverty itself, by handling it in a modish, technically perfect way, into an object of enjoyment. "//@@

@@color(#444444)://Moralists who love photographs always hope that words will save the picture. (The opposite approach to that of the museum curator who, in order to turn a photojournalist’s work into art, shows the photographs  without  their original  captions.) Thus, Benjamin thought that the right caption beneath a picture could “rescue it from the ravages of modishness and confer upon it a  revolutionary use  value.”  He  urged  that  writers  start  taking  photographs,  to show the way.
Socially concerned photographers assume that their work can convey some kind of stable meaning, can reveal truth. But partly because  the  photograph  is,  always,  an  object  in  a  context,  this
meaning is bound to drain away; that is, the context which shapes whatever immediate—in particular, political— uses.

Susan Sontag//@@

Quantas histórias poderiam as minhas fotografias feitas no metro em Lisboa, há uns dias atrás, contar? A história que eu contei não é a verdade, isso eu sei.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Postal de Natal 2012| ./wikiImages/postal2012_sh.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Postal 2012'', Dezembro2012@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Natal ~Up-To-Date''

Em vez da consoada há um baile de máscaras
Na filial do Banco erigiu-se um Presépio
Todos estes pastores são jovens tecnocratas
que usarão dominó já na próxima década

Chega o rei do petróleo a fingir de Rei Mago
Chega o rei do barulho e conserva-se mudo
enquanto se não sabe ao certo o resultado
dos que vêm sondar a reacção do público 

Nas palhas do curral ocultam microfones
O lajedo em redor é de pedras da lua
Rainhas de beleza hão-de vir de helicóptero
e é provável até que se apresentem nuas 

Eis que surge no céu a estrela prometida
Mas é para apontar mais um supermercado
onde se vende pão já transformado em cinza
para que o ritual seja muito mais rápido 

Assim a noite passa. E passa tão depressa
que a meia-noite em vós nem se demora um pouco
Só Jesus no entanto é que não comparece
Só Jesus afinal não quer nada convosco 

David ~Mourão-Ferreira@@}}}}}}

Confesso que tenho dificuldade em compreender este gesto repetido, quase mecânico, de amigos, pessoas sensíveis e inteligentes, de enviar postaizinhos bonitinhos com neve, com pais-natais, com pinheirinhos e luzinhas, a desejar Boas Festas e um Bom Ano, como se fosse possível termos Boas Festas e um Bom Ano enquanto bandidos destroem o país.

Recuso-me também a aceitar a sigla estéril de tanta gente, PR incluído, "Um bom ano na medida possível". O que é possível depende de nós e, se nada se fizer, o que é possível vai ser muito MAU.

Decidi por isso fazer um postal para esta minha espécie de blog, a desejar um 2013 DIFERENTE, que tem de ser desejado e construído por nós!

<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A Origem da Obra de Arte| ./wikiImages/heidegger01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Estas chinelas são uma coisa, estas chinelas são um um utensílio. A fotografia das chinelas é uma coisa, é um utensílio, poderá eventualmente constituir uma obra'', Escalhão, Setembro de 2012@@//}}}}}}

A minha espécie de blog funciona como um caderno de registos. Foi aqui que nasceram as reflexões escritas que acabariam por dar origem ao livro [[''Fotografia e Curadoria''|http://www.theportfolioproject.org/books/hefc1d85#hefc1d85O]].

Um desafio que aceitei (levianamente?) de escrever um ensaio sobre fotografia e beleza, depois de um primeiro artigo suscitado pelos ensaios de Susan Sontag, para em princípio publicar também na colecção [[REFLEX|http://www.theportfolioproject.org/books]], tem-me obrigado a ler uma série de livros. Tenho entre mãos um livrinho de Martin Heidegger que não é, como se costuma dizer, pera doce. Pequenino, mas difícil de enfrentar. O ensaio, publicado em 1950, chama-se ''A Origem da Obra de Arte'' e parece ser um texto fundamental sobre arte e beleza desse filósofo alemão. O primeiro capítulo tem como título ''A Coisa e a Obra'' e nele Heidegger começa por afirmar que a obra de arte é uma coisa, mas uma coisa especial.
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Todas as obras têm este carácter de coisa[Das Dinghaft]...A tão evocada vivência estética não passa sem o caráter de coisa da obra de arte...Mas a obra de arte, além do caráter de coisa, é ainda algo de outro. Este algo de outro que está nela constitui o artístico.@@}}}}}}
Depois Heidegger procura clarificar o que é afinal uma coisa. 
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
As coisas da natureza e as de uso são as que habitualmente chamamos de coisas....A pedra no caminho é uma coisa e também o torrão de terra. A jarra é uma coisa bem como a fonte no caminho. Mas o que dizer do leite na jarra e da água da fonte? Também estes são coisas, se as nuvens no céu e o cardo no campo, se a folha no vento do outono e o açor sobre a floresta se denominam de facto coisas. Tudo isto tem que ser efectivamente denominado uma coisa, se até se designa com o nome coisa o que propriamente não se mostra, como as coisas que referimos, quer dizer, o que não aparece. Uma tal coisa, que como tal não aparece, uma "coisa-em-si", é, segundo Kant, por exemplo, a totalidade do mundo ou até mesmo o próprio Deus. Coisas-em-si e coisas que aparecem (que se vêem), todo ente que é, chama-se na linguagem filosófica uma coisa. Ou seja, a palavra coisa nomeia seja o que for que simplesmente é não-nada...@@}}}}}}
Depois Hedegger procurar sistematizar os elementos que constituem as coisas e analisa várias possibilidades. Uma coisa como substância+acidentes ou como matéria+forma ou como conjunto de sensações. E concluímos que há três tipos de coisas: as coisas propriamente ditas, os utensílios - coisas construídas para desempenhar uma determinada função - e as obra de arte. Para compreender a essência da obra de arte, Heidegger utiliza o conhecido quadro de Van Gogh, que representa umas botas de camponês, ou seja uma coisa que representa outra coisa que neste caso é um utensílio, um par de botas.

Perante o quadro de Van Gogh afirma que a obra desvenda uma verdade.
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
O ser-utensílio do utensílio foi encontrado. Mas como? Não através de uma descrição e comentário de um utensílio-sapato realmente existente; não através de um relato sobre o processo da fabricação de sapatos; também não através da observação de uma real utilização do utensílio-sapatos que aconteceu aqui ou ali, mas, sim, somente através do facto de nos colocarmos diante do quadro de Van Gogh. Este falou-nos. Na proximidade da obra, estivemos repentinamente em outro lugar diferente do que habitualmente costumamos estar. A obra de arte deu a conhecer o que o utensílio-sapatos é em verdade...Na obra de arte, torna-se visível a verdade do ente.@@}}}}}}
E chega depois no fim do capítulo à parte que mais me interessou.
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Até agora a arte só tinha a ver com o Belo e a Beleza e não com a Verdade. Por isso as artes que produzem tais obras se chamam Belas-Artes em oposição às artes manuais, que fabricam utensílios...Mas se a arte é o "pôr-se em obra a verdade" dever-se-ia retomar a ideia, felizmente ultrapassada, de que a arte é uma imitação e uma cópia do real? A conformidade com o ente real vale há muito como a essência da verdade. Mas então achamos que aquele quadro de Van Gogh copia um par existente de sapatos de camponês e é, desse modo, uma obra de arte, porque consegue fazê-lo bem? Achamos que o quadro retira do real efetivo uma cópia e a transforma em obra de arte? De modo algum. Na obra de arte não se trata de uma reprodução de cada ente singular existente. Muito pelo contrário, trata-se da reprodução da essência geral das coisas...A obra de arte abre inauguralmente à sua maneira o ser do ente. Na obra acontece esta abertura inaugural, ou seja, o revelar, ou seja, a verdade do ente. Na obra de arte a verdade do ente revela-se em obra. A arte é o pôr-se-em-obra da verdade. @@}}}}}}

Não é fácil pois não? Não, mas desconfio que o meu próximo ensaio vai ser sobre a fotografia e a verdade. Depois da beleza a verdade. Sem voltar aos gregos que confundiam beleza com verdade.

Há uns tempos, nas conversas que mantemos acerca das minhas reflexões escritas, o Luís Tobias escreveu "ARTE é COMUNICAÇÃO, com ÉTICA E COM ESTÉTICA". Estaria a dizer o mesmo por outras palavras?
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Arca de Noé| ./wikiImages/noe01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem de ''Arca de Noé'', um projecto sobre Museus de História Natural, à espera de se revelar@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Zebra
liberta
no campo
o teu belo
cavalo branco

in Animal Animal um Bestiário Poético - antologia organizada por Jorge Sousa Braga@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Auto-retrato voyeurístico em vídeo de Julião Sarmento| ./wikiImages/JS05.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Auto-retrato voyeurístico em vídeo de Julião Sarmento'', em exposição de Julião Sarmento em Serralves, Janeiro 2013@@//}}}}}}

Aqueles que lêem o que vou escrevendo nesta espécie de blog e noutros sítios, sabem que uma das razões por que escrevo é tentar arrumar as ideias. A escrita obriga-me a depurar as ambiguidades e a aprofundar os argumentos. Depois de visitar em Serralves a grande exposição retrospectiva de Julião Sarmento, um dos autores com maior visibilidade em Portugal, achei que tinha de passar a escrito algumas das minhas reflexões. Vou concentrar-me na fotografia, não porque não tenha também opinião sobre o resto das técnicas que Julião Sarmento utiliza, mas porque a fotografia é o que mais me interessa e porque, por razões óbvias, serão opiniões muito mais fundamentadas.

Ao analisar o que nos apresenta a exposição em fotografia - conhecia alguns trabalhos de JS, outros não - verificamos facilmente que tudo, ou quase tudo, se integraria facilmente naquilo a que chamou o movimento conceptualista em fotografia, com particular expressão no fim da década de 60 e na década de 70. De facto, alguns trabalhos são inspirados directamente em trabalhos muito próximos de Ed Ruscha (a série das casas e apartamentos) em Dibbets (a sequência de fotos com diferentes exposições) ou em John Baldessari (as fotografias e séries com textos inscritos e outras séries como a série dos duplos). Estes trabalhos levantam uma questão de imediato, que já coloquei em cima da mesa noutras ocasiões: quando nos movemos no seio do conceptualismo, fará muito sentido repetir um conceito? De facto, na arte anterior, ao que se chamou de arte contemporânea, fazia sentido repetir temas, pois o autor acrescentava sempre algo de seu. Os critérios eram técnicos e estéticos e só assim se compreende os muitos milhares de Madonas, pintadas por centenas de pintores, com estilos diferentes, com técnicas diferentes, todas com o mesmo tema mas  todas com razão de ser. Mas quando se põem em causa esses critérios, quando se repudiam as qualidades formais e estéticas da obra, fará sentido repetir? O que se acrescenta? Repetir um conceito ainda é arte ou é mera divulgação? Esta é uma das contradições óbvias da chamada arte contemporânea. A chamada arte contemporânea tem apertado os caminhos da arte e esses caminhos cada vez mais estreitos não comportam o número de artistas a querer passar por esse funil. Este constrangimento associado a outras razões tem conduzido muitas vezes nos últimos anos a saídas sub-reptícias do campo estreito da chamada arte contemporânea, para tentar manter o atributo "contemporâneo" que hoje é valioso. Mas isso seria assunto para outro post.

Deixei para o fim aquele que me parece o trabalho mais interessante, sobre o pretenso quarto de hotel, onde os pais de Julião Sarmento teriam passado a lua-de-mel e onde o artista teria sido concebido. Esta história, tive a sorte de a ouvir durante a visita de uma escola, que apanhei nessa sala por acaso. E desde já uma pergunta: porque razão parece haver esta tendência a tantas vezes não revelar informação contextual tão importante para a compreensão de uma obra? Antes de ouvir esta informação tinha percebido que eram imagens de um ou mais quartos, que teriam algum significado importante para o autor. O título dá uma pista subtil(1947), Julião Sarmento nasceu a 48, mas é insuficiente. As imagens em grande formato, muito negras e com grande contraste, lembram o universo estético de Nozolino, ainda que Nozolino seja mais rigoroso nas impressões. Cada imagem é acompanhada de uma placa com as mesmas dimensões, pousada no chão, junto a cada fotografia, forrada a tela azul, que interpretei como uma óbvia referência à memória vazia de imagens (porquê azul, JS terá as suas razões), que Julião Sarmento só preencheu com a ajuda dos pais, e por isso a placa central que dedica este trabalho à memória de outro. Muitas das nossas memórias são-nos emprestadas e muitas vezes nem as distinguimos com precisão daquelas que são genuinamente nossas. Em minha opinião estas placas são esteticamente inadequadas, são forçadas porque desnecessárias, e porque parecem apenas um adorno artificial para obter para este trabalho o carimbo de conceptual e de contemporâneo. O trabalho não o exigia, e as placas espalhadas pela sala acabam por contrariar a sua simplicidade e, dessa forma, destruir a sua envolvente poética.

Já agora uma pergunta ao museu. Aceito que Julião Sarmento possa usar muitos títulos em línguas estrangeiras, nomeadamente em inglês, mas porque não foram tantas vezes esses títulos traduzidos nas etiquetas informativas junto a cada trabalho? Em muitos países da Europa tenho sido confrontado com situação inversas, por exemplo na Alemanha com títulos apenas em alemão, mas parece-me estranho em Portugal aparecer informação apenas numa língua estrangeira.

~PS1 - Já agora, para quem se interessa por estas matérias o Paulo Cunha e Silva publicou um artigo chamado [[A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS|http://www.artecapital.net/estado_arte.php?ref=30]] e eu respondi a algumas das suas propostas numa nota chamada [[Reflexões a partir do artigo do Paulo Cunha Silva|https://www.facebook.com/notes/renato-roque/reflex%C3%B5es-a-partir-do-artigo-do-paulo-cunha-silva-a-obra-de-arte-o-sistema-e-os-/471533902909030]]

~PS2 - Independentemente das minhas críticas, a exposição Noites Brancas de JS merece uma visita. Visitem e digam o que pensam.
<br>

|bgcolor(#ffffff):[img[Tua pele ser pele da minha pele| ./wikiImages/nu03.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Tua pele ser pele da minha pele'', foto que integra um eventual 2º projecto de nus, 2012@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Quem foi que à tua pele conferiu esse papel
de mais que tua pele ser pele da minha pele.

David ~Mourão-Ferreira@@}}}}}}

Nunca tinha fotografado nu. E se tinha alguma vez pensado nisso - talvez tivesse, quem não pensou, ao ser confrontado com os nus de tantos autores brilhantes ao longo da história da fotografia - com certeza, depressa, pus de lado esses pensamentos, não por serem pecaminosos, não, mas porque a minha relação com a fotografia nunca foi nesse sentido e não me via a contratar modelo para tal. Mas o desafio do meu amigo Jorge Pedra para fotografar nu num espaço muito especial em 2008 foi irrecusável. 

Uma questão pertinente perpassou o meu pensamento desde que realizámos as imagens e discutimos o que fazer com elas. Será ainda possível uma abordagem que ainda não tenha sido tomada? Seremos capazes de olhar e de pensar o nu de uma forma diferente não-redundante não-insignificante? 

A verdade é que assumimos este risco e estamos hoje  a preparar os dois, com a colaboração de duas escritoras amigas e de um designer, um projecto fotográfico a partir de um conjunto de imagens que fizemos há mais de 4 anos. É um projecto em que procuramos nos distanciar de uma visão erotizada do corpo. Fizemos depois em 2012 uma segunda série de fotos muito diferentes, num noutro espaço, a que pertence esta imagem, para um eventual 2º projecto(?) que ainda não sabemos se irá acontecer.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A morte é uma flor que só abre uma vez| ./wikiImages/florMorte01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''A morte é uma flor que só abre uma vez'', Rebordelo, a caminho de Vale de Armeiro, Janeiro 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''A MORTE'' 

A morte é uma flor que só abre uma vez.
Mas quando abre, nada se abre com ela.
Abre sempre que quer, e fora de estação. 

E vem, grande mariposa, adornando caules ondulantes.
Deixa-me ser o caule forte da sua alegria. 

//Paul Celan//@@}}}}}}

Nota: fui convidado para fazer a fotografia para o "flyer" da ''Quintas de Leitura'' de Fevereiro, que vai ser inspirada no poema de Paul Celan. Esta imagem pertence à série que realizei. A escolhida foi outra, que o TCA começou a divulgar.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A morte é uma flor que só abre uma vez| ./wikiImages/quintaFev2013_02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''A morte é uma flor que só abre uma vez'', Janeiro 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''A MORTE'' 

A morte é uma flor que só abre uma vez.
Mas quando abre, nada se abre com ela.
Abre sempre que quer, e fora de estação. 

E vem, grande mariposa, adornando caules ondulantes.
Deixa-me ser o caule forte da sua alegria. 

//Paul Celan//@@}}}}}}

Nota: esta foi a imagem seleccionada para o "flyer" da ''Quintas de Leitura'' de Fevereiro 2013, a partir do poema de Paul Celan, com poemas seleccionados por Paula Moura Pinheiro. Se arranjarem bilhete, apareçam.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Azul é sempre bonito| ./wikiImages/Besrev02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Azul é sempre bonito'', BES Revelação 2012 , Fevereiro 2013@@//}}}}}}

Fui a Serralves para visitar, como costumo fazer todos os anos, o BES Revelação. Tal como uma vez já aqui afirmei o BES Revelação é supostamente um concurso na área da fotografia (ver regulamento), mas que nos surpreende ano ano após ano, por vezes até com peças que de fotografia nada têm, a não ser porventura as fotografias das peças para o catálogo...

Este ano deixei-me surpreender por um trabalho chamado AZUL. Claro que "AZUL" é sempre bonito, e então em inglês onde permite múltiplas leituras... Depois de ver 3 imagens de uma casa com piscina, quase idênticas, e de fraca qualidade, fui surpreendido, lá mais para a frente na visita por uma sala  com um cordinha na entrada para impedir a passagem. O chão estava coberto por um plástico azul claro, tipo plástico de saco de lixo e, como da última vez que tinha tentado visitar a exposição, me tinham informado que a casa estava em manutenção e não podia visitá-la, pensei que entraria água por algum lado e que o plástico protegeria o soalho. Mas verifiquei depois que do outro lado da sala não havia corda e entrei para fazer umas fotos, mas acabei por reparar que havia uma legenda com o tal nome "AZUL" e percebi que afinal essa cobertura integrava o trabalho. Tinha eu acabado de ser abanado com esta brilhante dedução, quando um menino e uma menina que guardavam a exposição se põem a gesticular nervosamente, que eu não podia pôr os pés em cima da obra! Bem, não foi a primeira nem vai ser a última vez que com certeza vou pisar uma obra de arte. 

Depois li com atenção o que é dito no jornal de Serralves sobre o trabalho:
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
"Projecto em fotografia analógica, ampliada a partir de processos digitais. As imagens correspondem a planos, muito semelhantes, de uma piscina que pertence ao Clube Aquático Bosque da Saúde, em S. Paulo, e que a artista captou desde a varanda de sua casa em Novembro de 2011. No centro deste trabalho estão as ideias de série, de aparente repetição e de pequenas diferenças. Interessou-lhe relacionar o carácter imutável da arquitectura com a forma como alterações climatéricas, mesmo que subtis" - muito subtis, digo eu, pois não se notam - podem transformar a nossa percepção dos objectos."
@@}}}}}}

"No centro deste trabalho estão as ideias de série, de aparente repetição e de pequenas diferenças"?? Mas quantos artistas já fizeram isto antes e melhor? Basta ver por exemplo a conhecida série //"Throwing three balls in the air to get a straight line (best of thirty-six attempts)"// que junta à ideia da série, de 36 imagens já agora, e não por acaso, o sentido de humor. Um dos problemas do conceptualismo, como referi várias vezes, é que repetir conceitos, para mais sem sequer qualidade nas imagens, é como "as maçãs do rosto de uma mulher que lembram uma rosa" de Dali:
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
O primeiro homem a comparar as maçãs do rosto de uma mulher com uma rosa foi com certeza um poeta; o primeiro que o repetiu era possivelmente um idiota.
Salvador Dali@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A morte é uma flor que só abre uma vez| ./wikiImages/parque01_sh.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''Não-lugares'', Mirandela, Fevereiro Janeiro 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
E, se o futuro é já presente
Na visão de quem sabe ver,
Convoca aqui eternamente
Os que hão de ser!

Todos, todos! A hora passa,
O gênio colhe-a quando vai.
Vibra! Forma outra e a mesma raça
Da que se esvai.

A todos, todos, feitos num
Que é Portugal, sem lei nem fim,
Convoca, e, erguendo-os um a um,
Vibra, clarim!
...
in Mensagem de Fernando Pessoa@@}}}}}}

Este governo de facínoras pretende transformar Portugal num não-lugar. Convoca toda a gente, vibra ó clarim!
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Aquela  palmeira existe| ./wikiImages/figueira02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série na praia da Figueira da Foz, Março 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
É uma palmeira triste
as folhas deixam-se cair
Aquela palmeira existe
porque só sabe existir

Ali na areia enterrada
pode ver tão perto o mar
Naquela tristeza amarrada
nem pensa em lá chegar@@}}}}}}

PS - Cada um de nós é como aquela palmeira enterrada. Seremos capazes de caminhar à procura do mar?
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[até a voz do mar se torna exílio| ./wikiImages/matosinhos_130306_01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''Anteontem em Matosinhos'', Matosinhos, Março 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''EXÍLIO''

Quando a pátria que temos não a temos
perdida por silêncio e por renúncia
até a voz do mar se torna exílio
e a luz que nos rodeia é como grades

//Sophia de Mello Breyner Andresen//@@}}}}}}

É nossa responsabilidade romper o silêncio...
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Chama-se Poesia Tudo Aquilo que Fecha a Porta aos Imbecis| ./wikiImages/imbecis02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A Porta da Poesia'', Porto, 2008@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
“A poesia tem uma porta hermeticamente fechada para os imbecis, aberta de par em par para os inocentes. Não é uma porta fechada com chave ou com ferrolho, mas sua estrutura é tal que, por mais esforço que façam os imbecis, não conseguem abri-la, enquanto cede à simples presença dos inocentes. Não há nada mais oposto à imbecilidade que a inocência. A característica do imbecil é sua aspiração sistemática a certa ordem de poder. O inocente, ao contrário, nega-se a exercer o poder porque possui todos.”

Em ''Chama-se Poesia Tudo Aquilo que Fecha a Porta aos Imbecis'' de Aldo Pellegrini@@}}}}}}
A entrevista do Isaque Ferrerira no programa do valter hugo mão no Porto Canal chamou-me a atenção para este texto magnífico. Não o conhecia. Não dispondo de espaço para o publicar na totalidade aqui, deixo um [[link|http://furiasdeorfeu.blogspot.pt/2011/03/chama-se-poesia-tudo-aquilo-que-fecha.html]] para quem tiver curiosidade. 

Ora este texto sugeriu-me uma ideia fantástica. Nós temos andado atrás dos imbecis a lançar-lhes canções e palavras de ordem sem qualquer sucesso. Como diz Aldo Pellegrini no texto

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;“Os imbecis vivem num mundo artificial e falso: baseado no poder que se pode exercer sobre os outros, negam a rotunda realidade do humano, a qual substituem por esquemas ocos. O mundo do poder é um mundo vazio de sentido, fora da realidade".@@}}}}}}

Vivendo fora da realidade não compreendem o que lhes dizemos. A minha primeira ideia – estúpida é certo - foi lançar poemas para cima dos imbecis, pensando que poderia ser uma forma de lhes fechar a porta, como se os varresse para debaixo de um tapete mágico. Mas vi logo que era um disparate. Como são imunes à poesia, eles nem os veriam, e os poemas perder-se-iam, pisados pelos sapatos brilhantes engraxados desses imbecis. Lançar poesia a imbecis é como lançar pérolas a porcos. Depois compreendi. Bastará colocar um poema à porta de cada uma dos nossos corações e os imbecis não entrarão. Mandei fazer uma t-shirt branca com o poema de Alberto Pimenta impresso:

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;O pequeno filho da puta
é sempre
um pequeno filho da puta;@@}}}}}}

Nem se aproximam de mim...

Vou mandar fazer outras de todas as cores com poemas do Cesariny, Sophia, Mário Henrique Leiria e Manuel António Pina. Vou distribui-las pela família e amigos.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Ó noite| ./wikiImages/primavera2013_03.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''Crepúsculo de Primavera'', Rebordelo, 21 de Março de 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''Ó noite''
 
Ó noite, flor acesa, quem te colhe?
Sou eu que em ti me deixo anoitecer,
Ou o gesto preciso que te escolhe
Na flor dum outro ser?

Sophia Mello Breyner Andresen@@}}}}}}

Este poema foi a determinada altura o texto que ilustrou o meu projecto de fotografias realizadas à volta da meia-noite na Noruega, que depois adquiriu o título mais prosaico ''12 pm''.

Esta nova [[série|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.635109693173227.1073741828.100000226070829&type=1&l=85b38994ff]] realizei-a no primeiro dia da Primavera deste ano, no crepúsculo, à espera da queda da cortina da noite.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[DEMITAM-SE| ./wikiImages/LixeTroika01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''~DEMITAM-SE'', 2 de Março 2013@@//}}}}}}

Afirmei já algumas vezes, nomeadamente aqui, nesta espécie de blog, que não sou foto-jornalista, e é o que deveras sinto mas, ocasionalmente, aproximo-me desse registo. 

Neste caso, este [[álbum| https://plus.google.com/photos/114896269543768506710/albums/5851675395169058401/5851677656670586178]] é uma forma de  dizer o que eu sinto sobre o saque e a destruição deste país por um bando de salteadores...

Continuo a afirmar que sinto a fotografia sobretudo como uma forma de ficção, uma maneira de contar histórias, histórias pouco verdadeiras, mas que passam a ser verdadeiras depois de contadas, como todas as histórias, pois a verdade não é só a verdade que acontece. Ou então fotografar como uma forma de escrever poemas, se me permitirem esta ousadia.

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Duas notas breves

Nota1: todas as fotografias são do dia 2 de Março no Porto, com excepção da primeira, que funciona como capa, e que fiz em 29 de Setembro numa magnifica iniciativa, que reuniu vários coros do Porto para cantar o ACORDAI do Fernando ~Lopes-Graça, em vários locais da baixa do Porto. Porque o álbum reúne 2 ideias chave: Luta e Festa. A imagem pareceu-me por isso adequada para capa da série. ACORDAI portanto para a luta e para a festa.

Nota2: aproveito para vos convidar a aparecer numa conversa que vou dinamizar sobre Fotografia e Beleza, organizada pela Escola Informal de Fotografia do Espetáculo, na Casa das Caldeiras em Coimbra, sábado, dia 9 de Março, às 16 horas.@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Poderão um dia os computadores ter a noção de Beleza?| ./wikiImages/matosinhos_130306_03_C.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''Anteontem em Matosinhos'', Matosinhos, Março 2013@@//}}}}}}
O advento e o desenvolvimento da fotografia digital possibilitaram a oferta, inclusive gratuita muitas vezes, de inúmeras ferramentas sofisticadas, que permitem com uma enorme facilidade introduzir efeitos pictóricos variados, para obter imagens muito belas, ou pelo menos de belo efeito. O exemplo paradigmático serão os //iphones//, munidos de aplicações como o //instagram// ou o //snapseed//, que originaram uma //iphonemania//. Existem já muitas exposições, publicações e concursos muito populares, baseados neste novo universo. Eu não tenho //iphone//, tenho há muito o 1º modelo que foi vendido em Portugal com Android e nunca o uso para fotografar. De facto, até me esqueço de que o telemóvel pode ser utilizado para fotografar. Já me tem acontecido esquecer a minha pequena máquina de bolso, querer fotografar e não o fazer, sem me lembrar que tenho comigo o telemóvel. Se nada me move, no plano racional, contra a fotografia com telemóvel, não o faço, e creio que continuarei a não o fazer. Mas pode acontecer o contrário.

A foto que publico aqui e agora, feita com a minha pequena máquina de bolso, há poucos dias em Matosinhos, permite no entanto ilustrar a pequena reflexão que comecei a fazer acima, integrada num tema, que me tem preocupado e levado a escrever um conjunto de ensaios: a questão da beleza na fotografia. Escolhi esta imagem porque quando a publiquei no Facebook foi objecto de muitos /likes/ entusiasmados. 

A imagem à esquerda é a imagem original, directamente a partir do ficheiro no cartão da máquina, sem qualquer processamento. A imagem à direita teve tratamento fotográfico posterior em //photoshop// - nomeadamente ajuste de níveis, contrastes e "sharpening" - e a moldura tipo "old fashion", a imitar efeitos conhecidos da impressão em papel, tal como era feita antigamente a partir de negativos, foi colocada na imagem com uma nova aplicação chamada //snapseed//. Neste caso o processamento em //photoshop// foi manual, mas a moldura em //snapseed// é um processo quase automatizado. É só escolher o que se quer. E o //snapseed//, tal como o //instagram// para telemóveis, permite criar inúmeros efeitos, curiosamente quase todos de tipo "old fashion" / "vintage", que simulam a fotografia antiga  e que transformam praticamente qualquer imagem numa bela imagem. 

Escrevi há uns anos um pequeno [[ensaio |http://pt.scribd.com/doc/52913562/Alan-Turing-Artigo-Sobre-Jogo-Imitacao]] onde reflectia sobre um artigo famoso de Alan Turing, escrito em 1950, em que este matemático extraordinário defendia que os computadores no ano 2000 seriam capazes de pensar. Esse artigo de Turing ainda hoje é foco de muita polémica e de muitas controvérsias. Perante o que vemos estar a acontecer, outra pergunta pode ser pertinente. Serão os computadores - os telemóveis são hoje pequenos-grandes computadores, muito mais potentes do que algum dia Turing poderia imaginar - capazes no futuro de ter a noção de beleza? Este pensamento seria porventura capaz de provocar um calafrio a Kant, que defendeu ser a Beleza um conceito que distinguia os humanos.

A facilidade (trivialidade?) da beleza, com as novas ferramentas e aplicações, com //software// que cria beleza automaticamente, obriga-nos a adoptar uma atitude diferente perante a beleza? A história da fotografia, tal como refere Susan Sontag é marcada por essa procura desenfreada da beleza em todas as coisas. A chamada fotografia contemporânea, que nasce com o conceptualismo, rejeitou a beleza, recusou a contemplação do objecto artístico. Mas vemos hoje o retorno à beleza clássica, aquilo que eu tenho designado por um novo pictorialismo, paradoxalmente nascido no seio do que se continua a chamar fotografia contemporânea. O exemplo mais paradigmático é o de Thomas Struth. Mas se virmos a beleza em Thomas Struth assenta muitas vezes em grandes produções, que se nos impõem pela dimensão. Outro tipo de //instagram//? O espaço deste //post// não me permite desenvolver esta questão, que deixo no entanto aqui, em cima da mesa virtual desta espécie de blog.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Debaixo da cerejeira do cedo| ./wikiImages/sd01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Debaixo da cerejeira do cedo*'', Rebordelo, 20 de Abril de 2013@@//}}}}}}

Sentei-me à sombra da cerejeira "do cedo*", no jardim em Rebordelo, como gosto tanto de fazer depois de almoço, com o livro de Sousa Dias pousado no peito. Abri-o e comecei a ler. E gostei do que lia
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Nunca houve com efeito criação artística, nos vários domínios, que não exprimisse uma relação negativa com o seu tempo e um nexo activo com um tempo por vir: uma resistência ao presente, à actualidade circunstancial da obra, e uma exortação a um futuro, a uma comunidade futurível. Mas não a um futuro como acontecimento previsível ou mesmo provável, mas ao invés como um Evento infixável, processo puro, como a eventualidade de um povo capaz de acolher a arte e de a «realizar», de uma utópica comunidade revolucionária exigida como seu correlato pela criação. 
Faz-se arte para o futuro, para uma comunidade que falta, e como petição dessa comunidade: toda a criação é colectiva, ou feita em nome de um colectivo, de uma colectividade inexistente a suscitar. Não há arte, não há criação estética, sem esse sentimento de uma falta, de uma ausência, e da necessidade de uma comunidade mesmo improvável como única justificação da arte, de um devir revolucionário como única hipótese do homem. E nunca esse sentimento terá sido tão forte, nunca esse imperativo utópico tão necessário, como na nossa época dita do fim das utopias, ou em que as únicas cínicas «utopias» com que nos acenam são a democracia, a Europa ou a cidadania electrónica global. Porque nunca como nesta época se assistiu a tão despudorada homogeneização dos modos de existência, a tamanha compressão das condições de criação e das possibilidades de vida. Criação significa repossibilitação, toda a criação é criação de possibilidades, relançamento dos possíveis, e a sua realização. 

in a Utopia Íntima da Arte de Sousa Dias@@}}}}}}

A Utopia de Sousa Dias lembrava-me o conceito de contemporaneidade de Giorgio Agamben, que já agora nada tem a ver com o conceito de arte contemporânea com que somos confrontados habitualmente. Os contemporâneos seriam artistas que não se adaptam no seu tempo e que rompem com ele. Ser contemporâneo seria ser "do cedo", ser capaz de ver o futuro. Interrogava-me, perante o que lia, como continuava a ser possível confrontar-me com gente culta, inteligente e muitas vezes até assumindo-se de esquerda, que alinhava com a tese risível de "ser a arte aquilo que o artista diz que é arte", tese que, para além de ser falsa no plano prático do dia a dia, pois se alguém diz o que é a arte não são certamente os artistas, mas os directores dos museus, os curadores e os gestores de colecções, corresponderia a reduzir a arte a uma enorme operação de marketing.

Adiante afirma Sousa Dias a respeito da literatura

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Revelar dimensões desconhecidas ou inexploradas da realidade humana existente, ou então criar mundos existenciáveis, novas possibilidades de existência ou de vida dos homens...A grande literatura, é sempre conhecimento, um conhecimento que nenhuma ciência e nenhuma filosofia, nenhuma outra arte, poderiam restituir pelo seu lado. 

in a A Literatura e o Princípio de Razão Insuficiente de Sousa Dias@@}}}}}}

Sousa Dias fala de literatura mas as suas palavras são válidas para toda a criação artística. O que distingue a arte é então esta capacidade mágica de revelar novos mundos, de revelar uma verdade, não a verdade no sentido da imitação ou da cópia do real, mas uma verdade que permanecia escondida e que só a literatura, a pintura ou a fotografia podem revelar. O belo texto de Sousa Dias traz-nos burilado o pensamento de autores como Heidegger ou Deleuze, que ele aliás refere ao longo dos seus textos. 

É inspirador mas, ao mesmo tempo, assustador. Poderemos exigir a cada autor a cada criador esta capacidade sobre-humana de criar uma utopia, um novo mundo, de revelar uma verdade? No dia seguinte de manhã, saí como sempre com a máquina fotográfica ao pescoço para fotografar. Fotografei.

|bgcolor(#ffffff):[img[Lembrando-me de Heidegger| ./wikiImages/nozedo06_sh.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Lembrando-me de Heidegger e do quadro de Van Gogh que representa uns sapatos de camponesa'', Rebordelo, 21 de Abril de 2013@@//}}}}}}

Ou, perante aquele desafio enorme, deveria dizer "ousei fazer fotografias"? Conterão alguma utopia? Revelarão alguma verdade?


{{indent{@@font-size:9px;* "Do cedo" é a expressão utilizada em ~Trás-os-Montes para árvores que dão frutos antes da época. Ser artista é ser capaz de criar antes do tempo. Assim, a obra de arte seria sempre uma fruta fora de época@@}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Escada para a Primavera| ./wikiImages/primavera2013_01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Escada para a Primavera'', da série ''Primavera em Rebordelo'', Rebordelo, 21 de Março de 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
Que importa partirmos num desmoronar de poentes? 
 Mais triste mesmo a vida onde outros passarão 
 multiplicando-lhe a ausência que importa 
 se onde pomos os pés é primavera? 

 //Ruy Belo, in Aquele Grande Rio Eufrates//@@}}}}}}

Todos os anos tenho colocado aqui uma fotografia que celebra a Primavera. É verdade que o penúltimo //tiddler// ''Crepúsculo de Primavera'' foi já de alguma forma uma primeira tentativa. Mas era necessário um //tiddler// que assumisse essa homenagem de uma forma transparente. Aqui está.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[25 de Abril| ./wikiImages/25Abril05.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''25 de Abril*'', Porto, 25 de Abril de 2013@@//}}}}}}

Publiquei no Facebook várias fotografias que fiz no 25 de Abril no Porto, tal como tenho publicado imagens de outros momentos de afirmação de uma cidadania activa. Não me considerando um foto-jornalista, e tendo-o afirmado publicamente várias vezes aqui, tenho sentido necessidade de através desta participação imagética me juntar a esta vaga de protesto e de afirmação de alternativas. Aproximo-me assim inevitavelmente do que se chama um registo foto-jornalístico.

Na série dedicada ao 25 de Abril, como noutras anteriormente, publiquei algumas imagens a cor, outras a PB e algumas ainda a PB, mas mantendo alguns elementos a cor, como é o caso, nesta série, dos cravos vermelhos que, pela sua dimensão, quase se tornariam invisíveis se optasse pelo simples PB. Tenho-o feito, decidindo caso a caso e de uma forma completamente intuitiva qual a opção a usar. Não pretendo aqui justificar cada opção mas apenas  aproveitar esta realidade para iniciar porventura uma reflexão sobre os limites razoáveis para a fotografia, se os há, ou quando os há.

Sei que há muitos fotógrafos que torcem o nariz à opção que mistura cor com PB. Já recebi comentários desses. Eu acredito que esse torcer de proeminência nasal se deve sobretudo a memórias de tempos idos, quando havia o filme a PB e o filme a cor, e até de tempos em que os "verdadeiros" fotógrafos não usavam cor, reservada para fotografia publicitária ou de moda. Lembram-se dos muitos Encontros de Coimbra onde a cor não entrava? Não foi assim há tanto tempo...Hoje todos os "grandes" fotógrafos têm de fotografar a cor, não é?

Mas fará sentido traçar este tipo de limites? 

Teremos, parece-me, nesta reflexão de distinguir dois planos: o artístico, um plano feito de ficções, e o jornalístico com a ética deontológica que comporta.

No plano artístico não me parece legítimo colocar quaisquer limites. É um plano de criação, de ficção. Regressando a Sousa Dias, inspirado nos pensadores deste tempo, com quem eu me identifico, a arte é criação de utopias, de possibilidades que eram antes impossíveis. E essas impossibilidades constroem-se com tudo o que servir para as construir. A questão será se no fim a utopia relativa a essas impossibilidades lá está ou não...

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Criação significa repossibilitação, toda a criação é criação de possibilidades, relançamento dos possíveis, e a sua realização. Mas, precisamente, como criação que é, esses possíveis não preexistiam a essa realização, não existiam já idealmente como puras possibilidades. Pelo contrário: eram rigorosamente impossíveis, e sem essa criação jamais seriam, sequer, concebíveis. A obra de arte cria, ao mesmo tempo que a sua realidade, a sua própria possibilidade, e não há arte, não há critério da arte, fora dessa criação, dessa deslimitação, dessa extensão do horizonte do possível. A arte (como também, por outros meios, a filosofia, a criação conceptual) é de cada vez o afrontamento de uma impossibilidade e a realização do que, sem ela, teria permanecido não só irrealizado como impossível. De cada vez, e em cada domínio artístico, ela é a abertura, na ordem do sensível, de um inédito campo de sensações, de um campo não empírico de experiência, e assim o afastamento das fronteiras da sensibilidade, da emotividade e também da inteligência, o afastamento das fronteiras do humano. É neste sentido que a arte é impensável sem a não-arte, sem o apelo a um exterior que, todavia, lhe é interior, criado por ela, por ela possibilitado, impensável pois sem a sua intrínseca articulação com forças não artísticas que a efectivem, com forças de auto-superação humana ou com um devir revolucionário dos homens. É nesse sentido, em síntese, que a invenção estética por si mesma corporiza uma incontingente dimensão utópica, a utopia de um povo que a aproprie, de uma comunidade futura talvez impossível.

    Sousa Dias em A UTOPIA ÍNTIMA DA ARTE@@}}}}}}

E no plano do foto-jornalismo fará sentido estabelecer limites desenhados por uma ética deontológica? Se sim, quais e quando? Se há limites (e há), estes não creio que possam residir na edição das imagens, a menos que esta se transforme numa edição que ultrapasse os limites de uma interpretação do autor - um exemplo de limite inaceitável seria colocar alguém num evento em que essa pessoa não esteve.

De facto que diferença, no plano dos princípios, existe entre fotografar em digital e depois converter o ficheiro para PB ou fazer essa conversão mantendo alguma cor, ou até manter a cor mas modificá-la com as ferramentas que os vários ~SWs de edição nos oferecem? A fotografia não é realidade, quando muito (sempre?) um registo interpretativo dessa realidade. Isto é assim, mesmo no caso do foto-jornalismo, e o fotógrafo deve apenas (apenas?) responsabilizar-se por essa opinião interpretativa imagética que incluirá porventura uma legenda. Na realidade TODAS as imagens fotográficas são alteradas, mesmo as que pensamos que não, pois cada fabricante tem SW com algoritmos diferentes para produzir o ficheiro RAW ou JPEG. É portanto melhor sermos nós a modificá-las que aí controlamos o processo e seremos responsáveis... 

Ou seja, tal como um jornalista da imprensa escrita deve narrar acontecimentos de uma forma séria, mas ao mesmo tempo decidindo na sua interpretação subjectiva o que narrar e o que não narrar e a forma a dar a essa narrativa, o foto-jornalista vai fazer o mesmo, escolhendo o que fotografar, como fotografar e como editar as imagens. Aliás, no caso do foto-jornalismo, essa ligação com a realidade, só se materializa em absoluto com o texto/legenda que acompanha as imagens, já que elas só por si são incapazes de narrar uma história jornalística, como aqui tentei evidenciar noutro [[tiddler|2013-04 - Uma fotografia pode contar uma história?]].

Fará então algum sentido um conjunto de regras como estas, que encontrei no Manual de Regras da Agência Reuters?

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Photoshop is a highly sophisticated image manipulation programme. We use only a tiny part of its potential capability to format our pictures, crop and size them and balance the tone and colour. Materially altering a picture in Photoshop or any other image editing software ''will lead to dismissal''.
• No additions or deletions to the subject matter of the original image (thus changing the original content and journalistic integrity of an image).
• No excessive lightening, darkening or blurring of the image. (thus misleading the viewer by disguising certain elements of an image)
• No excessive colour manipulation. (thus dramatically changing the original lighting conditions of an image).
....@@}}}}}}

Pergunto-me como materializar regras equivalentes para os jornalistas da imprensa escrita. Proibi-los de exagerar os conflitos ou de omitir algum acontecimento? Transformar notícias em actas?
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Se eu quisesse fotografar o tempo| ./wikiImages/nozedo08.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Se eu quisesse fotografar o tempo'', Rebordelo, 20 de Abril de 2013@@//}}}}}}

Como dizia Andrei Tarkovski "Fazer cinema é esculpir o tempo". 

Pode-se também dizer que, em cada instante no tempo, o mundo em que vivemos é uma escultura talhada no espaço 3D pelo tempo.

Mas, se em rigor, a fotografia tem mais a ver com o tempo do que com o espaço, pode-se afirmar que se dá mal com ele, pois rompe-o e dessa forma destrói-lhe a continuidade. Por isso a fotografia, tendo tanto a ver com o tempo, tem tanta dificuldade em fotografá-lo...

Se eu quisesse fotografar o tempo...

|bgcolor(#ffffff):[img[Uma fotografia pode contar uma história?| ./wikiImages/aleixo_01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Uma fotografia pode contar uma história?'', Porto, Abril de 2013@@//}}}}}}

Tenho tido algumas vezes, trocas de argumentos com amigos sobre a capacidade de uma fotografia contar uma história. Eu afirmo, tal como afirmava Susan Sontag, que uma fotografia não conta nenhuma história no sentido jornalístico dessa palavra. 

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;"O que os moralistas exigem a uma fotografia é aquilo que ela nunca poderá fazer: falar. A legenda é a voz ausente e de que se espera a verdade. Mas mesmo uma legenda absolutamente rigorosa é apenas uma interpretação, necessariamente limitada da fotografia a que se refere. A legenda é uma luva que se põe com facilidade. Não pode impedir que qualquer argumento ou alegação moral baseado numa fotografia (ou conjunto de fotografias) seja minado pela pluralidade de significados que qualquer fotografia supõe.

em Ensaios sobre Fotografia de Susan Sontag.@@}}}}}}

Os que comigo argumentam não aceitam.

Por isso gosto muito desta fotografia. Tem uma luz quase divina. Poderia ser (poderia?) uma fotografia de Thomas Struth, num qualquer museu ao ar livre, onde os visitantes passeiam alegremente à volta de um edifício de arquitectura contemporânea.

Nada na fotografia indicia a destruição, a tristeza, a angústia, o negócio imobiliário. Nada indicia que muitas daquelas pessoas acabaram de engolir a raiva e de enxugar as lágrimas.

A menos que eu vos diga que foi a 1ª foto que fiz no Aleixo, ao chegar junto das ruínas da torre 4, que tinha acabado de ser demolida à frente dos olhos dos seus moradores.

PS - Já agora, se houver interessados, criei um [[álbum|https://plus.google.com/photos/114896269543768506710/albums/5866501769130301969/5866504581054394130?banner=pwa]] a partir das várias fotografias que fiz sobre a destruição da 2ª torre e que fui publicando no Facebook.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[À Beleza| ./wikiImages/pascoa11.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''Páscoa em Rebordelo'', Rebordelo, 30 de Março de 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
À Beleza 

Não tens corpo, nem pátria, nem família, 
 Não te curvas ao jugo dos tiranos. 
 Não tens preço na terra dos humanos, 
 Nem o tempo te rói. 
 És a essência dos anos, 
 O que vem e o que foi. 

 És a carne dos deuses, 
 O sorriso das pedras, 
 E a candura do instinto. 
 És aquele alimento 
 De quem, farto de pão, anda faminto. 

 És a graça da vida em toda a parte, 
 Ou em arte, 
 Ou em simples verdade. 
 És o cravo vermelho, 
 Ou a moça no espelho, 
 Que depois de te ver se persuade. 

 És um verso perfeito 
 Que traz consigo a força do que diz. 
 És o jeito 
 Que tem, antes de mestre, o aprendiz. 

 És a beleza, enfim. És o teu nome. 
 Um milagre, uma luz, uma harmonia, 
 Uma linha sem traço... 
 Mas sem corpo, sem pátria e sem família, 
 Tudo repousa em paz no teu regaço. 

Miguel Torga, in 'Odes'@@}}}}}}

Depois de ler os ensaios de Susan Sontag, tenho dedicado nos últimos meses muito tempo ao assunto da beleza na arte e em particular na fotografia. Isso tem-me obrigado a ler muitos clássicos, de Platão a Kant, e até pensadores mais actuais como Heidegger ou Deleuze, com o objectivo de escrever um novo ensaio para que fui desafiado pela colecção [[REFLEX|http://www.theportfolioproject.org/books/hefc1d85#hefc1d85]] do THE PORTFOLIO PROJECT. Sobre beleza especificamente na fotografia não encontrei ainda nada de relevante, para além dos ensaios de Sontag, de um livrinho de Robert Adams chamado "Beauty in Photography: Essays in Defense of Traditional Values" e dos diários de Edward Weston. Conhecem mais alguma coisa?

Gostei por isso de ser confrontado com este poema de Miguel Torga que parece reflectir quase tudo o que a beleza tem sido ou não tem sido, desde os Gregos, quando não existia autonomamente como conceito, até ao Romantismo e Simbolismo quando a beleza era exaltação e sublimidade.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Vale do Tua| ./wikiImages/rioTua01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Vale do Tua'', Brunheda, Vale do Tua, Maio de 2013@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''Elegia Transmontana''
 
Terra, minha medida!
Com que ternura te encontro
Sempre inteira nos sentidos,
Sempre redonda nos olhos,
Sempre segura nos pés,
Sempre a cheirar a fermento!

Terra amada!
Em qualquer sítio e momento,
Enrugada ou descampada,
Nunca te desconheci!
Berço do meu sofrimento,
Cabes em mim, e eu em ti!

//Miguel Torga//@@}}}}}}

Fui convidado pelo Coro de Intervenção do Porto para os acompanhar numa viagem ao vale do TUA para expressarmos a nossa indignação por mais este crime de lesa-pátria, que se pretende cometer, destruindo património único, em nome de interesses no mínimo obscuros, com argumentos tão falaciosos que se recusam a ser confrontados numa discussão aberta e racional. Ao longo da linha, da Foz do Tua, onde já se iniciaram as obras, até Mirandela, cantámos o ACORDAI, a GRÂNDOLA, O COMBOIO DESCENDENTE, o HINO DA MARIA DA FONTE e mais canções, para acordar aquelas fragas que ali repousam desde tempos de que quase nada sabemos.

A degradação da linha foi cirurgicamente planeada para conseguir mais argumentos para essa destruição. A série [["A Linha é Tua"| https://www.facebook.com/media/set/?set=a.659849177365945.1073741829.100000226070829&type=1&l=bffbc52edf]] mostra apenas o estado da estação de Mirandela.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Onde está Abril?| ./wikiImages/Abril.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Onde está Abril?'', Porto, Maio de 2013@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

 (Sophia de Mello Breyner Andresen)@@}}}}}}

Resolvi partilhar aqui um outro [[álbum|https://plus.google.com/photos/114896269543768506710/albums/5874638789931834161/5874651880124012386?banner=pwa]] que reúne as imagens que fui colocando no Facebook das manifestações do 25 de Abril e do 1º de Maio deste ano no Porto. Não tem pretensões a ser uma verdadeira reportagem, que exigiria um critério mais rigoroso de selecção e de edição. O objectivo é apenas juntar o que estava disperso. Se servirem para divulgar o que aconteceu, tanto melhor.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[1, 2, 3 a conta que Deus fez?| ./wikiImages/deleuze02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da série ''Números'', 2013@@//}}}}}}

''1, 2, 3 a conta que Deus fez?''

O numero três é mágico, como aliás tantos outros: o 5, o 7, o 12 … 

Se calhar são todos, então os primos...

Mas agora é o 3 que me interessa.

No pequeno livro “Qu’est-ce que la philosophie”, escrito por Gilles Deleuze em parceria com Felix Guattari, os autores consideram que há ''3'' domínios onde procuramos a ordem de que necessitamos para nos defendermos do caos de que fazemos parte: a ciência, a arte e a filosofia,

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;A luta com o caos, que Cézanne e Klee mostraram na pintura, no coração da pintura, encontra-se de uma outra maneira na ciência e na filosofia.
“Qu’est-ce que la philosophie” de Gilles Deleuze em parceria com Felix Guattari@@}}}}}}

Esses três domínios distintos do pensamento constituem formas de romper o caos em que vivemos, projectando-o em três planos diferentes – para utilizar a terminologia Deleuze. Para Deleuze tudo se passa como se o caos em que estamos mergulhados pudesse ser representado por um mundo n-dimensional, complexo, quase impenetrável. A arte, a ciência e a filosofia permitir-nos-iam delimitar domínios compreensíveis nesse mundo infinito, a que Deleuze chama planos secantes, ou seja, utiliza uma imagem geométrica simplificada de três planos bidimensionais que cortam (secantes) esse caos tridimensional. Cada plano permitiria assim uma espécie de projecção bidimensional do caos tridimensional. Essas três projecções permitir-nos-iam idealizar o caos, abstraindo a sua complexidade, de três formas diferentes. Em rigor, talvez pudéssemos falar de um caos n-dimensional (n=?) que reduzimos a tridimensionalidades, apenas porque não somos capazes de perceber mais do que três dimensões, ou quatro quando muito, se considerarmos o tempo.

A ciência, a arte e a filosofia para Deleuze constroem passo a passo o nosso conhecimento, através da criação permanente de novas entidades – teorias, objectos estéticos e conceitos – materializando, cada uma das três áreas, criações (obras) que as outras não são capazes de realizar, mas de que necessitam para fazer sentido.

Para alguém, como eu, que tem formação académica na área da ciência e que há muito dedica parte do seu pensamento à fotografia, à escrita e à reflexão sobre o que é a arte e que sempre considerou existir uma grande proximidade entre arte e ciência, é agradável ler isto.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A Islândia - um mito?| ./wikiImages/islandia01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Islândia, Junho 2013@@//}}}}}}

Estive uma semana na Islândia, onde atravessei o pais de ponta a ponta. Pretendo iniciar aqui uma pequena série de reflexões sobre a forma como senti aquela terra. 

Comecemos então pelo óbvio: 

1. A Islândia é uma terra fascinante, onde a beleza da natureza se desdobra a cada minuto. Sentimos a força da terra e a força do mar. A cada curva da estrada a paisagem muda e surpreende-nos, como já acreditávamos que não nos poderia surpreender. A beleza é tão avassaladora que quem fotografa às vezes não sabe por onde começar.

2. A Islândia tem um território ligeiramente superior a Portugal com cerca de 300 000 habitantes, cerca de 200 000 em Reikjavik. Fora da capital, ainda assim uma cidade bastante pequena, há muito pouca gente. Tem muito poucos recursos. No passado os habitantes sobreviviam do peixe que pescavam, das ovelhas e da batata, o único produto cultivado por aquelas bandas. Não há hortícolas nem fruta - ou melhor começa a haver no presente em estufas. Até à década de 50 a Islândia era talvez o pais mais pobre da Europa. Transformou-se em algumas décadas e adquiriu uma qualidade de vida fantástica. Como exactamente continua a ser um mistério para mim, mas este será o tema de futura nota.

3. Os islandeses têm uma forma de ser muito própria que os distingue de todos os outros europeus, porventura fruto do seu isolamento e da dificuldade de sobrevivência, Por outro lado parece não ter havido ainda um impacto tão forte da chamada cultura global. Não encontramos nenhuma das grandes cadeias internacionais. As lojas vendem sobretudo produtos islandeses. Come-se muito peixe e muito anho. A decoração das casas lembra em alguns aspectos os nossos anos 50, tal como acontecia quando há alguns anos visitávamos os países de leste

4. Como todos sabemos em 2008 eclodiu o crash, que na Islândia foi muito fundo, pois a banca era gigantesca para as dimensões do pais. Os bancos colapsaram e foram todos nacionalizados. Fruto de movimentações populares o governo foi substituído por um governo de esquerda. E também por força popular - por referendos - o governo teve de recusar-se a pagar o que bancos europeus e americanos pretendiam que ele pagasse e forçou uma negociação. A moeda foi desvalorizada. Muitos islandeses correram o risco de perder a casa que tinham pago em euros. O governo foi forçado a perdoar temporariamente essa divida dos contribuintes à banca. O desemprego que não existia atingiu 12%. Curiosamente os acontecimentos na Islândia foram muito romanceados pela maior parte da Comunicação Social e poucas vezes correspondiam ao que estava de facto a acontecer.

5. Nos últimos anos a Islândia parece recuperar e surpreendentemente os conservadores voltaram a ganhar as eleições. A Islândia foi sempre um pais de maioria conservadora. Prepara-se a privatização dos bancos, porventura para os antigos proprietários.

Permanecem dois mistérios que abordarei em futuros comentários: 

1. Como conseguiram os islandeses dar o salto económico que realizaram nas últimas décadas e como parecem hoje estar a recuperar, sem recursos que o expliquem?

2. Como explicar o romance que muitos órgãos de comunicação social inventaram sobre os acontecimentos na Islândia?
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Vale do Tua| ./wikiImages/pantera.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''A Pantera descansa da casa de Sophia'' do álbum ''Arca de Noé'', 2013@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''A pantera''
    
O seu olhar de tanto olhar as grades
foi tomado de um cansaço profundo
para ela é como se houvesse mil grades
e, atrás das mil grades, nenhum mundo
    ...

//Rainer Maria Rilke// (tradução minha, peço desculpa por qualquer falta de rigor...Sei que há traduções em Português. Uma das pessoas que traduziu o poema foi o Jorge Sousa Braga, para o livro "Animal, Animal", uma colectânea de poemas sobre bichos. Quando precisei do poema fui à procura do livro. Como não o consegui encontrar nas prateleiras cheias de minha casa, fui obrigado a tentar uma tradução...)

Dequalquer forma este é o original em alemão:

''Der Panther''

Sein Blick ist vom Vorübergehn der Stäbe
so müd geworden,dass er nichts mehr hält.
Ihm ist, als ob es tausend Stäbe gäbe
und hinter tausend Stäben keine Welt
...

//Rainer Maria Rilke//@@}}}}}}

Os museus de História Natural sempre me fascinaram. A fotografia da pantera negra integra um álbum chamado [[''Arca de Noé''|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.583644584986405.152874.100000226070829&type=1&l=34903f2f16]] que reúne imagens que fui fazendo em vários museus em vários lugares, ao longo do tempo.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A Islândia - um mito?| ./wikiImages/islandia02.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Islândia, Junho 2013@@//}}}}}}

Estive uma semana na Islândia, onde atravessei o pais de ponta a ponta. Este //"tiddler"// continua a pequena série de reflexões sobre a forma como senti aquela terra. 

Um dos mistérios para que não consegui uma resposta convincente é a forma como a Islândia conseguiu tal nível de vida, quando na década de 60 era um país muito pobre, talvez o mais pobre da Europa. E como parece estar a recuperar depois do //crash//.

Vejamos quais os recursos visíveis naquele país.

__Agricultura e pecuária__: Não se vê ninguém a trabalhar nos campos, onde não se vislumbram culturas e apenas se consegue identificar erva. Não existem árvores de fruta nem hortas. Tradicionalmente apenas cultivavam batata. Vêem-se algumas raras estufas, que são muito recentes, onde cultivam alguns hortícolas, nomeadamente tomate. Mas todas as quintas estão muito bem tratadas, as casas são bonitas e parecem estar em óptimo estado, todas com aquecimento central. Vêem-se também bons carros, sobretudo jipes. O gado é constituído predominantemente por cavalos e ovelhas que pastam livremente. São soltos nos prados durante o verão (a partir de Maio) e guardados nos estábulos no inverno (no fim de Setembro). As ovelhas dos vários agricultores, soltas, misturam-se e são separadas no fim do verão em redis especiais de forma recticulada. Apenas no sul se vislumbram algumas manadas de bovinos. O cavalo islandês parece ter características únicas. Trazido para a ilha pelos primeiros Vikings, foi fundamental para a sobrevivência do homem nessa terra inóspita. Ao longo dos séculos foi sendo depurado pelos islandeses um tipo de cavalo muito resistente, capaz de também sobreviver ao frio e à escassez de comida. O cavalo islandês é um cavalo pequeno, meigo, de longas crinas. A sua criação parece ser uma das poucas actividades rentáveis para os agricultores. Vêem-se cavalos soltos nos campos por toda a ilha. No presente não são usados para transporte nem no trabalho no campo, servindo como base na alimentação e nalgum turismo. Parece que existe uma exportação razoável de animais que têm alguma procura pelas suas características especiais

__Indústria__: A Islândia não tem recursos minerais. A indústria resume-se quase a duas fábricas de alumínio, onde a participação de trabalhadores portugueses parece ter sido importante. Curiosamente o próprio  alumínio é importado da Austrália e exportado quase todo para os EUA. Há também um sector emergente e que cresce ligado as novas tecnologias.

__Pesca__: Existe a pesca e os derivados do pescado, que representam 70% das exportações e que nos é apresentada como a actividade chave de toda a Islândia. É na maioria das cidades a única actividade produtiva.

__Turismo__: Existe um turismo ainda pouco representativo, mas que está a crescer rapidamente.

__Energia__: O único factor diferenciador que conseguimos identificar foi a energia, de origem geotérmica, e quase gratuita. Por toda a Islândia encontramos unidades de energia geotérmica.Por isso, os islandeses nunca desligam as luzes ou o aquecimento em casa

Permanece por isso um mistério o salto económico que conseguiram dar em muito pouco tempo e a recuperação que parecem estar a fazer. Se essa transformação fosse apenas virtual, assente na especulação financeira que existiu, não se compreende a recuperação que parece estar a acontecer. Algumas pessoas apresentam também como argumento o pequeno número de habitantes da Islândia (cerca de 300 000) mas, se assim fosse, bastaria dividirmos Portugal em 30 pequenos países...

Algo na história deste povo (ou será na nossa?) parece estar a ser mal contada. Será que Portugal seria viável, se bem gerido, apenas suportado em actividades tradicionais e um ou outro sector de ponta?
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A Islândia - um mito?| ./wikiImages/islandia03.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''100% árangur'', Islândia, Junho 2013@@//}}}}}}

Quando eclodiu a crise na Europa, durante muito tempo a Islândia aparecia com alguma frequência em emails ou em  mensagens na internet, onde se contavam coisas extraordinárias. Os presidentes dos bancos, tal como os membros do governo que com eles era responsáveis pela crise, teriam sido todos presos, julgados e condenados. Os Islandeses teriam aprovado uma constituição revolucionária e um governo de esquerda que, com o apoio do povo, se recusara a pagar aos credores. E assim os islandeses estavam a recuperar, libertos dos tentáculos dos usurários. E todos os dias havia quem perguntasse "Porque não nos contam com pormenor o que está a acontecer na Islândia? Se não nos contam, é porque não querem que conheçamos os factos, pois podemos deixar-nos inspirar por eles."

Curiosamente os acontecimentos na Islândia foram muito romanceados pela maior parte da Comunicação Social, em particular através de notícias postas a circular nas redes sociais, e poucas vezes correspondiam ao que estava de facto a acontecer. Porquê, é uma das questões para a qual não tenho resposta.

__Os factos:__

Em 2008 eclodiu o //crash// na Islândia, onde foi muito violento pois a banca era gigantesca para as dimensões do pais. Os bancos completamente mergulhados em jogos tóxicos e especulativos colapsaram e foram todos nacionalizados. O estado nacionalizou a banca e assumiu as suas dívidas. Fruto de movimentações populares o governo em funções foi substituído, pela primeira vez, por um governo de esquerda. E também por força popular - através de referendos - o novo governo teve de recusar-se a pagar de imediato o que bancos europeus e americanos pretendiam que ele pagasse e forçou a uma negociação da dívida. A moeda foi desvalorizada. Muitos islandeses correram o risco de perder a casa que tinham pago em euros. O governo foi forçado a perdoar temporariamente essa dívida dos contribuintes à banca. O desemprego que não existia antes, atingiu 12%. 

Nenhum banqueiro foi preso nem julgado. A maioria deles continua a ocupar altos cargos na banca em países estrangeiros.

O primeiro ministro foi de facto julgado e a sentença terá simplesmente concluído "Que ele não fizera tudo o que poderia ter feito para evitar a crise". O julgamento não teve outras consequências.

Nos últimos anos a Islândia parece recuperar e surpreendentemente os conservadores voltaram com toda a naturalidade a ganhar as eleições. A Islândia foi sempre um pais de maioria conservadora. Prepara-se a privatização dos bancos, porventura para os antigos proprietários.

O romance na internet islandês é para mim um mistério, a somar ao mistério do milagre económico daquele país.

Para quem possa estar interessado criei um pequeno [[álbum|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.692572587426937.1073741832.100000226070829&type=1&l=9b9de99df3]] com uma selecção de imagens da viagem que fiz em Junho à volta da ilha.O álbum funciona assim com uma espécie de diário. Despretensioso. Nada mais do que isso.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Desinventar objetos| ./wikiImages/desinventar.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Desinventar objetos'', Reikjavik, Junho 2013@@//}}}}}}

Hoje antes de sair de casa procurei um livrinho pequeno que pudesse transportar comigo na bicicleta. Encontrei o "Encantador de Palavras" do Manoel de Barros, que é tão fininho que se escondia entre dois livros maiores. Já nem me lembrava que o tinha! 

Feliz achado!

Há muito que defendo que a poesia é a forma de expressão mais próxima da fotografia. Alguns pedem-me provas e eu hesito. Como provar tal realidade quando quase todos preferem a pintura ou o cinema. Bem, hoje encontrei a prova. A prova, não. Três provas. Três poemas de Manoel de Barros, cada um a melhor definição de fotografia que eu já tinha lido. Experimentem substituir a palavra "palavras" pela palavra "imagens"...

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Desinventar objetos. O pente, por exemplo. Dar ao 
pente funções de não pentear. Até que ele fique à 
disposição de ser uma begônia. Ou uma gravanha.

Usar algumas palavras que ainda não tenham idioma.

...
De tarde fui olhar a Cordilheira dos Andes que
se perdia nos longes da Bolívia
E veio uma iluminura em mim.
Foi a primeira iluminura.
Daí botei meu primeiro verso:
Aquele morro bem que entorta a bunda da paisagem.
Mostrei a obra pra minha mãe.
A mãe falou:
Agora você vai ter que assumir as suas 
irresponsabilidades.
Eu assumi: entrei no mundo das imagens.


A poesia está guardada nas palavras – é tudo que 
eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo. 
Prepondero a sandeu.
Sobre o nada eu tenho profundidades. 
Não tenho conexões com o real. 
Para mim, poderoso  não é aquele que descobre ouro. 
Poderoso para mim é aquele que descobre as insignificâncias:
(do mundo e as nossas). 
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil. 
Fiquei emocionado e chorei. 
Sou fraco para elogios.@@}}}}}}

Haverá no livrinho com certeza muito mais provas, mas eu ainda não entrei no "estado de imagem" para ver os desveres. Fecho os olhos e tento, desvejo, mas sinto que ainda estou longe...

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
O que resta de grandezas para nós são os
desconheceres – completou.
Para enxergar as coisas sem feitio é preciso
não saber nada.
É preciso entrar em estado de árvore.
É preciso entrar em estado de palavra.
Só quem está em estado de palavra pode
enxergar as coisas sem feitio.
 
Manoel de Barros@@}}}}}}
|bgcolor(#ffffff):[img[Catedrais do Silêncio em Morille no PAN 2013| ./wikiImages/morille1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Catedrais do Silêncio em Morille no PAN 2013'', Morille, Salamanca, Julho 2013@@//}}}}}}

Morille é uma pequena aldeia a menos de 20 km de Salamanca. Tem pouco mais de 200 habitantes, os suficientes para todos os anos organizar o PAN (Poesia, Arte e Naturaleza): três dias de intensas actividades artísticas e culturais: exposições, concertos, conferências, poesia, debates. Este ano o PAN esteve para não se organizar devido a fortes constrangimentos financeiros, mas a população exigiu-o do seu alcaide. E com um orçamento menor teve de acontecer. Tive a sorte de ser convidado e pude mostrar o projecto Catedrais do Silêncio. Hei-de voltar!

Morille é talvez uma prova de que é possível termos um poder local diferente.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Festa da Transumância em Figueira de Castelo Rodrigo 2013| ./wikiImages/transumanciaFCR.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, da [[série|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.730755810275281.1073741836.100000226070829&type=1&l=4d43af9f1b]] ''Festa da Transumância em Figueira de Castelo Rodrigo 2013'', no caminho entre Freixeda do Torrão e Castelo Rodrigo, Setembro 2013@@//}}}}}}

Estive uma vez mais em Figueira e, ao saber que ia haver um passeio com um pequeno rebanho, entre Freixeda do Torrao e Castelo Rodrigo, organizado para rememorar a antiga transumância, decidi ir também. Fazer caminho é a única forma de caminhar. A [[série|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.730755810275281.1073741836.100000226070829&type=1&l=4d43af9f1b]] de fotografias que publiquei no Facebook(FB) sugeriu-me esta reflexão que partilho agora aqui.

{{indent{{{indent{//@@font-size:12px;
Como devem imaginar tenho muitos amigos e conhecidos no FB, que se assumem como fotógrafos ou que têm uma actividade consistente na área da fotografia. Observando o seu comportamento, há muito que reflicto porque razão têm práticas tão diferentes no que diz respeito à colocação de fotografias nos seus portais. Há quem pura e simplesmente não divulgue imagens suas, há os que apenas divulgam imagens que correspondem a projectos maduros (em livro ou em exposição) e há aqueles que, como eu, adoptam uma prática de utilizar o FB como um registo muito aberto de partilha, onde se misturam imagens de todo o tipo, da vida pessoal, da família, de amigos, de passeios e viagens, da rua, muitas vezes para acompanhar pequenos comentários/reflexões. É um local para uma partilha ainda mais imediata e menos amadurecida do que a que faço há mais tempo na minha espécie de blog. Noventa e nove por cento (99%) das imagens morrem aí ou ficam na letargia à espera de que alguma coisa possa despertá-las.
Este álbum é mais um que publico aqui no FB, limitando-me apenas a juntar algumas imagens que divulguei nos últimos dias a outras, que poderão constituir um pequeno registo despretensioso da festa da transumância em Figueira de Castelo Rodrigo. A verdade é que na sua singeleza já serviram para despertar finalmente esta reflexão adiada. Vamos a ela!
Será indiscutível que cada um tem o direito de usar o FB como bem lhe aprouver e isso não está sequer em discussão. Mas ao reflectir sobre isso e ao colocar-me a questão de "se a minha prática fazia sentido", interroguei-me se a prática de cada um não poderia reflectir de alguma forma a sua atitude relativamente à fotografia.
Perante situações opacas na fotografia, eu tenho por hábito, de há muito, fazer paralelismos com a escrita/literatura porque, em minha opinião, é essa a forma de expressão mais próxima da fotografia e porque, ao traçar rectas mais ou menos paralelas no espaço da criação, consigo muitas vezes ver mais claro. Vejo mais claro, talvez porque no mundo da escrita as coisas parecem ser mais transparentes. Uma razão da diferença poderá ter a ver com a antiguidade do processo e com o seu amadurecimento. A fotografia tem pouco mais de 100 anos e só recentemente se “vulgarizou e democratizou”. Outra razão da diferença poderá ser não existirem na literatura tantas confusões conceptuais como no mundo das artes visuais. Não há purismos exacerbados. Não há apropriação da escrita para criar objectos artísticos chamados contemporâneos.
Quando olho para o FB, verifico que a maioria dos meus amigos/conhecidos da área da escrita, que fazem parte da minha lista, publicam sem pudor todo o tipo de textos: comentários, pequenas reflexões, notícias, pequenos contos, poemas, textos de outros autores, e não consigo identificar as "esquisitices" que creio intuir algumas vezes na fotografia.
Longe de mim pretender afirmar que cada um dos fotógrafos que assim procede, o faz por purismo exagerado. Cada caso será um caso e cada um poderá ter razões muito diferentes.
Limito-me a encontrar justificações plausíveis para poder prosseguir com a minha prática?

Renato Roque, Setembro 2013@@//}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Abrir a porta a essa gente| ./wikiImages/beco01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Abrir a porta a essa gente'' durante a Manifestação ''Não há becos sem saída'', Porto, 26 de Outubro de 2013@@//}}}}}}

{{indent{{{indent{@@font-size:10px; ''A porta''

Eu sou feita de madeira
Madeira, matéria morta
Mas não há coisa no mundo
Mais viva do que uma porta.

Eu abro devagarinho
Pra passar o menininho
Eu abro bem com cuidado
Pra passar o namorado
Eu abro bem prazenteira
Pra passar a cozinheira
Eu abro de supetão
Pra passar o capitão.

Só não abro pra essa gente
Que diz (a mim bem me importa...)
Que se uma pessoa é burra
É burra como uma porta.

Eu sou muito inteligente!
Eu fecho a frente da casa
Fecho a frente do quartel
Fecho tudo nesse mundo
Só vivo aberta no céu!

//Vinicius de Moraes//@@}}}}}}

Apesar de ter escrito vezes sem conta que não sou foto-jornalista e que me não sinto como tal que para mim fotografar é muito mais inventar histórias verdadeiras, ou contar histórias falsas que passam a verdadeiras porque as contei, continuo nestes tempos de excepção a voltar ao registo foto-jornalístico. Tempos excepcionais exigem porventura comportamentos excepcionais. Será isso?

Vivemos um tempo de retrocesso civilizacional e toda a criação, e portanto também a fotografia, se puder contribuir com pequenas areias na engrenagem deste ataque ao progresso, deverá fazê-lo? Será o que me motiva? Afinal este retrocesso não é novo. Já aconteceu. Quem pensou que tínhamos conquistado uma sociedade de direitos garantidos e crescentes, enganou-se ou foi enganado. Bem enganado e agora  bem esganado.

As últimas manifestações organizadas por todos o país tiveram como lema "Não há becos sem saida", porque nos dizem todos os dias que não existe outro caminho, mesmo vendo todos que não é um caminho, é mais um precipício. E este precipício para que nos conduzem não é um precipício escolhido por nós. Nem tivemos sequer a oportunidade de discutir e de dizer qual o percurso que pretendemos tomar. A democracia que nos apregoam é apenas formal. O governo foi eleito porque garantiu que não continuaria a aumentar impostos, a baixar salários nem pensões. Que se limitaria a cortar nas despesas intermédias do estado. Depois de eleito continuou e aprofundou a política anterior, agravando-a em intensidade e velocidade. As pessoas manifestaram a sua indignação de todas as formas e de nada valeu. Assistimos a farsas que se repetem e repetem vezes sem conta que misturam a mentira, a incompetência e a corrupção.  E no entanto nada acontece. Deixou de haver vergonha. Falam-nos em protectorado, de falta de independência. Nada irá acontecer enquanto alguma coisa de novo não ocorrer. 

É verdade que não há becos sem saída mas parecemos estar numa situação politicamente e socialmente bloqueada. 

Todos os becos têm saídas mas o que fazer para pelo menos podermos escolher a saída que queremos? Para percebermos que todas as saídas que temos neste momento como possíveis têm riscos e sacrifícios, mas que tem de haver alguma saída mais digna do que esta, que é deixarmo-nos estrangular pelas mãos de quem nos diz representar e que representa os nossos carrascos?

Como abrimos a porta a esta gente?
<br>
  
|bgcolor(#ffffff):[img[Amor é um Fogo| ./wikiImages/amor1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Amor é um Fogo'' em Rebordelo, Outubro de 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;Amor é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer. 
...
@@}}}}}}

Volto a fotografar [[o mesmo incêndio | https://www.facebook.com/media/set/?set=a.518392468178284.138467.100000226070829&type=1&l=22ca6ff271]] que fotografei em 2012
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[A Prensa| ./wikiImages/prensa1.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, uma imagem da [[série ''Prensa''|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.531074870243377.141992.100000226070829&type=1&l=49977eb124]], Rebordelo 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;''O Mar Parece Azeite''

A poesia começa quando um idiota diz, a respeito do mar: «o mar parece azeite». Não é, facto, uma descrição exacta de um mar bonançoso, mas o prazer de ter descoberto a semelhança, a exactidão de um liame misterioso, a necessidade de gritar aos quatro ventos que de tal nos apercebemos. 

//Cesare Pavese, O ofício de viver - Diário 1935//@@}}}}}}

A ''Prensa'' é [[uma pequena série|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.531074870243377.141992.100000226070829&type=1&l=49977eb124]] sobre um lagar de azeite que pertencia à família Carvalho em Rebordelo, que foi desactivado ainda no fim da década de 70. Agora quase não se produz azeite na aldeia. As oliveiras, muitas delas, já nem varejadas são, para apanhar a azeitona.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Poderia ser de novo um regressar às séries antigas| ./wikiImages/objectoAC.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, poderia ser uma imagem da série ''Objecto insólito pousado na paisagem'', Torre, Novembro de 2013@@//}}}}}}
Poderia justificar-me uma vez mais com novo regresso àquela série antiga de objectos pousados na paisagem. Mas não, o que atraiu nesta imagem misteriosa(?) é a ambiguidade deste branco, que tanto nos parece ser augúrio de morte, como se nos lembrasse a cor do lençol que amortalha o defunto, como nos rejubila, como se fora um vestido de noiva bela e formosa, ou um campo coberto de flores de esteva. É silêncio e logo ruído de trovão. É luz do sol e noite que se anuncia. É mistério e coisa banal. É encanto e desolação.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Regressar às séries antigas| ./wikiImages/objectoAB.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''Objecto insólito pousado na paisagem'', Mora, Novembro de 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;...
Detive-me na ponte, debruçado, 
Mas a ponte era falsa - e derradeira. 
Segui no cais. O cais era abaulado, 
Cais fingido sem mar á sua beira... 

-Por sobre o que Eu não sou há grandes pontes 
Que um outro, só metade, quer passar 
Em miragens de falsos horizontes - 
Um outro que eu não posso acorrentar... 

//Mário de ~Sá-Carneiro, in 'Indícios de Oiro'//@@}}}}}}

Regressei a uma série muito antiga nesta espécie de blog. Regressar é sempre atravessar uma ponte...
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[AS CASAS| ./wikiImages/casas.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''As Casas'', 2013@@//}}}}}}
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Oh as casas as casas as casas
as casas nascem vivem e morrem
Enquanto vivas distinguem-se umas das outras
distinguem-se designadamente pelo cheiro
variam até de sala pra sala
As casas que eu fazia em pequeno
onde estarei eu hoje em pequeno?
Onde estarei aliás eu dos versos daqui a pouco?
Terei eu casa onde reter tudo isto
ou serei sempre somente esta instabilidade?
As casas essas parecem estáveis
mas são tão frágeis as pobres casas
Oh as casas as casas as casas
mudas testemunhas da vida
elas morrem não só ao ser demolidas
Elas morrem com a morte das pessoas
As casas de fora olham-nos pelas janelas
Não sabem nada de casas os construtores
os senhorios os procuradores
Os ricos vivem nos seus palácios
mas a casa dos pobres é todo o mundo
os pobres sim têm o conhecimento das casas
os pobres esses conhecem tudo
Eu amei as casas os recantos das casas
Visitei casas apalpei casas
Só as casas explicam que exista
uma palavra como intimidade
Sem casas não haveria ruas
as ruas onde passamos pelos outros
mas passamos principalmente por nós
Na casa nasci e hei-de morrer
na casa sofri convivi amei
na casa atravessei as estações
Respirei – ó vida simples problema de respiração
Oh as casas as casas as casas

Ruy Belo@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Natal 2013| ./wikiImages/postal2013.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Natal 2013'', fotografia da série ''Arca de Noé'', 2013@@//}}}}}}

Tenho afirmado em Natais anteriores, nesta minha espécie de blog, que tenho cada vez mais dificuldade em entender as mensagens e os postais natalícios, onde tudo acontece como se nada estivesse a acontecer. Como se vivêssemos num mundo de sombras, tal como no mito da caverna de Platão, incapazes de rodar as nossas cabeças e de olhar para fora e enfrentar a luz do sol. 

Perguntarão então: "Porque persisto?". E eu, não sabendo o que dizer, respondo com este texto do Alberto Pimenta

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;não me canso de dizer que cada coisa
pode ser o contrário do que é.

quando digo que cada coisa pode ser
o contrário do que é, sei perfeitamente 
o que digo e é isso que quero dizer 
e não o contrário, embora o contrário
também esteja certo, porque cada 
coisa também pode ser o que é.

a função das coisas é ser aquilo 
que se quer que elas sejam..

//Alberto Pimenta//@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Eusébio e a Novilíngua| ./wikiImages/eusebio.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Rebordelo, 2013@@//}}}}}}

Abstive-me até hoje de dizer, quer no Facebook quer aqui nesta espécie de blog, o que quer que fosse sobre a morte do Eusébio, porque me pareceu que o pudor e o bom senso assim o exigiam. Agora que a histeria acalmou, deixem-me tentar expressar o que sinto.

Eu vi jogar o Eusébio e era de facto um magnífico jogador, embora me sinta completamente incapaz de dizer se foi o melhor de todos os tempos. Terá sido o que obteve mais visibilidade, até porque foi o primeiro a consegui-la, pois até aí nenhum jogador português a tinha alcançado, mas isto também porque Eusébio teve a sorte de pertencer a uma geração de outros magníficos jogadores, a maioria indiscutivelmente do Benfica dos anos 60. Não o conheci pessoalmente, como é óbvio, mas quando o vi ou ouvi na tv ou na rádio, pareceu-me sempre simpático. Não sei se era um homem “bom”, mas também não tenho motivos para duvidar de tanta gente que o afirma. Até estou disposto a aceitar que ele não teve consciência da forma vergonhosa como foi utilizado pelo regime fascista para criar uma imagem de integração nas colónias, que não existia. Para ele o importante seria jogar e ganhar e não compreenderia  que ao mesmo tempo acontecia uma guerra colonial injusta, onde se morria e onde inclusive se massacravam as populações a que ele pertencia.

Por tudo isto me parece que, perante a sua morte, devemos respeitar a sua memória: Eusébio foi jogador de futebol e foi um dos melhores, como muitos portugueses foram igualmente excelentes em muitas áreas diversificadas. Até se poderia entender um pouco mais de visibilidade mediática perante a sua partida, pela publicidade que obteve ao longo dos anos, sobretudo quando jogava. Mas como compreender aquilo a que assistimos? Invoca-se o que Portugal lhe deveria, que Eusébio teria sido muito importante para Portugal, mas ninguém consegue explicar em que consiste essa dívida para além de histórias do tipo “Íamos ao estrangeiro, e toda a gente pronunciava o nome de Eusébio”. Qual é a dívida? Os golos? O 3º lugar no campeonato do mundo de 1966? Ou a sua contribuição, ainda que involuntária porque inconsciente, para a propaganda do regime colonialista?

Como compreender então o histerismo colectivo, a transmissão contínua e em directo, em todos os canais, do velório e do funeral, durante dois dias, e quase ininterrupta? Como compreender o choro, os gritos de gente que nunca o viu jogar? Como interpretar esta pressa dos políticos em ser visto, e até em transladar o corpo para o Panteão? Não sei quais os critérios estabelecidos para essa cerimónia, e até sei que no Panteão há algumas companhias pouco recomendáveis mas, independentemente disso, este frenesim tem de ser interpretada politicamente.

Será que tudo isto começa a perceber-se melhor num quadro de recalibração dos valores e dos princípios, onde as palavras deixam de significar o que significaram: desemprego é requalificação, e até, na última audição do presidente da administração dos ENVC na AR, ele afirma, sem aparentemente qualquer embaraço, que a administração de que faz parte não conhece a palavra despedimento, o que eles estão a fazer é um plano social, nenhum trabalhador será despedido mas reintegrado socialmente…

Quando se recalibra com esta sanha, precisa-se de heróis capazes de simbolizar uma pretensa unidade nacional, a mesma unidade nacional a que a EU, a Troika e o PR tanto apelam. Eusébio, veio a jeito, e é utilizado uma vez mais, sem ter feito nada por isso, como objecto de propaganda. A Novilíngua precisa de caras simpáticas que a personifiquem.

A não ser assim, como compreender toda esta proporção de declarações e de homenagens, se compararmos por exemplo com o que aconteceu há bem pouco tempo com o professor Albino Aroso, a quem Portugal indubitavelmente muito mais deve, pois foi o principal mentor do Sistema de Planeamento Familiar e assim responsável pela diminuição espectacular da mortalidade infantil em Portugal. Poder-se iam  invocar muitos outros nome, mas o nome de Albino Aroso impede uma acusação fácil de sectarismo: Albino Aroso foi militante do PSD e membro de um governo  PSD.

<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Mais um EspantaOQuê?| ./wikiImages/espantaComCafeteira.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Rebordelo, Janeiro 2014@@//}}}}}}

"Encontramos muitas vezes em ~Trás-os-Montes plásticos, farrapos e até peças de vestuário, dependurados dos ramos das árvores, desfraldados ao vento, muitas vezes em castanheiros. 

Não é clara a razão desta prática. Pergunto. Há quem refira a função de espantalho, mas os pássaros não atacam os ouriços nos soutos. Espantar o quê? Os fotógrafos também não assustam, muito pelo contrário. Serão uma forma de sinalizar o terreno, de marcar a passagem? Um ritual? Tal como a fotografia sinaliza a minha passagem.

E não sei porquê, mesmo os plásticos, que me ferem tanto, se abandonados no solo, assumem, assim amarrados nos ramos, um lado simbólico, quase religioso, que me atrai."

O texto atrás "roubei-o" aqui nesta minha espécie de "blog", de um "post" de Fevereiro de 2010, quando iniciei esta série a que chamo "OS ~ESPANTA-O-QUÊ?"

Parece que há ainda quem não acredite que de cada vez que vou a ~Trás-os-Montes caço uns quantos.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[a fotografia ajoelha-se perante a poesia| ./wikiImages/ajoelha.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Imagem da série ''A fotografia ajoelha-se perante a poesia'', Correntes de Escritas 2014, Póvoa de Varzim 2014@@//}}}}}}

Naquele dia eu virei-me para ele e afirmei com um tom convincente “Para mim, a  poesia é a forma de expressão mais próxima da fotografia”. Ele torceu o nariz e, com aquele ar provocador que lhe era habitual, desafiou-me “Tu não consegues provar isso!”

Então eu tirei do bolso o livro de Manoel de Barros, que trazia comigo, e abri-o na página marcada. Li.
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
Um monge descabelado me disse no caminho: eu queria construir uma ruína. Embora eu saiba que ruína é uma desconstrução. Minha ideia era de fazer alguma coisa ao jeito de tapera. Alguma coisa que servisse para abrigar o abandono, como as taperas abrigam. Porque o abandono pode não ser apenas de um homem debaixo da ponte, mas pode ser também de um gato no beco ou de uma criança presa num cubículo. O abandono pode ser também de uma expressão que tenha entrado para o arcaico ou mesmo de uma imagem. Uma imagem  que esteja sem ninguém dentro. (O olho do monge estava perto de ser um canto). Continuou: a palavra amor está quase vazia. Não tem gente dentro dela. Queria construir uma ruína para a palavra amor. Talvez ela renascesse das ruínas, como um lírio pode nascer de um monturo*.E o monge se calou descabelado.@@}}}}}}

Ele calou-se e eu sorri. Ele não sabia que eu tinha feito batota. Ou melhor, limitara-me a brincar com as palavras. Continuámos o nosso passeio. Mais a frente ele virou-se para mim e disse “Se assim for, a fotografia ajoelha-se perante a poesia”.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Então o Senhor Deus criou o homem do barro| ./wikiImages/oleicola.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, Cerâmica da Marofa, Figueira de Castelo Rodrigo, 2011@@//}}}}}}

{{indent{@@font-size:11px;"Então o Senhor Deus criou o homem do barro e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente." @@}}}
{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{{{indent{@@font-size:11px;//(Génesis 2, 7)//@@}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}}
Uma das recordações mais antigas de Figueira de Castelo Rodrigo é a de um oleiro, cuja olaria ficava à entrada do povoado, para quem vinha de sul, de Almeida ou de Pinhel. Não me recordo do seu nome. Lembro-me de que o visitávamos e que ele nos dava pequenos pedaços de barro, com que moldávamos bonecada. Ele desapareceu e foi entretanto criada a Cerâmica, não sei em que data, que com certeza usava o mesmo barro com que esculpi galos e cães, para moldar tijolos e telhas, que vendia para todo o lado. A crise da construção em Portugal fez com que em 2011, quando a visitei, quase não produzisse. Em 2013 fui lá de novo e a situação não evoluíra. Tinha apenas 4 pessoas no activo, que se entretinham a fazer limpezas e arrumações.

No âmbito de outro projecto revisitei as imagens e criei um [[álbum|https://www.facebook.com/media/set/?set=a.830089607008567.1073741845.100000226070829&type=1&l=e4198b7709]] no Facebook para quem tiver curiosidade.

Nota: por informação de um amigo de Figueira, seria o 'Forno dos Pucarinhos", e o oleiro chamar-se-ia Wilson.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[restrictions and limitations| ./wikiImages/proibido5.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''restrictions and limitations'', Serralves, em Fevereiro 2014@@//}}}}}}

Serralves tem mantido uma política de liberdade de fotografar nas suas instalações e mesmo nas exposições que tem organizado. Curiosamente as excepções de que me lembro, e contra as quais sempre protestei, nomeadamente nesta minha espécie de blog, foram exposições de fotografia. Lembro-me do caso do Augusto Alves da Silva e do Thomas Struth. Hoje visitei em Serralves a exposição da fotógrafa palestiniana Ahlam Shibli e, para minha surpresa, quando fazia uma imagem fui imediatamente informado de que era proibido. Perguntei onde estava essa informação, mostraram-me o "placard" e fotografei-o, mas com a imediata admoestação do funcionário, pois nem o aviso poderia fotografar. Era proibido fotografar tudo no espaço da exposição...Mesmo tudo: durante a visita perguntei se podia fotografar o jardim através da janela, pois havia um efeito de luz na cortina que me atraiu o olhar e, uma vez mais, a proibição foi expressa com veemência. No fim da visita, na recepção, informaram-me de que a proibição era por ordem expressa da fotógrafa. Confesso que tenho pouca paciência para esta sonsice. A menos que me expliquem como pode uma fotógrafa, que tem fotografado tudo em todo o lado, proibir-me de fotografar em Serralves. Para além de contraditório é estúpido, pois hoje há meios de fotografar tudo sem ninguém dar por nada!

E já agora outra questão: A pergunta inquieta-me, desde o dia em que visitei essa exposição em Serralves. A pergunta é simples. O que é necessário para transformar o trabalho de um(a) foto-jornalista em arte contemporânea? Não pretendo pôr em causa a qualidade do trabalho de Ahlam Shibli, apenas pergunto a quem me saiba responder porque é o trabalho desta foto-jornalista arte contemporânea?
|bgcolor(#ffffff):[img[Barthes e a fotografia misteriosa| ./wikiImages/mae.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, fotografia da minha mãe, que fiz em 2007, para uma Quintas de Leitura com Maria de Rosário Pedreira@@//}}}}}}

Publiquei recentemente no Facebook aquela que penso ser a minha fotografia mais antiga. É uma belíssima imagem da minha mãe grávida, já perto do final do tempo, no quintal da casa dos meus avós no Passeio das Fontainhas, onde os meus pais viviam e onde eu iria nascer. A fotografia foi feita pelo meu pai, que nesses tempos se dedicava às práticas fotográficas com entusiasmo, e que iria abandonar alguns anos mais tarde misteriosamente, entregando a câmara à minha mãe, que passou a ser a repórter de serviço para a família. Quando fiz dezasseis anos ele ofereceu-me a sua câmara, uma Zeiss de fole, que continuava a pertencer-lhe, e que ainda conservo.

Essa minha imagem no Facebook foi com certeza das que provocaram maior número de reacções, e um amigo comentou que ela lhe recordara a fotografia da mãe de Barthes, de que o autor fala muitas vezes no seu livro ''Câmara Clara'', sem no entanto nunca a revelar. O livro de Barthes pretende ser uma reflexão profunda sobre a essência da fotografia. Barthes ocupa grande parte do ensaio a classificar as fotografias em dois grandes grupos. As fotografias com //studium// como ele diz, e as fotografias com //punctum//. As fotografias como //studium// seriam aquelas que nos interessam por qualquer razão. Por exemplo, se nos interessarmos por história do século XX, as fotografias da implantação da República em Portugal serão //studium// para nós. As fotografias com //punctum// são fotografias de que gostamos porque nos ferem, para utilizar a terminologia de Barthes.  
 
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;O primeiro é visivelmente uma área que eu reconheço facilmente, em função do meu saber, da minha cultura…a palavra existe em latim: é o studium…é pelo studium que me interesso por muitas fotografias...O segundo elemento vem quebrar (ou escandir) o studium. Desta vez não sou eu que vou procurá-lo, é ele que salta da cena. Existe uma palavra em latim para designar essa ferida, essa picada…A este segundo elemento, que vem perturbar o studium, eu chamaria, portanto, punctum.

Roland Barthes, //Câmara Clara//@@}}}}}}
E para ilustrar o conceito de //punctum// Barthes apresenta ao longo do ensaio um pequeno portfólio de fotografias que o ferem, fotografias com //punctum//, e refere em particular a tal célebre e misteriosa fotografia da sua mãe ainda criança, de que fala sempre, mas que nunca mostra. 

O ''Câmara Clara'' é com certeza um dos muitos livros que deveriam ser, não só de leitura, mas também de reflexão obrigatória, em todas as escolas de fotografia. Vivemos num tempo de muitas imagens, mas de muito pouca reflexão. Miríades de imagens, que circulam a grande velocidade, até se evaporarem no éter virtual. Fotógrafos que fotografam, ou que até dizem com prosápia que não fotografam, mas que se apropriam da fotografia ou que utiizam a fotografia como ferramenta, mas que não pensam ou parecem não pensar. Um tempo que me sugere aquela pequena mas notável história de Jorge Luís Borges ''Funes ou a Memória'', acerca daquele homem que tinha uma memória tão prodigiosa, capaz de fixar todos os pormenores de todos os objectos, que era incapaz de abstractizar, incapaz de pensar. 

E a fotografia, e cada vez me convenço mais disso, é muito mais pensamento do que colecções de imagens, registadas com equipamento mais ou menos sofisticado.

Para os interessados, tenho disponível na internet [[um texto de reflexão pessoal | http://www.scribd.com/doc/211120233/Camara-Obscura]] sobre o livrinho de Roland Barthes. O livro de Barthes adquirem-no com facilidade e até encontram versões gratuitas na internet.

Ao preparar este post, colocou-se-me logo uma questão. Deveria colocar aqui a imagem que divulguei no FB? A questão é pertinente, pois uma das regras que me impus a mim mesmo nesta espécie de blog é de usar sempre fotografias feitas por mim. Ora essa é uma fotografia minha, mas não fui eu quem a fiz. Decidi por isso não quebrar a regra, pois poder-me-ia arrepender um dia mais tarde da minha fraqueza, e resolvi pois usar aqui outra fotografia da minha mãe, uma que fiz em 2007, para uma sessão das Quintas de Leitura com a poetisa Maria de Rosário Pedreira.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[DO QUASE INVISÍVEL| ./wikiImages/doQuaseInvisivel.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque,capa do livro ''DO QUASE INVISÍVEL'', 2014@@//}}}}}}
@@font-size:12px;Eu nunca tinha pensado em fotografar nu, até o meu amigo Jorge Pedra me convidar para o fazer num armazém de tecidos em Passos Manuel, no centro do Porto. Um espaço que pertencera à sua família e que iria fechar para ser remodelado e albergar uma empresa de novas tecnologias. Aceitei o desafio, como costumo fazer, ainda sem saber o que poderia resultar daquela experiência. 

O processo de gestação foi longo, com avanços e com recuos, mas à medida que o tempo passava foi ficando claro que não queria(mos) fazer exactamente um projecto fotográfico de nu. Claro que num sentido físico, material, os corpos de mulher estão nas imagens, mas procurei(amos) que a nudez, tal como ela é entendida na civilização ocidental de inspiração cristã, lá não estivesse. O que era preponderante era aquele espaço e aquele momento no tempo. Dai o título "DO QUASE INVISÍVEL" que marca um território vago entre a nudez e a não-nudez. 

Sabia que atravessávamos um território arenoso, onde os pés se enterram e a marcha é difícil, onde por vezes somos obrigados a parar para encher o peito de ar antes de retomar a marcha. Mas cruzámos esse território e aqui chegámos com o livro nas mãos. Onde chegámos exactamente, não consigo dizer.

No texto de introdução ao livro procuro justificar a minha(nossa) posição de que "DO QUASE INVISÍVEL" não é um projecto de nudez, utilizando como abrigo um conhecido texto de Giorgio Agamben chamado precisamente //Nudez//.

Juntaram-se a nós a Patrícia Lino e a Regina Guimarães com textos poéticos e o Rui Canedo que fez o desenho do objecto. Optámos por experimentar uma impressão digital, que nos permite ultrapassar as dificuldades logísticas da distribuição. Quem pretender [[adquirir o livro|http://br.blurb.com/b/5091343-do-quase-invisivel]] pode fazê-lo no site da blurb; fazendo uma encomenda, recebê-lo-á pelo correio.@@
<br> 
|bgcolor(#ffffff):[img[DO QUASE INVISÍVEL| ./wikiImages/barbaros.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, ''Fábrica do Sabão'', Porto, 2012, fábrica entretanto demolida@@//}}}}}}

@@font-size:12px;Apercebi-me hoje que tenho mantido esta espécie de blog em silêncio há muito tempo. Não, não creio que seja grave, pois a minha voz tem andado a dizer coisas por aí. Mas hoje veio-me este poema do Kavafis à cabeça e tinha de o publicar aqui.@@

{{indent{{{indent{@@font-size:10px;
''À ESPERA DOS BÁRBAROS''

 O que esperamos nós em multidão no Forum?

       Os Bárbaros, que chegam hoje.

Dentro do Senado, porque tanta inacção?
Se não estão legislando, que fazem lá dentro os senadores?

        É que os Bárbaros chegam hoje.
        Que leis haveriam de fazer agora os senadores?
        Os Bárbaros, quando vierem, ditarão as leis.

Porque é que o Imperador se levantou de manhã cedo?
E às portas da cidade está sentado,
no seu trono, com toda a pompa, de coroa na cabeça?

        Porque os Bárbaros chegam hoje.
        E o Imperador está à espera do seu Chefe
        para recebê-lo. E até já preparou
        um discurso de boas-vindas, em que pôs,
        dirigidos a ele, toda a casta de títulos.

E porque saíram os dois Cônsules, e os Pretores,
hoje, de toga vermelha, as suas togas bordadas?
E porque levavam braceletes, e tantas ametistas,
e os dedos cheios de anéis de esmeraldas magníficas?
E porque levavam hoje os preciosos bastões,
com pegas de prata e as pontas de ouro em filigrana?

        Porque os Bárbaros chegam hoje,
        e coisas dessas maravilham os Bárbaros.

E porque não vieram hoje aqui, como é costume, os oradores
para discursar, para dizer o que eles sabem dizer?

        Porque os Bárbaros é hoje que aparecem,
        e aborrecem-se com eloquências e retóricas.

Porque, sùbitamente, começa um mal-estar,
e esta confusão? Como os rostos se tornaram sérios!
E porque se esvaziam tão depressa as ruas e as praças,
e todos voltam para casa tão apreensivos?

        Porque a noite caiu e os Bárbaros não vieram.
        E umas pessoas que chegaram da fronteira
        dizem que não há lá sinal de Bárbaros.

E agora, que vai ser de nós sem os Bárbaros?
Essa gente era uma espécie de solução.


Konstantinos Kaváfis (tradução Jorge de Sena)
@@}}}}}}
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Cachão Caché| ./wikiImages/cacao01.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem do PROJECTO FOTOGRÁFICO ''CACHÃO CACHÉ'', Lanor, Lavadouro de Lãs do Nordeste, Cachão, Mirandela, 2014@@//}}}}}}

O Complexo ~Agro-Industrial do Cachão foi criado na década de 60, com o propósito declarado de valorizar a região transmontana, através do lançamento de um conjunto de projetos que modernizassem as explorações agro-pecuárias, assegurassem a qualidade da produção e contribuíssem para o seu escoamento no mercado interno e externo. Camilo de Mendonça, o seu mentor, defendia que para se desenvolver esta região era necessário implementar o ensino superior e criar núcleos industriais dispersos pelo distrito, amparados e orientados por técnicos competentes e complementados com um apoio financeiro orientado para uma reconversão cultural e uma mecanização da agricultura.

Independentemente de muitas críticas que poderão ser feitas, eventualmente justas, e que me ultrapassam, parece-me indiscutível que havia no conceito um enorme potencial. O Cachão pretendia ser um projecto agro-industrial integrado para toda a região. Na década de 80 definhou, desintegrou-se e morreu: lembram-se dos fundos que então entraram da UE e das contrapartidas que exigiram? Hoje o complexo do Cachão consiste no essencial em ruínas e em muitos edifícios abandonados. Existem apenas alguns espaços parcialmente ocupados por pequenas indústrias quase-familiares. No complexo chegaram a trabalhar mais de 1000 pessoas, hoje trabalharão lá quando muito algumas dezenas. 

Uma das unidades a funcionar é uma fábrica de lavagem de lãs que emprega uma dezena de pessoas. As lãs tosquiadas às ovelhas são lavadas, separadas e empacotadas para vender à indústria de lanifícios. A pequena empresa emprega uma dezena de pessoas.
<br>
|bgcolor(#ffffff):[img[Memórias| ./wikiImages/prensa7.jpg]]|
{{indent{{{indent{//@@font-size:10px;©Renato Roque, imagem da série ''MEMÓRIAS''@@//}}}}}}

@@font-size:12px;Publico aqui um conjunto de pequenas citações dispersas sobre fotografia, sem qualquer preocupação de encontrar coerência entre elas, e que poderão até parecer em certos aspectos contraditórias entre si. São de vários autores, cujos ensaios me passaram recentemente pelas mãos. Abordam muitas questões pertinentes, que continuam a ser fonte de muitos equívocos e mal-entendidos: a relação da fotografia com o documento; a relação da fotografia com a verdade; a relação da fotografia com a literatura; a relação da fotografia com a pintura; a fotografia e a memória; a fotografia e a arte. Para propiciar, a quem possam interessar, reflexões durante o tempo de verão. Aconselho, como é óbvio, a leitura integral dos textos de onde provêm.

Nota: a fotografia acima é de uma série dedicada à memória, ainda sem título definitivo, sobre a qual reflicto no presente.@@
{{indent{{{indent{@@font-size:10px;

//Documentary? That’s a very sophisticated and misleading word. And not really clear. You have to have a sophisticated ear to receive that word. The term should be documentary style. An example of a literal document would be a police photograph of a murder scene. You see, a document has use, whereas art is really useless. Therefore art is never a document, though it certainly can adopt that style.//
 
{{indent{Walker Evans, 1971, when he was asked whether “photographs can be documentary as well as works of art" (//American Suburb X//, 2011)}}}

//Nas publicações a imagem é tão ciosa de suplantar a palavra que lhe rouba alguns dos seus vícios mais deploráveis: a facilidade e a prolixidade. E ouso acrescentar que, inclusivamente, não há MENTIRA, essa grande e sempre florescente especialidade da palavra, que a fotografia não ouse praticar.//

{{indent{Paul Valéry,  //Centenário da fotografia//, conferência que proferiu na Academia Francesa em 1926.}}}

//I am convinced that all of this – William M. Ivins refers to the rupture art movements which erupted in the turn of the  XIX to XX century - has taken place very largely because the photograph and photographic processes have brought us knowledge of art that could never have been achieved so long as western European society was dependent upon the old graphic processes and techniques for its reports about art. The syntaxes of engraving had held our society tight in the little local provinciality of their extraordinary limitations, and it was photography, the pictorial report devoid of any linear syntax of its own, that made us effectively aware of the wider horizons that differentiate the vision of today from that of sixty or seventy  years  ago.//

{{indent{William M. Ivins, //Prints and Visual Communication//, 1953}}}

//Os sistemas complexos adaptativos, como o cérebro, encontram-se numa região de funcionamento que está entre a ordem e o caos. Sem memória, não somos humanos (a perda de memória é a antecâmara da morte). Quando a memória é hipertimésica (i.e., síndrome da supermemória), estamos num estado ultra-humano, e por isso também com défice de humanidade. A fotografia, hoje, é hipertimésica, vivemos num caos de imagens que, cada vez mais, contrai o tempo e aproxima o passado do presente. Perder a memória é perder o passado. "Ganhar" uma supermemória também. A condição humana está entre as duas regiões.//

{{indent{Carlos M. Fernandes, 2014}}}

//In the photographic world today there are recognized three classes of photographers: the ignorant, the purely technical, and the artistic.//

{{indent{Alfred Stieglitz, //Pictorial Photography//, 1899}}}@@}}}}}}
<br>
Background: #fff
Foreground: #000
PrimaryPale: #8cf
PrimaryLight: #18f
PrimaryMid: #04b
PrimaryDark: #014
SecondaryPale: #ffc
SecondaryLight: #fe8
SecondaryMid: #db4
SecondaryDark: #841
TertiaryPale: #eee
TertiaryLight: #ccc
TertiaryMid: #999
TertiaryDark: #666
Error: #f88

/* NOVAS CORES*/

TitleBackground: #422
Title: #fff

TitleLink: #fff

TiddlerTitle: #000;
TiddlerSubTitle: #999

Link: #963
LinkOverBackground: #963
LinkOver: #fff

Header: #000
HeaderBackground: #fff

Button: #666
ButtonBorder: #fff
ButtonBackground: #fff
ButtonOver: #741
ButtonOverBackground: #FC7
ButtonOverBorder: #FC7
ButtonActive: #741
ButtonActiveBackground: #fc7
ButtonActiveBorder: #Fc7

TabSelected: #741
TabSelectedBackground: #fc4
TabNotSelected: #fff
TabNotSelectedBackground: #422

TabContent: #000 /*texto que não é tag nem tiddler*/
TabContentBackground: #fc4
TabContentBorder: #000
TabItem: #741
TabItemOver: #fff
TabItemOverBackground: #200

SecondTable: #741
SecondTableBackground: #200
SecondTableItem: #d94
SecondTableItemOverBackground: #d94
SecondTableItemOver: #741

SideBar: #000
SideBarBackground: #fff

SideOptions: #000
SideOptionsBackground: #fc4

Message: #fff
MessageBackground: #f10
MessageBorder: #000

TagBackground:#fff
TagBackground2:#fff
Tag: #666
Tag2: #f10

TiddlerTableBorder: #000

InputBorder: #000
SearchBorder: #741

ButtonTop: #fc4
ButtonTopOver: #741
Decidi experimentar uma ferramenta do tipo Wiki, chamada Tiddly Wiki, para desenvolver esta espécie de blog, por me parecer que ela possibilita uma navegação simples e agradável.

A informação está organizada em pequenos pacotes ou ''tiddlers''. A página de entrada contém por defeito os últimos tiddlers, todos os outros podem ser procurados na tabela de busca à direita. Cada tiddler tem associados ''tags'' que permitem a sua fácil procura, por data ou por tipo. Por exemplo todos os pacotes com TAG=2005-08 corresponderão a informação que disponibilizei durante o mês de Agosto de 2005. Todos os pacotes com TAG=Alendouro corresponderão a imagens de ~Trás-os-Montes. Utilizando esta facilidade, (as ~TAGs) ou o mecanismo de //Search//, facilmente se descobrem os pacotes de informação - tiddlers - que se pretendam. 

//Se quiserem fazer algum comentário, podem contactar-me por// 
[[mail_rroque|mailto:rroque@renatoroque.com]]
/***
|Name|CoreTweaks|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#CoreTweaks|
|Version|none|
|Author|Eric Shulman - ELS Design Studios|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements <<br>>and [[Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 License|http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/]]|
|~CoreVersion|2.2|
|Type|plugin|
|Requires||
|Overrides|replaceSelection, restart, config.macros.edit.handler, Story.prototype.closeTiddler, Story.prototype.refreshTiddler, Slider.prototype.tick |
|Description|a small collection of overrides to TW core functions|

This tiddler contains some quick tweaks and modifications to TW core functions to provide minor changes in standard features or behavior.  It is hoped that some of these tweaks may be incorporated into later versions of the TW core, so that these adjustements will be available without needing these add-on definitions.
>''//Note: the changes contained in this tiddler are ONLY applicable for the current release of TiddlyWiki.  Please view //[[CoreTweaksArchive]]// for tweaks and modifications that may be used with earlier versions of TiddlyWiki//''
----
***/
// // {{groupbox small{
// // calculate version number for conditional inclusion of tweaks below...
//{{{
var ver=version.major+version.minor/10;
//}}}
// // }}}

// // {{groupbox small{
/***
BUG: missing links list includes items contained within "quoted" text (i.e., content that will not render as wiki-syntax, and so CANNOT create any tiddler links, even if the quoted text matches valid link syntax)
FIX: remove content contained between certain delimiters before scanning tiddler source for possible links.

Delimiters include:
{{{
/%...%/
{{{...}}}
"""..."""
<nowiki>...</nowiki>
<html>...</html>
<script>...</script>
}}}
***/
//{{{
Tiddler.prototype.coreTweaks_changed = Tiddler.prototype.changed;
Tiddler.prototype.changed = function()
{
	var savedtext=this.text;
	// remove 'quoted' text before scanning tiddler source
	this.text=this.text.replace(/\/%((?:.|\n)*?)%\//g,""); // /%...%/
	this.text=this.text.replace(/\{{3}((?:.|\n)*?)\}{3}/g,""); // {{{...}}}
	this.text=this.text.replace(/"{3}((?:.|\n)*?)"{3}/g,""); // """..."""
	this.text=this.text.replace(/\<nowiki\>((?:.|\n)*?)\<\/nowiki\>/g,""); // <nowiki>...</nowiki>
	this.text=this.text.replace(/\<html\>((?:.|\n)*?)\<\/html\>/g,""); // <html>...</html>
	this.text=this.text.replace(/\<script((?:.|\n)*?)\<\/script\>/g,""); // <script>...</script>
	this.coreTweaks_changed.apply(this,arguments);
	// restore quoted text to tiddler source
	this.text=savedtext;
};
//}}}
// // }}}

// // {{groupbox small{
/***
This tweak adds mouseover handling to the "permaview" button, so that HREF can be automatically set to the correct permaview link.  This permits use of browser's right-click menu to "bookmark this link..." (or similar).
***/
//{{{
config.macros.permaview.handler = function(place)
{
	var btn=createTiddlyButton(place,this.label,this.prompt,this.onClick);
	addEvent(btn,"mouseover",function(event) {
		var links = [];
		story.forEachTiddler(function(title,element) { links.push(String.encodeTiddlyLink(title)); });
		var newURL=document.location.href;
		var hashPos=newURL.indexOf("#");
		if (hashPos!=-1) newURL=newURL.substr(0,hashPos);
		this.href=newURL+"#"+encodeURIComponent(links.join(" "));
	});
};
//}}}
// // }}}

// // {{groupbox small{
// // This tweak adds URL paramifier handlers for "hide:elementID" and "show:elementID".  This is useful for forcing the display state of specific TW page elements, without requiring StyleSheet changes.  For example, if your customized StyleSheet hides the sidebar (useful for 'read only' published documents), you can force it to display when you need to edit the document by adding {{{#show:sidebar}}} to the document URL.  Alternatively, you might want to supress non-tiddler content when printing by hiding the sidebars and header (e.g., {{{#hide:mainMenu hide:sidebar hide:header}}})
//{{{
if (config.paramifiers) { // check for backward-compatibility
	config.paramifiers.hide = { onstart: function(id) { var e=document.getElementById(id); if (e) e.style.display="none"; } };
	config.paramifiers.show = { onstart: function(id) { var e=document.getElementById(id); if (e) e.style.display="block"; } };
}
//}}}
// // }}}

// // {{groupbox small{
// // This HIJACK tweak pre-processes source content to convert "double-backslash-newline" into {{{<br>}}} before wikify(), so that literal newlines can be embedded in line-mode wiki syntax (e.g., tables, bullets, etc.).  Based on a suggestion from Sitaram Chamarty.
//{{{
window.coreWikify = wikify;
window.wikify = function(source,output,highlightRegExp,tiddler)
{
	if (source) arguments[0]=source.replace(/\\\\\n/mg,"<br>");
	coreWikify.apply(this,arguments);
}
//}}}
/***
|''Name:''|CryptoFunctionsPlugin|
|''Description:''|Support for cryptographic functions|
***/
//{{{
if(!version.extensions.CryptoFunctionsPlugin) {
version.extensions.CryptoFunctionsPlugin = {installed:true};

//--
//-- Crypto functions and associated conversion routines
//--

// Crypto "namespace"
function Crypto() {}

// Convert a string to an array of big-endian 32-bit words
Crypto.strToBe32s = function(str)
{
	var be = Array();
	var len = Math.floor(str.length/4);
	var i, j;
	for(i=0, j=0; i<len; i++, j+=4) {
		be[i] = ((str.charCodeAt(j)&0xff) << 24)|((str.charCodeAt(j+1)&0xff) << 16)|((str.charCodeAt(j+2)&0xff) << 8)|(str.charCodeAt(j+3)&0xff);
	}
	while (j<str.length) {
		be[j>>2] |= (str.charCodeAt(j)&0xff)<<(24-(j*8)%32);
		j++;
	}
	return be;
};

// Convert an array of big-endian 32-bit words to a string
Crypto.be32sToStr = function(be)
{
	var str = "";
	for(var i=0;i<be.length*32;i+=8)
		str += String.fromCharCode((be[i>>5]>>>(24-i%32)) & 0xff);
	return str;
};

// Convert an array of big-endian 32-bit words to a hex string
Crypto.be32sToHex = function(be)
{
	var hex = "0123456789ABCDEF";
	var str = "";
	for(var i=0;i<be.length*4;i++)
		str += hex.charAt((be[i>>2]>>((3-i%4)*8+4))&0xF) + hex.charAt((be[i>>2]>>((3-i%4)*8))&0xF);
	return str;
};

// Return, in hex, the SHA-1 hash of a string
Crypto.hexSha1Str = function(str)
{
	return Crypto.be32sToHex(Crypto.sha1Str(str));
};

// Return the SHA-1 hash of a string
Crypto.sha1Str = function(str)
{
	return Crypto.sha1(Crypto.strToBe32s(str),str.length);
};

// Calculate the SHA-1 hash of an array of blen bytes of big-endian 32-bit words
Crypto.sha1 = function(x,blen)
{
	// Add 32-bit integers, wrapping at 32 bits
	add32 = function(a,b)
	{
		var lsw = (a&0xFFFF)+(b&0xFFFF);
		var msw = (a>>16)+(b>>16)+(lsw>>16);
		return (msw<<16)|(lsw&0xFFFF);
	};
	// Add five 32-bit integers, wrapping at 32 bits
	add32x5 = function(a,b,c,d,e)
	{
		var lsw = (a&0xFFFF)+(b&0xFFFF)+(c&0xFFFF)+(d&0xFFFF)+(e&0xFFFF);
		var msw = (a>>16)+(b>>16)+(c>>16)+(d>>16)+(e>>16)+(lsw>>16);
		return (msw<<16)|(lsw&0xFFFF);
	};
	// Bitwise rotate left a 32-bit integer by 1 bit
	rol32 = function(n)
	{
		return (n>>>31)|(n<<1);
	};

	var len = blen*8;
	// Append padding so length in bits is 448 mod 512
	x[len>>5] |= 0x80 << (24-len%32);
	// Append length
	x[((len+64>>9)<<4)+15] = len;
	var w = Array(80);

	var k1 = 0x5A827999;
	var k2 = 0x6ED9EBA1;
	var k3 = 0x8F1BBCDC;
	var k4 = 0xCA62C1D6;

	var h0 = 0x67452301;
	var h1 = 0xEFCDAB89;
	var h2 = 0x98BADCFE;
	var h3 = 0x10325476;
	var h4 = 0xC3D2E1F0;

	for(var i=0;i<x.length;i+=16) {
		var j,t;
		var a = h0;
		var b = h1;
		var c = h2;
		var d = h3;
		var e = h4;
		for(j = 0;j<16;j++) {
			w[j] = x[i+j];
			t = add32x5(e,(a>>>27)|(a<<5),d^(b&(c^d)),w[j],k1);
			e=d; d=c; c=(b>>>2)|(b<<30); b=a; a = t;
		}
		for(j=16;j<20;j++) {
			w[j] = rol32(w[j-3]^w[j-8]^w[j-14]^w[j-16]);
			t = add32x5(e,(a>>>27)|(a<<5),d^(b&(c^d)),w[j],k1);
			e=d; d=c; c=(b>>>2)|(b<<30); b=a; a = t;
		}
		for(j=20;j<40;j++) {
			w[j] = rol32(w[j-3]^w[j-8]^w[j-14]^w[j-16]);
			t = add32x5(e,(a>>>27)|(a<<5),b^c^d,w[j],k2);
			e=d; d=c; c=(b>>>2)|(b<<30); b=a; a = t;
		}
		for(j=40;j<60;j++) {
			w[j] = rol32(w[j-3]^w[j-8]^w[j-14]^w[j-16]);
			t = add32x5(e,(a>>>27)|(a<<5),(b&c)|(d&(b|c)),w[j],k3);
			e=d; d=c; c=(b>>>2)|(b<<30); b=a; a = t;
		}
		for(j=60;j<80;j++) {
			w[j] = rol32(w[j-3]^w[j-8]^w[j-14]^w[j-16]);
			t = add32x5(e,(a>>>27)|(a<<5),b^c^d,w[j],k4);
			e=d; d=c; c=(b>>>2)|(b<<30); b=a; a = t;
		}

		h0 = add32(h0,a);
		h1 = add32(h1,b);
		h2 = add32(h2,c);
		h3 = add32(h3,d);
		h4 = add32(h4,e);
	}
	return Array(h0,h1,h2,h3,h4);
};


}
//}}}
Cumplescritas é um projecto que iniciei nesta espécie de blog a partir de fotografia. É um projecto para o qual convidei amigos, quase todos [[cúmplices referenciados|http://www.renatoroque.com/rroque/cumplices.htm]] de há muito para todo o tipo de banditagens foto-poéticas. Todos aceitaram enviar um pequeno texto para acompanhar uma fotografia.

É um projecto sem prazo, sem plano, que vai ser desenvolvido à medida das respostas que receber.

A lista ao lado reúne as contribuições que já recebi.
[[Introdução]] [[2014-07 - Para uma reflexão de verão]] [[2014-06 - CACHÃO CACHÉ]] [[2014-05- À ESPERA DOS BÁRBAROS]] [[2014-03-DO QUASE INVISÍVEL]] [[2014-03 - Barthes e a fotografia misteriosa]] [[2014-02 - A fotografia ajoelha-se perante a poesia]] [[2014-02 - Restrictions and limitations]] [[2014-02 - Então o Senhor Deus criou o homem do barro]] [[2014-01- Mais um EspantaOQuê?]] [[2014-01 - Eusébio e a Novilíngua]] 
/***
|''Name:''|DeprecatedFunctionsPlugin|
|''Description:''|Support for deprecated functions removed from core|
***/
//{{{
if(!version.extensions.DeprecatedFunctionsPlugin) {
version.extensions.DeprecatedFunctionsPlugin = {installed:true};

//--
//-- Deprecated code
//--

// @Deprecated: Use createElementAndWikify and this.termRegExp instead
config.formatterHelpers.charFormatHelper = function(w)
{
	w.subWikify(createTiddlyElement(w.output,this.element),this.terminator);
};

// @Deprecated: Use enclosedTextHelper and this.lookaheadRegExp instead
config.formatterHelpers.monospacedByLineHelper = function(w)
{
	var lookaheadRegExp = new RegExp(this.lookahead,"mg");
	lookaheadRegExp.lastIndex = w.matchStart;
	var lookaheadMatch = lookaheadRegExp.exec(w.source);
	if(lookaheadMatch && lookaheadMatch.index == w.matchStart) {
		var text = lookaheadMatch[1];
		if(config.browser.isIE)
			text = text.replace(/\n/g,"\r");
		createTiddlyElement(w.output,"pre",null,null,text);
		w.nextMatch = lookaheadRegExp.lastIndex;
	}
};

// @Deprecated: Use <br> or <br /> instead of <<br>>
config.macros.br = {};
config.macros.br.handler = function(place)
{
	createTiddlyElement(place,"br");
};

// Find an entry in an array. Returns the array index or null
// @Deprecated: Use indexOf instead
Array.prototype.find = function(item)
{
	var i = this.indexOf(item);
	return i == -1 ? null : i;
};

// Load a tiddler from an HTML DIV. The caller should make sure to later call Tiddler.changed()
// @Deprecated: Use store.getLoader().internalizeTiddler instead
Tiddler.prototype.loadFromDiv = function(divRef,title)
{
	return store.getLoader().internalizeTiddler(store,this,title,divRef);
};

// Format the text for storage in an HTML DIV
// @Deprecated Use store.getSaver().externalizeTiddler instead.
Tiddler.prototype.saveToDiv = function()
{
	return store.getSaver().externalizeTiddler(store,this);
};

// @Deprecated: Use store.allTiddlersAsHtml() instead
function allTiddlersAsHtml()
{
	return store.allTiddlersAsHtml();
}

// @Deprecated: Use refreshPageTemplate instead
function applyPageTemplate(title)
{
	refreshPageTemplate(title);
}

// @Deprecated: Use story.displayTiddlers instead
function displayTiddlers(srcElement,titles,template,unused1,unused2,animate,unused3)
{
	story.displayTiddlers(srcElement,titles,template,animate);
}

// @Deprecated: Use story.displayTiddler instead
function displayTiddler(srcElement,title,template,unused1,unused2,animate,unused3)
{
	story.displayTiddler(srcElement,title,template,animate);
}

// @Deprecated: Use functions on right hand side directly instead
var createTiddlerPopup = Popup.create;
var scrollToTiddlerPopup = Popup.show;
var hideTiddlerPopup = Popup.remove;

// @Deprecated: Use right hand side directly instead
var regexpBackSlashEn = new RegExp("\\\\n","mg");
var regexpBackSlash = new RegExp("\\\\","mg");
var regexpBackSlashEss = new RegExp("\\\\s","mg");
var regexpNewLine = new RegExp("\n","mg");
var regexpCarriageReturn = new RegExp("\r","mg");

}
//}}}
<!--{{{-->
<div class='toolbar' macro='toolbar +saveTiddler -cancelTiddler deleteTiddler'></div>
<br>
<div class='title' macro='view title'></div>
<div class='editor' macro='edit title'></div>
<div macro='annotations'></div>
<div class='editor' macro='edit text'></div>
<div class='editor' macro='edit tags'></div><div class='editorFooter'><span macro='message views.editor.tagPrompt'></span><span macro='tagChooser'></span></div>
<!--}}}-->
/***
|Name|GotoPlugin|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#GotoPlugin|
|Version|1.4.0|
|Author|Eric Shulman - ELS Design Studios|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements <<br>>and [[Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 License|http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/]]|
|~CoreVersion|2.1|
|Type|plugin|
|Requires||
|Overrides||
|Description|view any tiddler by entering it's title - displays list of possible matches|

''View a tiddler by typing its title and pressing //enter//.''  Input just enough to uniquely match a single tiddler title and ''press //enter// to auto-complete the title for you!!''  If multiple titles match your input, a list is displayed.  You can scroll-and-click (or use arrows+enter) to select/view a tiddler, or press //escape// to close the listbox to resume typing.  When the listbox is ''//not//'' being displayed, press //escape// to clear the current text input and start over.

Note: ''At any time, you can move the focus directly to the text input field by using the ~ALT-G keyboard shortcut.''
!!!!!Examples
<<<
| //IMPORTANT NOTE:// ''As of version 1.4.0 (2007.04.25), the {{{<<goto>>}}} macro has been renamed to {{{<<gotoTiddler>>}}}'' |
syntax: {{{<<gotoTiddler quiet insert inputstyle liststyle>>}}}
All parameters are optional.
* ''quiet'' prevents //automatic// display of the list as each character is typed.  To view the list when ''quiet'', use //down// or //enter//.
* ''insert'' causes the selected tiddler title to be inserted into the tiddler source currently being edited (use with EditTemplate)
* ''inputstyle'' and ''liststyle'' are CSS declarations that modify the default input and listbox styles.  Note: styles containing spaces must be surrounded by ({{{"..."}}} or {{{'...'}}}) or ({{{[[...]]}}}).
{{{<<gotoTiddler>>}}}
<<gotoTiddler>>
{{{<<gotoTiddler quiet>>}}}
<<gotoTiddler quiet>>
{{{<<goto width:20em width:20em>>}}}
<<gotoTiddler width:20em width:20em>>

You can also invoke the macro with the "insert" keyword.  When used in the [[EditTemplate]], like this:
{{{
<span macro="gotoTiddler insert"></span>
}}}
it allows you to type/select a tiddler title, and instantly insert a link to that title (e.g. {{{[[TiddlerName]]}}}) into the tiddler source being edited.
<<<
!!!!!Configuration
<<<
The following ~TiddlyWiki search options (see AdvancedOptions) are applied when matching tiddler titles:
><<option chkRegExpSearch>> use regular expressions (text patterns)
><<option chkCaseSensitiveSearch>> use case sensitive matching
You can also create a tiddler tagged with <<tag systemConfig>> to control listing of tiddlers/shadows/tags, as well as the maximum height of the listbox.  //The default values are shown below://
//{{{
config.macros.gotoTiddler.includeTiddlers=true;
config.macros.gotoTiddler.includeShadows=true;
config.macros.gotoTiddler.includeTags=true;
config.macros.gotoTiddler.listMaxSize=10;
//}}}
<<<
!!!!!Installation
<<<
import (or copy/paste) the following tiddlers into your document:
''GotoPlugin'' (tagged with <<tag systemConfig>>)
<<<
!!!!!Revisions
<<<
''2007.04.25 [1.4.0]'' renamed macro from "goto" to "gotoTiddler".  This was necessary to avoid a fatal syntax error in Opera (and other browsers) that require strict adherence to ECMAScript 1.5 standards which defines the identifier "goto" as "reserved for FUTURE USE"... *sigh*
''2007.04.21 [1.3.2]'' in html definition, removed DIV around droplist (see 1.2.6 below).  It created more layout problems then it solved. :-(
''2007.04.01 [1.3.1]'' in processItem(), ensure that correct textarea field is found by checking for edit=="text" attribute
''2007.03.30 [1.3.0]'' tweak SideBarOptions shadow to automatically add {{{<<goto>>}}} when using default sidebar content
''2007.03.30 [1.2.6]'' in html definition, added DIV around droplist to fix IE problem where list appears next to input field instead of below it.  
''2007.03.28 [1.2.5]'' in processItem(), set focus to text area before setting selection (needed for IE to get correct selection 'range')
''2007.03.28 [1.2.4]'' added prompt for 'pretty text' when inserting a link into tiddler content
''2007.03.28 [1.2.3]'' added local copy of core replaceSelection() and modified for different replace logic
''2007.03.27 [1.2.2]'' in processItem(), use story.getTiddlerField() to retrieve textarea control
''2007.03.26 [1.2.1]'' in html, use either 'onkeydown' (IE) or 'onkeypress' (Moz) event to process <esc> key sooner, to prevent <esc> from 'bubbling up' to the tiddler (which will close the current editor).
''2007.03.26 [1.2.0]'' added support for optional "insert" keyword param. When used in [[EditTemplate]], (e.g. {{{<span macro="goto insert"></span>}}}) it triggers alternative processing: instead of displaying the selected tiddler, that tiddler's title is inserted into a tiddler's textarea edit field surrounded by {{{[[...]]}}}.
''2006.05.10 [1.1.2]'' when filling listbox, set selection to 'heading' item... auto-select first tiddler title when down/enter moves focus into listbox
''2006.05.08 [1.1.1]'' added accesskey ("G") to input field html (also set when field gets focus).  Also, inputKeyHandler() skips non-printing/non-editing keys. 
''2006.05.08 [1.1.0]'' added heading to listbox for better feedback (also avoids problems with 1-line droplist)
''2006.05.07 [1.0.0]'' list matches against tiddlers/shadows/tags.  input field auto-completion... 1st enter=complete matching input (or show list)... 2nd enter=view tiddler.  optional "quiet" param controls when listbox appears.
''2006.05.06 [0.5.0]'' added handling for enter (13), escape(27), and down(40) keys.   Change 'ondblclick' to 'onclick' for list handler to view tiddlers (suggested by Florian Cauvin - prevents unintended trigger of tiddler editor).  shadow titles inserted into list instead of appended to the end.
''2006.05.05 [0.0.0]'' started
<<<
!!!!!Credits
>This feature was developed by EricShulman from [[ELS Design Studios|http:/www.elsdesign.com]]
!!!!!Code
***/
//{{{
version.extensions.gotoTiddler = {major: 1, minor: 4, revision: 0, date: new Date(2007,4,25)};

// automatically tweak shadow SideBarOptions to add "sendTiddler" toolbar command (following "editTiddler")
config.shadowTiddlers.SideBarOptions=config.shadowTiddlers.SideBarOptions.replace(/<<search>>/,"{{button{goto}}}\n<<gotoTiddler>><<search>>");

config.macros.gotoTiddler= { 
	handler:
	function(place,macroName,params) {
		var quiet=(params[0] && params[0]=="quiet"); if (quiet) params.shift();
		var insert=(params[0] && params[0]=="insert"); if (insert) params.shift();
		var instyle=params.shift(); if (!instyle) instyle="";
		var liststyle=params.shift(); if (!liststyle) liststyle="";
		var keyevent=window.event?"onkeydown":"onkeypress";
		createTiddlyElement(place,"span").innerHTML
			=this.html.replace(/%keyevent%/g,keyevent).replace(/%insert%/g,insert).replace(/%quiet%/g,quiet).replace(/%instyle%/g,instyle).replace(/%liststyle%/g,liststyle);
	},

	html:
	'<form onsubmit="return false" style="display:inline;margin:0;padding:0">\
		<input name=gotoTiddler type=text autocomplete="off" accesskey="G" style="%instyle%"\
			title="enter a tiddler title"\
			onfocus="this.select(); this.setAttribute(\'accesskey\',\'G\');"\
			%keyevent%="return config.macros.gotoTiddler.inputEscKeyHandler(event,this,this.form.list);"\
			onkeyup="return config.macros.gotoTiddler.inputKeyHandler(event,this,this.form.list,%quiet%,%insert%);">\
		<select name=list style="%liststyle%;display:none;position:absolute"\
			onchange="if (!this.selectedIndex) this.selectedIndex=1;"\
			onblur="this.style.display=\'none\';"\
			%keyevent%="return config.macros.gotoTiddler.selectKeyHandler(event,this,this.form.gotoTiddler,%insert%);"\
			onclick="return config.macros.gotoTiddler.processItem(this.value,this.form.gotoTiddler,this,%insert%);">\
		</select>\
	</form>',
	
	getItems:
	function() {
		var items=[];
		var tiddlers=store.reverseLookup("tags","excludeSearch",false,"title");
		if (this.includeTiddlers) for(var t=0; t<tiddlers.length; t++) items.push(tiddlers[t].title);
		if (this.includeShadows) for (var t in config.shadowTiddlers) items.pushUnique(t);
		if (this.includeTags) { var tags=store.getTags(); for(var t=0; t<tags.length; t++) items.pushUnique(tags[t][0]); }
		return items;
	},
	includeTiddlers: true, includeShadows: true, includeTags: true,

	getItemSuffix:
	function(t) {
		if (store.tiddlerExists(t)) return "";  // tiddler
		if (store.isShadowTiddler(t)) return " (shadow)"; // shadow
		return " (tag)"; // tag 
	},

	keyProcessed:
	function(ev) { // utility function: exits handler and prevents browser from processing the keystroke
		ev.cancelBubble=true; // IE4+
		try{event.keyCode=0;}catch(e){}; // IE5
		if (window.event) ev.returnValue=false; // IE6
		if (ev.preventDefault) ev.preventDefault(); // moz/opera/konqueror
		if (ev.stopPropagation) ev.stopPropagation(); // all
		return false;
	},

	inputEscKeyHandler:
	function(event,here,list) {
		var key=event.keyCode;
		// escape... hide list (2nd esc=clears input)
		if (key==27) {
			if (list.style.display=="none")
				here.value=here.defaultValue;
			list.style.display="none";
			return this.keyProcessed(event);
		}
		return true; // key bubbles up
	},

	inputKeyHandler:
	function(event,here,list,quiet,insert) {
		var key=event.keyCode;
		// non-printing chars... bubble up, except: backspace=8, enter=13, space=32, down=40, delete=46
		if (key<48) switch(key) { case 8: case 13: case 32: case 40: case 46: break; default: return true; }
		// blank input... if down/enter... fall through (list all)... else, hide list
		if (!here.value.length && !(key==40 || key==13))
			{ list.style.display="none"; return this.keyProcessed(event); }
		// find matching items...
		var pattern=config.options.chkRegExpSearch?here.value:here.value.escapeRegExp();
		var re=new RegExp(pattern,config.options.chkCaseSensitiveSearch?"mg":"img");
		var found = []; var items=this.getItems();
		for(var t=0; t<items.length; t++) if(items[t].search(re)!=-1) found.push(items[t]);
		// matched one item... enter... not *exact* match... autocomplete input field
		if (found.length==1 && quiet && key==13 && here.value!=found[0])
			{ list.style.display="none"; here.value=found[0]; return this.keyProcessed(event); }
		// no match/exact match... enter... create/show it
		if (found.length<2 && key==13)
			return this.processItem(found.length?found[0]:here.value,here,list,insert);
		// quiet/no match... hide list...
		list.style.display=(!quiet && found.length)?"block":"none";
		// no matches... key bubbles up
		if (!found.length) return true;
		// down/enter... show/move to list...
		if (key==40 || key==13)  { list.style.display="block"; list.focus(); }
		// list is showing... fill list...
		if (list.style.display!="none") {
			while (list.length > 0) list.options[0]=null; // clear list...
			found.sort();
			list.options[0]=new Option(found.length==1?this.listMatchMsg:this.listHeading.format([found.length]),"",false,false);
			for (var t=0; t<found.length; t++)  // fill list...
				list.options[t+1]=new Option(found[t]+this.getItemSuffix(found[t]),found[t],false,false);
			list.size=(found.length<this.listMaxSize?found.length:this.listMaxSize)+1; // resize list...
			list.selectedIndex=(key==40 || key==13)?1:0;
		}
		return true; // key bubbles up
	},
	listMaxSize: 10,
	listHeading: 'Found %0 matching titles:',
	listMatchMsg: 'Press enter to open tiddler...',

	selectKeyHandler:
	function(event,list,editfield,insert) {
		if (event.keyCode==27) // escape... hide list, move to edit field
			{ editfield.focus(); list.style.display="none"; return this.keyProcessed(event); }
		if (event.keyCode==13 && list.value.length) // enter... view selected item
			{ this.processItem(list.value,editfield,list,insert); return this.keyProcessed(event); }
		return true; // key bubbles up
	},

	askForText: "Enter the text to display for this link",

	processItem:
	function(title,here,list,insert) {
		if (!title.length) return; here.value=title; list.style.display='none';
		if (insert) {
			var tidElem=story.findContainingTiddler(here); if (!tidElem) { here.focus(); return false; }
			var e=story.getTiddlerField(tidElem.getAttribute("tiddler"),"text");
			if (!e||e.getAttribute("edit")!="text") return false;
			var txt=prompt(this.askForText,title); if (!txt||!txt.length) { here.focus(); return false; }
			e.focus(); // put focus on target field before setting selection
			this.replaceSelection(e,"[["+txt+"|"+title+"]]"); // insert selected tiddler as a PrettyLink
		}
		else
			story.displayTiddler(null,title); // show selected tiddler
		return false;
	},

	replaceSelection:
	function (e,text) { // copied from 2.1.3 core and then tweaked
		if (e.setSelectionRange) {
			var oldpos = e.selectionStart;
			var isRange=e.selectionEnd-e.selectionStart;
			e.value = e.value.substr(0,e.selectionStart) + text + e.value.substr(e.selectionEnd);
			e.setSelectionRange( isRange?oldpos:oldpos+text.length, oldpos+text.length);
			var linecount = e.value.split('\n').length;
			var thisline = e.value.substr(0,e.selectionStart).split('\n').length-1;
			e.scrollTop = Math.floor((thisline-e.rows/2)*e.scrollHeight/linecount);
		}
		else if (document.selection) {
			var range = document.selection.createRange();
			if (range.parentElement() == e)	{
				var isCollapsed = range.text == "";
				range.text = text;
				 if (!isCollapsed) {
					range.moveStart('character', -text.length);
					range.select();
				}
			}
		}
	}
}
//}}}
<<include "index_Ano_2005_2006.htm">>
<<include "index_Ano_2007.htm">>
<<include "index_Ano_2008_2010.htm">>
/***
|''Name:''|abego.IncludePlugin|
|''Version:''|1.0.1 (2007-04-30)|
|''Type:''|plugin|
|''Source:''|http://tiddlywiki.abego-software.de/#IncludePlugin|
|''Author:''|Udo Borkowski (ub [at] abego-software [dot] de)|
|''Documentation:''|[[IncludePlugin Documentation|http://tiddlywiki.abego-software.de/#%5B%5BIncludePlugin%20Documentation%5D%5D]]|
|''Community:''|([[del.icio.us|http://del.icio.us/post?url=http://tiddlywiki.abego-software.de/index.html%23IncludePlugin]]) ([[Support|http://groups.google.com/group/TiddlyWiki]])|
|''Copyright:''|&copy; 2007 [[abego Software|http://www.abego-software.de]]|
|''Licence:''|[[BSD open source license (abego Software)|http://www.abego-software.de/legal/apl-v10.html]]|
|''~CoreVersion:''|2.1.3|
|''Browser:''|Firefox 1.5.0.9 or better; Internet Explorer 6.0|
***/
/***
This plugin's source code is compressed (and hidden). Use this [[link|http://tiddlywiki.abego-software.de/archive/IncludePlugin/Plugin-Include-src.1.0.0.js]] to get the readable source code.
***/
///%
if(!window.abego){window.abego={};}var invokeLater=function(_1,_2,_3){return abego.invokeLater?abego.invokeLater(_1,_2,_3):setTimeout(_1,_2);};abego.loadFile=function(_4,_5,_6){var _7=function(_8,_9,_a,_b,_c){return _8?_5(_a,_b,_9):_5(undefined,_b,_9,"Error loading %0".format([_b]));};if(_4.search(/^((http(s)?)|(file)):/)!=0){if(_4.search(/^((.\:\\)|(\\\\)|(\/))/)==0){_4="file://"+_4;}else{var _d=document.location.toString();var i=_d.lastIndexOf("/");_4=_d.substr(0,i+1)+_4;}_4=_4.replace(/\\/mg,"/");}loadRemoteFile(_4,_7,_6);};abego.loadTiddlyWikiStore=function(_f,_10,_11,_12){var _13=function(_14,_15){if(_12){_12(_14,"abego.loadTiddlyWikiStore",_15,_f,_11);}};var _16=function(_17,_18){var _19=_18.indexOf(startSaveArea);var _1a=_18.indexOf("<!--POST-BODY-END--"+">");var _1b=_18.lastIndexOf(endSaveArea,_1a==-1?_18.length:_1a);if((_19==-1)||(_1b==-1)){return config.messages.invalidFileError.format([_f]);}var _1c="<html><body>"+_18.substring(_19,_1b+endSaveArea.length)+"</body></html>";var _1d=document.createElement("iframe");_1d.style.display="none";document.body.appendChild(_1d);var doc=_1d.document;if(_1d.contentDocument){doc=_1d.contentDocument;}else{if(_1d.contentWindow){doc=_1d.contentWindow.document;}}doc.open();doc.writeln(_1c);doc.close();var _1f=doc.getElementById("storeArea");_17.loadFromDiv(_1f,"store");_1d.parentNode.removeChild(_1d);return null;};var _20=function(_21){_13("Error when loading %0".format([_f]),"Failed");_10(undefined,_f,_11,_21);return _21;};var _22=function(_23){_13("Loaded %0".format([_f]),"Done");_10(_23,_f,_11);return null;};var _24=function(_25,_26,_27,_28){if(_25===undefined){_20(_28);return;}_13("Processing %0".format([_f]),"Processing");var _29=config.messages.invalidFileError;config.messages.invalidFileError="The file '%0' does not appear to be a valid TiddlyWiki file";try{var _2a=new TiddlyWiki();var _2b=_16(_2a,_25);if(_2b){_20(_2b);}else{_22(_2a);}}catch(ex){_20(exceptionText(ex));}finally{config.messages.invalidFileError=_29;}};_13("Start loading %0".format([_f]),"Started");abego.loadFile(_f,_24,_11);};(function(){if(abego.TiddlyWikiIncluder){return;}var _2c="waiting";var _2d="loading";var _2e=1000;var _2f=-200;var _30=-100;var _31=-300;var _32;var _33=[];var _34={};var _35=[];var _36;var _37=[];var _38;var _39=function(){if(_32===undefined){_32=config.options.chkUseInclude===undefined||config.options.chkUseInclude;}return _32;};var _3a=function(url){return "No include specified for %0".format([url]);};var _3c=function(){var _3d=_35;_35=[];if(_3d.length){for(var i=0;i<_37.length;i++){_37[i](_3d);}}};var _3f;var _40=function(){if(_36!==undefined){clearInterval(_36);}_3f=0;var _41=function(){abego.TiddlyWikiIncluder.sendProgress("","","Done");};_36=setInterval(function(){_3f++;if(_3f<=10){return;}clearInterval(_36);_36=undefined;abego.TiddlyWikiIncluder.sendProgress("Refreshing...","","");refreshDisplay();invokeLater(_41,0,_2f);},1);};var _42=function(_43){var _44;for(var i=0;i<_33.length;i++){var _46=abego.TiddlyWikiIncluder.getStore(_33[i]);if(_46&&(_44=_43(_46,_33[i]))){return _44;}}};var _47=function(){if(!window.store){return invokeLater(_47,100);}var _48=store.fetchTiddler;store.fetchTiddler=function(_49){var t=_48.apply(this,arguments);if(t){return t;}if(config.shadowTiddlers[_49]!==undefined){return undefined;}if(_49==config.macros.newTiddler.title){return undefined;}return _42(function(_4b,url){var t=_4b.fetchTiddler(_49);if(t){t.includeURL=url;}return t;});};if(_33.length){_40();}};var _4e=function(){if(!window.store){return invokeLater(_4e,100);}var _4f=store.getTiddlerText("IncludeList");if(_4f){wikify(_4f,document.createElement("div"));}};var _50=function(_51){var _52=function(){var _53=store.forEachTiddler;var _54=function(_55){var _56={};var _57;var _58=function(_59,_5a){if(_56[_59]){return;}_56[_59]=1;if(_57){_5a.includeURL=_57;}_55.apply(this,arguments);};_53.call(store,_58);for(var n in config.shadowTiddlers){_56[n]=1;}_56[config.macros.newTiddler.title]=1;_42(function(_5c,url){_57=url;_5c.forEachTiddler(_58);});};store.forEachTiddler=_54;try{return _51.apply(this,arguments);}finally{store.forEachTiddler=_53;}};return _52;};var _5e=function(_5f,_60){return _5f[_60]=_50(_5f[_60]);};abego.TiddlyWikiIncluder={};abego.TiddlyWikiIncluder.setProgressFunction=function(_61){_38=_61;};abego.TiddlyWikiIncluder.getProgressFunction=function(_62){return _38;};abego.TiddlyWikiIncluder.sendProgress=function(_63,_64,_65){if(_38){_38.apply(this,arguments);}};abego.TiddlyWikiIncluder.onError=function(url,_67){displayMessage("Error when including '%0':\n%1".format([url,_67]));};abego.TiddlyWikiIncluder.hasPendingIncludes=function(){for(var i=0;i<_33.length;i++){var _69=abego.TiddlyWikiIncluder.getState(_33[i]);if(_69==_2c||_69==_2d){return true;}}return false;};abego.TiddlyWikiIncluder.getIncludes=function(){return _33.slice();};abego.TiddlyWikiIncluder.getState=function(url){var s=_34[url];if(!s){return _3a(url);}return typeof s=="string"?s:null;};abego.TiddlyWikiIncluder.getStore=function(url){var s=_34[url];if(!s){return _3a(url);}return s instanceof TiddlyWiki?s:null;};abego.TiddlyWikiIncluder.include=function(url,_6f){if(!_39()||_34[url]){return;}var _70=this;_33.push(url);_34[url]=_2c;var _71=function(_72,_73,_74,_75){if(_72===undefined){_34[url]=_75;_70.onError(url,_75);return;}_34[url]=_72;_35.push(url);invokeLater(_3c);};var _76=function(){_34[url]=_2d;abego.loadTiddlyWikiStore(url,_71,null,_38);};if(_6f){invokeLater(_76,_6f);}else{_76();}};abego.TiddlyWikiIncluder.forReallyEachTiddler=function(_77){var _78=function(){store.forEachTiddler(_77);};_50(_78).call(store);};abego.TiddlyWikiIncluder.getFunctionUsingForReallyEachTiddler=_50;abego.TiddlyWikiIncluder.useForReallyEachTiddler=_5e;abego.TiddlyWikiIncluder.addListener=function(_79){_37.push(_79);};abego.TiddlyWikiIncluder.addListener(_40);if(config.options.chkUseInclude===undefined){config.options.chkUseInclude=true;}config.shadowTiddlers.AdvancedOptions+="\n<<option chkUseInclude>> Include ~TiddlyWikis (IncludeList | IncludeState | [[help|http://tiddlywiki.abego-software.de/#%5B%5BIncludePlugin%20Documentation%5D%5D]])\n^^(Reload this ~TiddlyWiki to make changes become effective)^^";config.shadowTiddlers.IncludeState="<<includeState>>";var _7a=function(e,_7c,_7d){if(!anim||!abego.ShowAnimation){e.style.display=_7c?"block":"none";return;}anim.startAnimating(new abego.ShowAnimation(e,_7c,_7d));};abego.TiddlyWikiIncluder.getDefaultProgressFunction=function(){setStylesheet(".includeProgressState{\n"+"background-color:#FFCC00;\n"+"position:absolute;\n"+"right:0.2em;\n"+"top:0.2em;\n"+"width:7em;\n"+"padding-left:0.2em;\n"+"padding-right:0.2em\n"+"}\n","abegoInclude");var _7e=function(){var e=document.createElement("div");e.className="includeProgressState";e.style.display="none";document.body.appendChild(e);return e;};var _80=_7e();var _81=function(_82){removeChildren(_80);createTiddlyText(_80,_82);_7a(_80,true,0);};var _83=function(){invokeLater(function(){_7a(_80,false,_2e);},100,_30);};var _84=function(_85,_86,_87,url,_89){if(_87=="Done"||_87=="Failed"){_83();return;}if(_86=="abego.loadTiddlyWikiStore"){_3f=0;if(_87=="Processing"){_81("Including...");}}else{_81(_85);}};return _84;};abego.TiddlyWikiIncluder.setProgressFunction(abego.TiddlyWikiIncluder.getDefaultProgressFunction());config.macros.include={};config.macros.include.handler=function(_8a,_8b,_8c,_8d,_8e,_8f){_8c=_8e.parseParams("url",null,true,false,true);var _90=parseInt(getParam(_8c,"delay","0"));var _91=_8c[0]["url"];var _92=getFlag(_8c,"hide",false);if(!_92){createTiddlyText(createTiddlyElement(_8a,"code"),_8d.source.substring(_8d.matchStart,_8d.nextMatch));}for(var i=0;_91&&i<_91.length;i++){abego.TiddlyWikiIncluder.include(_91[i],_90);}};config.macros.includeState={};config.macros.includeState.handler=function(_94,_95,_96,_97,_98,_99){var _9a=function(){var s="";var _9c=abego.TiddlyWikiIncluder.getIncludes();if(!_9c.length){return "{{noIncludes{\nNo includes or 'include' is disabled (see AdvancedOptions)\n}}}\n";}s+="|!Address|!State|\n";for(var i=0;i<_9c.length;i++){var inc=_9c[i];s+="|{{{"+inc+"}}}|";var t=abego.TiddlyWikiIncluder.getState(inc);s+=t?"{{{"+t+"}}}":"included";s+="|\n";}s+="|includeState|k\n";return s;};var _a0=function(){removeChildren(div);wikify(_9a(),div);if(abego.TiddlyWikiIncluder.hasPendingIncludes()){invokeLater(_a0,500,_31);}};var div=createTiddlyElement(_94,"div");invokeLater(_a0,0,_31);};var _a2=Tiddler.prototype.isReadOnly;Tiddler.prototype.isReadOnly=function(){return _a2.apply(this,arguments)||this.isIncluded();};Tiddler.prototype.isIncluded=function(){return this.includeURL!=undefined;};Tiddler.prototype.getIncludeURL=function(){return this.includeURL;};var _a3={getMissingLinks:1,getOrphans:1,getTags:1,reverseLookup:1,updateTiddlers:1};for(var n in _a3){_5e(TiddlyWiki.prototype,n);}var _a5=function(){if(abego.IntelliTagger){_5e(abego.IntelliTagger,"assistTagging");}};var _a6=function(){if(config.macros.forEachTiddler){_5e(config.macros.forEachTiddler,"findTiddlers");}};_47();invokeLater(_4e,100);invokeLater(_a5,100);invokeLater(_a6,100);})();
//%/
/***
|Name|InlineJavascriptPlugin|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#InlineJavascriptPlugin|
|Version|1.6.0|
|Author|Eric Shulman - ELS Design Studios|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements <<br>>and [[Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 License|http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/]]|
|~CoreVersion|2.1|
|Type|plugin|
|Requires||
|Overrides||
|Description|Insert Javascript executable code directly into your tiddler content.|

''Call directly into TW core utility routines, define new functions, calculate values, add dynamically-generated TiddlyWiki-formatted output'' into tiddler content, or perform any other programmatic actions each time the tiddler is rendered.
!!!!!Usage
<<<
When installed, this plugin adds new wiki syntax for surrounding tiddler content with {{{<script>}}} and {{{</script>}}} markers, so that it can be treated as embedded javascript and executed each time the tiddler is rendered.

''Deferred execution from an 'onClick' link''
By including a {{{label="..."}}} parameter in the initial {{{<script>}}} marker, the plugin will create a link to an 'onclick' script that will only be executed when that specific link is clicked, rather than running the script each time the tiddler is rendered.  You may also include a {{{title="..."}}} parameter to specify the 'tooltip' text that will appear whenever the mouse is moved over the onClick link text

''External script source files:''
You can also load javascript from an external source URL, by including a src="..." parameter in the initial {{{<script>}}} marker (e.g., {{{<script src="demo.js"></script>}}}).  This is particularly useful when incorporating third-party javascript libraries for use in custom extensions and plugins.  The 'foreign' javascript code remains isolated in a separate file that can be easily replaced whenever an updated library file becomes available.

''Display script source in tiddler output''
By including the keyword parameter "show", in the initial {{{<script>}}} marker, the plugin will include the script source code in the output that it displays in the tiddler.

''Defining javascript functions and libraries:''
Although the external javascript file is loaded while the tiddler content is being rendered, any functions it defines will not be available for use until //after// the rendering has been completed.  Thus, you cannot load a library and //immediately// use it's functions within the same tiddler.  However, once that tiddler has been loaded, the library functions can be freely used in any tiddler (even the one in which it was initially loaded).

To ensure that your javascript functions are always available when needed, you should load the libraries from a tiddler that will be rendered as soon as your TiddlyWiki document is opened.  For example, you could put your {{{<script src="..."></script>}}} syntax into a tiddler called LoadScripts, and then add {{{<<tiddler LoadScripts>>}}} in your MainMenu tiddler.

Since the MainMenu is always rendered immediately upon opening your document, the library will always be loaded before any other tiddlers that rely upon the functions it defines.  Loading an external javascript library does not produce any direct output in the tiddler, so these definitions should have no impact on the appearance of your MainMenu.

''Creating dynamic tiddler content''
An important difference between this implementation of embedded scripting and conventional embedded javascript techniques for web pages is the method used to produce output that is dynamically inserted into the document:
* In a typical web document, you use the document.write() function to output text sequences (often containing HTML tags) that are then rendered when the entire document is first loaded into the browser window.
* However, in a ~TiddlyWiki document, tiddlers (and other DOM elements) are created, deleted, and rendered "on-the-fly", so writing directly to the global 'document' object does not produce the results you want (i.e., replacing the embedded script within the tiddler content), and completely replaces the entire ~TiddlyWiki document in your browser window.
* To allow these scripts to work unmodified, the plugin automatically converts all occurences of document.write() so that the output is inserted into the tiddler content instead of replacing the entire ~TiddlyWiki document.

If your script does not use document.write() to create dynamically embedded content within a tiddler, your javascript can, as an alternative, explicitly return a text value that the plugin can then pass through the wikify() rendering engine to insert into the tiddler display.  For example, using {{{return "thistext"}}} will produce the same output as {{{document.write("thistext")}}}.

//Note: your script code is automatically 'wrapped' inside a function, {{{_out()}}}, so that any return value you provide can be correctly handled by the plugin and inserted into the tiddler.  To avoid unpredictable results (and possibly fatal execution errors), this function should never be redefined or called from ''within'' your script code.//

''Accessing the ~TiddlyWiki DOM''
The plugin provides one pre-defined variable, 'place', that is passed in to your javascript code so that it can have direct access to the containing DOM element into which the tiddler output is currently being rendered.

Access to this DOM element allows you to create scripts that can:
* vary their actions based upon the specific location in which they are embedded
* access 'tiddler-relative' information (use findContainingTiddler(place))
* perform direct DOM manipulations (when returning wikified text is not enough)
<<<
!!!!!Examples
<<<
an "alert" message box:
><script show>
	alert('InlineJavascriptPlugin: this is a demonstration message');
</script>
dynamic output:
><script show>
	return (new Date()).toString();
</script>
wikified dynamic output:
><script show>
	return "link to current user: [["+config.options.txtUserName+"]]";
</script>
dynamic output using 'place' to get size information for current tiddler:
><script show>
   if (!window.story) window.story=window;
   var title=story.findContainingTiddler(place).id.substr(7);
   return title+" is using "+store.getTiddlerText(title).length+" bytes";
</script>
creating an 'onclick' button/link that runs a script:
><script label="click here" title="clicking this link will show an 'alert' box" show>
   if (!window.story) window.story=window;
   alert("Hello World!\nlinktext='"+place.firstChild.data+"'\ntiddler='"+story.findContainingTiddler(place).id.substr(7)+"'");
</script>
loading a script from a source url:
>http://www.TiddlyTools.com/demo.js contains:
>>{{{function demo() { alert('this output is from demo(), defined in demo.js') } }}}
>>{{{alert('InlineJavascriptPlugin: demo.js has been loaded'); }}}
><script src="demo.js" show>
	return "loading demo.js..."
</script>
><script label="click to execute demo() function" show>
	demo()
</script>
<<<
!!!!!Installation
<<<
import (or copy/paste) the following tiddlers into your document:
''InlineJavascriptPlugin'' (tagged with <<tag systemConfig>>)
<<<
!!!!!Revision History
<<<
''2007.02.19 [1.6.0]'' added support for title="..." to specify mouseover tooltip when using an onclick (label="...") script
''2006.10.16 [1.5.2]'' add newline before closing '}' in 'function out_' wrapper.  Fixes error caused when last line of script is a comment.
''2006.06.01 [1.5.1]'' when calling wikify() on script return value, pass hightlightRegExp and tiddler params so macros that rely on these values can render properly
''2006.04.19 [1.5.0]'' added 'show' parameter to force display of javascript source code in tiddler output
''2006.01.05 [1.4.0]'' added support 'onclick' scripts.  When label="..." param is present, a button/link is created using the indicated label text, and the script is only executed when the button/link is clicked.  'place' value is set to match the clicked button/link element.
''2005.12.13 [1.3.1]'' when catching eval error in IE, e.description contains the error text, instead of e.toString().  Fixed error reporting so IE shows the correct response text.  Based on a suggestion by UdoBorkowski
''2005.11.09 [1.3.0]'' for 'inline' scripts (i.e., not scripts loaded with src="..."), automatically replace calls to 'document.write()' with 'place.innerHTML+=' so script output is directed into tiddler content.  Based on a suggestion by BradleyMeck
''2005.11.08 [1.2.0]'' handle loading of javascript from an external URL via src="..." syntax
''2005.11.08 [1.1.0]'' pass 'place' param into scripts to provide direct DOM access 
''2005.11.08 [1.0.0]'' initial release
<<<
!!!!!Credits
<<<
This feature was developed by EricShulman from [[ELS Design Studios|http:/www.elsdesign.com]]
<<<
!!!!!Code
***/
//{{{
version.extensions.inlineJavascript= {major: 1, minor: 6, revision: 0, date: new Date(2007,2,19)};

config.formatters.push( {
	name: "inlineJavascript",
	match: "\\<script",
	lookahead: "\\<script(?: src=\\\"((?:.|\\n)*?)\\\")?(?: label=\\\"((?:.|\\n)*?)\\\")?(?: title=\\\"((?:.|\\n)*?)\\\")?( show)?\\>((?:.|\\n)*?)\\</script\\>",

	handler: function(w) {
		var lookaheadRegExp = new RegExp(this.lookahead,"mg");
		lookaheadRegExp.lastIndex = w.matchStart;
		var lookaheadMatch = lookaheadRegExp.exec(w.source)
		if(lookaheadMatch && lookaheadMatch.index == w.matchStart) {
			if (lookaheadMatch[1]) { // load a script library
				// make script tag, set src, add to body to execute, then remove for cleanup
				var script = document.createElement("script"); script.src = lookaheadMatch[1];
				document.body.appendChild(script); document.body.removeChild(script);
			}
			if (lookaheadMatch[5]) { // there is script code
				if (lookaheadMatch[4]) // show inline script code in tiddler output
					wikify("{{{\n"+lookaheadMatch[0]+"\n}}}\n",w.output);
				if (lookaheadMatch[2]) { // create a link to an 'onclick' script
					// add a link, define click handler, save code in link (pass 'place'), set link attributes
					var link=createTiddlyElement(w.output,"a",null,"tiddlyLinkExisting",lookaheadMatch[2]);
					link.onclick=function(){try{return(eval(this.code))}catch(e){alert(e.description?e.description:e.toString())}}
					link.code="function _out(place){"+lookaheadMatch[5]+"\n};_out(this);"
					link.setAttribute("title",lookaheadMatch[3]?lookaheadMatch[3]:"");
					link.setAttribute("href","javascript:;");
					link.style.cursor="pointer";
				}
				else { // run inline script code
					var code="function _out(place){"+lookaheadMatch[5]+"\n};_out(w.output);"
					code=code.replace(/document.write\(/gi,'place.innerHTML+=(');
					try { var out = eval(code); } catch(e) { out = e.description?e.description:e.toString(); }
					if (out && out.length) wikify(out,w.output,w.highlightRegExp,w.tiddler);
				}
			}
			w.nextMatch = lookaheadMatch.index + lookaheadMatch[0].length;
		}
	}
} )
//}}}
<<gradient hori #aaaaaa #eeeeee>>{>>
[img[RRoque|./wikiImages/AutoRetrato_Serro.jpg]] [img[rss feed| ./wikiImages/rss1.gif]]| ''[[rss feed|./index.xml]]''[[ © rroque|http://www.renatoroque.com]]  [[mail_rroque|mailto:rroque@renatoroque.com]]
*[[Uma pequena explicação]]
*[[Como usar esta espécie de blog?]] 
<<gradient hori #aaaaaa #eeeeee>>}>>
/***
|''Name:''|LegacyStrikeThroughPlugin|
|''Description:''|Support for legacy (pre 2.1) strike through formatting|
|''Version:''|1.0.2|
|''Date:''|Jul 21, 2006|
|''Source:''|http://www.tiddlywiki.com/#LegacyStrikeThroughPlugin|
|''Author:''|MartinBudden (mjbudden (at) gmail (dot) com)|
|''License:''|[[BSD open source license]]|
|''CoreVersion:''|2.1.0|
***/

//{{{
// Ensure that the LegacyStrikeThrough Plugin is only installed once.
if(!version.extensions.LegacyStrikeThroughPlugin) {
version.extensions.LegacyStrikeThroughPlugin = {installed:true};

config.formatters.push(
{
	name: "legacyStrikeByChar",
	match: "==",
	termRegExp: /(==)/mg,
	element: "strike",
	handler: config.formatterHelpers.createElementAndWikify
});

} //# end of "install only once"
//}}}
[>img[Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License|images/somerights20.png][http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/]]''Copyrights:''
<<<
This work is based upon TiddlyWiki <<version>>, created by Jeremy Ruston, &copy; 2004-2009 [[UnaMesa Association|http://www.unamesa.org/]].  Modifications and additions to this work, including (but not limited to) original programmatic components ("plugins", "macros", "scripts", "stylesheets") have been created by Eric L. Shulman and/or ELS Design Studios.

These components are distributed using an ''open source'' model; however, they are ''not in the public domain, and the author retains all applicable rights''.  You //are// permitted to ''use, copy, and/or modify'' individual components of this work, subject to the licensing terms and conditions specifically included within or referenced by those individual components, as well as other terms, conditions, instructions, and guidelines included herein, as well as all terms and conditions defined by the [[Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License|http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/]].

This work may contain portions of copyrighted materials from other sources.  In accordance with "fair use" principles (see [[United States Copyright Law, Title 17, Section 107|http://www.copyright.gov/title17/92chap1.html#107]]), such materials have been reproduced without profit for purposes of criticism, comment, news reporting, instruction, scholarship, and/or research.  ''All other original content, including (but not limited to) writings, images, and audio/video recordings, are the property of Eric L. Shulman and/or ELS Design Studios, or are used under license or agreement with third parties'' and, except as required for normal viewing of this work, may not be stored, displayed or re-transmitted in any form, nor used for any commercial purposes, without prior permission from the respective rights holders.

This work includes or refers to icons that from the [[Silk icon set|http://www.famfamfam.com/lab/icons/silk/ ]] of 16-by-16 pixel icons in PNG format, created by Mark James, and is licensed under a Creative Commons Attribution 2.5 License. Please visit http://www.famfamfam.com/ for further information and licensing details.
<<<
''Terms of use:''
<<<
This work contains ''individual components that are intended to be selectively copied and installed'' into your own TiddlyWiki files in order to enhance and customize those documents.  You may ''download and save this work for use only as a //local// resource'' to assist you in developing your //own// TiddlyWiki document designs.  However, you may not re-distribute this document in it's entirety, nor re-use it's overall design without prior written permission.

Tiddlers can be imported from any TiddlyWiki document.  As a consequence, if you share your document with even just ONE other person, you become a "re-distributor" of the tiddlers contained in that document.  As such, ''you should avoid modifying any TiddlyTools components you have installed in your own documents'' unless there is a compelling, //functional// reason to do so and, even then, ''the best approach is often to simply submit a feature request'' to the original author/publisher and leave it up to them to determine the best way to modify and re-publish those components.

Nonetheless, if you //do// modify and/or share components of this work, you should ''always retain the original published content within those components'', including all documentation, credits, licensing information, and URL references to the official distribution source for the unaltered versions of those components.  In addition, ''all modified components must be clearly identifiable as derivative works'' that have been differentiated from the original versions by renaming those components, as well as adding inline comments and a "revision history" to document specific changes.

If you share a modified TiddlyTools component, you must be prepared to support it.  All ''problems that occur within a modified component should be reported first directly to the provider of that modified component'', and then only reported to TiddlyTools if it can be shown that the problem also occurs in TiddlyTools' officially-published version of the component.  Any ''problems that are reported for //undifferentiated// modifications won't receive help from TiddlyTools'' (once they are determined to be modified, of course!), other than to direct the inquiry to wherever they got the modified components from in the first place.

Except for officially-published links to specific components of this work, ''you must not create or share deep links'' to online components of this work (e.g., images, audio, video, etc.).  Instead, you should copy the desired components (subject to applicable licenses and copyrights) to your own system or online hosting service, and ensure that your document contains references to //those// copies.
<<<
''Trademarks/servicemarks:''
<<<
"ELS Design Studios", "~TiddlyTools", "~TiddlyStudios", "~TiddlyTech", "~TiddlyLabs", "Small Tools for Big Ideas!", "Intuitive Interfaces for Intelligent Interactions" and the "i4" logo (in graphical //and// text forms) are trademarks or servicemarks of ELS Design Studios and may not be used without permission.  Limited use of "ELS Design Studios" and "~TiddlyTools" marks in other works is granted for attribution purposes only.  Such use does not create or imply any endorsement, agency or partner relationship with Eric L. Shulman and/or ELS Design Studios, nor with any designated representatives, agents, or heirs thereof.
<<<
''Limits on Liability:''
<<<
All materials are presented on an "as-is" basis and are subject to change without notice.  The author of this document makes no claims regarding the suitability or reliability of the information presented, and assumes no liability for any damages that may occur as a result of its use.
<<<
''Privacy Notice: ''
<<<
This site limits the collection and use of non-public, personal customer information to that which is needed to offer products and services, and to file reports or financial statements as required by law. This site has physical, electronic and procedural safeguards to maintain the protections of private information, and does not provide, sell or otherwise disclose such information to non-affiliated third parties.
<<<
@@display:block;text-align:center;^^//please review these statements periodically, as they are subject to change without notice//^^@@

config.options.chkAnimate = false;

config.numRssItems= 1;

config.options.chkHttpReadOnly = true;

readOnly = (window.location.protocol != "file:"); 
<!--{{{-->
<div class='header' macro='gradient vert [[ColorPalette::TitleBackground]] [[ColorPalette::TitleBackground]]'>
<div class='headerShadow'>
<span class='siteTitle' refresh='content' tiddler='SiteTitle'></span>&nbsp;
<span class='siteSubtitle' refresh='content' tiddler='SiteSubtitle'></span>
</div>
<div class='headerForeground'>
<span class='siteTitle' refresh='content' tiddler='SiteTitle'></span>&nbsp;
<span class='siteSubtitle' refresh='content' tiddler='SiteSubtitle'></span>
</div>
</div>



<!-- horizontal MainMenu -->
<div id='topMenu' refresh='content' tiddler='MainMenu'></div>
<!--original MainMenu menu-->


<div id='sidebar'>
<div id='sidebarOptions' refresh='content' tiddler='SideBarOptions'></div>
<div id='sidebarTabs' refresh='content' force='true' tiddler='SideBarTabs'></div>
</div>
<div id='displayArea'>
<div id='messageArea'></div>
<div id='tiddlerDisplay'></div>
</div>
<!--}}}-->
/***
|PageTemplate|MyPageTemplate|
|ViewTemplate|MyViewTemplate|
***/
<!--{{{-->
<div class='toolbar'><span macro='toolbar closeTiddler closeOthers +editTiddler jump'></span></div>

<div class='title' macro='view title'> </div>


<div class='subtitle'><span macro='view modifier link'></span>, (<span macro='message views.wikified.createdPrompt'></span> <span macro='view created date [[DD MMM YYYY]]'></span>)</div>

<div class='tagging' macro='tagging'></div>

<div class='viewer' macro='view text wikified'></div>

<div class='tagged' macro='tags'></div>
<div class='tagClear'></div>

<!--}}}-->
/***
|Name|NestedSlidersPlugin|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#NestedSlidersPlugin|
|Version|2.0.5|
|Author|Eric Shulman - ELS Design Studios|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements <<br>>and [[Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 License|http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/]]|
|~CoreVersion|2.1|
|Type|plugin|
|Requires||
|Overrides|Slider.prototype.stop|
|Description|Make any tiddler content into an expandable 'slider' panel, without needing to create a separate tiddler to contain the slider content.|

++++!!!!![Configuration]>
Enable animation for slider panels
<<option chkFloatingSlidersAnimate>> allow sliders to animate when opening/closing
>(note: This setting is in //addition// to the general option for enabling/disabling animation effects:
><<option chkAnimate>> enable animations (entire document)
>For slider animation to occur, you must also allow animation in general.

Debugging messages for 'lazy sliders' deferred rendering:
<<option chkDebugLazySliderDefer>> show debugging alert when deferring slider rendering
<<option chkDebugLazySliderRender>> show debugging alert when deferred slider is actually rendered
===
++++!!!!![Usage]>
When installed, this plugin adds new wiki syntax for embedding 'slider' panels directly into tiddler content.  Use {{{+++}}} and {{{===}}} to delimit the slider content.  You can also 'nest' these sliders as deep as you like (see complex nesting example below), so that expandable 'tree-like' hierarchical displays can be created.  This is most useful when converting existing in-line text content to create in-line annotations, footnotes, context-sensitive help, or other subordinate information displays.

Additional optional syntax elements let you specify
*default to open
*cookiename
*heading level
*floater (with optional CSS width value)
*mouse auto rollover
*custom class/label/tooltip/accesskey
*automatic blockquote
*deferred rendering
The complete syntax, using all options, is:
//{{{
++++(cookiename)!!!!!^width^*{{class{[label=key|tooltip]}}}>...
content goes here
===
//}}}
where:
* {{{+++}}} (or {{{++++}}}) and {{{===}}}^^
marks the start and end of the slider definition, respectively.  When the extra {{{+}}} is used, the slider will be open when initially displayed.^^
* {{{(cookiename)}}}^^
saves the slider opened/closed state, and restores this state whenever the slider is re-rendered.^^
* {{{!}}} through {{{!!!!!}}}^^
displays the slider label using a formatted headline (Hn) style instead of a button/link style^^
* {{{^width^}}} (or just {{{^}}})^^
makes the slider 'float' on top of other content rather than shifting that content downward.  'width' must be a valid CSS value (e.g., "30em", "180px", "50%", etc.).  If omitted, the default width is "auto" (i.e., fit to content)^^
* {{{*}}}^^
automatically opens/closes slider on "rollover" as well as when clicked^^
* {{{{{class{[label=key|tooltip]}}}}}}^^
uses custom label/tooltip/accesskey.  {{{{{class{...}}}}}}, {{{=key}}} and {{{|tooltip}}} are optional.  'class' is any valid CSS class name, used to style the slider label text.  'key' must be a ''single letter only''.  Default labels/tootips are: ">" (more) and "<" (less), with no default access key assignment.^^
* {{{">"}}} //(without the quotes)//^^
automatically adds blockquote formatting to slider content^^
* {{{"..."}}} //(without the quotes)//^^
defers rendering of closed sliders until the first time they are opened.  //Note: deferred rendering may produce unexpected results in some cases.  Use with care.//^^

//Note: to make slider definitions easier to read and recognize when editing a tiddler, newlines immediately following the {{{+++}}} 'start slider' or preceding the {{{===}}} 'end slider' sequence are automatically supressed so that excess whitespace is eliminated from the output.//
===
++++!!!!![Examples]>
simple in-line slider: 
{{{
+++
   content
===
}}}
+++
   content
===
----
use a custom label and tooltip: 
{{{
+++[label|tooltip]
   content
===
}}}
+++[label|tooltip]
   content
===
----
content automatically blockquoted: 
{{{
+++>
   content
===
}}}
+++>
   content
===
----
all options combined //(default open, cookie, heading, sized floater, rollover, class, label/tooltip/key, blockquoted, deferred)//
{{{
++++(testcookie)!!!^30em^*{{big{[label=Z|click or press Alt-Z to open]}}}>...
   content
===
}}}
++++(testcookie)!!!^30em^*{{big{[label=Z|click or press Alt-Z to open]}}}>...
   content
===
----
complex nesting example:
{{{
+++^[get info...=I|click for information or press Alt-I]
   put some general information here, plus a floating slider with more specific info:
   +++^10em^[view details...|click for details]
      put some detail here, which could include a rollover with a +++^25em^*[glossary definition]explaining technical terms===
   ===
===
}}}
+++^[get info...=I|click for information or press Alt-I]
   put some general information here, plus a floating slider with more specific info:
   +++^10em^[view details...|click for details]
      put some detail here, which could include a rollover with a +++^25em^*[glossary definition]explaining technical terms===
   ===
===
===
!!!!!Installation
<<<
import (or copy/paste) the following tiddlers into your document:
''NestedSlidersPlugin'' (tagged with <<tag systemConfig>>)
<<<
!!!!!Revision History
<<<
''2007.06.10 - 2.0.5'' add check to ensure that window.adjustSliderPanel() is defined before calling it (prevents error on shutdown when mouse event handlers are still defined)
''2007.05.31 - 2.0.4'' add handling to invoke adjustSliderPanel() for onmouseover events on slider button and panel.  This allows the panel position to be re-synced when the button position shifts due to changes in unrelated content above it on the page.  (thanks to Harsha for bug report)
''2007.03.30 - 2.0.3'' added chkFloatingSlidersAnimate (default to FALSE), so that slider animation can be disabled independent of the overall document animation setting (avoids strange rendering and focus problems in floating panels)
''2007.03.01 - 2.0.2'' for TW2.2+, hijack Morpher.prototype.stop so that "overflow:hidden" can be reset to "overflow:visible" after animation ends
''2007.03.01 - 2.0.1'' in hijack for Slider.prototype.stop, use apply() to pass params to core function
|please see [[NestedSlidersPluginHistory]] for additional revision details|
''2005.11.03 - 1.0.0'' initial public release
<<<
!!!!!Credits
<<<
This feature was implemented by EricShulman from [[ELS Design Studios|http:/www.elsdesign.com]] with initial research and suggestions from RodneyGomes, GeoffSlocock, and PaulPetterson.
<<<
!!!!!Code
***/
//{{{
version.extensions.nestedSliders = {major: 2, minor: 0, revision: 5, date: new Date(2007,6,10)};
//}}}

//{{{
// options for deferred rendering of sliders that are not initially displayed
if (config.options.chkDebugLazySliderDefer==undefined) config.options.chkDebugLazySliderDefer=false;
if (config.options.chkDebugLazySliderRender==undefined) config.options.chkDebugLazySliderRender=false;
if (config.options.chkFloatingSlidersAnimate==undefined) config.options.chkFloatingSlidersAnimate=false;

// default styles for 'floating' class
setStylesheet(".floatingPanel { position:absolute; z-index:10; padding:0.5em; margin:0em; \
	background-color:#eee; color:#000; border:1px solid #000; text-align:left; }","floatingPanelStylesheet");
//}}}

//{{{
config.formatters.push( {
	name: "nestedSliders",
	match: "\\n?\\+{3}",
	terminator: "\\s*\\={3}\\n?",
	lookahead: "\\n?\\+{3}(\\+)?(\\([^\\)]*\\))?(\\!*)?(\\^(?:[^\\^\\*\\[\\>]*\\^)?)?(\\*)?(?:\\{\\{([\\w]+[\\s\\w]*)\\{)?(\\[[^\\]]*\\])?(?:\\}{3})?(\\>)?(\\.\\.\\.)?\\s*",
	handler: function(w)
		{
			// defopen=lookaheadMatch[1]
			// cookiename=lookaheadMatch[2]
			// header=lookaheadMatch[3]
			// panelwidth=lookaheadMatch[4]
			// rollover=lookaheadMatch[5]
			// class=lookaheadMatch[6]
			// label=lookaheadMatch[7]
			// blockquote=lookaheadMatch[8]
			// deferred=lookaheadMatch[9]

			 lookaheadRegExp = new RegExp(this.lookahead,"mg");
			lookaheadRegExp.lastIndex = w.matchStart;
			var lookaheadMatch = lookaheadRegExp.exec(w.source)
			if(lookaheadMatch && lookaheadMatch.index == w.matchStart)
			{
				// location for rendering button and panel
				var place=w.output;

				// default to closed, no cookie, no accesskey
				var show="none"; var title=">"; var tooltip="show"; var cookie=""; var key="";

				// extra "+", default to open
				if (lookaheadMatch[1])
					{ show="block"; title="<"; tooltip="hide"; }

				// cookie, use saved open/closed state
				if (lookaheadMatch[2]) {
					cookie=lookaheadMatch[2].trim().slice(1,-1);
					cookie="chkSlider"+cookie;
					if (config.options[cookie]==undefined)
						{ config.options[cookie] = (show=="block") }
					if (config.options[cookie])
						{ show="block"; title="<"; tooltip="hide"; }
					else
						{ show="none"; title=">"; tooltip="show"; }
				}

				// parse custom label/tooltip/accesskey: [label=X|tooltip]
				if (lookaheadMatch[7]) {
					title = lookaheadMatch[7].trim().slice(1,-1);
					var pos=title.indexOf("|");
					if (pos!=-1) { tooltip = title.substr(pos+1,title.length); title=title.substr(0,pos); }
					if (title.substr(title.length-2,1)=="=") { key=title.substr(title.length-1,1); title=title.slice(0,-2); }
					if (pos==-1) tooltip += " "+title; // default tooltip: "show/hide <title>"
				}

				// create the button
				if (lookaheadMatch[3]) { // use "Hn" header format instead of button/link
					var lvl=(lookaheadMatch[3].length>6)?6:lookaheadMatch[3].length;
					var btn = createTiddlyElement(createTiddlyElement(place,"h"+lvl,null,null,null),"a",null,lookaheadMatch[6],title);
					btn.onclick=onClickNestedSlider;
					btn.setAttribute("href","javascript:;");
					btn.setAttribute("title",tooltip);
				}
				else
					var btn = createTiddlyButton(place,title,tooltip,onClickNestedSlider,lookaheadMatch[6]);

				// set extra button attributes
				btn.sliderCookie = cookie; // save the cookiename (if any) in the button object
				btn.defOpen=lookaheadMatch[1]!=null; // save default open/closed state (boolean)
				btn.keyparam=key; // save the access key letter ("" if none)
				if (key.length) {
					btn.setAttribute("accessKey",key); // init access key
					btn.onfocus=function(){this.setAttribute("accessKey",this.keyparam);}; // **reclaim** access key on focus
				}

				// "non-click" MouseOver opens/closes slider
				if (lookaheadMatch[5]) btn.onmouseover=onClickNestedSlider;
				// otherwise, mouseover aligns floater position with button
				else btn.onmouseover=function(event)
					{ if (window.adjustSliderPos) window.adjustSliderPos(this.parentNode,this,this.sliderPanel,this.sliderPanel.className); }

				// create slider panel
				var panelClass=lookaheadMatch[4]?"floatingPanel":"sliderPanel";
				var panel=createTiddlyElement(place,"div",null,panelClass,null);
				panel.button = btn; // so the slider panel know which button it belongs to
				panel.defaultPanelWidth=(lookaheadMatch[4] && lookaheadMatch[4].length>2)?lookaheadMatch[4].slice(1,-1):""; // save requested panel size
				btn.sliderPanel=panel;
				panel.style.display = show;
				panel.style.width=panel.defaultPanelWidth;
				panel.onmouseover=function(event) // mouseover aligns floater position with button
					{ if (window.adjustSliderPos) window.adjustSliderPos(this.parentNode,this.button,this,this.className); }

				// render slider (or defer until shown) 
				w.nextMatch = lookaheadMatch.index + lookaheadMatch[0].length;
				if ((show=="block")||!lookaheadMatch[9]) {
					// render now if panel is supposed to be shown or NOT deferred rendering
					w.subWikify(lookaheadMatch[8]?createTiddlyElement(panel,"blockquote"):panel,this.terminator);
					// align floater position with button
					if (window.adjustSliderPos) window.adjustSliderPos(place,btn,panel,panelClass);
				}
				else {
					var src = w.source.substr(w.nextMatch);
					var endpos=findMatchingDelimiter(src,"+++","===");
					panel.setAttribute("raw",src.substr(0,endpos));
					panel.setAttribute("blockquote",lookaheadMatch[8]?"true":"false");
					panel.setAttribute("rendered","false");
					w.nextMatch += endpos+3;
					if (w.source.substr(w.nextMatch,1)=="\n") w.nextMatch++;
					if (config.options.chkDebugLazySliderDefer) alert("deferred '"+title+"':\n\n"+panel.getAttribute("raw"));
				}
			}
		}
	}
)

// TBD: ignore 'quoted' delimiters (e.g., "{{{+++foo===}}}" isn't really a slider)
function findMatchingDelimiter(src,starttext,endtext) {
	var startpos = 0;
	var endpos = src.indexOf(endtext);
	// check for nested delimiters
	while (src.substring(startpos,endpos-1).indexOf(starttext)!=-1) {
		// count number of nested 'starts'
		var startcount=0;
		var temp = src.substring(startpos,endpos-1);
		var pos=temp.indexOf(starttext);
		while (pos!=-1)  { startcount++; pos=temp.indexOf(starttext,pos+starttext.length); }
		// set up to check for additional 'starts' after adjusting endpos
		startpos=endpos+endtext.length;
		// find endpos for corresponding number of matching 'ends'
		while (startcount && endpos!=-1) {
			endpos = src.indexOf(endtext,endpos+endtext.length);
			startcount--;
		}
	}
	return (endpos==-1)?src.length:endpos;
}
//}}}

//{{{
window.onClickNestedSlider=function(e)
{
	if (!e) var e = window.event;
	var theTarget = resolveTarget(e);
	var theLabel = theTarget.firstChild.data;
	var theSlider = theTarget.sliderPanel
	var isOpen = theSlider.style.display!="none";
	// if using default button labels, toggle labels
	if (theLabel==">") theTarget.firstChild.data = "<";
	else if (theLabel=="<") theTarget.firstChild.data = ">";
	// if using default tooltips, toggle tooltips
	if (theTarget.getAttribute("title")=="show")
		theTarget.setAttribute("title","hide");
	else if (theTarget.getAttribute("title")=="hide")
		theTarget.setAttribute("title","show");
	if (theTarget.getAttribute("title")=="show "+theLabel)
		theTarget.setAttribute("title","hide "+theLabel);
	else if (theTarget.getAttribute("title")=="hide "+theLabel)
		theTarget.setAttribute("title","show "+theLabel);
	// deferred rendering (if needed)
	if (theSlider.getAttribute("rendered")=="false") {
		if (config.options.chkDebugLazySliderRender)
			alert("rendering '"+theLabel+"':\n\n"+theSlider.getAttribute("raw"));
		var place=theSlider;
		if (theSlider.getAttribute("blockquote")=="true")
			place=createTiddlyElement(place,"blockquote");
		wikify(theSlider.getAttribute("raw"),place);
		theSlider.setAttribute("rendered","true");
	}
	// show/hide the slider
	if(config.options.chkAnimate && (theSlider.className!='floatingPanel' || config.options.chkFloatingSlidersAnimate))
		anim.startAnimating(new Slider(theSlider,!isOpen,e.shiftKey || e.altKey,"none"));
	else
		theSlider.style.display = isOpen ? "none" : "block";
	// reset to default width (might have been changed via plugin code)
	theSlider.style.width=theSlider.defaultPanelWidth;
	// align floater panel position with target button
	if (!isOpen && window.adjustSliderPos) window.adjustSliderPos(theSlider.parentNode,theTarget,theSlider,theSlider.className);
	// if showing panel, set focus to first 'focus-able' element in panel
	if (theSlider.style.display!="none") {
		var ctrls=theSlider.getElementsByTagName("*");
		for (var c=0; c<ctrls.length; c++) {
			var t=ctrls[c].tagName.toLowerCase();
			if ((t=="input" && ctrls[c].type!="hidden") || t=="textarea" || t=="select")
				{ ctrls[c].focus(); break; }
		}
	}
	if (this.sliderCookie && this.sliderCookie.length) {
		config.options[this.sliderCookie]=!isOpen;
		if (config.options[this.sliderCookie]!=this.defOpen)
			saveOptionCookie(this.sliderCookie);
		else { // remove cookie if slider is in default display state
			var ex=new Date(); ex.setTime(ex.getTime()-1000);
			document.cookie = this.sliderCookie+"=novalue; path=/; expires="+ex.toGMTString();
		}
	}
	return false;
}

// TW2.1 and earlier:
// hijack Slider animation handler 'stop' handler so overflow is visible after animation has completed
Slider.prototype.coreStop = Slider.prototype.stop;
Slider.prototype.stop = function()
	{ this.coreStop.apply(this,arguments); this.element.style.overflow = "visible"; }

// TW2.2+
// hijack Morpher animation handler 'stop' handler so overflow is visible after animation has completed
if (version.major+.1*version.minor+.01*version.revision>=2.2) {
	Morpher.prototype.coreStop = Morpher.prototype.stop;
	Morpher.prototype.stop = function()
		{ this.coreStop.apply(this,arguments); this.element.style.overflow = "visible"; }
}

// adjust floating panel position based on button position
if (window.adjustSliderPos==undefined) window.adjustSliderPos=function(place,btn,panel,panelClass) {
	if (panelClass=="floatingPanel") {
		var left=0;
		var top=btn.offsetHeight; 
		if (place.style.position!="relative") {
			var left=findPosX(btn);
			var top=findPosY(btn)+btn.offsetHeight;
			var p=place; while (p && p.className!='floatingPanel') p=p.parentNode;
			if (p) { left-=findPosX(p); top-=findPosY(p); }
		}
		if (findPosX(btn)+panel.offsetWidth > getWindowWidth())  // adjust position to stay inside right window edge
			left-=findPosX(btn)+panel.offsetWidth-getWindowWidth()+15; // add extra 15px 'fudge factor'
		panel.style.left=left+"px"; panel.style.top=top+"px";
	}
}

function getWindowWidth() {
	if(document.width!=undefined)
		return document.width; // moz (FF)
	if(document.documentElement && ( document.documentElement.clientWidth || document.documentElement.clientHeight ) )
		return document.documentElement.clientWidth; // IE6
	if(document.body && ( document.body.clientWidth || document.body.clientHeight ) )
		return document.body.clientWidth; // IE4
	if(window.innerWidth!=undefined)
		return window.innerWidth; // IE - general
	return 0; // unknown
}
//}}}
Objectos pousados na paisagem é uma série que apareceu naturalmente, sem ser planeada por mim, a partir do 1º objecto, na Praia da Madalena, em Março 2007
<!--{{{-->
<div class='header' macro='gradient hor[[ColorPalette::TitleBackground]] [[ColorPalette::TitleBackground]]'>
<div class='headerShadow'>
<span class='siteTitle' refresh='content' tiddler='SiteTitle'></span>&nbsp;
<span class='siteSubtitle' refresh='content' tiddler='SiteSubtitle'></span>
</div>
<div class='headerForeground'>
<span class='siteTitle' refresh='content' tiddler='SiteTitle'></span>&nbsp;
<span class='siteSubtitle' refresh='content' tiddler='SiteSubtitle'></span>
</div>
</div>


<!-- horizontal MainMenu -->
<div id='topMenu' refresh='content' tiddler='MainMenu'></div>
<!--original MainMenu menu-->

<div id='sidebar'>
<div id='sidebarOptions' refresh='content' tiddler='WebSideBarOptions'></div>
<div id='sidebarTabs' refresh='content' force='true' tiddler='WebSideBarTabs'></div>
</div>
<div id='displayArea'>
<div id='messageArea'></div>
<div id='tiddlerDisplay'></div>
</div>
<!--}}}-->
<<search>><<closeAll>><<newTiddler>><<saveChanges>><<slider chkSliderOptionsPanel OptionsPanel 'options »' 'Change TiddlyWiki advanced options'>>
renato roque [[© rroque|http://www.renatoroque.com]]    
Uma espécie de blog a partir da fotografia
http://www.renatoroque.com/umaespeciedeblog
/***
|''Name:''|SparklinePlugin|
|''Description:''|Sparklines macro|
***/
//{{{
if(!version.extensions.SparklinePlugin) {
version.extensions.SparklinePlugin = {installed:true};

//--
//-- Sparklines
//--

config.macros.sparkline = {};
config.macros.sparkline.handler = function(place,macroName,params)
{
	var data = [];
	var min = 0;
	var max = 0;
	var v;
	for(var t=0; t<params.length; t++) {
		v = parseInt(params[t]);
		if(v < min)
			min = v;
		if(v > max)
			max = v;
		data.push(v);
	}
	if(data.length < 1)
		return;
	var box = createTiddlyElement(place,"span",null,"sparkline",String.fromCharCode(160));
	box.title = data.join(",");
	var w = box.offsetWidth;
	var h = box.offsetHeight;
	box.style.paddingRight = (data.length * 2 - w) + "px";
	box.style.position = "relative";
	for(var d=0; d<data.length; d++) {
		var tick = document.createElement("img");
		tick.border = 0;
		tick.className = "sparktick";
		tick.style.position = "absolute";
		tick.src = "data:image/gif,GIF89a%01%00%01%00%91%FF%00%FF%FF%FF%00%00%00%C0%C0%C0%00%00%00!%F9%04%01%00%00%02%00%2C%00%00%00%00%01%00%01%00%40%02%02T%01%00%3B";
		tick.style.left = d*2 + "px";
		tick.style.width = "2px";
		v = Math.floor(((data[d] - min)/(max-min)) * h);
		tick.style.top = (h-v) + "px";
		tick.style.height = v + "px";
		box.appendChild(tick);
	}
};


}
//}}}
.twocolumns {
   display:block;
   -moz-column-count:2;
   -moz-column-gap:1em;
   -moz-column-width:50%;
} 

.indent 
{ display:block;margin:0;padding:0;border:0;margin-left:2em; } 
.whitespace 
{ white-space: pre; } 
.left
 { display:block;text-align:left; }
.center
 { display:block;text-align:center; }
.right 
 { display:block;text-align:right; }
.justify
 { display:block;text-align:justify; }
.indent
 { margin:0;padding:0;border:0;margin-left:2em; }
.indent2
 { margin:0;padding:0;border:0;margin-left:4em; }
.floatleft
 { float:left; }
.floatright
 { float:right; }
.clear
 { clear:both; }
.wrap
 { white-space:normal; }
.nowrap
 { white-space:nowrap; }
.hidden
 { display:none; }
.span
 { display:span; }
.block
 { display:block; }

/* font sizes */
.big
 { font-size:14pt;line-height:120% }
.medium
 { font-size:12pt;line-height:120% }
.normal
 { font-size:9pt;line-height:120% }
.small
 { font-size:8pt;line-height:150% }
.fine
 { font-size:7pt;line-height:120% }
.tiny
 { font-size:6pt;line-height:120% }
.larger
 { font-size:120%; }
.smaller
 { font-size:80%; line-height:80%}

/* font styles */
.bold
 { font-weight:bold; }
.italics
 { font-style:italics; }
.underline
 { text-decoration:underline; }


/* colors */
.green { color:#6f6 !important }
.red { color:#f66 !important }
.blue { color:#99f !important }
.white { color:#fff !important }
.grey { color:#888 !important }
.black { color:#000 !important }

/*{{{*/

/* horizontal main menu */

#displayArea { margin: 1em 15.5em 0em 1em; } /* use the full horizontal width */

#topMenu 
{ 
background: [[ColorPalette::TitleBackground]]; 
color: [[ColorPalette::Title]]; 
padding: 0.2em 0.2em 0.2em 0.5em; 
border-bottom: 2px solid #000000; 
}

#topMenu br { display: none; }

#topMenu .button, #topMenu .tiddlyLink, #topMenu a 
{ 
margin-left: 0.25em; 
margin-right: 0.25em; 
padding-left: 0.5em; 
padding-right: 0.5em; 
color: [[ColorPalette::ButtonTop]]; 
font-size: 1.15em; 
}

#topMenu .button:hover, #topMenu .tiddlyLink:hover 
{ 
background: [[ColorPalette::ButtonTopOver]]; 
}

/*}}}*/


[[StyleSheetColors2]] 
[[StyleSheetLayout2]] 
[[ColorPalette2]] 
[[StyleSheetShortcuts]] 
/*{{{*/
body {
	background: [[ColorPalette::Background]];
	color: [[ColorPalette::Foreground]];
}

a{
		color: [[ColorPalette::Link]];
}

a:hover{
	color: [[ColorPalette::LinkOver]];
	background: [[ColorPalette::LinkOverBackground]];
	
	}

a img{
/*separador das imagens*/
	border: 0;
}


h1,h2,h3,h4,h5 {
	color: [[ColorPalette::Header]];
	background: [[ColorPalette::HeaderBackground]];
}

.button {
	color: [[ColorPalette::Button]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::ButtonBorder]];
	background: [[ColorPalette::ButtonBackground]];
}

.button:hover {
	color: [[ColorPalette::ButtonOver]];
	background: [[ColorPalette::ButtonOverBackground]];
	border-color: [[ColorPalette::ButtonOverBorder]];

}

.button:active {
	color: [[ColorPalette::ButtonActive]];
	background: [[ColorPalette::ButtonActiveBackground]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::ButtonActiveBorder]];
}

.header {
	background: [[ColorPalette::HeaderBackground]];
}

.headerShadow {
	color: [[ColorPalette::Foreground]];
}

.headerShadow a {
	font-weight: normal;
	color: [[ColorPalette::Foreground]];
}

.headerForeground {
	color: [[ColorPalette::Background]];
}

.headerForeground a {
	font-weight: normal;
	color: [[ColorPalette::TitleLink]];
}

.tabSelected{
	color: [[ColorPalette::TabSelected]];
	background: [[ColorPalette::TabSelectedBackground]];
	border-left: 1px solid [[ColorPalette::TabSelectedBackground]];
	border-top: 1px solid [[ColorPalette::TabSelectedBackground]];
	border-right: 1px solid [[ColorPalette::TabSelectedBackground]];
}

.tabUnselected {
	color: [[ColorPalette::TabNotSelected]];
	background: [[ColorPalette::TabNotSelectedBackground]];
}

.tabContents {
	color: [[ColorPalette::TabContent]];
	background: [[ColorPalette::TabContentBackground]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::TabContentBorder]];
}

.tabContents .button {
	color: [[ColorPalette::TabItem]];
	background: [[ColorPalette::TabContentBackground]];
	border: [[ColorPalette::TabContentBackground]];
}

.tabContents .button:hover {
	color: [[ColorPalette::TabItemOver]];
	background: [[ColorPalette::TabItemOverBackground]];
	border-color: [[ColorPalette::TabItemOverBackground]];
}


#sidebar {
	color: [ColorPalette::SideBar]];
	background:[ColorPalette::SideBarBackground]];
}


#sidebar .button {	
/*Se quiser buttons diferentes*/
}

#sidebar .button:hover {	
}

#sidebarOptions input {
	border: 1px solid [[ColorPalette::SearchBorder]];
}

#sidebarOptions .button {	
	color: [[ColorPalette::Button]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::ButtonBorder]];
}

#sidebarOptions .button:hover {	
	color: [[ColorPalette::ButtonOver]];
	background: [[ColorPalette::ButtonOverBackground]];
	border-color: [[ColorPalette::ButtonOverBorder]];
}


#sidebarOptions .sliderPanel {
	background: [[ColorPalette::SideOptionsBackground]];
	color: [[ColorPalette::SideOptions]];
}

#sidebarOptions .sliderPanel a {
	border: none;	
	color: [[ColorPalette::Link]];
}

#sidebarOptions .sliderPanel a:hover {
	color: [[ColorPalette::LinkOver]];
	background: [[ColorPalette::LinkOverBackground]]
}

#sidebarOptions .sliderPanel a:active {
	
}


#messageArea {
	border: 1px solid [[ColorPalette::MessageBorder]];
	background: [[ColorPalette::MessageBackground]];
	color: [[ColorPalette::Message]];
}

#messageArea .button {
	padding: 0.2em 0.2em 0.2em 0.2em;
	color: [[ColorPalette::Button]];
	background: [[ColorPalette::ButtonBackground]];
}

.popup {
/* para a lista de tiddlers de cada tag*/
	
	background: [[ColorPalette::SecondTableBackground]];
	color: [[ColorPalette::SecondTable]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::SecondTableBorder]];
}

.popup hr {
	color: [[ColorPalette::PrimaryDark]];
	background: [[ColorPalette::PrimaryDark]];
	border-bottom: 1px;
}

.listBreak div{
	border-bottom: 1px solid [[ColorPalette::PrimaryDark]];
}

.popup li.disabled {
	color: [[ColorPalette::PrimaryMid]];
}

.popup li a, .popup li a:visited {
	border: none;
	color: [[ColorPalette::SecondTableItem]];
}

.popup li a:hover {
	background: [[ColorPalette::SecondTableItemOverBackground]];
	color: [[ColorPalette::SecondTableItemOver]];
	border: none;
}

.tiddler .defaultCommand {
 font-weight: bold;
}

.shadow .title {
	color: [[ColorPalette::TertiaryDark]];
}

.title {
	color: [[ColorPalette::TiddlerTitle]];
}

.subtitle {
	color: [[ColorPalette::TiddlerSubTitle]];

}

.toolbar {
	color: [[ColorPalette::InputBorder]];
}

.tagging, .tagged {
	border: 1px solid [[ColorPalette::TagBackground]];
	background: [[ColorPalette::TagBackground]];
	color: [[ColorPalette::Tag2]];
}

.selected .tagging, .selected .tagged {
	background: [[ColorPalette::TagBackground2]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::TagBackground2]];
	color: [[ColorPalette::Tag2]];
}

.tagging .listTitle, .tagged .listTitle {
/*cabecalho de tags*/
	color: [[ColorPalette::Foreground]];
}

.tagging .button, .tagged .button {
	color: [[ColorPalette::Tag]];
	background: [[ColorPalette::TagBackground]];
	border: none;
}

.tagging .button:hover,  .tagged .button:hover{	
	color: [[ColorPalette::ButtonOver]];
	background: [[ColorPalette::ButtonOverBackground]];
	border-color: [[ColorPalette::ButtonOverBorder]];
}


.footer {
	color: [[ColorPalette::TertiaryLight]];
}

.selected .footer {
	color: [[ColorPalette::TertiaryMid]];
}

.sparkline {
	background: [[ColorPalette::PrimaryPale]];
	border: 0;
}

.sparktick {
	background: [[ColorPalette::PrimaryDark]];
}

.error, .errorButton {
	color: [[ColorPalette::Foreground]];
	background: [[ColorPalette::Error]];
}

.warning {
	color: [[ColorPalette::Foreground]];
	background: [[ColorPalette::SecondaryPale]];
}

.cascade {
	background: [[ColorPalette::TabContentBackground]];
	color: [[ColorPalette::TabContent]];
	border: 1px solid [[ColorPalette::TabContentBorder]];
}

.imageLink, #displayArea .imageLink {
	background: transparent;
}

.viewer .listTitle {list-style-type: none; margin-left: -2em;}

.viewer .button {
	border: 1px solid [[ColorPalette::SecondaryMid]];
}

.viewer blockquote {
	border-left: 3px solid [[ColorPalette::TertiaryDark]];
}

.viewer table {
	/*tabelas dentro de um tiddler*/
	border: 1px solid [[ColorPalette::TiddlerTableBorder]];
}

.viewer th, thead td {
	background: [[ColorPalette::SecondaryMid]];
	border: 2px solid [[ColorPalette::TiddlerTableBorder]];
	color: [[ColorPalette::Background]];
}

.viewer td, .viewer tr {
	/*Linhas das tabelas nos tiddlers*/
	border: 2px solid [[ColorPalette::TiddlerTableBorder]];
}

.viewer pre {
	border: 1px solid [[ColorPalette::SecondaryLight]];
	background: [[ColorPalette::SecondaryPale]];
}

.viewer code {
	color: [[ColorPalette::SecondaryDark]];
}

.viewer hr {
	border: 0;
	border-top: dashed 1px [[ColorPalette::TertiaryDark]];
	color: [[ColorPalette::TertiaryDark]];
}

.highlight, .marked {
	background: [[ColorPalette::SecondaryLight]];
}

.editor input {
	border: 1px solid [[ColorPalette::InputBorder]];
}

.editor textarea {
	border: 1px solid [[ColorPalette::InputBorder]];
	width: 100%;
}

.editorFooter {
	color: [[ColorPalette::InputBorder]];
}

/*}}}*/
/*{{{*/
* html .tiddler {
    height: 1%;
}

body {
	font-size: .75em;
	/*font-family: arial,helvetica;*/
	font-family: verdana,helvetica;
	margin: 0;
	padding: 0;
}

h1,h2,h3,h4,h5 {
	font-weight: bold;
	text-decoration: none;
	padding-left: 0.4em;
}

h1 {font-size: 1.35em;}
h2 {font-size: 1.25em;}
h3 {font-size: 1.1em;}
h4 {font-size: 1em;}
h5 {font-size: .9em;}

.viewer h4 
{
	font-size: 8pt;
	text-indent: +20px;
        font-weight: normal;
}



#mainMenu {
	position: absolute;
	left: 0em;
	width: 10px;	line-height: 166%;
	padding: 1.5em 0.5em 0.5em 0.5em;
	font-size: 10pt;		
        text-align: right;
}

#sidebar {
	position: absolute;
	right: 0em;		
        width: 160px;
	font-size: 8pt;
}

#sidebarOptions {
	padding-top: 0.3em;
}

#sidebarOptions a {
	margin: 0em 0.2em;
	padding: 0.2em 0.3em;
	display: block;
}

#sidebarOptions input {
	margin: 0.4em 0.5em;
}

#sidebarOptions .sliderPanel {
	margin-left: 1em;
	padding: 0.5em;
	font-size: .85em;
}

#sidebarOptions .sliderPanel a {
	font-weight: bold;
	display: inline;
	padding: 0;
}

#sidebarOptions .sliderPanel input {
	margin: 0 0 .3em 0;
}

#sidebarTabs .tabContents {
	width: 140px;
	overflow: hidden;
}

.tagging {
margin: 0.5em 0.5em 0.5em 0;
float: left;
display: none;
}

.isTag .tagging {
display: block;
}

.tagged {
margin: 0.5em;
/*float: right;*/
float:left !important; /*left-aligned with the tiddler content*/

/*You may also want to change or eliminate the background for the .tagged area*/
/*background:transparent !important; border:0 !important; */

}

/*eliminate the 'newlines' between tag values, so that they all appear on a single line instead of one-per-line (note: if you have a LOT of tags, they may still wrap onto additional lines if the line gets wider than the tiddler display area) */

.tagged li { display:inline; }


.tagging, .tagged {
font-size: 0.9em;
padding: 0.25em;
}

.tagging ul, .tagged ul {
list-style: none;margin: 0.25em;
padding: 0;
}

.tagClear {
clear: both;
}
/*}}}*/
/***
|Name|StyleSheetShortcuts|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#StyleSheetShortcuts|
|Version||
|Author|Eric Shulman|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements|
|~CoreVersion|2.1|
|Type|CSS|
|Description|'convenience' classes for common formatting, alignment, boxes, tables, etc.|

These 'style tweaks' can be easily included in other stylesheet tiddler so they can share a baseline look-and-feel that can then be customized to create a wide variety of 'flavors'.
***/
/*{{{*/

/* text alignments */
.left
	{ display:block;text-align:left; }
.center
	{ display:block;text-align:center; }
.center table
	{ margin:auto !important; }
.right	
	{ display:block;text-align:right; }
.justify
	{ display:block;text-align:justify; }
.indent
	{ display:block;margin:0;padding:0;border:0;margin-left:2em; }
.floatleft
	{ float:left; }
.floatright
	{ float:right; }
.valignTop, .valignTop table, .valignTop tbody, .valignTop th, .valignTop tr, .valignTop td
	{ vertical-align:top; }
.valignBottom, .valignBottom table, .valignBottom tbody, .valignBottom th, .valignBottom tr, .valignBottom td
	{ vertical-align:bottom; }
.clear
	{ clear:both; }
.wrap
	{ white-space:normal; }
.nowrap
	{ white-space:nowrap; }
.hidden
	{ display:none; }
.show
	{ display:inline !important; }
.span
	{ display:span; }
.block
	{ display:block; }
.relative
	{ position:relative; }
.absolute
	{ position:absolute; }

/* font sizes */
.big
	{ font-size:14pt;line-height:120% }
.medium
	{ font-size:12pt;line-height:120% }
.normal
	{ font-size:9pt;line-height:120% }
.small
	{ font-size:8pt;line-height:120% }
.fine
	{ font-size:7pt;line-height:120% }
.tiny
	{ font-size:6pt;line-height:120% }
.larger
	{ font-size:120%; }
.smaller
	{ font-size:80%; }

/* font styles */
.bold
	{ font-weight:bold; }
.italic
	{ font-style:italic; }
.underline
	{ text-decoration:underline; }

/* plain list items (no bullets or indent) */
.nobullets li { list-style-type: none; margin-left:-2em; }

/* vertical tabsets - courtesy of Tobias Beer */
.vTabs .tabset {float:left;display:block;padding:0px;margin-top:.5em;min-width:20%;}
.vTabs .tabset .tab {display:block;text-align:right;padding:2px 3px 2px 7px; margin:0 1px 1px 0;}
.vTabs .tabContents {margin-left:20%;max-width:80%;padding:5px;}
.vTabs .tabContents .tabContents {border:none; background:transparent;}

/* multi-column tiddler content (not supported in Internet Explorer) */
.twocolumns { display:block;
	-moz-column-count:2; -moz-column-gap:1em; -moz-column-width:50%; /* FireFox */
	-webkit-column-count:2; -webkit-column-gap:1em; -webkit-column-width:50%; /* Safari */
	column-count:2; column-gap:1em; column-width:50%; /* Opera */
}
.threecolumns { display:block;
	-moz-column-count:3; -moz-column-gap:1em; -moz-column-width:33%; /* FireFox */
	-webkit-column-count:3; -webkit-column-gap:1em; -webkit-column-width:33%; /* Safari */
	column-count:3; column-gap:1em; column-width:33%; /* Opera */
}
.fourcolumns { display:block;
	-moz-column-count:4; -moz-column-gap:1em; -moz-column-width:25%; /* FireFox */
	-webkit-column-count:4; -webkit-column-gap:1em; -webkit-column-width:25%; /* Safari */
	column-count:4; column-gap:1em; column-width:25%; /* Opera */
}

/* page breaks */
.breakbefore { page-break-before:always; }
.breakafter { page-break-before:always; } 

/* show/hide browser-specific content for InternetExplorer vs. non-IE ("moz") browsers */
*[class="ieOnly"]
	{ display:none; } /* hide in moz (uses CSS selector) */
* html .mozOnly, *:first-child+html .mozOnly
	{ display: none; } /* hide in IE (uses IE6/IE7 CSS hacks) */

/* borderless tables */
.borderless, .borderless table, .borderless td, .borderless tr, .borderless th, .borderless tbody
	{ border:0 !important; margin:0 !important; padding:0 !important; }
.widetable, .widetable table
	{ width:100%; }

/* thumbnail images (fixed-sized scaled images) */
.thumbnail img { height:5em !important; }

/* stretchable images (auto-size to fit tiddler) */
.stretch img { width:95%; }

/* grouped content */
.outline
	{ display:block; padding:1em; -moz-border-radius:1em;-webkit-border-radius:1em; border:1px solid; }
.menubox
	{ display:block; padding:1em; -moz-border-radius:1em;-webkit-border-radius:1em; border:1px solid; background:#fff; color:#000; }
.menubox .button, .menubox .tiddlyLinkExisting, .menubox .tiddlyLinkNonExisting
	{ color:#009 !important; }
.groupbox
	{ display:block; padding:1em; -moz-border-radius:1em;-webkit-border-radius:1em; border:1px solid; background:#ffe; color:#000; }
.groupbox a, .groupbox .button, .groupbox .tiddlyLinkExisting, .groupbox .tiddlyLinkNonExisting
	{ color:#009 !important; }
.groupbox code
	{ color:#333 !important; }
.borderleft
	{ margin:0;padding:0;border:0;margin-left:1em; border-left:1px dotted; padding-left:.5em; }
.borderright
	{ margin:0;padding:0;border:0;margin-right:1em; border-right:1px dotted; padding-right:.5em; }
.borderbottom
	{ margin:0;padding:1px 0;border:0;border-bottom:1px dotted; margin-bottom:1px; padding-bottom:1px; }
.bordertop
	{ margin:0;padding:0;border:0;border-top:1px dotted; margin-top:1px; padding-top:1px; }

/* scrolled content */
.scrollbars { overflow:auto; }
.height10em { height:10em; }
.height15em { height:15em; }
.height20em { height:20em; }
.height25em { height:25em; }
.height30em { height:30em; }
.height35em { height:35em; }
.height40em { height:40em; }

/* compact form */
.smallform
	{ white-space:nowrap; }
.smallform input, .smallform textarea, .smallform button, .smallform checkbox, .smallform radio, .smallform select
	{ font-size:8pt; }

/* stretchable edit fields and textareas (auto-size to fit tiddler) */
.stretch input { width:99%; }
.stretch textarea { width:99%; }

/* compact input fields (limited to a few characters for entering percentages and other small values) */
.onechar input   { width:1em; }
.twochar input   { width:2em; }
.threechar input { width:3em; }
.fourchar input  { width:4em; }
.fivechar input  { width:5em; }

/* text colors */
.white { color:#fff !important }
.gray  { color:#999 !important }
.black { color:#000 !important }
.red   { color:#f66 !important }
.green { color:#0c0 !important }
.blue  { color:#99f !important }

/* rollover highlighting */
.mouseover 
	{color:[[ColorPalette::TertiaryLight]] !important;}
.mouseover a
	{color:[[ColorPalette::TertiaryLight]] !important;}
.selected .mouseover
	{color:[[ColorPalette::Foreground]] !important;}
.selected .mouseover .button, .selected .mouseover a
	{color:[[ColorPalette::PrimaryDark]] !important;}

/* rollover zoom text */
.zoomover
	{ font-size:80% !important; }
.selected .zoomover
	{ font-size:100% !important; }

/* [[ColorPalette]] text colors */
.Background	{ color:[[ColorPalette::Background]];	 }
.Foreground	{ color:[[ColorPalette::Foreground]];	 }
.PrimaryPale	{ color:[[ColorPalette::PrimaryPale]];	 }
.PrimaryLight	{ color:[[ColorPalette::PrimaryLight]];	 }
.PrimaryMid	{ color:[[ColorPalette::PrimaryMid]];	 }
.PrimaryDark	{ color:[[ColorPalette::PrimaryDark]];	 }
.SecondaryPale	{ color:[[ColorPalette::SecondaryPale]]; }
.SecondaryLight	{ color:[[ColorPalette::SecondaryLight]];}
.SecondaryMid	{ color:[[ColorPalette::SecondaryMid]];	 }
.SecondaryDark	{ color:[[ColorPalette::SecondaryDark]]; }
.TertiaryPale	{ color:[[ColorPalette::TertiaryPale]];	 }
.TertiaryLight	{ color:[[ColorPalette::TertiaryLight]]; }
.TertiaryMid	{ color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];	 }
.TertiaryDark	{ color:[[ColorPalette::TertiaryDark]];	 }
.Error		{ color:[[ColorPalette::Error]];	 }

/* [[ColorPalette]] background colors */
.BGBackground	  { background-color:[[ColorPalette::Background]];	}
.BGForeground	  { background-color:[[ColorPalette::Foreground]];	}
.BGPrimaryPale	  { background-color:[[ColorPalette::PrimaryPale]];	}
.BGPrimaryLight	  { background-color:[[ColorPalette::PrimaryLight]];	}
.BGPrimaryMid	  { background-color:[[ColorPalette::PrimaryMid]];	}
.BGPrimaryDark	  { background-color:[[ColorPalette::PrimaryDark]];	}
.BGSecondaryPale  { background-color:[[ColorPalette::SecondaryPale]]; 	}
.BGSecondaryLight { background-color:[[ColorPalette::SecondaryLight]];	}
.BGSecondaryMid	  { background-color:[[ColorPalette::SecondaryMid]];	}
.BGSecondaryDark  { background-color:[[ColorPalette::SecondaryDark]]; 	}
.BGTertiaryPale	  { background-color:[[ColorPalette::TertiaryPale]];	}
.BGTertiaryLight  { background-color:[[ColorPalette::TertiaryLight]]; 	}
.BGTertiaryMid	  { background-color:[[ColorPalette::TertiaryMid]];	}
.BGTertiaryDark	  { background-color:[[ColorPalette::TertiaryDark]];	}
.BGError	  { background-color:[[ColorPalette::Error]];	 	}
/*}}}*/
/***
|Name|SwitchThemePlugin|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#SwitchThemePlugin|
|Documentation|http://www.TiddlyTools.com/#SwitchThemePluginInfo|
|Version|5.4.1|
|Author|Eric Shulman|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements|
|~CoreVersion|2.3|
|Type|plugin|
|Description|Select alternative TiddlyWiki template/stylesheet 'themes' from a droplist|
!!!!!Documentation
>see [[SwitchThemePluginInfo]]
!!!!!Configuration
<<<
Current theme:<<switchTheme width:auto>>
<<option chkRandomTheme>> select a random theme at startup
//Note: to prevent a given theme from being chosen at random, tag it with <<tag excludeTheme>>//
<<<
!!!!!Installation Note
>As of 4/13/2008, a "core patch" function that provides backward-compatibility with TW2.3.x has been split into a separate tiddler, [[SwitchThemePluginPatch]], to reduce installation overhead for //this// plugin.  ''You should only install the patch tiddler when using this plugin in documents based on a core version prior to TW2.4.0''
!!!!!Revisions
<<<
2009.10.01 [5.4.1] changed 'noRandom' tag to 'excludeTheme' and recognize 'excludeLists' tag
| Please see [[SwitchThemePluginInfo]] for previous revision details |
2008.01.22 [5.0.0] Completely re-written and renamed from [[SelectStylesheetPlugin]] (now retired)
//history for retired SelectStylesheetPlugin omitted//
2005.07.20 [1.0.0] initial release (as SelectStylesheetPlugin)
<<<
!!!!!Code
***/
//{{{
version.extensions.SwitchThemePlugin= {major: 5, minor: 4, revision: 1, date: new Date(2009,10,1)};

config.macros.switchTheme = {
	handler: function(place,macroName,params) {
		setStylesheet(".switchTheme {width:100%;font-size:8pt;margin:0em}","switchThemePlugin");
		if (params[0] && (params[0].substr(0,6)=="width:"))	var width=(params.shift()).substr(6);
		if (params[0] && (params[0].substr(0,6)=="label:"))	var label=(params.shift()).substr(6);
		if (params[0] && (params[0].substr(0,7)=="prompt:"))	var prompt=(params.shift()).substr(7);
		if (params[0] && params[0].trim().length) // create a link that sets a specific theme
			createTiddlyButton(place,label?label:params[0],prompt?prompt:params[0],
				function(){ config.macros.switchTheme.set(params[0]); return false;});
		else { // create a select list of available themes
			var theList=createTiddlyElement(place,"select",null,"switchTheme",null);
			theList.size=1;
			if (width) theList.style.width=width;
			theList.onchange=function() { config.macros.switchTheme.set(this.value); return true; };
			this.refresh(theList);
		}
	},
	refresh: function(list) {
		var indent = String.fromCharCode(160)+String.fromCharCode(160);
		while(list.length > 0){list.options[0]=null;} // clear list
		list.options[list.length] = new Option("select a theme:","",true,true);
		list.options[list.length] = new Option(indent+"[default]","StyleSheet");
		list.options[list.length] = new Option(indent+"[random]","*");
		var themes=store.getTaggedTiddlers("systemTheme");
		for (var i=0; i<themes.length; i++)
			if (themes[i].title!="StyleSheet" && !themes[i].isTagged('excludeLists'))
				list.options[list.length]=new Option(indent+themes[i].title,themes[i].title);
		// show current selection
		for (var t=0; t<list.options.length; t++)
			if (list.options[t].value==config.options.txtTheme)
				{ list.selectedIndex=t; break; }
	},
	set: function(theme) {
		if (!theme||!theme.trim().length) return;
		if (theme=="*") { // select a random theme (except themes with "excludeTheme")
			var curr=config.options.txtTheme;
			var themes=store.getTaggedTiddlers("systemTheme");
			if (!themes.length) return false;
			var which=Math.floor(Math.random()*themes.length);
			while (themes[which].title==curr
				||themes[which].tags.contains('excludeTheme','excludeLists'))
					which=Math.floor(Math.random()*themes.length);
			theme=themes[which].title;
		}
		// apply selected theme
		story.switchTheme(theme);
		// sync theme droplists
		var elems=document.getElementsByTagName("select");
		var lists=[]; for (var i=0; i<elems.length; i++)
			if (hasClass(elems[i],"switchTheme")) lists.push(elems[i]);
		for (var k=0; k<lists.length; k++)
			for (var t=0; t<lists[k].options.length; t++)
				if (lists[k].options[t].value==config.options.txtTheme)
					{ lists[k].selectedIndex=t; break; }
		return;
	}
}
//}}}
// // option to select a random theme at startup (if enabled)
//{{{
if (config.options.chkRandomTheme===undefined)
	config.options.chkRandomTheme=false;
if (config.options.chkRandomTheme)
	config.macros.switchTheme.set("*");
//}}}
// // hijack switchTheme to add Check/Init/Reset code handlers
//{{{
if (Story.prototype.switchTheme_saved===undefined) { // only once
Story.prototype.switchTheme_saved=Story.prototype.switchTheme;
Story.prototype.switchTheme=function(t){
	function run(t,s){
		var f=store.getTiddlerText(store.getTiddlerSlice(t,s));
		return f?eval('(function(){\n'+f+'\n})()'):false;
	}
	if (!startingUp && (run(config.options.txtTheme,'Reset')||run(t,'Check'))) return;
	this.switchTheme_saved.apply(this,arguments);
	run(t,'Init');
}
}
//}}}
/***
|Name|SwitchThemePluginInfo|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#SwitchThemePlugin|
|Documentation|http://www.TiddlyTools.com/#SwitchThemePluginInfo|
|Version|5.4.1|
|Author|Eric Shulman|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements|
|~CoreVersion|2.3|
|Type|documentation|
|Description|documentation for SwitchThemePlugin|
This plugin replaces the features previously provided by SelectStylesheetPlugin, and uses the ''TiddlyWiki core "theme" mechanism'' to select alternative templates and styles.  ''//This plugin requires TiddlyWiki version 2.3.0 or later//''
!!!!!Usage
<<<
{{medium{__Defining a theme:__}}}
First, create/import a tiddler containing CSS definitions and tag it with<<tag systemTheme>>.  At the top of the tiddler, embed a //slice table// with at least one slice, "~StyleSheet", whose value is the name of the tiddler itself, e.g., in a tiddler called [[MyTheme]], write:
{{{
/***
|StyleSheet|MyTheme|
***/
}}}
>Note use of {{{/***}}} and {{{***/}}} around the slice table.   This syntax allows the browser to skip over the slice table definition when processing the ~CSS-syntax embedded within the tiddler.
A theme tiddler can also define one or more additional slices that associate customized versions of [[PageTemplate]], [[ViewTemplate]], and/or [[EditTemplate]], for use with that theme:
{{{
/***
|PageTemplate|MyPageTemplate|
|ViewTemplate|MyViewTemplate|
|EditTemplate|MyEditTemplate|
***/
}}}
where the slice //name// is the standard template name, and the slice //value// is the title of the alternative custom template to use.  You can also associate a secondary set of ''"read only" templates that will be automatically applied whenever a document is being viewed online'' (i.e., via http: protocol)
{{{
|PageTemplateReadOnly|MyWebPageTemplate|
|ViewTemplateReadOnly|MyWebViewTemplate|
|EditTemplateReadOnly|MyWebEditTemplate|
}}}
These alternative templates can be used to present a reduced-feature "reader" interface when viewed on-line by others, while still offering a full-featured "author" interface when working locally.

In addition to the TW core slices described above, the plugin allows you to define extra slices that refer to tiddlers (or tiddler sections) containing ''custom javascript code that can be invoked whenever theme switching occurs''.  A theme can include any of the following special plugin-enhanced slices:
{{{
|Check|MyThemeCheck|
|Init|MyThemeInit|
|Reset|MyThemeReset|
}}}
*{{block{
The code referenced by the ''Check'' slice (if any) is invoked ''before switching'' to a selected theme.  ''If this code returns a non-zero (or true) result, then the new theme will not be applied.  A zero (or false) value allows the theme switch to continue as usual.''  For example, the following code asks for confirmation, allowing the user to cancel the theme switch:
{{{
return !confirm('Are you sure you want to use this theme?');
}}}
}}}
*After a theme has been applied, the code referenced by the ''Init'' slice (if any) is invoked.  This can be used to perform theme-related ''side-effects'', such as modifying various {{{config.options['...']}}} settings or displaying instructions/messages.
*When switching to another theme, any code referenced by a ''Reset'' slice //in the current theme// is invoked before the new theme is applied.  ''If this code returns a non-zero result, then the new theme will not be applied.''  As with the ''Check'' code, this can be used to ask the user to confirm before switching themes.  However, the primary intent of the ''Reset'' code is to permit restoration any modified settings that were altered by ''Init'' code that was previously invoked for the current theme.

{{medium{__Selecting a theme from a droplist:__}}}
To display a droplist of available themes, use this syntax:
{{{
<<switchTheme width:nnn>>
}}}
*''width:nnn[cm|px|em|%]'' (optional)<br>specifies the width of the droplist (using CSS measurements)(default=100%)
All tiddlers tagged with<<tag systemTheme>> will be included in the droplist of available themes for you to select (except those also tagged with <<tag excludeLists>>.  The current selection is stored in a TiddlyWiki option cookie ("txtTheme") that is applied automatically each time you reload your document.  If the selected theme does not exist in the document (e.g., it was deleted/renamed after being selected), the [default] CSS tiddler, [[StyleSheet]], will be used as a fallback.  If [random] is seleced, the plugin automatically selects a random theme.  You can exclude a theme from being randomly selected by tagging it with <<tag excludeTheme>>.

Example:
{{{<<switchTheme width:30%>>}}}
<<switchTheme width:30%>>

{{medium{__Selecting a theme from a command link:__}}}
The {{{<<switchTheme>>}}} macro can also be used to embed a command link that, when clicked, will apply a specific, pre-selected theme, using the following syntax:
{{{
<<switchTheme "label:link text" "prompt:tooltip text" TiddlerName>>
}}}
* ''label:text'' and ''prompt:text'' (optional)<br>define the link text the 'tooltip' text that appears near the mouse pointer when placed over the link, respectively.
*''~TiddlerName''<br>specifies the name of the theme tiddler to be applied (e.g., {{{<<switchTheme [[Woodshop]]>>}}}
Examples:
{{{
<<switchTheme Plain>>
<<switchTheme Blackout>> 
<<switchTheme Woodshop>>
<<switchTheme Textures>>
<<switchTheme [[Edge of Night]]>>
<<switchTheme label:[default] StyleSheet>>
<<switchTheme label:randomize *>>
}}}
<<switchTheme Plain>> <<switchTheme Blackout>> <<switchTheme Woodshop>> <<switchTheme Textures>> <<switchTheme [[Edge of Night]]>> <<switchTheme label:[default] StyleSheet>> <<switchTheme label:randomize *>>

NOTE:
>You can also create a command link that specifies "*" for the theme name.  This will select a theme //at random// from the list of available themes.  To prevent a given theme from being selected, tag it with <<tag excludeTheme>>.
<<<
!!!!!Configuration
<<<
<<option chkRandomTheme>> select a random theme at startup
//Note: to prevent a given theme from being chosen at random, tag it with <<tag excludeTheme>>//
<<<
!!!!!Revisions
<<<
2009.10.01 5.4.1 changed 'noRandom' tag to 'excludeTheme' and recognize 'excludeLists' tag
2009.09.28 5.4.0 added Check/Init/Reset slices for invoking code during theme switching
2008.04.23 5.3.0 added option for chkRandomTheme (select random theme at startup)
2008.04.13 5.2.0 moved TW2.3.x fixup for core's switchTheme() function to [[SwitchThemePluginPatch]] and simplified random theme handling.  Also, changed "Web*" prefix to "*ReadOnly" suffix for compatibility with TW240 core convention.
2008.02.01 5.1.3 in response to a change for core ticket #435 (see http://trac.tiddlywiki.org/changeset/3450) -- in switchTheme, use config.refresherData.* values (if defined), instead of config.refreshers.*  This change allows the plugin to work with both the current release (~TW230) AND the upcoming ~TW240 release.
2008.02.01 5.1.2 in switchTheme, replace hard-coded "~StyleSheet" with config.refreshers.stylesheet (used as name of loaded styles)
2008.01.30 5.1.1 changed tag-detection to use "systemTheme" instead of "theme" for compatibility with core theme switching mechanism.
2008.01.26 5.1.0 added support for txtTheme="*" (applies random theme at startup) and {{{<<randomTheme>>}}} macro (selects/applies a random theme when a command link is clicked)
2008.01.25 5.0.1 in refresh() and set(), removed use of ">" to indicate current theme 
2008.01.22 5.0.0 Completely re-written and renamed from [[SelectStylesheetPlugin]] (now retired)
>//previous history for [[SelectStylesheetPlugin]] omitted//
2005.07.20 1.0.0 Initial Release
<<<
/***
|Name|SwitchThemePluginPatch|
|Source|http://www.TiddlyTools.com/#SwitchThemePluginPatch|
|Documentation|http://www.TiddlyTools.com/#SwitchThemePluginPatch|
|Version|5.2.1|
|Author|Eric Shulman|
|License|http://www.TiddlyTools.com/#LegalStatements|
|~CoreVersion|2.3|
|Type|plugin|
|Description|Patch core switchTheme() function for backward-compatibility with TW2.3.0 and earlier|
!!!!!Usage
<<<
This "patch" plugin provides backward-compatibility needed to enable [[SwitchThemePlugin]] to operate correctly under TW2.3.x or earlier.
{{medium{You should not install this plugin if you are using TW2.4.0 or above}}}
<<<
!!!!!Revisions
<<<
2008.05.09 [5.2.1] Simplified patch code for use with TW230 ONLY - NOT NEEDED FOR TW240 or above
2008.04.13 [5.2.0] moved from SwitchThemePlugin and updated for TW240b1.  Patch code will be simplified further once TW240 final release is available.
<<<
!!!!!Code
***/
//{{{
// OVERRIDE OF CORE story.switchTheme()
// for use with TW230, which uses config.refreshers, while TW240 uses config.refresherData
// also provides fallback for existing Web* slice naming convention
if (!config.refresherData) { // DETECT TW2.3
Story.prototype.switchTheme = function(theme)
{
	if(safeMode) 
		return;
		
	isAvailable = function(title) { 
		var s = title ? title.indexOf(config.textPrimitives.sectionSeparator) : -1; 
		if(s!=-1) 
			title = title.substr(0,s); 
		return store.tiddlerExists(title) || store.isShadowTiddler(title); 
 	};

	getSlice = function(theme,slice) {
		if(readOnly)
			var r = store.getTiddlerSlice(theme,slice+"ReadOnly")
		            || store.getTiddlerSlice(theme,"Web"+slice); // fallback naming convention
		var r = r || store.getTiddlerSlice(theme,slice);
		if(r && r.indexOf(config.textPrimitives.sectionSeparator)==0)
			r = theme + r;
		return isAvailable(r) ? r : slice;
	};

	replaceNotification = function(i,name,theme,slice) {
		var newName = getSlice(theme,slice);
		if(name!=newName && store.namedNotifications[i].name==name) {
			store.namedNotifications[i].name = newName;
			return newName;
		}
		return name;
	};

	var pt = config.refreshers.pageTemplate;
	var vi = DEFAULT_VIEW_TEMPLATE;
	var vt = config.tiddlerTemplates[vi];
	var ei = DEFAULT_EDIT_TEMPLATE;
	var et = config.tiddlerTemplates[ei];

	for(var i=0; i<config.notifyTiddlers.length; i++) {
		var name = config.notifyTiddlers[i].name;
		switch(name) {
		case "PageTemplate":
			config.refreshers.pageTemplate = replaceNotification(i,config.refreshers.pageTemplate,theme,name);
			break;
		case "StyleSheet":
			removeStyleSheet(config.refreshers.styleSheet);
			config.refreshers.styleSheet = replaceNotification(i,config.refreshers.styleSheet,theme,name);
			break;
		case "ColorPalette":
			config.refreshers.colorPalette = replaceNotification(i,config.refreshers.colorPalette,theme,name);
			break;
		default:
			break;
		}
	}
	config.tiddlerTemplates[vi] = getSlice(theme,"ViewTemplate");
	config.tiddlerTemplates[ei] = getSlice(theme,"EditTemplate");
	if(!startingUp) {
		var switchedTemplates=config.refreshers.pageTemplate!=pt || config.tiddlerTemplates[vi]!=vt || config.tiddlerTemplates[ei]!=et;
		if(switchedTemplates) {
			refreshAll();
			story.refreshAllTiddlers(true);
		} else {
			setStylesheet(store.getRecursiveTiddlerText(config.refreshers.styleSheet,"",10),config.refreshers.styleSheet);
		}
		config.options.txtTheme = theme;
		saveOptionCookie("txtTheme");
	}
};
} // end if (!config.refresherData) 
//}}}
||line 1 <br> line2|
{{green big underline center{teste}}}

([[2007-06 - Eu não sou fotojornalista]])

''INDENTATION'' - várias soluções

&#160;Apples 
&#160;&#160;Bananas 
&#160;&#160;&#160;Peaches 
&#160;&#160;&#160;&#160;Watermellon 

{{whitespace{ 
    Apples 
       bananas 
          Peaches 
             Watermelon 

}}} 

one 
{{indent{two 
{{indent{three 
{{indent{four}}}}}}}}} 

{{twocolumns{
aSDAs
asddd
asdadasd
asdadadsads
adadasd
adad
sadasd
asdasdasdADSadsiyu
kjlkjj
hjhj
rrr
yoo
ljçljlçj
çll
lkoioii
lk
}}} 
<<list shadowed>>
<<allTags>>
<<gradient vert #ffff99#ffff99>>//Vou falar-lhes de um Reino Maravilhoso. Embora muitas pessoas digam que não, sempre houve e haverá reinos maravilhosos neste mundo. O que é preciso, para os ver, é que os olhos não percam a virgindade original diante da realidade, e o coração, depois, não hesite.
...
- Entre!
A gente entra, e já está no Reino maravilhoso.//

^^ //Miguel Torga//^^>>
A aquisição de uma máquina digital (uma pequena Canon IXUS 40), no final de 2004, possibilitou-me a abordagem da fotografia sobre um ponto de vista de um registo mais frequente de imagens. Ainda que sem regras, sem disciplina, em suma sempre que me apetece fazê-lo.

Isto deu lugar ao envio relativamente frequente de emails aos amigos, relatando algumas das experiências imagéticas vividas por mim. Mais uma vez sem regras, sem disciplina, sem obrigações. Estes mails são de conteúdo muito diversificado, desde umas fotografias simples da praia de Matosinhos, de que gostei por alguma razão, até por exemplo uma brincadeira-séria como num dos primeiros tiddlers  "[[Onde está o Wally|./index_2005_2006.htm]]?" usando uma imagem manipulada de uma exposição na Culturgest, que me permitiu relançar a discussão sobre a Arte Contemporânea.

Devido à tendência natural de enviar mails com cada vez mais Megabytes, muito pesados para acessos mais lentos, resolvi criar uma página no site para permitir aos meus amigos o acesso a estes registos, sem terem de receber esses mails enormes.

Decidi experimentar uma ferramenta do tipo Wiki, chamada ~TiddlyWiki, por me parecer que possibilita uma navegação simples e agradável numa página deste tipo. 

[[Como usar esta espécie de blog?]]


[[© rroque|http://www.gesto-coop-cultural.pt/rroque/renato.htm]] [[mail_rroque|mailto:rroque@renatoroque.com]]
<!--{{{-->
<div class='toolbar' macro='toolbar closeTiddler closeOthers jump'></div>
<div class='title' macro='view title'></div>

<div class='subtitle'> <span macro='view created date [[DD MMM YYYY]]'></span></div>

<div class='tagging' macro='tagging'></div>
<div class='viewer' macro='view text wikified'></div>

<div class='tagged' macro='tags'></div>
<div class='tagClear'></div>

<!--}}}-->
<<search>><<closeAll>>
<<tabs txtMainTab 'Todos tiddlers' 'All tiddlers' TabAll Tags 'All tags' WebTabTags>>
@@color(#000000):@@''LISTA DE TAGS''
datas  - ord.cronológica
outras - ord.alfabética
----
<<tag 2014-06>>
<<tag 2014-05>>
<<tag 2014-04>>
<<tag 2014-03>>
<<tag 2014-02>>
<<tag 2014-01>>
<<tag 2013-12>>
<<tag 2013-11>>
<<tag 2013-10>>
<<tag 2013-09>>
<<tag 2013-08>>
<<tag 2013-07>>
<<tag 2013-06>>
<<tag 2013-05>>
<<tag 2013-04>>
<<tag 2013-03>>
<<tag 2013-02>>
<<tag 2013-01>>
----
<<tag 2012-12>>
<<tag 2012-11>>
<<tag 2012-10>>
<<tag 2012-09>>
<<tag 2012-08>>
<<tag 2012-07>>
<<tag 2012-06>>
<<tag 2012-05>>
<<tag 2012-04>>
<<tag 2012-03>>
<<tag 2012-02>>
<<tag 2012-01>>
----
<<tag 2011-12>>
<<tag 2011-11>>
<<tag 2011-10>>
<<tag 2011-09>>
<<tag 2011-08>>
<<tag 2011-07>>
<<tag 2011-06>>
<<tag 2011-05>>
<<tag 2011-04>>
<<tag 2011-03>>
<<tag 2011-02>>
<<tag 2011-01>>
----
<<tag 2010-12>>
<<tag 2010-11>>
<<tag 2010-10>>
<<tag 2010-09>>
<<tag 2010-08>>
<<tag 2010-07>>
<<tag 2010-06>>
<<tag 2010-05>>
<<tag 2010-04>>
<<tag 2010-03>>
<<tag 2010-02>>
<<tag 2010-01>>
----
<<tag 2009-12>>
<<tag 2009-11>>
<<tag 2009-10>>
<<tag 2009-09>>
<<tag 2009-08>>
<<tag 2009-07>>
<<tag 2009-06>>
<<tag 2009-05>>
<<tag 2009-04>>
<<tag 2009-03>>
<<tag 2009-02>>
<<tag 2009-01>>
----
<<tag 2008-12>>
<<tag 2008-11>>
<<tag 2008-10>>
<<tag 2008-09>>
<<tag 2008-08>>
<<tag 2008-07>>
<<tag 2008-06>>
<<tag 2008-05>>
<<tag 2008-04>>
<<tag 2008-03>>
<<tag 2008-02>>
<<tag 2008-01>>
----
<<tag 2007-12>>
<<tag 2007-11>>
<<tag 2007-10>>
<<tag 2007-09>>
<<tag 2007-08>>
<<tag 2007-07>>
<<tag 2007-06>>
<<tag 2007-05>>
<<tag 2007-04>>
<<tag 2007-03>>
<<tag 2007-02>>
<<tag 2007-01>>
----
<<tag 2006-12>>
<<tag 2006-11>>
<<tag 2006-10>>
<<tag 2006-09>>
<<tag 2006-08>>
<<tag 2006-07>>
<<tag 2006-06>>
<<tag 2006-05>>
<<tag 2006-04>>
<<tag 2006-03>>
<<tag 2006-02>>
<<tag 2006-01>>
----
<<tag 2005-12>>
<<tag 2005-11>>
<<tag 2005-10>>
<<tag 2005-09>>
<<tag 2005-08>>
<<tag 2005-07>>
<<tag 2005-06>>
<<tag 2005-05>>
<<tag 2005-04>>
----
<<tag 12pm>> 
<<tag Agosto>>
<<tag Alendouro>> 
<<tag Arte>> 
<<tag Auto-retrato>>
<<tag Azul>> 
<<tag Bicicleta>>
<<tag Castanheiros>> 
<<tag CPF>> 
<<tag Cumplescritas>> 
<<tag Douro>> 
<<tag EspantaOQuê>> 
<<tag Europa>> 
<<tag Figueira>> 
<<tag Fumo>> 
<<tag Girassóis>> 
<<tag Histórias>>
<<tag Hollywood>>
<<tag Homenagem>>
<<tag Ideias>>
<<tag Informação>> 
<<tag JSB>> 
<<tag Mar>>
<<tag Natal>>
<<tag Noite>>
<<tag Objectos>>
<<tag Poesia>> 
<<tag Serralves>> 
<<tag Tempête>> 
<<tag Tese>>
<<tag TRRS>> 
<<tag ValeArmeiro>> 
[[A cidade labirinto|http://www.maisevezes.com/wp-content/uploads/a_cidade_labirinto.pdf]]
Type the text for 'New Tiddler'
[[Renato Roque|http://www.renatoroque.com]] nasceu no Porto há muitos anos. Não se lembra! Dizem-lhe que era uma segunda-feira e fazia sol. Apesar de céptico por natureza, acredita. 

É engenheiro de Telecomunicações da FEUP. Por vezes esquece. 

Nos anos 80 descobriu que era possível contar histórias com a fotografia.

Desde os anos oitenta que participa em projectos de [[Fotografia |http://www.renatoroque.com/rroque/curFot.html]], projectos de [[Escrita |http://www.renatoroque.com/rroque/curEsc.html]]e outros projectos culturais. 

[[mail_rroque|mailto:rroque@renatoroque.com]]
<<switchTheme width:nnn>>